Daily rituals

Rituais do dia-a-dia

Versão em português abaixo


There is such mystery surrounding a ballerina’s life and what lies behind-the-scenes of making the magic happen on stage. How many hours a day do we train? What is our routine like? What do we eat? How do one prepare for shows? It is a profession quite unlike any other, where you don’t have an office or computer in front of you, no customers or patients to attend to… it is enigmatic because a great deal of the work that we do, like in other art forms, is hidden from the public’s eye. What we present is only the final product.


The Royal Ballet in Mayerling © ROH

Perhaps that is why World Ballet Day has become so popular, as it offers a sneak peek at the inner workings of some of the most prestigious dance companies, opening a window to the day-to-day life of a dancer. It is still a limited view, nonetheless. We have skipped a few steps of the process and present things which are more or less at the final stages of rehearsals. Everyone is always in their best behaviour. In reality, there are, indeed, a lot of trials and errors, failings and struggles, even for the best professionals.


If we were watching a painter at work, I believe we would first witness him making drafts and sketches in pencil, lines being drawn onto a blank canvas, the added layers of colours and texture… If we go even deeper, we would ask him what inspires him to paint, how does he refine his technique, what are his setbacks? Rehearsals we see being live streamed are like a colourful picture, already on the stages of refinement prior to a performance. The biggest effort happens in between the lines, every day, and it starts from ballet class.


Company in #worldballetday some years ago

The other night, I was at a charming little French restaurant in Marylebone, having delicious cheese fondue for two, and began to observe a waiter at work. I said to my boyfriend ‘Oh my.. He has to repeat the dessert menu, everything that is in it, to new customers at every table. What a repetitive job!’ to what Kevin replied ‘Well, don't we repeat the same things in class every day? Isn’t what we do a bit repetitive too?’


Yes, he was right. We do repeat the same exercises for barre and centre at the start of every single working day. We do slight variations of pliés, tendus, jetés, Rond de jambés, fondus, frappés, adages, and grand battement ever since we came to know ballet! In centre, we have again the adage, pirouettes, small jumps that gradually progress into big jumps and, if time permit, a coda of fouettes and manages. The class builds in difficulty, energy, and speed.


One cannot skip a step and go straight into centre because each exercise at the barre is made to warm you up for what is to come, from doing a simple pas de bourre to a split jete. And most importantly, it is how you place yourself correctly (we say it puts us “on our legs”) for all the turning, jumping, and balancing that dancing requires. Class is not just an exercise for the body; the mind is being trained as well.



Ballet masters have different styles, they make up different combinations of steps, following that exact progressive order, to suit a certain methodology and emphasise what they feel to be essential. Each has their own approach, and classes can differ in tempo and dynamic. If it is someone familiar, we can sort of predict what is coming. Proof of that is what happens when technology fails us...


Last week, we had a technical issue. One of our televisions wasn’t working. There was sound, but no image. Worth mentioning that in these pandemic times, we have been separated into groups, and sometimes you end up in a studio with no teacher, class being recorded and transmitted from the Ashton studio. Well, our group in the De Valois studio, without any visual queues, managed to pick up the exercises and do the entire class just by listening to the teacher’s voice and instructions, being led by the music and our common sense. I can't say if we were spot on every time, but I thought this was a great achievement, one never experienced before.


The Ashton studio (at top corner right is our camera set up for streaming to other studios)

But if we are doing the same thing every day, does that mean we can go into autopilot or robotic mode, repeating the same exercises just for the sake of doing them? Absolutely not. Dancers need to cultivate a body-mind connection, be very aware of what they are doing so as to create a sort of muscle memory, a way that we can be sure things will work every time. I, personally, don’t trust mere luck to help me when a challenge comes on stage. In class, we are essentially practicing steps that we are going to be doing, in some shape of form, in performance. We need technique to hold on to, especially when feeling anxious.


Classes are there for us to build muscular strength, coordination, and confidence in our abilities, amongst other things. Most dancers arrive in the studio half an hour or more before class to warm up (a warm-up before our proper warm-up). Some like to cycle or do pilates exercises or stretching, but that alone couldn't prepare us for the physical demands of classical ballet.


