Part time student, full time dancer

Estudante em tempo parcial, bailarina em tempo integral

Versão em português abaixo


What will I do when my dancing career is over? It would be natural for anyone who knows me to think that I would follow my mother’s footsteps, taking over her ballet school. A destiny plotted by inheritance, but it is not quite so simple. I always imagined that when I retired, I would go on to do something entirely different. Perhaps when I was younger, I saw it as an escape from the responsibilities of directing a school, but I think that what I've always really wanted was to find out what life would have been like had I not found ballet, if I had pursued other interests.


When we were twelve years old, me and my cousin Luiza collaborated on a few editions of our own newspaper 'O que rolou por aí', an account on the latest happenings in Atibaia: Christmas preparations, family gossip, June party and Carnival. We did all the detective work, typed our notes in my dad’s computer, printed out page after page of the 'breaking news!' and sold the leaflet for one real to any family member or friend in the vicinity. We fantasised on becoming writers or journalists, and we were quite good at it!


Carnival in Atibaia - (from left to right) Mayra, Luiza, me and Leo. Partners in crime.

A lot of dancers feel at a loss when they try to imagine a future outside dance. I feel very fortunate to have an interest in developing other aspects of my being, a desire to open up my horizons! Having spent my childhood in Brazil, attending a normal school and growing up in a nurturing home, I kept myself in contact with the ‘real world’. There are kids who join boarding school at eleven years old, where ballet becomes their identity. It is quite hard to picture yourself doing anything else when dance is all you have ever known, all you have focused on your entire life.


I would have never jeopardised my dancing career to pursue a curiosity for literature and writing, but I knew it was always something I could turn to. It got me thinking… what could I actually achieve with loving books? Would I even have the skills, imagination, the knowledge to become a writer? How to find out? I later discovered that there was, in fact, a way I could dip my toe in the water without letting go of my dancing dreams. I also discovered that it was o.k. for us to feel afraid and anxious about life beyond dance, and that we in fact had a strong support system to guide us through that transition.


My love for ballet always spoke louder than anything else.

Right at the start of my first week with Northern Ballet, I was introduced to the DCD: Dancers’ Career Development. I was puzzled at first as to what that even meant. Career development? Transitioning?! Sitting crossed legged in the studio, with pen and paper in hand, I took note of what this was about: an organization that would help dancers, not just me but all company members in the room, to retrain and transition into alternative professions after retiring from performance, by offering guidance and financial support. At the time, my life as a dancer had only just begun! Thinking about starting something new was out of the picture, but a little seed had been planted.


The DCD is the only organization of their kind in the United Kingdom. I never knew how grateful I’d feel one day to have this amazing resource. When this crazy urge to study became too loud to ignore, I knew exactly who to turn to. By the time I felt ready to commit to it, the years had gone by and I became eligible for their partner company retraining grant. To apply for it, you must have been a professional dancer for at least eight years, five of those being with either Northern Ballet, Birmingham Royal Ballet, English National Ballet, Scottish Ballet, Rambert, or The Royal Ballet. There is also the opportunity for independent dancers to qualify for a retraining grant; details can be found on the DCD website.


Besides, one must show a genuine interest in whatever you have chosen to pursue as a possible long-term career path, and propose a realistic retraining plan (research, select a course, explain why you think it is suitable for you). After sending all the papers, with proposals and a personal statement and sitting face-to face with one of their team, my application got accepted, which meant that my two-year university fees and materials would all be paid for. This was the encouragement I needed to follow through with my study plans.


Sonatina, The Royal Ballet, 2017. © ROH

Applying for university wasn’t an idea that came to me on the spur of the moment. It took me years to gather courage, to understand that there was no harm in trying. I hardly remembered what it was like to be a student, to write in academic English, but I never let go of my interest in learning. Even when joining the National Ballet School, I took academic lessons very seriously. But the good grades have always been reflective of my determination and hard work, I believe, and not so much of a high intellect. Now at university level, I prayed that hard work would suffice.


I enrolled at the Open University knowing that I would have to sacrifice a lot of free time. Whenever I take on a new challenge, it is everything or nothing, but this time I gave myself permission to try it out, see how I could accommodate a distance learning course having a full time job (and one that is quite demanding).



Choosing what to study

The Open University has an online platform called OpenLearn where you can explore a wide range of topics and subjects, study free courses, and get acquainted with student life. This is where I'd start looking. After trying out some free courses through FutureLearn, I found out about the Open University distance learning scheme.

I was looking for a general idea of all arts subjects, something of a foundation, without realising that no matter what specification I chose, whether it was literature or writing or classical studies, I would have started out with the same module: The arts past and present (now called Discovering the arts and humanities). It would introduce me to a wide range of subjects, from music to religion, literature, philosophy. I chose this module and one other (Voices, texts, and material culture) to receive a Certificate of Higher Education in the Arts and Humanities. It was a two-year course (long-distance) which could be counted towards a higher degree.


