What does DANCE mean to you?

O que a dança significa para você?

Versão em português abaixo


Dance is a form of expression that has been around since the start of civilization. Our ancestors danced to the gods in religious, celebratory, life and death rituals, to express something that transcends the power of words. But dance has also become a form of existing. And interestingly, this is something I have started to ask myself: why do we dance? Why is dancing such a big part of our lives, regardless of it being your profession or not? Some of us have an urge to let loose on the dance floor, some choose to spend precious evenings at the theatre, some choose to become performing artists...


In this lockdown period, a lot of people have turned to online dance lessons as a way of getting their dose of exercise, having fun, and staying connected. The Royal Opera House has been streaming performances, like The Winter’s Tale and Anastasia, and thousands of people have connected to watch. Dance is playing its part, like it always has in the history of humanity, in getting us through difficult times.


I decided to dig deeper into what dance means to me personally and to society as a whole, revisiting the origins of classical ballet and modern dance. As always, I turned to my bookshelf for guidance and found an old book that belonged to my aunt: Dançar a Vida (Dancing your Life), by Roger Garaudy.


'The word dance itself, in all European languages - danza, dance, tanz -, derives from the tan root which in Sanskrit means' tension'. To dance is to experience and express, with the utmost intensity, the relationship of man with nature, with society, with the future and with the gods. To dance is, first of all, to establish an active relationship between man and nature, it is to participate in the cosmic movement and dominion over it.’

I don’t remember having read this book before; if I did, I don’t think I could fully digest it. As I understand it now, what Garaudy means is that dancing is something spiritual, a way of connecting with a higher power and celebrating our existence. It is innate to us and who we are as human beings, a way of forging relationships with each other and with the world around us.


When I was little, I could never explain why I enjoyed dancing so much. ‘I dance to express myself’, I’d say, but only because that’s what I heard other people say. I couldn’t explain why. I can describe it now as something where i 'feel my spirit elevate', where I feel in my element. Simpler to say: it just makes me happy! I remember my ballet teacher telling me that ‘you don’t get to pick dance, dance picks YOU!’ Well, fifteen years ago, it did feel to me like I was making a very conscious decision that I was picking dance (I was moving to another country to pursue a career in it), but perhaps there was a bit of truth in what Toshie was saying after all. I don’t think I would have endured the physical and mental demands of ballet if I didn’t feel a strong pull, a spiritual connection towards it. That sense of being ‘chosen’ to deliver a message, to show who I really am.


Frederick Ashton's Rhapsody. Photo by Dave Morgan.

Dance, for some, means a chance to excel, to be the best. Some people are driven by the athletic side of dance, the fitness and mastering of 'tricks'. Many stick to it because they are very talented and have the right physique, but I believe if you don’t have your heart in it, it gets harder and harder to sustain that satisfaction down the road. When you choose dance as a profession, it becomes a lifestyle that requires commitment, dedication, and discipline. It is a short lived career; sadly, there is only so much the body can take. Most dancers stop in their forties, or when the body doesn’t respond as well to the physical demands of classical ballet, they go on to explore other kinds of dance.


Dancing as a hobby, on the other hand, can be practiced at any age, at any time of our lives. It can aid the development of children and teenagers, or improve the well-being and health of adults and the elderly. The benefits of dancing are endless! It is not just a form of exercise; it inspires creativity and develops a certain attitude about life, giving you the skills to succeed in other areas, be it personal or professional.


'What is dance? It is the physical expression of relationships, feelings and ideas through movement and rhythm. Math is not taught just to create mathematicians, writing not just to create the next generation of novelists. The same goes for the arts. It is taught to create well-prepared citizens who can apply the skills, knowledge and experience of being involved in the arts in their careers and lives.’ - Cecilia Kerche


A little girl starts ballet because she wants to wear a pink tutu and sparkly tiara. She starts her lessons and discovers that there is more to it than being princess-like, and that there are more girls like her who are also interested in the game. Together, they fall in love with music and dance. Every day, the little group of friends face the same fears and expectations, surpassing their own limitations, together. The weekday lessons turn into weekend rehearsals, which turn into weeklong travels to ballet festivals and competitions. They grow up in this close environment, sharing the same dreams and challenges of their teenage years. And even when some give up dancing and follow their own path, whatever that may be, they find themselves surrounded by the happiest of memories and a closely bonded 'family'.



