What keeps us going

O que nos motiva a continuar

Versão em português abaixo


I started this blog thinking that there would be plenty of enriching experiences in the theatre throughout the season that I could be writing about, from performances to rehearsals and everything in between; what it feels like being busy and exhausted from hours of working in the studio, what it is like taking part in the creative process of a ballet, an overall insight into my usual juggling of activities. But this has been the most bizarre of times. The theatre is empty, and I’m still waiting to be able to put into words what my life is actually like in the heat of a busy season.


Thankfully I also imagined I would be writing about my personal journey, and through the course of thirty-four posts, I have retold my entire story, from baby ballerina to how I ended up living in London and joining The Royal Ballet; but now I am so anxious for better times to come so I can be writing about performances in great detail and everything that my present life entails, especially what it feels like to be a part of this company when it is running at full speed. We are always working towards something, preparing ourselves mentally and physically for what is coming up in our repertoire, wanting to do our very best in a new role or premiere of a ballet, but now that the chance of performing has been taken away from us for the most part of the year, is there a purpose to us coming into class every morning and continually working hard? What are the main motivating factors of our job?


Swan Lake © Bill Cooper

I believe that performing is behind a dancer’s every thought and sweat. The challenges that come with new roles, premieres, creations, and the opportunities each new part brings is what keeps us inspired, sparking our desire to do better and better. This past season, however, ballet class has been our main focus and stimulus (where before it was just a warm-up for a long day). We have had a chance to really work on our technique, but at the same time, it is hard to keep building the stamina and body conditioning required to excel if we are not fully dancing, at least not in the way and intensity we are so used to.


In most places of the world, dancers have had to step away from the stage and the main reason for why we do what we do every day. Why not take a long vacation (without going anywhere) and wait until things get back to normal again? When the prospects of performing for an audience - other than the person staring back at you in the mirror - dissipates, it is also difficult not to fall into the traps of your own self-criticism.


Ballet Marcia Lago studios © Tomas Kolisch

Motivation is what gets you started. Habit is what keeps you going.’ (unknown)


There is a lot more to dancing than doing things out of habit or routine. Everyone knows that ballet requires a lots of practice and that we are constantly trying to improve. Every day in the studio feels like a chance to surpass our own limits, much like in sports or Olympic training. When one leads an active lifestyle, it is very difficult to stop everything so suddenly and just "wait around", not doing much exercise and not trying to carry on living life as normally as possible.


If we were mathematicians working on an equation or accountants dealing with precise figures, we would get the job done once the math was resolved and we would know exactly how we got there. It is all written down in black and white. In ballet, however, each day brings a set of new challenges, and the formula you thought you had found for perfect turns and balances needs discovering all over again. Everything depends on how your body feels and what mindset you are in. We have rules and guidelines, but in practice, it all takes time. We can perfect our technique to the point of being confident that things will work, but in order to keep it sharp, one also needs to work continuously. (Pictured below: training at 13 years-old)



There are so many things one can think of improving, but coming into work and focusing solely on our faults and imperfections is very straining and discouraging. We need to also appreciate small achievements and take compliments. Hearing a ballet master or colleague say I have improved gives me such a great feeling. Suddenly, it feels like my work hasn’t been in vain.

Really?’ I feel like saying, ‘I’m glad you noticed because I’ve really been thinking about it!


Our progress in the studio is so gradual and subtle that we dancers don’t feel much change (unless you are coming back from an injury). it is only when someone points something out to me that I trust my instincts that things have actually being feeling easier or better coordinated. Feedback is very important in our job, and I tend to ask for it a lot, but too much negative feedback can knock our confidence right down. It is a fine line, just as there is a fine balance between striving for perfection in dance and enjoying ourselves, the music and movement.


Working with Dame Monica Mason

Every dancer knows that the nature of ballet is such that, the minute we stop dancing, we lose muscle strength. In order to be fit, we not only need stamina and a conditioned body but we also need to engage the right muscles and work in ways that only daily training can prepare us for. It is astounding how quickly one can feel ‘out of shape’, only a matter of days, unlike writing, where I can stop and start whenever I feel like it.


By keeping ourselves going, we are making sure to maintain a certain level of fitness that we could build on eventually, without getting ourselves hurt. If we push ourselves too hard too soon, the risk of injury is far too great. That, in itself, has been a big motivator for me. The thought of being relatively ready and strong to pick things up from where we left off makes me feel calmer. I’ve tried to replicate my lifestyle as best as I could, bearing in mind that the release of endorphins from exercising triggers a positive feeling in the body, something we could all benefit from.



