'Survival mode'

'Modo sobrevivência'

Versão em português abaixo


Survival mode is how I learned to describe that feeling of trying to get through my days in utter exhaustion, completely burned out. It all sounds very dramatic, but when the busy weeks start to pile up, our body feels so overworked it gets hard to even walk straight. My only aim is to get through rehearsal, save energy for the show, and keep healthy! It is exactly in those moments of extreme fatigue that we tend to get injured.


It can be hard to keep up with a company's relentless schedule, we need to be prepared to handle this level of fatigue and learn how to alleviate it. Heavy weeks of rehearsing a challenging repertoire, hours spent in the studio creating a new ballet, waking up early to be on stage in full costume and make-up ahead of an opening night, combined with not enough sleep and recovery time.. it takes its toll on the body and mind. Many times, I find myself focusing on surviving another day instead of living the moment, and I start doing things in auto pilot.


Flight Pattern © Roh

Working at the very limit of you capability puts one at great risk of injury. Your body doesn't respond as quickly, it has learned to adapt to an energy-saving mode. Your mind also gets tired, and this is when mistakes or accidents happen. You end up pushing your body that little bit too far. We are so accustomed to living with pain and soreness that we ignore the signs. Before you know it, months have gone by and the nagging pain is still there! It is o.k. to work through a bit of discomfort, but the danger lies in thinking that we are invincible, super-humans! Eventually, it catches up with us.


With David Donelly in The Concert © ROH

My earliest memory of feeling like something just wasn't right was at fourteen, the last weeks of rehearsals with Toshie leading up to the Youth America Grand Prix. Nothing could have stopped me from competing in New York, so I just pretended everything was fine. I was rehearsing day and night and would continue on. I couldn't care less if the pain in my leg was so sharp that when my muscles cooled down, I could barely walk. A year or so later, I found myself at Canada's National Ballet School with that same excruciating pain. MRI results would show I had nearly torn my hamstring.


I couldn’t continue any longer without treating it first, and suddenly found myself unable to dance, with nothing to distract me from the fact that I missed home so much! This was probably the toughest recovery I’ve had to face in all my life. As much as I needed to focus on getting better, all I wanted was to dance because it helped me forget that I was miles and miles away from my family. What did I do? I started piano and French lessons, exercises in the pool, I did everything they would allow me to do. I planned a rehab routine and filled my time with things that could help me stabilise myself emotionally, to speed up the healing process and make the days go by quicker.


Rehearsing Satanella in YAGP - 2003

The fear of missing rehearsals or being cut out from performances makes dancers do crazy things, like surviving on caffeine and pain killers. We have such drive and passion for what we do that we don't measure sacrifices. Not even a cold, infection or fever would stop a dancer from going into work (but now, it certainly should!). It has always been hard for me to know when enough is enough, and many times I have been forced to give myself a holiday because I had pushed it too far.


Three years at the National Ballet School had gone by when I was given the main role in La Sylphide for the school's Spring showcase. I ended up paired up with two different boys, having to rehearse every scene twice.


'Take it easy, Isabella. Just mark through your parts.'


I would nod yes, understood, but when it got to my solos, I would do everything full-out with feeling. I was never one to ‘take it easy’. I always want to please, to prove to myself that I can manage it, and feel grateful for any extra time to practice.


I spent weeks ignoring the pain in my foot, which started small and grew more intense, telling myself it was nothing when day-after-day it got worse. I found my way around it, compensating to one side, making the steps work. Eventually I discovered that I had been dancing on a fractured toe! Suddenly it all makes sense: the agony of jumping into that foot, the stiffness and soreness stepping out of bed in the mornings.. Yet, I performed my shows. It was only afterwards that I took time off to heal.


NBS Spring showcase - 2006

Taking care of our bodies is necessary not only for us to be able to do our jobs, but also to keep us healthy and motivated, especially here at the Royal Opera House. The Royal Ballet is known to be one of the hardest-working companies, with one of the busiest schedules. We are usually rehearsing until 5:30pm, which only gives us 120 minutes to cool down, rest, eat, shower, get make-up and hair done, warm-up, and refocus for a 7:30pm show.