Dance brings people together. For me, it gave me lifelong friendships. One became a doctor, one an architect, another entrepreneur, veterinarian... and each in their own way have become happy and successful and continue to play a big role in my life. Dance taught us how to fight for our dreams, how to live with our differences and be supportive of each other. It gave us something to feel very proud of - moments to be cherished forever - and it gave us a lot to look forwards to: our reunions and celebrations of each other's life achievements!

'Dance only finds its greatest success when it is the expression, or the hope, of a collective life.'

Dance means connecting with others, sharing stories with an audience or the adrenaline of performance with a fellow dancer. I love really looking into people's eyes when I’m on stage with them. Finding those moments when I can catch someone’s look on stage gives me the best feeling ever! It is like we are sharing a secret. Sometimes you can read people's minds, you know when they are trying not to laugh at something, which can easily turn into you having an uncontrollable urge to laugh as well, and the whole stage having a laughing fit (a very discrete one) These moments are terrifying (and so unethical) but they are some of my best memories. They are so much fun (for lack of a better word). If one gets the giggles on stage, that's it. It is very contagious, precisely because it's wrong! Just remembering some of them makes me want to laugh. Oopsie.


There is such a strong exchange of energy and intention amongst us dancers. If I’m standing onstage or in the wings, watching someone dance - someone I really love - the next minute I feel ecstatic and I'm trying to match their enthusiasm with my dancing. Here is the true meaning of feeling 'inspired'! Sometimes, whoever I'm dancing with or is the leading couple that evening will make the difference between me having a good show or a GREAT show, regardless of how I execute the steps myself. True artists can make me forget technique even exists!

With Hiro Takahashi in Swan Lake, Northern Ballet
'Every dance implies participation: even when it is a performance, it is not only with the eyes that we' follow 'it, but with the outlined movements of our own body. Dance somehow mobilizes a certain sense, by which we are aware of the position and tension of our muscles, just like the semicircular channels in our ears give us awareness of our balance and command us. This sixth sense establishes, thanks to a phenomenon of muscular resonance, the contact between the dancer and the participant.'

The way I see people react to performances, so enthusiastically, makes me believe that there truly is a deeper connection between the artist and audience, one that goes beyond the visual. It is as if they relive the feelings expressed by the dancer. I am fascinated by those who tell me that they come to the Royal Opera House every night and watch the same ballet six, seven, eight times! I don’t know if I could have that same level of commitment, but I do find tremendous joy and relief in knowing that the audience feels what I feel when I am out there performing.



Life is all about giving and receiving. I have witnessed the excitement on people’s faces as they watch the dancers come out of stage door at the end of a show. They want pictures and autographs, they give you smiles and flowers and make you forget it has been a long, long day. I think of the audience a lot when I’m dancing. I try to really look at them, communicate with my eyes and my smile, even when all I see in front of me is 'darkness'.

A few months back, at the light of all that was going on in the world, I could sense the theatre was still full! People were putting their health at risk not to miss a show, and that really touched me. Even now, with all the reasons to avoid the theatres, they write so passionately that they will be there, seating in the auditorium, as soon as the doors reopen. I find it so incredible, and I'm so grateful for their appreciation and love for our art.


Stephen Hutchings' love for ballet was immeasurable. He showed me how much it can touch one's soul and become a part of one's life.


Post-show Japan Tour 2019. Audience members waiting by stage door

Looking from the inside, I see how much dance helps us grow as individuals. Dancing has become a journey of self-discovery. There have been times when I thought I wasn't doing enough. Was I being too self-centred? Shouldn’t I have become a doctor, or teacher, or be doing something that would have a bigger impact on society? Am I just part of an elitist art? Not long ago, I realised that I am only beginning to grasp how much dance can touch people’s lives and improve our mental and emotional well-being.

I came across the webpage of an author and ballet-lover, Kate Eberlen. Kate had recently released a novel inspired by her passion for dance (Only You is currently #1 Bestseller in Ballet on AmazonUK), but the blog post I found wasn’t about the book itself. It caught my attention because it was called ‘How dance saved my life’, where she opens up to how dance has helped her get through an extremely difficult period. By attending tea dances and making trips to the theatre, she found strength and courage to face every obstacle.


'I admire the dancers' almost superhuman physical skills, the precision, the bravery, the technique, but it is the artistry of combining these with music and storytelling, that transports me to a place where I feel emotions more strongly and see beauty more clearly. For me, watching ballet is like getting a shot of pure happiness.'


