When mom comes to visit

Quando a mamãe vem visitar

Versão em português abaixo


‘Isabella! How are you? How’s your mom?!’

Everybody asks me the same question. Marcia Lago leaves her mark wherever she goes, everyone here knows who she is. It may also be because every opportunity she gets, she is paying me a visit. I often hear from colleagues... ‘Your mom is so sweet!’; ‘Always so happy!’; ‘She’s got such a good energy!’ I couldn’t agree more, but as her daughter and student, it took me some time to see past her critical look. If your mom was a dancer, you'll know what I mean.


She used to watch me in class with that serious look on her face all the time. I realise now the frowning was just how she would concentrate, be focused and engrossed in learning, and I do exactly the same thing. Most people who watch me in class would probably think I'm the grumpiest person. My concern for how she watched me so attentively only reflected my constant need for her approval. All I ever wanted was to make her proud.


When I observe her now as she watches rehearsal or a performance from the wings, all I can see is contentment and pride. It gives me the greatest happiness, and that is when I know I am exactly where I wanted to be. What a blessing to realise that after all these years of receiving her unconditional love and support, I finally feel like I'm giving a little bit of it back. Not that I wasn't before, but I can see it even more clearly now, without any fear or judgement, that our feeling is reciprocal. I give her as much pride and joy as she gives me.



We’ve always joked that she is the only reason I started dancing. Some days I actually meant it. I found ballet to be such a struggle. Why did I have to make all the sacrifices? Leaving my family, worrying about staying fit, exhausting my physical and mental health, and in exchange for what? We all go through moments in life when we doubt ourselves and our choices, and that is when we most need family. If I had not had my family supporting me all the way, through the good times and the bad, I wouldn’t have made it this far.


Unlike some dance moms, mine never pushed for me or made me ask to do anything that I wasn't given by merit. She never put up a fuss in competitions about any unjust classification, never stood up to Toshie or questioned any of her decisions or methodology (even being my teacher as well), and never doubted I was in good hands in Canada. She is the most respectful, most sensible person I know, and she's let me deal with the challenges and the failures, allowing me to grow from them.


Both my parents are my role models, my pillars. They have been there for me every step of the way, from early ballet competitions driving across the country to following me from Europe to all the way to China on company tours. Back at home, it was me with ballet and my brother with tennis. How could they even afford the expenses? We’d go watch Leo play for two to three hours and it wasn't at all a struggle. Most tournaments had such a cool environment. When it came to the dance competitions, I would put them through endless evenings of watching ballet, the same variations, same music over and over, one of them lasting eight hours! No wonder it traumatised Leo.


Royal Ballet 2018 Tour - Teatro Real, Madrid

As much as him and dad appreciate ballet, they can never keep up with Marcia. She wants to see every performance of every cast of every run of every production. Her excuse is that every time she watches a show, she notices something different. 'There are so many little details - she says - and when you are dancing, I just have eyes for you. I need to watch it again and again'.


When she announces she is coming to London, I always feel overjoyed. Immediately afterwards, I am struck by fear of having to ask Johanna, our stage manager, for a spot in the wings, and embarrassment for asking the office for any standing slots in the auditorium. Mom will happily stand through three acts of The Sleeping Beauty, for consecutive nights. I often have to disappoint her and say I couldn’t get any free tickets. Not content with defeat, she will try her luck at the box office, since evenings at the Royal Opera House are almost always sold out.



Let me just say that mom is the luckiest person in the world! She will ALWAYS find a last-minute deal, no matter what circumstances. Even when it is so late the doors are about to close, a seat mysteriously appears. Not to mention when she nearly misses her flight and has to run for her life, always making it just in time, except when they realise her flight was actually the night before (true story).


There has even been a day when somebody was trying to get rid of three excellent seats in the orchestra stalls, the most expensive ones. Mom, queuing up for return tickets, accepted the offer and got all three seats she needed, and for free! One for her, one for grandma and aunt Vera. She told me later it must have been an angel, an old lady dressed all in white. To top it off, last minute changes always happen the evenings when she is watching. I always end up doing every possible role I can in the cast, so she won't miss a thing.