My workload increased considerably when I joined the company. I wasn’t used to rehearsing all day before a performance. It wasn’t until the end of my second season, when the pain in my shins became quite bad, that I decided to investigate. Scan images showed a possible stress-fracture. My shins were 'stressing'. I could have caused a fracture had I kept going, but I discovered it in time. Injuries are caused not only by trauma - an accidental fall or sudden twist of the ankle - but by fatigue and overuse.



In the Mason healthcare suite, we have on-site physio, a pilates / gyro studio, and gym. A whole team of experts to support us. More and more, dance is fusing with science and revolutionising how dancers prepare and keep healthy. The evidence is there: body conditioning and strengthening is essential. But as a professional, no one will tell you what to do. You must take responsibility for yourself, and find what works for you. Finding the time and energy for a strengthening session is not easy, but I know how important it is to have my body conditioned for the demands of my job.


Arriving straight from the studio, I set my tutu and pointe shoes aside and get ready to do lunges and squats, which are very good for jumping, core strength and balance. Strength training has become a part of my dance training. Sometimes I get to work an hour before class to do some exercises in the gym, no heavy weight or resistance, just what I call ‘maintenance routine'. In order to protect the little parts (and what I struggle with the most is my ankles and their tendons) I learned that we must strengthen big muscle groups.



Ideally, dancers should work under a progressive overload, like athletes preparing for a marathon, with moments of intense training and build up followed by periods of rest and maintenance. We shouldn't work at full speed and agility over an extended period of time; however, with the number of productions, new creations, and performances at The Royal Opera House, this becomes unfeasible. I believe in most companies, dancers barely have time to recover from one thing before they start working on another.


When I joined Royal, I noticed a lot of dancers leaving the studio having done just barre. I was so confused! Ballet class, for me, has always been sacred. But as time went by, I was the one struggling to finish centre. My legs felt heavy, I had no stamina to jump or work hard in class every day. When your body and mind feel fatigued, you start to think ahead. How am I going to get through the next five hours and finish the day with a performance?! You look for ways to save up energy and sometimes, it means taking it easy in class, using it as a gentle warm up. There are times when all I want to do is excuse myself from class, grab a large latte and croissant, and indulge in a few minutes of peace before the start of a heavy day.



Coaching sessions with Ursula have helped me tremendously through critical times of the season. She sets a simple barre (though it requires maximum effort), no music, focusing on alignment and weight placement. I work harder than if I was doing a normal class actually, but all my energy goes towards a healthy training where I find my balance and correct placement, which will help me execute the steps with ease and less effort. Instead of jumping, we might do some pointe work exercises that are good for stabilising my ankles. I feel like even though I haven’t done a full class, my morning hours have been very well spent.


Ursula Hageli, rehab coach and former ballet mistress

It is very important that we keep our dancing technique in check not just to improve as dancers, but also to prevent us from creating bad habits that could hurt us in the near or distant future. Research suggests that 36% of professional dancers retire due to musculoskeletal injury, with 91% suffering pain in later life (The Guardian, 2018). Healthy dancing has to be taken seriously!


We rely a lot on the healthcare team to support our physical needs and wellbeing. Making time for massage therapy and physio treatments is part of the deal. A masseuse helps reduce tension in the muscles and tissues and gets rid of scar tissue that forms following an injury, besides promoting relaxation and instant relief. I also use ice buckets after a long day (some people strongly believe in its anti-inflammatory powers) and the 'recovery boots', which can be found in a remote corner of our practice studio. I tend to seat there in between rehearsals or prior to a show and let the pressure of the boots do their miracle work (they use pressure to squeeze out metabolic waste, what makes our muscles sore).


Nutrition and hydration are heavily spoken of at work, hence why we have a nutritionist on site. Where does our energy come from if not the stuff we eat? Jackeline helps us think of quick and nutritious meals and snacks for pre / post exercise, and assists us especially when we're recovering from an injury. Our diet might be lacking in vitamins or certain nutrients. I always carry a water bottle with me and a few SIS gels and easy snacks to have in between rehearsals, such as nuts, protein bar, or banana. If I'm in the theatre all day, my meals consist of leftover food I bring from home, sandwiches, cakes, pastries, and coffee.