I have always been led to believe that class is crucial for a successful and healthy career. Especially in professional life, it might be the only way to keep our technique and bad habits in check. I would love to be able to say that classes are always as energetic and uplifting as one sees in World Ballet Day, but it is impossible to sustain that level of energy throughout a busy season. There is always something positive one can take from it though, even when feeling exhausted.


The company after W.B.D. 2020 class on stage

The truth is, when we are behind closed doors, ballet class is a moment of quietness, of complete focus in ourselves. It is way more internal than a showcase of tricks and abilities (unless someone important is watching at the front of the room). It is much more a sort of meditation, a way to focus on your breathing and to connect with your emotions, to make sure body and mind feel alright. We want to be dancing organically.


It takes a lot of caring and love, but if you approach ballet as a spiritual exercise as well as physical, you won’t focus so much on what it looks like, but on how you feel internally. Moving to the sound of beautiful classical music, that in itself can be all that it takes to bring back some energy and positivity into our days.


Dancing to the sound of live music is everything.

Training is such a vital part of ballet, but there would be no shows without rehearsals. No matter how long you've danced professionally, you need time in the studio to practice your roles. It is a long process of learning the steps, repeating several times, seeing what works and what doesn’t for each individual, coordinating lifts and grips with your partner, learning when to push and when to catch your breath, besides working on interpretation: finding the character.


The only way to build stamina is by executing each ballet or piece from start to finish. Each one feels different, and it doesn’t matter if you have been dancing four acts of Swan Lake, you will most likely feel out of breath when you first start doing something else, The Nutcracker for example. I never understood that, but it is a fact. It feels as if we have to teach ourselves how to breathe differently for everything that we do. Quite often, dancers complain there is not enough rehearsal time in the studio. We never feel ready.


Neapolitan dance, a tough little number © ROH

I often wondered why things work so well when I get thrown into a rehearsal of a role I don't know so well and haven't really prepared for. I don’t know what to expect, therefore I have no fears. I trust my instincts and things just happen naturally. The minute I start rehearsing and creating expectations, overanalysing steps, I start building monsters in my head and the struggle begins. It doesn't make any sense, I know, but it happens, as strange as it sounds.


Some rehearsals can be wonderful, others very frustrating. The body is tired or just doesn’t feel right, you feel completely “off your leg” (off balance), or not in the right mindset. Part of being a professional dancer is learning to deal with those days when you are just a little more vulnerable. I understood, with time, that it is only natural we have good and bad days, just like in everyday life. I wait for the feeling to pass, not expecting things to be perfect, and realise more and more how our thoughts can play a vital part in how we dance and how satisfied we are.


Some time ago rehearsing in #worldballetday

Things don’t always go as planned, and that is what rehearsals are for too: teaching you the art of improvising, not letting the public see that something didn't work quite well or that you feel a little off. That, for me, has become the most striking difference between an inexperienced ballerina and a mature one. Great dancers always seemed so flawless to me, but now I know that even the best have their difficult moments. They are just very good at covering it up. The truth of the matter is: the more you perform a role, the more comfortable it feels and the more you trust yourself to be able to do it. Self-confidence is key.


Dancing, for me, is a journey of self-discovery. It is as emotional as it is physical, and goes beyond what the eyes can see. It is about making choices, following your intuition, and having absolute faith. It certainly gets me out of my comfort zone and teaches me more about myself than anything else. How will I react today? How can I stay positive? With so many years of training and experience, one should be able to master things quite easily, but there is a lot happening inside our minds, blocking us. Rehearsals are opportunities for overcoming our fears and insecurities, training our minds as well as bodies, allowing ourselves to fail in order to learn from our mistakes.


Rehearsing La Bayadere #wbd 2018

I've always loved finding out what goes into making people excel at what they do and observing what kind of lives they lead. One of my favourite films as a child was Nadia (1984), the true story of Romanian Nadia Comaneci, from her childhood beginning as a gymnast to how she went on to receive seven "perfect 10s" in the Montreal Olympics. What I liked about the film was seeing the hours of intense training and concentration, how Nadia grabs an opportunity with both hands and makes history, and especially seeing the bond she creates with her coach, Bela Karolyi. It is the sort of relationship I built myself with my former coach, Toshie Kobayashi, and something I truly value everywhere. Behind every success story, there is a wonderful coach and a strong support system.


Toshie, who always used to say ballet class is sacred.