Usually, dancers come back from a holiday feeling reinvigorated and inspired to work hard again, and I see that all we needed was rest and some SPACE. Having no prospects of performing after Christmas, nothing solid to work towards, I felt like I needed an extra boost of energy and motivation, something I always find when seeing family. When super busy at work, even going out for a coffee and good catch up with a friend can lift up my spirits.


Being one of the lucky ones, I was able to travel home for what would have been our mid-season break. Spending two weeks with family, receiving their love and support, and catching the warmth of sunny afternoons worked as the perfect remedy for me. Having time away from work usually helps me put things into perspective. I learned that it is more beneficial for me to keep active at home, pausing to enjoy and cherish family moments, than beating myself up in the studio.


Favourite spot for take-away coffee a.t.m.
#tbt Brazil 2021

Whenever I feel stuck with my writing, heading out for light walks and taking my mind off it helps with the flow of creativity, and I’d say it is the same for dancing or anything we set our minds to do. Having a hobby helps us carry on with the main task.


My physiotherapist tells me:

‘when we focus too much on a complaint, we do not give it space to resolve itself, to find other strategies for movement. When we focus too much on the skill we don't have, we lose the opportunity to work on what we do have.’


‘sometimes we just need to move away from the goal and surrender more freely, more relaxed and unpretentiously to the process. In addition to the thieves of creativity, there is the fear of self-judgment and others.’ (@movase.mais)


The Nutcracker © Andrej Uspenski

Last but not least, I think what carries us through hell and storm are OUR DREAMS. We are driven and encouraged by what we envision ourselves to become one day. When, two weeks ago, we started having coaching sessions - variations and pas de deux lessons - everyone’s mood improved! There was an unmistakable enthusiasm surrounding us which slightly resembled old times. Not only are we learning steps in our beloved classical repertoire, we are being coached by absolute legends like Laura Morera, Sarah Lamb, Alessandra Ferri and Marianela Nunez. By imagining ourselves as princes or princesses, and getting a chance to work on that which we love so much and aspire to be, we gained a new sense of purpose in our days, a little spark of joy and magic.


Class with Alessandra Ferri, my favourite 'Juliet'

I have always thought dancers to be a little bit crazy. It takes a lot to get a ballerina to stop, not even a fever or cold would do (in the old days). Some work to the point of insanity and obsession, which is unnatural, but we each have distinct beliefs and work ethics. We do what feels right for us. Generally we are 'tough cookies', hard workers and incredibly resilient and self-disciplined, but I believe that only the love for dancing would have kept us going this far.


A dancer's routine may seem a bit obsessive and neurotic, but underneath this repetitive cycle, there is something in it which helps us grow and understand human nature better. Our work, making ART, goes beyond the everyday technical challenges; it is a journey (my favourite word) of little transformations, the collecting of tiny little achievements.


Justine in Frankenstein - 2018

‘I found that dance, music, and literature is how I made sense of the world… it pushed me to think of things bigger than life’s daily routines…to think beyond what is immediate or convenient.’ - Mikhail Baryshnikov

Baryshnikov in Le Jeunne Homme

We are learning Ashton's Cinderella pas de deux, coached by Chris Saunders, ex-dancer of the Royal Ballet and now Rehearsal director/Principal Character artist. Prior to our first session, I watched this video with Lesley Collier and Anthony Dowell. Not sure what year this was, but I found it extremely beautiful.


#inspiration #ballet #lockdown #lifestyle #psychology

O que nos motiva a continuar

Há um ano atrás, comecei este blog pensando que haveriam muitas experiências enriquecedoras no teatro ao longo da temporada sobre as quais eu poderia escrever. Algo sobre apresentações, ensaios, como é dançar e sentir-se exausta após horas de trabalho no estúdio, algo sobre o processo criativo de um balé, uma introspecção em meu malabarismo habitual de atividades. Mas esta tem sido a mais estranha das temporadas, o teatro está vazio e ainda espero ser capaz de colocar em palavras como minha vida é, de verdade, no auge de uma temporada agitada.