In my younger years, I used to think that resting was a waste of time. Now I understand that a recovery phase is just as important as our training. Rest and sleep make part of the cycle that gets us performing our best. Over the years, I understood what is good for my health and wellbeing and what will get me out of feeling burnout, even if it is just a quick fix. Often what I need is just a moment of pause to reconnect with myself.


Part of my survival plan is going out for a cup of coffee, enjoying it with a good cinnamon bun, sitting outside in the fresh air where I try to evaluate my emotional state and what I'm lacking. What do I really need? Taking a moment for myself uplifts my spirit and gives me a new perspective on things. It suddenly doesn't feel like the end of the world anymore.


Life in the theatre can be busy (and at times quite chaotic). Many of us are experts at being in survival mode, we have learned to go through the motions in life and do what we need to do, but if we stay in it too long, it will affect us physically and emotionally. It is hard to “be sensible” when a lot is put at stake. We either do what is being asked of us or somebody else will, and in order not to miss an opportunity, we keep dancing, and dancing, and dancing...



I believe most dancers suffer with their aches and injuries in silence because they don't want to be told they need time off. Today, I know that stopping is not always the answer. There are ways you can work through a bit of discomfort, with a trusted physiotherapist, and find ways to minimise impact and work on psychological aspects. It might be just a case of hypersensitivity in the area, in reteaching our brains to be less protective of it. I learned that a lot of our "chronic" injuries are connected to our emotions, and it is worth spending time revisiting patterns and beliefs with an expert we trust.


Using the recovery boots for ten to fifteen minutes in the day, massage, eating mindfully, pacing myself through rehearsals, doing strength and conditioning work, going out for coffee and treats, resting, sleeping... those are little things that help me survive the tough days. It is in the nature of our profession, in keeping up with its demands.


Our bodies have a way of telling us when we have gone too far. Whether it is expressed as a minor cold, a stomach-ache, fatigue, or aches and pains in the body. These are signs that our surviving skills are not coping with the workload. We come to think that we are weak, but it is not a matter of being weak or strong. We are human beings after all, not machines. Following our intuition and professional experience, we manage to overcome each obstacle. When we look back at the end of each season, we feel so proud of what we have achieved.


Time for a well-deserved holiday!


Celebrating the end of tour in Japan - 2016

#dance #recovery #injuries #ballet #performance #passion #ballerina #lifestyle #theatre #royalballet #coaching



Este foi um depoimento que fiz sobre tratamento a distância, minha experiencia com o fisioterapeuta Leandro Fukusawa e o quanto venho aprendendo com o projeto @movase.mais. Excelentes dicas a bailarinos em seu instagram!


Versão em português


Modo Sobrevivência


Modo sobrevivência é como aprendi a descrever aquela sensação de estar levando meus dias completamente esgotada. Fico só o pó da rabiola. Parece dramático, mas quando o ritmo de espetáculos aperta e as semanas começam a pesar, nosso corpo se sente tão sobrecarregado que fica difícil até de andarmos sem cambalear. Meu único objetivo é sobreviver aos ensaios, economizar energia para a apresentação, e me manter saudável! É exatamente nesses momentos de extrema fadiga que tendemos a nos machucar.

A carga horaria de uma companhia pode nos levar a tal estado de exaustão, por isso precisamos estar preparados para lidar com o cansaço e saber ameniza-lo. Semanas em ritmo acelerado ensaiando um repertório difícil, horas passadas no estúdio criando um balé novo, acordando cedo para estar no palco com figurino completo e maquiagem antes de uma noite de estreia, combinam-se com pouco sono e tempo de recuperação. Muitas vezes, encontro-me focada em sobreviver mais um dia ao invés de aproveitar o momento, fazendo coisas no piloto automático.

Trabalhar no limite de sua capacidade coloca o bailarino em um grande risco de lesões. Seu corpo não responde tão rapidamente, ele aprendeu a se adaptar e arranjar uma maneira de economizar energia. Sua mente também fica cansada, e é aí que podem ocorrer erros ou acidentes. Você acaba indo longe demais, passando de seu limite. Estamos tão acostumados a conviver com dores e desconfortos que ignoramos os sinais. Antes que perceba, alguns meses se passam e aquela dor ainda está lá. É normal trabalhar com um pouco de dor, mas o perigo está em pensarmos que somos super-heróis! Eventualmente, pagamos o preço.