'first encounters' - arriving at the Opera House after a flight she probably nearly missed

When I was younger, I just wanted to have a 'normal' parent, one who wouldn’t know the difference between good or bad dancing and would always say it was the most beautiful thing she’s ever seen! Not Marcia Lago. She would know when you were great and not, whether you made any mistakes or fell off your pirouette. She would tell me the honest truth, knowing better than to say nasty comments straight after a show, when I’m feeling tired and vulnerable.


To be quite honest, I never seem to be in the mood for her insightful tips or corrections, I've always given her a hard time (sorry mom). It is like my subconscious mind is saying not from you too! . It's like arguing with your mom when you know deep down she's right. I know that she means well and despite some resistance, I do take everything on board. Always have.


On the other hand, it is great to be able to talk about work with a mom who fully understands what the job entails. The perks of having a ballet mom. Whenever I talk to her on the phone, she’s always so excited about things, asking a million questions, while I’m like..’Yeah, yeah.. just another day at the office.’ She always reminds me of how amazing it is to be here and how deserving I am of everything. How can you not appreciate a parent who takes such interest in what you do, who believes in you more than you believe in yourself?



She's got over forty years of teaching experience. Every time she comes to visit me, she gathers insights and ideas for Ballet Marcia Lago, for putting together future school performances. She has accumulated so much knowledge and improved her methodology since training with Dame Halina Biernacka, by watching and learning from teachers at Canada's National Ballet School and mentors like Dona Toshie Kobayashi and Yoko Ichino at Northern Ballet.


She’s been with me from Toronto to Northern Ballet, to English National Ballet and The Royal Ballet, all the while following my transition from student to professional, observing company classes and rehearsals, noticing how each individual works and getting a good sense of what our career demands today. They give her incredible insight on how to best prepare her students and on making ballet significant in their lives, whether as a hobby or something more. She leaves the performances with a sparkle in her eyes, ready to go back home and work even harder.


Stage calls of Rhapsody, The Royal Ballet

My parents never forced me into doing anything, on the contrary. I made my own choices and fought my own battles. I could have given up my lessons with Dona Toshie, who used to make me cry in the studio, but was determined to carry on. I could have come back home from Canada when feeling so homesick and been received with open arms, but decided to focus even more on my work and career. I chose to follow this path and I never felt any obligation, only support and encouragement from them.


While I tried to stay strong, they did their part too. They never measured sacrifices to be with me, in Canada or England, wherever it may be. I often took them for granted but now realise how fortunate I am to see them as often as I do, especially in family holidays like Christmas. They’ve always worked out a way to make it possible financially, even if it meant selling their car, re-mortgaging, saving on hotel fees and transport. I seriously don't know how they've managed to share a mattress on the floor of my tiny flat. Next thing on my bucket list is to afford to get a two-bedroom place to accommodate what we call 'the Gasparinis' invasion'.


Covent Garden Piazza - 2017

Having the certainty that we would be reunited soon has kept me going through my whole life and career. There has always been something to look forward to.. when am I going home? When is mom coming next? What tickets can I get her? Should I book an afternoon tea or a visit to Petersham Nurseries? Her visits have renewed my courage and given me joy and excitement. Amidst my crazy schedule, we always find the time to do our favourite things and celebrate our achievements.


Mom always gets to London over-worked and tired. Seeing my performances is her dose of creativity and inspiration. Our mother-and-daughter days, enjoying a special brunch and walking through the pretty villages and parks, are healers of the soul. I feel like these are the only times she can finally get some rest, even though she might be supervising Ballet Marcia Lago from afar. I feel like being away gives her a better perspective on things, it might even bring the solution to many of her problems while she recuperates from the frantic pace of life in Sao Paulo.


Bringing grandma and other special guests here has brought her immense joy

It astonishes me to notice how similar we've become in so many aspects, not just in how we work but in how we think, in our approach to living. The way I appreciate little things, how I like to pause and feel grateful. She has a phrase she often says and it is FEEL THE GOOD! (it is not supposed to make sense, but we know it means we are in the moment, feeling completely happy).