A glimpse into this reality, our way of living, makes things feel more "real" and tangible. World Ballet Day showcases the manner of which dancers train and rehearse every day. One gets a sense of our physical effort, how each dancer and company is very unique, but ballet is much more than that. As professionals, we each take responsibility for our job, our health, our daily habits. We all work very hard and hope that the it bares fruit. I think we all want to be the best dancers that we can be, do what we feel is within our reach, even beyond. It is certainly what I strive for. Every. Day.


"Until you spread your wings, you'll have no idea how far you can fly" - Napoleon


Nadia Comaneci at the age of 14 (1976), in Montreal.


Click here to read "The Inner Game", one of my first posts about the workings of the mind and how it influences our dancing.


#ballet #class #dancer #lifestyle #royalballet #studiotime #behindthescenes #professionals #balletcompany #theatre #art

Rituais do dia-a-dia


Há tantos mistérios que giram em torno da vida de uma bailarina. O que estaria por trás dos bastidores que faz a mágica acontecer no palco? Quantas horas por dia treinamos? Como é nossa rotina? O que comemos? Como nos preparamos para uma apresentação? É uma profissão diferente de todas as outras, onde não se tem escritório e um computador a sua frente, nenhum cliente ou paciente para atender. É algo enigmático onde muito do trabalho que fazemos, como em outras formas de arte, permanece oculto aos olhos do público. O que apresentamos é apenas o produto final.

Talvez seja por isso que o Dia Mundial do Ballet (World Ballet Day) se tornou tão popular, pois oferece uma pequena amostra de como funcionam as coisas dentro de algumas das mais prestigiadas companhias de dança, abrindo uma janela para o dia-a-dia dos bailarinos. No entanto, ainda assim é uma visão limitada. Pulamos algumas etapas do processo e apresentamos coisas que estão mais ou menos nos estágios finais de seus ensaios. Bailarinos e professores estão todos comportados. Na verdade, existem, de fato, muitas tentativas e erros, falhas e tombos, mesmo para os melhores profissionais.

Se estivéssemos observando um pintor ao trabalho, acredito que primeiro o veríamos fazendo rascunhos e esboços a lápis, linhas sendo desenhadas em uma tela em branco, tintas de diversas cores e espessuras sendo adicionadas ... Se fossemos ainda mais fundo, perguntaríamos a ele o que o inspira a pintar, como ele apura sua técnica, e quais são seus maiores contratempos? O que vemos nos ensaios transmitidos pela internet é como se fosse uma imagem já colorida, nosso trabalho em estágios de refinamento logo antes de subirmos ao palco. O maior esforço acontece nas entrelinhas, todos os dias, e começa na aula de balé.

Outra noite, estava eu em um pequeno e charmoso restaurante francês em Marylebone, comendo um delicioso fondue de queijo para dois, quando comecei a observar um garçom trabalhando. Falei pro meu namorado 'Nossa .. Ele tem que repetir o cardápio de sobremesas, tudo o que tem nele, para os clientes de cada mesa. Que trabalho repetitivo! ' ao que Kevin responde 'Bem, não repetimos as mesmas coisas na aula todos os dias? O que fazemos também não é um pouco repetitivo?’

Sim, ele estava certo. Nós repetimos os mesmos exercícios na barra e centro no início de cada dia de trabalho. Fazemos pequenas variações de pliés, tendus , jetés, rond de jambés, frappés, fondus, adages e grand battement desde que nos conhecemos por bailarinos! No centro, temos novamente os adágios, piruetas, saltos pequenos que, gradualmente, evoluem para grandes saltos e, se o tempo permitir, uma coda de fouettes e manage. A aula aumenta em dificuldade, energia e velocidade.

Não se pode pular um passo e ir direto para o centro porque cada exercício na barra é feito para nos aquecer para o que está por vir, seja um simples pas de bourre ou um grande salto. E o mais importante, é ali na barra que você se posiciona corretamente (dizemos que isso nos coloca “sobre nossas pernas”) para todos os giros, saltos, e equilíbrios que a dança exige. A aula não é apenas um exercício para o corpo; a mente também está sendo treinada.

Os mestres de ballet têm estilos diferentes. Fazem diferentes combinações de passos, seguindo aquela exata ordem progressiva, para se adequar a uma determinada metodologia e enfatizar o que consideram essencial. Cada um tem suas próprias abordagens e as aulas podem diferir em andamento e dinâmica. Se for alguém familiar, podemos prever o que está por vir. Prova disso é o que acontece quando a tecnologia nos falha ...