Read Kate’s blog here. https://www.kateeberlen.com/article.php?id=30

The fact is, we never know the repercussions of any of our actions, how much we are affecting those who we come in contact with or those who are simply watching us from afar, perhaps seating in the audience and appreciating our dancing like it was their own body and spirit taking flight. Stories like Kate's make me feel so proud of what I do and helps me believe in the transformative power of dance. It is not just an escape from reality, but a way for others to live a happier and more fulfilling life. It brings us joy! When I'm back at the Royal Opera House stage, I will be thinking of the audience even more than before. I will enjoy every minute of it like there is no tomorrow!



Dance is, to me, not just a job or a form of living. It is how I share and receive happiness, how I best use my gifts to serve others. It is my attempt to make the world a better place.

And to you? What does dance mean to you?


#dance #love #happiness #stage #friends #audience #ballet #theatre #roh #dancer #blogger


Versão em português


O que a dança significa pra você?


A dança é uma forma de expressão existente desde o início da civilização. Nossos ancestrais já dançavam para os deuses em inúmeros rituais ligados a religião, natureza, vida e morte, para expressar algo que transcende o poder das palavras. Mas a dança também se tornou uma forma de viver. E, curiosamente, isso é algo que comecei a me perguntar: por que dançamos? Por que dançar faz parte de nossas vidas, independentemente de ser sua profissão ou não? Alguns de nós sentem um desejo enorme de se ‘soltar’ na pista de dança, alguns optam por passar suas noites preciosas no teatro, outros por se tornarem bailarinos...

Nesse período de quarentena, muitas pessoas tem procurado por aulas de dança online como forma de se exercitarem, de se divertirem e sentirem unidos. A Royal Opera House tem transmitido espetaculos como The Winter's Tale e Anastasia, e milhares de pessoas se conectam para assistir. A dança está desempenhando seu papel, como sempre fez na história da humanidade, de nos ajudar e nos unir em momentos difíceis.

Decidi me aprofundar no que a dança significa para mim pessoalmente e para a sociedade como um todo, revisando as origens do balé clássico e da dança moderna. Como sempre, procurei orientação na minha estante e encontrei um livro antigo que pertencia à minha tia: Dançar a Vida, de Roger Garaudy .

‘A propria palavra dança, em todas a linguas européias – danza, dance, tanz -, deriva da raiz tan que em sânscrito, significa ‘tensão’. Dançar é vivenciar e exprimir, com o máximo de intensidade, a relação do homem com a natureza, com a sociedade, com o futuro e com os deuses. Dançar é, antes de tudo, estabelecer uma relação ativa entre o homem e a natureza, é participar do movimento cósmico e do domínio sobre ele.’

Não me lembro de ter lido este livro antes; se o li, acho que não consegui digeri-lo completamente. Pelo que entendo agora, o que Garaudy quer dizer é que dançar é algo espiritual, uma maneira de se conectar com uma força superior e celebrar nossa existência. É inato a nós e a quem somos como seres humanos, uma maneira de estabelecer relacionamentos entre si e com o mundo ao nosso redor.

Quando eu era pequena, não conseguia explicar por que gostava tanto de dançar. "Danço para me expressar", eu dizia, mas apenas porque era o que ouvia outras pessoas dizerem. Eu não conseguia explicar o porquê. Posso descrevê-lo agora como algo onde 'sinto meu espírito se elevar' toda vez que danço com meu coração, onde me encontro no meu elemento. Lembro-me de minha professora de balé ​​dizendo que 'você não escolhe dançar, a dança escolhe VOCÊ!' Bem, quinze anos atrás, parecia que eu estava fazendo uma escolha, e muito consciente, de que queria ser bailarina (eu estava me mudando para outro país para tentar seguir uma carreira), mas afinal, talvez haja um pouco de verdade no que Toshie dizia. Não acho que teria suportado as exigências físicas e mentais do balé se não sentisse uma forte atração espiritual pela dança, essa sensação de ser 'escolhida' para entregar uma mensagem, para mostrar quem eu realmente sou.