Minha primeira lembrança de sentir que algo não estava certo foi aos quatorze anos, as últimas semanas de ensaio com Toshie que antecederam o Youth America Grand Prix. Nada poderia me impedir de competir em Nova York, então apenas fingi estar tudo bem. Estava ensaiando dia e noite e seguiria em frente. Pouco importava se minha dor na perna era tão forte que quando a musculatura esfriava, eu mal conseguia andar. Um ano depois lá estava eu, na Escola Nacional de Ballet do Canadá, com aquela mesma dor insuportável. Os resultados da ressonância magnética mostraram que havia quase rompido o tendão da coxa.

Não pude mais continuar sem me tratar, e de repente, vi-me incapaz de dançar, sem nada que me distraísse das saudades de casa. Esta foi provavelmente a recuperação mais difícil que tive que enfrentar em toda a minha vida. Por mais que quisesse me concentrar em melhorar, tudo o que mais queria era dançar, pois isso me ajudava a esquecer que estava a quilômetros e quilômetros de distância de minha família. O que eu fiz? Comecei aulas de piano, francês, fiz exercícios na piscina e tudo aquilo que podia. Planejei uma rotina de reabilitação e preenchi meu tempo com coisas que pudessem ajudar a me estabilizar emocionalmente, que acelerassem o processo de cura e fizessem com que os dias passassem mais rápidos.

O medo de perder ensaios ou ser excluído das apresentações levam bailarinos a fazerem coisas malucas, como sobreviver de cafeína e analgésicos. Temos tanta vontade e paixão pelo o que fazemos que não medimos sacrifícios. Nem mesmo um resfriado, infecção ou febre impedem um bailarino de trabalhar (mas agora, certamente deveriam). Para mim, sempre foi difícil saber quando parar. Muitas vezes fui obrigada, de uma maneira ou outra, a tirar férias forçadas.

Haviam-se passado três anos de NBS quando recebi o papel principal em La Sylphide para o espetáculo de primavera da escola. Acabei fazendo dupla com dois meninos diferentes, tendo que trabalhar em dobro e repetir cada cena duas vezes.

‘Pegue leve, Isabella. Pode marcar os seus pedaços.'

Fazia que sim com a cabeça, entendido. Mas quando chegava na hora de marcar as variações, eu fazia tudo completo e com feeling. Eu nunca fui de 'pegar leve', sempre quis agradar, provar pra mim mesma que podia, e me sentia grata por qualquer tempo extra para praticar.

Passei semanas ignorando uma dor no pé que começou pequena e foi aumentando, dizendo a mim mesma que não era nada, mas que dia-após-dia piorava. Encontrei um jeito de contorna-la, compensando de um lado para evitar sentir a dor. Por fim descobri que estava dançando com o dedão do pé fraturado! De repente, tudo fazia sentido: a agonia de pular naquele pé, a rigidez e dor ao sair da cama pela manhã... Ainda assim fiz minhas apresentações, e somente depois disso tirei folga para me curar.

Cuidar do corpo é necessário não só para que possamos fazer o nosso trabalho, mas também para nos mantermos saudáveis ​​e motivados, especialmente aqui na Royal Opera House. O Royal Ballet é reconhecido como uma das companhias que mais trabalham, com uma das agendas mais ocupadas. Normalmente ensaiamos até às 17h30, o que nos dá apenas 120 minutos para descansar, comer, tomar banho, fazer a maquiagem e o cabelo, aquecer novamente e focar para um espetáculo que se iniciará às 19h30.

Minha carga de trabalho aumentou consideravelmente quando entrei na companhia. Eu não estava acostumada a ensaiar o dia todo antes de um espetáculo. Até que cheguei no final da segunda temporada com dores fortes na canela, e decidi investigar. Imagens apontavam para uma possível fratura por estresse. Minhas canelas estavam "estressadas". Poderia ter causado uma fratura se tivesse continuado, mas consegui descobrir a tempo. As lesões são causadas não apenas por traumas - uma queda, torção, movimento brusco e traumático (que na verdade eu nunca sofri) - mas por repetição e sobrecarga.