Na semana passada, tivemos um problema técnico. Uma de nossas televisões não estava funcionando. Havia som, mas nenhuma imagem. Cabe-me explicar que nesses tempos de pandemia, fomos separados em grupos, e às vezes você faz aula em uma sala sem professor, a aula é gravada e transmitida do estúdio Ashton. Pois bem, sem imagem nenhuma, o nosso grupo no estúdio De Valois conseguiu pegar os exercícios e fazer a aula inteira apenas ouvindo a voz e instruções do professor, sendo conduzido pela música e pelo nosso bom senso. Não sei dizer se acertamos todas as vezes, mas achei que foi uma grande conquista, uma que nunca havia experimentado antes.

Mas, se estamos fazendo a mesma coisa todos os dias, isso significa que podemos entrar no modo piloto automático ou robótico? Absolutamente não. Os bailarinos precisam cultivar uma conexão corpo-mente, estar muito atentos ao que estão fazendo para criarem uma espécie de memória muscular, para termos certeza de que as coisas vão funcionar sempre. Eu, pessoalmente, não confio na mera sorte para me ajudar quando chega aquela hora desafiadora no palco. Em sala de aula, estamos essencialmente praticando os passos que iremos realizar, de alguma forma, na apresentação. Precisamos nos agarrar na técnica, especialmente quando ansiosos.

As aulas existem para construirmos força muscular, coordenação, e confiança em nossas habilidades, entre outras coisas. A maioria dos bailarinos chega ao estúdio meia hora ou mais antes da aula começar para se aquecer (um aquecimento antes do propriamente dito aquecimento). Alguns gostam de andar de bicicleta, fazer exercícios de pilates ou alongamento, mas isso por si só não poderia nos preparar para as demandas físicas do balé clássico.

Sempre fui levada a acreditar que as aulas são cruciais para uma carreira saudável e de sucesso. Especialmente na vida profissional, pode ser a única maneira de manter nossa técnica e mal hábitos sob controle. Eu adoraria poder dizer que aulas são sempre tão animadas e inspiradoras quanto se vê no World Ballet Day, mas é impossível manter esse nível de energia durante uma temporada agitada. Porem, sempre há algo positivo que se pode tirar delas, mesmo sentindo-se exausta.

A verdade é que, quando estamos a portas fechadas, a aula de balé é um momento de tranquilidade, de total concentração em nós mesmos. É muito mais interno do que uma vitrine de truques e habilidades (a menos que alguém importante esteja assistindo na frente da sala). É muito mais uma espécie de meditação, uma maneira de se concentrar em sua respiração e se conectar com suas emoções, para certificarmo-nos de que corpo e mente estão em ordem. Queremos estar dançando organicamente.

É preciso muito carinho e amor, mas se você abordar o balé como um exercício espiritual e também físico, não se concentrará tanto em sua aparência, mas em como este te faz se sentir por dentro. Movendo-se ao som de uma bela música clássica, isso por si só pode ser tudo o que é preciso para trazer de volta um pouco de energia e positividade aos nossos dias.

O treinamento é uma parte vital do balé, mas não haveriam espetáculos sem os ensaios. Não importa há quanto tempo você dance profissionalmente, precisará de tempo no estúdio para praticar seus papéis. É todo um processo, aprender os passos, repetir várias vezes, ver o que funciona e o que não funciona para cada indivíduo, coordenar levantadas e pegadas com seu parceiro, descobrir quando dar o gás e quando recuperar o fôlego, além de se trabalhar na interpretação: encontrar o personagem.

A única maneira de se conseguir resistência e fôlego é executar cada ballet ou coreografia do início ao fim. Cada um é diferente do outro, não importa se você vem dançando quatro atos do Lago dos Cisnes há semanas, provavelmente se sentirá sem fôlego quando começar a fazer outra coisa, como O Quebra-Nozes, por exemplo. Nunca entendi isso, mas é fato. É como se tivéssemos que aprender a respirar de maneira diferente para tudo o que fazemos. Frequentemente, os bailarinos dizem que não há tempo suficiente de ensaio no estúdio. Nunca nos sentimos prontos.