Reading through each course prospectus will give you an idea of what to expect, as each module will be presented with its key features. Besides learning a range of subjects related to the arts, I wanted to refine my ability to argument and analyze, to sharpen up my writing skills, and communicate with clarity and confidence. Upon receiving my certificate in July 2019, I phoned up the university and transferred my credits to a BA in English Literature and Creative Writing. I chose to use the momentum to continue on, committing to another four years of distance learning.



Managing dance and university

The Open University has a pretty straight forward system to help you with time management. Every module is broken down into study weeks. When you start a course, you'll have a Student Homepage, where you find access to a study planner - a detailed week-by-week schedule - with the number of minutes or hours required for each task.

I try to do most of my studying during work hours, incorporating it into my ballet schedule. Whenever I get a long break, I take my backpack and go out to a cafe or down the Opera House stairs to my favourite corner of the canteen, and start working on my essays. It could be a three-hour gap in between rehearsals, or the hours leading up to a performance, these are productive hours.




Dancers hate waiting around to go onstage for the very last act of a ballet, but I’ve made the most of hanging around in the theatre. I fill it up with university readings, essay planning and editing. I choose what to work on very carefully to make sure it won’t pull my focus away from the performance, but I find that it actually helps me get rid of any worries or anxiety.

If I had to spend all weekend absorbed in my books, I'd feel very guilty. Sundays are sacred, for resting and recovering. I try to stick to working over short periods during the week, which means that these days I hardly spend any idle time in the changing room or reading a nice book for pleasure. My trips to coffee shops became working hours. It is the price I have to pay.

If I'm very busy with shows and rehearsals, I skim read over some chapters just to get a general overview of the material and focus on the marked assignments. Being selective has helped me stay on track and not fall behind on the study planner, especially last year when studying Literature at stage 2, where I had a lot more reading and analysis to do.


My study desk in Neals Yard.

Distance Learning with the OU

On your Student homepage, you find a weekly planner with a very thorough outline and due dates of assignments, online or face-to-face tutorials, and student forums. The university uses a combination of online and printed materials, and a mixture of reading, videos and audios, all accessed via the internet.

I've submitted all assignments online. Naturally, you might be assessed differently depending on the course. I've had five or six tutor-marked assignments each year, and an exam at the end of my second year. I’ve never been so nervous. It took place in this massive hall, Harry Potter style, a big clock counting the time, where hundreds of students sat at their desks and wrote frantically for what felt like ten hours. I must confess it wasn't my greatest performance, but I passed.


The most exciting part of my first year as a student was attending face-to-face tutorials, but these are sadly becoming a less significant part of OU studying, for obvious reasons. Just seating in a classroom and conversing with different people, of all ages and backgrounds, was a whole new experience, one that proved to me it is never too late to go back to school, to learn something new.


Books I read for my literature module

My first tutor was very passionate about teaching and meeting her face-to-face was quite amazing. She made the classes very fun and informative. Last year’s tutor was a musician and arts critique. Coincidentally, she would always do trips to the theatre. We met over a glass of wine at the Royal Opera House. It was with the greatest relief that I entered stage 2 of university knowing that my tutor was someone I could approach easily, who knew and understood what it means to be a ballerina and lead a crazy life.


Neopolitan with James Hay, Swan Lake. © ROH

Reaping the benefits

My first two years at university made me appreciate all art forms and their interdisciplinary qualities. I saw how valuable they all are in our understanding of humanity. I made day trips to art galleries and museums around London as research projects for my essays, something I would never have set time aside for. I learned about different cultures and artefacts, watched a whole BBC programme/documentary called Civilisations, went on literary talks and discovered The Literature Festival, attended a Christmas concert as preparation for my essay on Handel's Messiah, and even wrote a short story.



Moving on to stage 2 was a step up from the fun museum trips, but it was a gradual and continuous progress. Studying literature has given me great insight into the world of books, the one I have appreciated since childhood, and made me aware of the different techniques that writers utilise to make their story so magical. I became a fan of Thomas Hardy and Edith Wharton, and one of my favourite works was writing about Arundhaty Roy's The God of Small Things. I hope these blogs have kept my writing skills sharp and imagination going throughout this lockdown period, as I'm about to start a Creative Writing module this October.

My personal life has been enriched by my studies, and so has my professional life. It has made me appreciate dance even more, all that it has taught me, and the many years of dancing that lay ahead. I was thinking about my future when I decided to apply for university, but what I really needed was to get out of my comfort zone, to get my mind exposed to new concepts, new ideas.


Ideas rarely come from nothing. We stimulate our brains to come up with ideas when we learn new things or when we rehearse the things we are learning. They come not from sitting around and waiting for inspiration to descend, but from working: trying things out, reading, learning and doing.

The School of Life - Philippa Perry


Dancers are very skilful human beings, something we always hear from the DCD team. We are determined, persistent, hardworking, disciplined, responsible, creative, we have countless transferable skills to be used in any other profession. All we need is not be afraid to discover ourselves and our potential. It is never too late to learn, never too late to set new goals and ambitions.


What would you do if you weren't a dancer?
Click here to learn more about..