Na Healthcare suite ou área da saúde, temos fisioterapia, estúdio de pilates e uma pequena academia. Encontrar tempo e energia para uma sessão de fortalecimento não é fácil, mas sei o quanto é importante ter meu corpo condicionado para as exigências do meu trabalho. Cada vez mais, a dança está se fundindo com a ciência e revolucionando a forma como os bailarinos se mantem saudáveis e condicionados. Há evidências de que o fortalecimento é essencial, mas como profissional, ninguém lhe dirá o que fazer. Você deve assumir a responsabilidade por si mesmo, e encontrar aquilo que te faz bem.

Chegando direto do ensaio, deixo meu tutu e sapatilhas de lado e me preparo para fazer exercícios e agachamentos com peso, que são muito bons para melhorar saltos, força no tronco e equilíbrio. O fortalecimento tornou-se parte do meu treinamento de dança. Às vezes chego ao trabalho uma hora antes da aula para fazer alguns exercícios na academia, sem peso ou resistência, apenas o que chamo de 'rotina de manutenção'. Para proteger as pequenas partes e tendões (o que mais sinto são os tornozelos), aprendi que devemos fortalecer os grandes grupos musculares.

Num mundo “ideal”, os bailarinos deveriam trabalhar sob uma sobrecarga progressiva, como atletas que se preparam para uma maratona, tendo momentos de treinamento intenso seguidos de períodos de descanso e manutenção. Não deveríamos trabalhar com velocidade e agilidade totais por um longo período de tempo; no entanto, com o número de produções por ano e apresentações aqui no Royal Opera House, é muito difícil consegui-lo. Bailarinos sempre têm algo pelo que trabalhar, nunca é hora de recuperação. Mal nos permitimos comemorar um feito, já começamos a trabalhar em outro.

Quando entrei no Royal, notei que muitos bailarinos saíam do estúdio depois de terem feito só a barra. A princípio, fiquei pasma! Aula de balé, para mim, sempre foi sagrada. Com o passar do tempo, era eu que agora me esforçava para terminar o centro. Minhas pernas pesavam toneladas, eu me sentia sem forças para saltar. Quando o corpo e a mente ficam cansados, você começa a pensar no futuro... Como irei sobreviver às próximas cinco horas e terminar o dia com um espetáculo? Procura maneiras de economizar a energia e, por vezes, isso significa pegar leve nas aulas e usá-la como um leve aquecimento. Há dias em que o esforço é tão grande, tudo o que eu mais quero é pedir licença ao professor, sentar-me com um café com leite e um croissant, e desfrutar desses minutinhos antes que a maratona recomece.

Sessões de coaching com a Ursula me ajudaram tremendamente em momentos críticos da temporada. Ela define combinações simples na barra (mas que exigem concentração), sem música, com foco no alinhamento e colocação do peso. Trabalho ainda mais duro do que se estivesse fazendo uma aula normal na verdade, mas toda minha energia vai para um treino saudável onde encontro meu equilíbrio e posicionamento corretos, o que me ajudará a executar os balés com facilidade e menos esforço. Em vez de saltar, as vezes fazemos algum trabalho de ponta específico para fortalecer meus tornozelos. Sinto que, embora não tenha feito uma aula completa, minhas horas da manhã foram muito bem aproveitadas.

É muito importante mantermos nossa técnica clássica sob controle, não apenas para melhorarmos como bailarinos, mas também para evitar que criemos maus hábitos que possam nos prejudicar num futuro próximo ou distante. Pesquisas sugerem que 36% dos bailarinos profissionais se aposentam devido a lesões musculoesqueléticas, com 91% sofrendo dores após se aposentarem (The Guardian, 2018). Dançar saudável tem que ser levado a sério!

Contamos muito com a equipe de saúde para atender às nossas necessidades físicas e bem-estar. Reservar tempo para massagens terapêuticas e fisioterapia faz parte do nosso planejamento diário. A massagista ajuda a reduzir a tensão nos músculos e tecidos e elimina o tecido cicatricial que se forma após uma lesão, além de promover um alívio imediato e relaxante. Também uso baldes de gelo depois de um longo dia (algumas pessoas acreditam em seus poderes anti-inflamatórios) e as recovery boots ou 'botas de recuperação', que podem ser encontradas em um canto remoto da área de saúde. Costumo sentar-me lá entre os ensaios ou antes de uma apresentação e deixar a pressão das botas fazer seu trabalho milagroso (elas usam pressão para se livrar de resíduos metabólicos).