Muitas vezes me pergunto por que as coisas funcionam tão bem quando sou pega de surpresa e posta pra fazer um ensaio inesperado de um papel que não pratiquei de verdade. Não sei o que esperar, então não tenho medo. Confio nos meus instintos e as coisas acontecem naturalmente. No minuto em que começo a ensaiar, crio expectativas, analiso demais os passos, eu começo a construir monstros em minha cabeça. Não faz sentido, eu sei, mas acontece, por mais estranho que pareça.

Alguns ensaios podem ser maravilhosos, outros bem frustrantes. O corpo está tenso ou cansado, você se sente completamente "off balance" (fora de equilíbrio), ou sua cabeça está nas nuvens. Parte de ser um bailarino profissional é aprender a lidar com esses dias em que está um pouco mais vulnerável. Com o tempo, entendi que é natural termos dias bons e dias ruins. Espero a sensação ruim passar, sem criar expectativas de que tudo saia perfeito, e percebo cada vez mais como nossos pensamentos podem desempenhar um papel vital em como dançamos e o quão satisfeitos estamos.

Nem sempre as coisas saem como o planejado, e é para isso também que servem os ensaios: para aprendermos a arte de improvisar, de não deixar o público perceber que algo não deu certo ou que você se sente meio off. Isso, para mim, tornou-se a diferença mais significativa entre um bailarino inexperiente e um maduro. Grandes bailarinos sempre me pareceram perfeitos, mas agora sei que até os melhores têm seus momentos difíceis, só que são muito bons em mascarar isso. A verdade final: quanto mais você desempenha um papel, mais confortável se sente e mais você confia em si mesmo para ser capaz de fazê-lo. Ter autoconfiança é a chave de tudo.

Dançar, para mim, é uma jornada de autodescoberta. É algo tão emocional quanto físico e vai além do que os olhos podem ver. É preciso fazer escolhas, seguir sua intuição e ter fé absoluta. Isso certamente me tira da zona de conforto e me ensina mais sobre mim do que qualquer outra coisa. Como vou reagir hoje? Como posso permanecer positiva? Com tantos anos de treinamento e experiência, deveríamos ser capazes de dominar tudo com bastante facilidade, mas há muita coisa acontecendo dentro de nossas cabeças que nos bloqueiam. Ensaios são oportunidades de superar nossos medos e inseguranças, treinar nossa mente e corpo, permitir-nos falhar para aprender com nossos erros.

Sempre gostei de descobrir o que as pessoas fazem para se destacar na sua área de trabalho, observando que tipo de vida levam. Um dos meus filmes favoritos quando criança foi Nadia (1984), a verdadeira história da romena Nadia Comaneci, desde o início de sua infância como ginasta e até como recebe sete “10s perfeitos” nas Olimpíadas de Montreal. O que gostava no filme era ver as horas de treinamento intenso e concentração, como Nádia agarrou uma oportunidade com as duas mãos e fez história, e principalmente admirar o vínculo que ela cria com seu treinador, Bela Karolyi. É o tipo de relacionamento que construí com a mestra Toshie Kobayashi, e algo que aprecio e procuro construir onde quer que eu esteja. Acredito que por trás de todo campeão, existe um grande treinador e um forte sistema de suporte. Dona Toshie, aquela que sempre dizia que as aulas de balé eram sagradas.

Um vislumbre dessa realidade, do nosso meio de sobrevivência, torna grandes conquistas mais “reais” e tangíveis. World Ballet Day nos mostra a maneira como bailarinos treinam e ensaiam todos os dias. Pode-se ver o esforço físico de cada um, como cada bailarino e cada companhia são únicos, mas o ballet vai muito além disso. Como profissionais, cada um de nós assume responsabilidade pelo nosso trabalho, pela nossa saúde, por nossos hábitos diários. Todos trabalhamos duro e esperamos que nossos esforços dêem frutos. Acho que, simplesmente, queremos ser os melhores bailarinos que podemos ser. Fazer o que sentimos estar ao nosso alcance e além. Certamente é por isso que me esforço. A cada dia.


"Até que você abra suas asas, você não terá ideia de quão longe pode voar." - Napoleão


[Video da aula do World Ballet Day 2020 acima.]


Clique aqui para ler "O jogo da Mente", uma das minhas primeiras postagens onde falo sobre a influencia da mente no nosso dia-a-dia e performance.

292 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com