A dança, para alguns, significa uma chance de se destacar, de ser o melhor. Algumas pessoas são motivadas pelo lado atlético da dança, pela aptidão física e domínio de ‘truques’. Muitos se apegam ao ballet porque são muito talentosos e se sobressaem, mas se você não tem paixão por ele, acredito que fique cada vez mais difícil sustentar tal satisfação. Quando você escolhe a dança como profissão, ela se torna um estilo de vida que exige comprometimento, dedicação e disciplina. É uma carreira muito curta; infelizmente, nosso corpo tem limites. A maioria dos bailarinos pára nos seus quarenta e poucos anos, ou quando o corpo não responde às exigências físicas do balé clássico, eles partem a explorar outros tipos de dança.

Dançar como um hobby, por outro lado, pode ser praticado em qualquer idade, a qualquer momento de nossas vidas. Pode ajudar no desenvolvimento de crianças e adolescentes, ou melhorar o bem-estar e a saúde de adultos e idosos, fazendo com que eles se sintam parte de sua comunidade. Os benefícios da dança são infinitos! Não é apenas uma forma de exercício; ela inspira a criatividade e desenvolve uma certa atitude em relação à vida, dando a você as habilidades necessárias para ter sucesso em outras áreas, sejam elas pessoais ou profissionais.

‘O que é a dança? É a expressão física de relacionamentos, sentimentos e idéias através de movimento e ritmo. Não se ensina matemática apenas para criar matemáticos, a escrita não apenas para criar a próxima geração de romancistas. O mesmo vale para as artes. É ensinada para criar cidadãos bem preparados que possam aplicar as habilidades, o conhecimento e a experiência de estarem envolvidos nas artes em suas carreiras e vidas’ – Cecilia Kerche

Uma garotinha começa o balé porque quer usar tutu rosa e uma coroa de brilhantes. Ela começa suas aulas e descobre que isso é muito mais do que ser princesa, e que há mais meninas como ela que também estão interessadas na jogada. Juntas, elas se apaixonam por música e pela dança. Todos os dias, o pequeno grupo de amigas supera obstáculos e ultrapassa suas limitações juntas. As aulas da semana se transformam em ensaios de fim de semana, que se transformam em viagens de meses para festivais e competições de balé. Elas crescem nesse ambiente íntimo, compartilhando os mesmos sonhos e desafios da adolescência. E mesmo quando algumas desistem de dançar e seguem seu próprio caminho, seja ele qual for, elas se vêem cercadas pelas lembranças mais felizes e por uma nova "família".

A dança une as pessoas. Para mim, ela deu amizades para a vida! Uma tornou-se médica, uma arquiteta, a outra empresária, veterinaria ... e cada uma a seu modo se tornou feliz e bem-sucedida e continua a desempenhar um grande papel na minha vida. A dança nos ensinou como lutar por nossos sonhos, como viver com nossas diferenças, apoiando umas as outras. Ela nos deu motivos para nos sentirmos confiantes e orgulhosas - momentos a serem guardados para sempre - e nos deu esperanças e alegrias para o futuro, de nos reencontrarmos sempre que possivel e compartilharmos nossas realizações!

‘A dança só reencontra seu grande êxito quando é a expressão, ou a esperança, de uma vida coletiva.’ (Garaudy)

Dançar significa conectar-se com outras pessoas, compartilhar uma história com a plateia, ou a adrenalina da performance com um bailarino. Eu adoro olhar nos olhos das pessoas com quem estou dividindo o palco. Aquele momento em que nossos olhares se encontraram me dá a melhor sensação de todas! É como se estivessemos compartilhando um segredo. Às vezes, pode-se ler a mente das pessoas no palco e saber que elas estão tentando não rir de algo, o que pode levar a um ataque de riso geral! Totalmente antiético, mas extremamente divertido (por falta de uma palavra melhor). Se alguém começa com risadinhas no palco, aí pronto. É contagioso, precisamente porque está errado! Só de pensar nesses momentos me dá vontade de rir. Oopsie.

Há uma troca tão forte de intenção e energia entre nós, dançarinos. Se estou no palco ou nas coxias assistindo alguém dançar - alguém que realmente gosto – logo que começo a dançar eu me sinto em êxtase total, com o mesmo nível de empolgação e energia. Aqui está o verdadeiro significado de se sentir 'inspirado'. Quem quer que seja meu parceiro, ou o papel principal, fará a diferença entre eu ter um bom show ou um ótimo show, independentemente de como eu mesma execute meus passos. Os verdadeiros artistas podem me fazer esquecer que a técnica existe!