Ainda bem que também imaginava escrever sobre a minha jornada. Ao longo de trinta e quatro postagens, contei toda a minha história, desde bailarina bebê até como acabei morando em Londres e entrando no Royal Ballet, mas agora estou ansiosa por tempos melhores para que eu possa escrever detalhadamente sobre tudo o que minha vida atual envolve, especialmente como é fazer parte desta companhia quando ela está funcionando a todo vapor. Estamos sempre trabalhando para algo, nos preparando mental e fisicamente para o que está surgindo em nosso repertório, querendo dar o nosso melhor em um novo papel ou numa estreia de um novo balé, e agora que a chance de se apresentar nos foi tirada durante a maior parte do ano, haveria um propósito para virmos fazer aula todas as manhãs e trabalharmos duro continuamente? Quais são os principais fatores motivadores do nosso trabalho?

Acredito que a apresentação está por trás de cada pensamento e suor de um bailarino. Os desafios que vêm com novos personagens, estreias, criações e as oportunidades que cada novo papel traz é o que nos mantém inspirados, despertando nosso desejo de fazer cada vez melhor. Nessa temporada, no entanto, as aulas de balé foram nosso principal foco e estímulo (onde antes eram apenas um aquecimento para um dia pesado). Tivemos a chance de realmente trabalhar em nossa técnica, mas ao mesmo tempo, é difícil desenvolvermos a resistência e condicionamento corporal necessários para melhorar se não estamos dançando tanto quanto o nosso normal.

Em grande parte do mundo, os bailarinos tiveram que se afastar do palco, nossa principal razão de fazer o que fazemos todos os dias. Por que não tirar umas longas férias (sem ir a lugar nenhum) e esperar até que as coisas voltem ao normal? Quando a perspectiva de se apresentar para um público que não seja a pessoa que está olhando para você no espelho se dissipa, fica difícil não cairmos nas armadilhas de nossa própria autocrítica.

' Motivação é o que te leva a começar. Hábito é o que te mantém seguindo.' (desconhecido)

O balé é muito mais do que se fazer algo por hábito ou rotina. Todos sabem que a dança requer muita prática e que estamos constantemente tentando melhorar. Cada dia no estúdio parece nos dar uma chance de superarmos os próprios limites, como nos esportes ou em treinos olímpicos. Quando se leva um estilo de vida ativo, é muito difícil parar tudo tão repentinamente e apenas “esperar” sem fazer nenhuma atividade ou tentar viver a vida o mais normalmente possível.

Se fôssemos matemáticos trabalhando em uma equação ou contadores lidando com números precisos, terminaríamos o trabalho assim que a matemática fosse resolvida e saberíamos exatamente como chegamos lá. No ballet, no entanto, cada dia traz um conjunto de novos desafios e a fórmula que você pensava ter encontrado para piruetas e equilíbrios perfeitos precisa ser descoberta novamente. Tudo depende de como seu corpo se sente e de seu estado de espírito. Temos regras e diretrizes, mas na prática, tudo leva tempo. Podemos aperfeiçoar nossa técnica a ponto de termos a certeza de que tudo irá funcionar, mas para mantê-la afiada, é preciso um trabalho continuo.


Há tantas coisas que podemos pensar em melhorar, mas se focarmos apenas nas nossas falhas e imperfeições, o trabalho fica muito desgastante. Precisamos também valorizar pequenas conquistas e receber elogios. Ouvir um mestre de balé ou colega dizer que melhorei me dá uma sensação muito boa. De repente, parece que meu trabalho não foi em vão.

' Sério?' Tenho vontade de dizer, ' Fico feliz que você tenha notado porque realmente tenho pensado nisso! '

Nosso progresso no estúdio é tão gradual e sutil que nós, bailarinos, não sentimos tantas mudanças (a menos que você esteja voltando de uma lesão). Apenas quando alguém me aponta algo é que confio em meus instintos de que as coisas estão realmente mais fáceis ou mais coordenadas. O feedback é muito importante em nosso trabalho, e eu procuro saber o que os diretores e professores tem a dizer, mas quando muito negativos pode derrubar nossa confiança. É uma linha tênue, assim como existe um equilíbrio delicado entre buscar a perfeição na dança e curtirmos a música e o movimento.

Todo bailarino sabe que a natureza do balé é tal que, no minuto em que paramos de dançar, perdemos força muscular. Para estar em forma precisamos não só de folego e de um corpo condicionado, mas também precisamos engajar os músculos certos e trabalhar de uma forma para a qual apenas o treinamento diário pode nos preparar. É impressionante a rapidez com que podemos nos sentir "fora de forma". É uma questão de dias! Ao contrário de escrever, onde posso parar e recomeçar quando quiser e onde estiver.