Mom always says we each experience life as we perceive it. What we think and feel, we attract. Sometimes I think she has realised some of my dreams for me with her powerful thoughts and energy, that is how much she believes in me. As for being too critical, either I must have gotten better at dancing or she has softened a little. All I get after a show now is 'A mais Maravilhosa', the loveliest. My heart melts, I don't even need to know anything else. Hearing that makes me the happiest ballerina-daughter in the world!!!!



#balletmom #family #love #daughter #dancing #living #happymoments #support #rolemodel #performance #inspiration #royalballet #royaloperahouse


Quando a mamãe vem visitar


'Isabella! Como você está? Como vai a sua mãe?!’

Todo mundo me faz essa mesma pergunta. Marcia Lago deixa sua marca onde quer que vá. Todos aqui a reconhecem, talvez por ela agarrar tantas oportunidades de estar me visitando. Costumo ouvir colegas dizerem ... 'Sua mãe é tão doce'; 'Ela está sempre sorrindo'; "Tem uma energia tão boa!" Eu jamais poderia discordar, mas como filha e aluna, levei alguns anos para enxergar além de seu olhar crítico. Se sua mãe já foi bailarina, você entenderá o que quero dizer.

Ela costumava me assistir nas aulas com aquele olhar sério o tempo todo. Agora percebo que era um mero ato de concentração e de estar absorta em aprender, e euzinha faço exatamente a mesma coisa. A maioria das pessoas que me veem em aula devem pensar que sou a mais mal-humorada de todas. Minha preocupação com a forma como ela estaria me observando apenas refletia minha necessidade de sua aprovação. Tudo o que sempre quis foi deixá-la orgulhosa.

Quando a vejo agora, assistindo a um ensaio ou uma apresentação da coxia, o que eu enxergo é satisfação e orgulho. Isso me traz o maior prazer, é quando sei que estou exatamente onde sempre quis estar. Que bênção perceber que, depois de todos esses anos recebendo seu amor e apoio incondicionais, finalmente sinto que estou retribuindo um pouco disso. Não que não estivesse antes, mas agora posso sentir com mais clareza, sem nenhum medo ou julgamento, que nosso sentimento é recíproco. Dou a ela tanto orgulho e alegria quanto ela me dá.

Nós sempre brincamos que ela é a única razão pela qual eu comecei a dançar. Algumas vezes falei isso e nem era de brincadeira. Achava que o ballet era uma luta. Por que eu tinha que me submeter a tantos sacrifícios? Deixar minha família, preocupar-se em ficar em forma, esgotar minha saúde física e mental, e em troca de quê? Todos passamos por momentos da vida em que duvidamos de nós mesmos e de nossas escolhas, e nessas horas, o suporte familiar é fundamental. Se eu não tivesse tido o apoio da minha família o tempo todo, nos bons e maus momentos, nunca teria chegado tão longe.

Ao contrário da maioria das mães de bailarinas, a minha nunca me pressionou a fazer ou pedir por algo que não me era dado por mérito. Ela nunca foi tirar satisfação com ninguém sobre qualquer classificação injusta, nunca enfrentou Dona Toshie nem questionou nenhuma de suas decisões ou sua metodologia (mesmo sendo minha professora também), e nunca duvidou de que eu estivesse em boas mãos no Canadá. Ela é a pessoa mais respeitosa e sensata que conheço, e me deixou lidar com obstáculos e com fracassos pois sabia que eu aprenderia com isso.

Meus pais são meus maiores exemplos, minha base forte. Estiveram comigo em todas as etapas, desde as primeiras competições de balé rodando pelo país afora até hoje na Europa e em minhas turnês pelo mundo, me seguindo até na China! Nos meus tempos de criança, era eu com o balé e meu irmão com o tênis. Nem sei como conseguiam pagar tantas despesas. Nós assistíamos o Leo jogar por duas a três horas e não era nada entediante, eu curtia a maioria dos ambientes de torneios. No que diz respeito aos festivais de dança, eu os submetia a noites intermináveis ​​de balé, aquelas mesmas variações de repertório e os pas de deuxs que não acabavam mais... teve um festival que durou oito horas! Não é à toa que o Leo ficara traumatizado.