Falamos muito de nutrição e hidratação na companhia, por isso temos também uma nutricionista local. De onde vem nossa energia senão das coisas que comemos? Jackeline nos ajuda a pensar em refeições e lanches rápidos e nutritivos para antes e depois do exercício, e nos auxilia especialmente quando estamos nos recuperando de uma lesão. Nossa dieta pode carecer de vitaminas ou de certos nutrientes. Com ela, descobri que os alimentos que ajudam na recuperação muscular são os ricos em proteína. Sempre carrego uma garrafa de água comigo e algo fácil para comer entre os ensaios, como castanhas, barras de proteína ou cereal, uma banana. Se fico no teatro o dia todo, minhas refeições consistem em marmitas que trago de casa, sanduíches, bolos ou salgadinhos e café.

Quando era mais nova, costumava achar que descansar era perda de tempo. Agora entendo que uma fase de recuperação é tão importante quanto o nosso treinamento. O descanso e sono fazem parte do ciclo que nos leva a alcançar o nosso melhor. Com o passar do tempo, entendi o que é bom para minha saúde e bem-estar e o que vai me tirar dessa sensação de esgotamento, mesmo que seja apenas uma liberação rápida. Muitas vezes o que eu preciso é apenas um momento de pausa para me reconectar comigo mesma.

Parte do meu plano de sobrevivência é sair para tomar um café, acompanhado de um bom cinammon bun (pão de canela), sentar-me ao ar livre onde tento avaliar meu estado emocional e o que me falta. 'Do que realmente preciso?'. Ter um momento para mim mesma aumenta meu astral e me dá uma nova perspectiva sobre as coisas. De repente, aquilo não parece mais o fim do mundo.

A vida no teatro pode ser bem agitada (e as vezes um pouco caótica). Muitos de nós somos especialistas em estar no modo sobrevivência pois aprendemos a seguir os movimentos da vida e fazer o que precisamos fazer, mas se permanecermos nele por muito tempo, isso nos afetará física e emocionalmente. É difícil “ser sensato” quando muito está em jogo. Se não fizermos o que nos é pedido, outra pessoa o fará, e para não perdermos uma oportunidade, continuamos dançando, e dançando, e dançando ...

Acredito que a maioria dos bailarinos sofra em silêncio com suas dores e lesões, pois não querem que lhes digam que precisam parar de dançar. Hoje, aprendi que nem sempre repouso total é a resposta. Existem maneiras de superar um pouco de desconforto, com um fisioterapeuta de confiança, encontrando formas de minimizar o impacto e trabalhando nosso psicológico, como se reeducássemos nosso cérebro de que a área seja sensível e não machucada. Acredito que muitas das nossas lesões ‘crônicas’ estão ligadas às nossas emoções, e vale a pena passar um tempo revisitando padrões e crenças com um especialista em quem você possa confiar.

Usando as recovery boots por dez a quinze minutos no dia, sessões de fisioterapia e massagens, comendo com atenção, priorizando alguns ensaios e espetáculos, fazendo exercícios de fortalecimento e condicionamento, saindo para tomar um ar, descansando e dormindo bem quando possível ... essas são pequenas coisas que me ajudam quando estou muito cansada. Faz parte da nossa profissão e do esforço físico e mental que ela exige.

Nosso corpo tem sua maneira de nos alertar quando estamos indo longe demais. Quer seja expresso como um pequeno resfriado, uma dor de estômago, fadiga ou dores no corpo, são sinais de que nossas habilidades de sobrevivência não estão dando conta da carga de trabalho. Chegamos a pensar que somos fracos, mas não é uma questão de ser fraco ou forte. Somos seres-humanos afinal, não máquinas. Seguindo nossa intuição e experiência profissional, conseguimos contornar cada obstáculo. Olhando para traz, para cada temporada finalizada, sentimos orgulho do que alcançamos.


Férias mais que merecidas!


Vejam o video acima, onde relato minha experiencia com o fisioterapeuta Leandro Fukusawa e o quanto venho aprendendo com o projeto @movase.mais.

170 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com