Ao nos mantermos ativos, estamos garantindo um certo nível de condicionamento que poderemos desenvolver eventualmente sem nos machucar. Se nos esforçarmos muito cedo e muito repentinamente, o risco de lesões é alto. Isso, por si só, foi um grande motivador para mim. A ideia de estar relativamente pronta e forte para retomar as atividades de onde paramos me deixa mais tranquila. Tentei reproduzir meu estilo de vida da melhor maneira possível, sabendo também que a liberação de endorfinas quando nos exercitamos desencadeia uma sensação positiva no corpo, algo de que todos podemos nos beneficiar.

Normalmente, os bailarinos voltam de férias sentindo-se revigorados e inspirados para trabalhar duro novamente, e vejo que tudo que precisávamos era de descanso e um pouco de espaço. Sem perspectiva de nenhuma apresentação depois do Natal ou nada concreto em que pudesse me focar, senti que precisava de um impulso extra de energia e motivação, o que sempre encontro quando vejo minha família. Se estou muito ocupada no trabalho, um café e bom papo com uma amiga já levantam o meu ânimo.

Fui uma das sortudas que puderam viajar para casa esse ano, no que teria sido a nossa mid-season break (a pausa no meio da temporada). Passar duas semanas com a família, recebendo seu amor e o calor de tardes ensolaradas, funcionou como o remédio perfeito para mim. Ter um tempo longe do trabalho geralmente me ajuda a colocar as coisas em perspectiva. Já faz tempo que percebi que é mais benéfico manter-me ativa em casa, parando para valorizar os momentos juntos, do que ficar encucada com isso ou aquilo no estúdio.

Sempre que me sinto presa com a minha escrita, fazer leves caminhadas e arejar minha mente ajudam no fluir da criatividade, e eu diria que o mesmo acontece na dança ou em qualquer projeto a que nos dedicamos. Ter um hobby nos ajuda a continuar com a tarefa principal.

Meu fisioterapeuta me diz:

‘quando focamos demais numa queixa, nao damos espaco para que ela se resolva, para achar outras estrategias de movimento. Quando focamos demais na habilidade que nao temos, perdemos a oportunidade de trabalhar o que temos.’


‘as vezes a gente so precisa se afastar do objetivo e se entregar de forma mais livre, relaxada, despretensiosa ao processo. Alem dos ladroes de criatividade, o medo do julgamento proprio e dos outros.’ (@movase.mais)

Por último, mas não menos importante, acho que o que nos leva a continuar, apesar dos obstáculos e dificuldades, são NOSSOS SONHOS. Somos movidos e encorajados pelo que imaginamos poder nos tornar um dia. Quando, há duas semanas, começamos a ter sessões de coaching no trabalho - variações e aulas de pas de deux - o humor de todos melhorou! Havia um entusiasmo visível entre nós, o que me lembrou um pouco os velhos tempos. Além de estarmos aprendendo passos do nosso amado repertório clássico, estamos sendo treinados por mitos da dança! Entre eles, Marianela Nunez, Alessandra Ferri, Sarah Lamb e Laura Morera. Ao nos imaginarmos como príncipes ou princesas, tendo a chance de nos dedicar àquilo que tanto amamos e aspiramos ser, demos um novo sentido e propósito para nossos dias, uma pequena faísca de alegria e magia.

Sempre achei que bailarinas fossem um pouco malucas. Nada pode fazê-las parar, nem mesmo febre ou resfriado (antigamente). Algumas se dedicam ao ponto da insanidade e obsessão, o que não é natural, mas cada uma de nós tem crenças e éticas de trabalho distintas e fazemos o que achamos ser melhor para nós. Em geral, somos teimosas, trabalhamos duro, somos incrivelmente resilientes e autodisciplinadas, mas acredito que somente o amor pela dança nos permite chegar tão longe.

A rotina de um bailarino pode parecer um tanto obsessiva e neurótica, mas por trás desse ciclo repetitivo, há algo que nos ajuda a crescer e compreender melhor a natureza humana. Nosso trabalho, Fazer ARTE, vai além dos desafios técnicos do dia a dia. É uma jornada (minha palavra favorita) de pequenas transformações e um conjunto de minúsculas conquistas.

For writing commissions or any thoughts, drop me a line here

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com