Por mais que ele e meu pai apreciem o balé, eles nunca conseguem acompanhar a dona Márcia. Ela quer assistir todas as apresentações de todos os elencos de todas as produções de todas as temporadas. Sua desculpa esfarrapada é que toda vez que ela assiste a um espetáculo, ela nota algo diferente. ‘São tantos detalhes - ela diz – e também, quando você está dançando, eu só tenho olhos para você. Preciso assistir de novo e de novo.’

Quando ela anuncia que vem me visitar, fico extremamente feliz! Mas logo em seguida, já me vem aquele pânico de ter que pedir à gerente de palco por umas noites nos bastidores, e a vergonha de ter que subir no escritório para perguntar se não tem nenhum standing ticket (ingressos de pé) na platéia. Minha mãe assisti de pé a três atos de A Bela Adormecida tranquilamente, por noites consecutivas. Muitas vezes tenho que decepcioná-la e dizer que não consegui ingressos. Não satisfeita com a derrota, ela fica na fila da bilheteria esperando por algo em conta ou qualquer devolução, já que as noites na Royal Opera House estão quase sempre esgotadas.

Minha mãe é a pessoa mais sortuda do mundo. Ela SEMPRE arranja um jeitinho de entrar no teatro, independente das circunstâncias. Mesmo que seja tão tarde que as portas estejam prestes a fechar, um ingresso aparece misteriosamente. Sem mencionar quando quase perde o vôo e tem que correr pelo aeroporto como uma louca, chegando sempre a tempo, exceto quando percebem que o vôo foi na noite anterior (fato verídico).

Já teve dia em que alguém tentava literalmente se livrar de três ingressos excelentes na plateia, aqueles dos mais caros. E ela, na fila de espera, aceitou os três que precisava e de graça! Um para ela, para minha avó e tia Vera. Disse que foi de um anjo, uma senhora vestida toda de branco. Para completar, mudanças de última hora sempre acontecem nas noites em que ela está assistindo e eu sempre acabo fazendo todos os meus possíveis papéis no ballet, para que ela não perca nada!

Quando eu era mais nova, eu só queria ter uma mãe 'normal', alguém que não soubesse a diferença entre dançar bem ou mal e que sempre dissesse que foi a coisa mais linda que ela já viu! Não a Márcia Lago. Ela saberá se você se saiu bem ou não, quando cometeu algum erro ou caiu de uma pirueta. Ela fala honestamente o que achou, mas sabe que é melhor guardar os comentários desagradáveis ​​para depois e não logo após uma apresentação, quando estou cansada e vulnerável.

Para ser sincera, nunca pareço estar com disposição para suas ‘dicas’ ou correções, eu nunca lidei muito bem com isso (desculpe mãe). É como se meu subconsciente dissesse agora você também?! É como discutir com sua mãe quando você sabe que, no fundo, ela está certa. Sei que ela tem boas intenções e, apesar de resistir, eu assimilo tudo. Sempre.

Por outro lado, é tão bom poder conversar com uma mãe que entende de tudo em relação a seu trabalho, principalmente das dificuldades. Essa é a grande vantagem de ter uma mãe bailarina. Quando falamos por telefone, ela está sempre animada e curiosa, fazendo um milhão de perguntas, enquanto eu fico ... 'Sim, sim ... hoje não teve nada de mais.' Ela sempre me lembra o quão incrível é estar nesse lugar e como sou merecedora de tudo isso. Como poderia não apreciar alguém que te dá tanta atenção, que acredita em você mais do que você acredita em si mesma?

Ela tem mais de quarenta anos de experiência de ensino. Essas visitas à Inglaterra também influenciam o Ballet Marcia Lago, são fontes de inspiração e idéias para trabalhos futuros da escola. Já acumulou tanto conhecimento e aperfeiçoou sua técnica e metodologia ao longo dos anos, desde sua formação clássica com a mestra Halina Biernacka, assistindo e aprendendo com as aulas da Escola Nacional de Ballet do Canadá, e com mentores como Dona Toshie Kobayashi e Yoko Ichino no Northern Ballet.