‘Toda dança implica participação: mesmo quando ela é espetáculo, não é apenas com os olhos que a ‘acompanhamos’, mas com os movimentos pelo menos esboçados do nosso próprio corpo. A dança mobiliza, de algum modo, um certo sentido, pelo qual temos consciência da posição e da tensão dos nossos músculos, como os canais semicirculares de nosso ouvido nos dão consciência de nosso equilibrio e nos comandam. Este sexto sentido estabelece, graças a um fenômeno de ressonância muscular, o contato entre o dançarino e o participante.’

A maneira como vejo as pessoas reagirem a um espetáculo, com tanto entusiasmo, me faz acreditar que realmente há uma conexão mais profunda entre o artista e o público que vai além do visual, como se revivessem os sentimentos expressos pelo bailarino. Fico encantada por aqueles que me dizem vir à Royal Opera House todas as noites assistir ao mesmo balé seis, sete, oito vezes! Não sei se eu poderia ter o mesmo nível de comprometimento, mas sinto uma enorme alegria e alívio sabendo que o público sente o que eu sinto quando estou dançando.

A vida é sobre dar e receber. Eu posso ver a emoção no rosto das pessoas enquanto esperam os bailarinos saírem pela stage door após as apresentações. Elas querem fotos e autógrafos, dão sorrisos e entregam flores e fazem você esquecer o cansaço. Penso muito na platéia quando estou dançando. Eu tento realmente olhar para eles, me comunicar com meus olhos e meu sorriso, mesmo quando tudo que vejo na minha frente é 'escuridão'.

Alguns meses atrás, à luz de tudo o que estava acontecendo no mundo, eu podia sentir o teatro ainda cheio. As pessoas estavam pondo a saúde em risco para não perder um espetáculo, e isso realmente me emocionou. Mesmo agora, com tantos motivos para evitar os teatros, elas tem enfatizado que estarão na platéia assim que as portas se abrirem. Acho isso incrível, e sou muito grata por sua apreciação e amor por nossa arte.

Olhando de dentro, vejo o quanto a dança nos ajuda a crescer como indivíduos. Dançar se tornou minha jornada de autodescoberta, mas houveram épocas em que eu sentia não estar fazendo o suficiente. Seria eu muito egocêntrica? Não deveria ter me tornado médica, professora, ou estar fazendo algo que teria um impacto maior na sociedade? Será que apenas faço parte de uma arte elitista? Há pouco tempo, percebi que eu ainda só comecei a entender o quanto a dança pode tocar a vida das pessoas e melhorar o nosso bem-estar mental e emocional.

Deparei-me com o site de uma escritora, Kate Eberlen . Kate havia lançado recentemente um romance inspirado em sua paixão pela dança ( Only You, atualmente, é o best-seller nº 1 de Ballet no AmazonUK ), mas a postagem do blog que encontrei não era sobre o livro em si, e sim sobre 'Como a dança salvou minha vida', onde ela se abre ao dizer como a dança a ajudou a passar por um período extremamente difícil e delicado de sua vida. Ao participar de ‘tea dances' (‘danças do chá’ - acredito ser algo que os ingleses criaram, uma combinaçao de dança seguida pelo chazinho da tarde) e fazendo mil visitas ao teatro, ela encontrou força e coragem para enfrentar todos os seus obstaculos.

"Para mim, assistir balé é como receber uma dose de pura felicidade."

Leia o blog de Kate aqui. https : //www.kateeberlen.com/article.php? id = 30

O fato é que nunca sabemos as repercussões de nenhuma de nossas ações, o quanto estamos afetando aqueles com quem entramos em contato ou aqueles que simplesmente estão nos observando de longe, talvez sentados na platéia e apreciando nossa dança como se fossem seu próprio corpo e espírito voando. Histórias como a de Kate me fazem sentir muito orgulho do que faço e me ajudam a acreditar no poder transformador da dança, de como ela não é uma fuga da realidade, mas algo que dá prazer e uma maneira de outros viverem uma vida mais feliz e gratificante. Quando eu voltar ao palco do Royal Opera House, estarei pensando na platéia ainda mais do que antes. Aproveitarei cada minuto como se não houvesse o amanhã!

A dança não é, para mim, apenas uma forma de viver. É assim que compartilho e recebo felicidade. É minha tentativa de tornar o mundo um lugar melhor.

E para você? O que a dança significa para você?

216 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com