Ela me acompanhou de Toronto ao Northern Ballet, do English National Ballet ao Royal Ballet, auxiliando na minha transição de estudante para profissional, observando como cada companhia funciona e tendo uma boa noção do que nossa carreira exige hoje. As aulas e ensaios da companhia dão-lhe uma riqueza e sabedoria enormes, até de como preparar melhor seus alunos e como fazer com que o ballet seja algo significativo em suas vidas, seja ele como hobby ou algo mais. Ela sai dos espetáculos com um brilho nos olhos e volta ao Brasil pronta por realizar sempre mais.

Meus pais nunca me forçaram a nada, muito pelo contrário. Fiz minhas próprias escolhas e lutei minhas batalhas. Poderia ter desistido das aulas com Dona Toshie, que costumava me fazer chorar o tempo todo, mas estava determinada a continuar. Eu poderia ter voltado para casa do Canadá quando me senti tão saudosa e ter sido recebida de braços abertos, mas decidi persistir e me concentrar ainda mais no meu trabalho. Escolhi seguir esse caminho e nunca senti nenhuma obrigação, apenas o apoio e incentivo deles.

Enquanto tentava me manter forte, eles faziam a parte deles também. Nunca mediram esforços para estar comigo, no Canadá ou Inglaterra, onde quer que fosse. Talvez eu não tenha dado o devido valor, mas tenho consciência agora mais do que nunca da minha sorte em poder tê-los aqui presentes, especialmente em momentos de família como o Natal. Eles sempre encontraram maneiras de tornar isso financeiramente possível, mesmo que significasse vender o carro ou financiá-lo pela terceira vez, economizando aqui em transporte e hotel. Realmente não sei como conseguem dormir no chão da minha sala por tanto tempo. O próximo item da minha ‘lista de desejos’ é ter uma casa de dois quartos para acomodar o que chamamos de ‘A invasão dos Gasparinis’.

Ter essa certeza de que estaríamos reunidos em breve foi o que me manteve seguindo a vida e carreira aqui fora. Sempre tive algo pelo que esperar ... Quando que vou pra casa? Quando é que a mami vem me assistir? Quais ingressos posso conseguir para ela? Devo reservar um chá da tarde ou um passeio ao Petersham Nurseries? Suas visitas me trouxeram coragem, conforto, felicidade. Em meio à correria do meu dia-a-dia, encontramos tempo para fazer nossas coisinhas favoritas e comemorar nossas conquistas.

Ela sempre chega a Londres sobrecarregada, morta de cansaço. Minhas apresentações se tornaram sua dose de criatividade e inspiração, e nossos dias de mãe e filha, onde desfrutamos de um café da manhã especial ou um passeio por lindos parques e vilarejos londrinos, são nossa terapia. Sinto que somente nesses momentos ela pode finalmente descansar um pouco, mesmo que esteja supervisionando o Ballet Marcia Lago de longe. A distância parece lhe dar uma nova perspectiva, podem trazer a solução para muitos de seus problemas enquanto se recupera do ritmo frenético de sua vida em São Paulo.

Ela já trouxe consigo muitos convidados especiais em suas visitas à Inglaterra, entre eles minha avó de mais de 80 anos, para que pudessem ter uma visão do meu mundo. Foi extremamente gratificante ver a alegria de Dona Nilva ao entrar no Royal Opera House, assim como a de todos que puderam acompanhá-la até aqui.

Às vezes me surpreendo ao perceber como nos tornamos tão semelhantes em tantos aspectos, na nossa maneira de pensar e encarar a vida, em como aprecio as pequenas coisas e como gosto de fazer uma pausa de agradecimento no meu dia. Ela tem uma frase que costuma dizer que é FEEL THE GOOD! (não faz nem sentido em inglês, mas para nós quer dizer que estamos apreciando um momento feliz) e isso virou hábito na família.

Minha mãe sempre diz que cada um de nós vive a vida que acredita ter. O que pensamos e sentimos, nós atraímos. Às vezes suspeito que ela tenha realizado alguns dos meus sonhos por mim, só com a força e energia de seu pensamento, por acreditar tanto. Quanto a ser notoriamente crítica, devo ter melhorado no ballet ou ela ficou um pouco mais mansinha. Hoje em dia, tudo o que recebo depois de uma apresentação é 'A mais Maravilhosa’. Não preciso ouvir mais nada, meu coração já derrete. Sinto-me a filha-bailarina mais feliz do mundo!!

246 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com