My Journey to the Royal Ballet


OpenLearn


The Open University


Dancers' Career Development 'DCD'


The School Of Life


#ballet #study #studentlife #openuniversity #degree #workandstudies #distancelearning #royalballet #dance #dcd

Versão em Português


Estudante em tempo parcial, bailarina em tempo integral


O que farei quando minha carreira de bailarina se acabar? Quem me conhece, naturalmente diria que seguirei os passos de minha mãe, assumindo a direção da sua escola de balé. Meu destino estaria traçado pelo seu grande legado, mas não é tão simples assim. Sempre imaginei que, quando me aposentasse, faria algo totalmente diferente. Talvez quando mais jovem, visse isso como uma fuga das responsabilidades de dirigir uma escola, mas acho que o que sempre quis realmente foi saber como minha vida teria sido se eu não tivesse encontrado o balé, se tivesse buscado explorar outros interesses.

Aos doze anos, eu e minha prima Luiza colaborávamos em edições do nosso jornal 'O que rolou por ', um relato sobre os últimos acontecimentos de Atibaia: preparativos para o Natal, fofoca de família, Festa Junina e Carnaval. Fazíamos todo o trabalho de detetive, digitávamos no computador do meu pai, imprimíamos página por página das ‘últimas notícias!’ e vendíamos a folha por um real à qualquer membro da família ou amigo nas proximidades. Imaginávamos ser escritoras ou jornalistas, e éramos bem boas nisso!

Muitos bailarinos se sentem perdidos quando tentam imaginar um futuro fora da dança. Sinto-me muito afortunada por ter interesse em desenvolver outros aspectos do meu ser, uma vontade de abrir meus horizontes! Tendo passado minha infância no Brasil, frequentando uma escola normal e crescendo em um lar acolhedor, pude me manter em contato com o 'mundo real'. Há crianças que ingressam no internato aos onze anos, onde o balé passa a ser sua única identidade. É difícil imaginar-se fazendo qualquer outra coisa quando a dança é tudo o que você conhece, aquilo em que mais se dedicou durante toda a vida.

Eu nunca teria arriscado minha carreira de bailarina para seguir essa curiosidade pela leitura e a escrita, mas sempre soube que era algo em que poderia recorrer. Chegava a pensar ... o que eu poderia realmente conquistar com minha paixão pelos livros? Teria eu as habilidades, a imaginação, o conhecimento para me tornar uma escritora? Como saber? Mais tarde, descobri que havia, de fato, uma maneira de mergulhar o dedinho e testar novos caminhos, sem ter que abandonar meus sonhos de bailarina. Também descobri que não havia problema nenhum em sentirmos medo e ansiedade sobre o que viria após a dança e que, de fato, tínhamos um forte sistema de apoio para nos guiar durante essa transição.

Logo na minha primeira semana de trabalho com o Northern Ballet, fui apresentada ao DCD: Dancers’ Career Development ou Desenvolvimento de Carreira de Bailarinos. Fiquei intrigada no início sobre o que isso significava. Desenvolvimento de carreira? Bailarinos em transição?! Sentada no estúdio de pernas cruzadas, com meu papel e caneta na mão, tomei nota do que se tratava: uma organização que nos ajudaria, a mim e a qualquer membro da companhia, novo ou antigo, prosseguir para profissões alternativas após nossa aposentadoria, oferecendo orientação e ajuda financeira. Na época, minha vida como bailarina estava apenas começando! Pensar em algo novo estava fora de cogitação, mas uma sementinha havia sido plantada.

O DCD é a única organização desse tipo no Reino Unido. Eu nunca imaginei a quão grata me sentiria um dia por ter este recurso incrível. Quando minha vontade de estudar falou alto demais para ser ignorada, eu sabia exatamente a quem recorrer. Até me sentir pronta para esse comprometimento, os anos foram passando e eu me tornei elegível para a bolsa de requalificação do DCD. Para se candidatar a bolsa, você tem que ter dançado profissionalmente por pelo menos oito anos, cinco deles com suas companhias afiliadas: Northern Ballet, Birmingham Royal Ballet, English National Ballet, Scottish Ballet, Rambert ou The Royal Ballet.

Além disso, você deve demonstrar um interesse genuíno no que escolheu para seguir como uma possível carreira, propondo um plano de requalificação que seja realista (fazendo uma pesquisa, dando detalhes sobre o curso, explicando por que você acha que este seria adequado). Após mandar meus documentos e pesquisa e conversar frente a frente com alguém do time DCD, minha inscrição foi aceita, o que significava que eu não precisaria me preocupar com as taxas da universidade e materiais. Este foi o incentivo de que precisava para seguir em frente com meus planos de estudo.

Inscrever-se na universidade não foi uma ideia que me surgiu assim, do nada! Levei anos para criar coragem, para entender que não havia mal nenhum em tentar. Quase não me lembrava de como era ser estudante, escrever num inglês acadêmico, mas nunca me desliguei do meu interesse escolar. Mesmo ao ingressar na Escola Nacional de Ballet do Canada, eu levava minhas aulas de escola bem a sério. Mas as boas notas sempre refletiram minha determinação e trabalho árduo, creio eu, e nem tanto um intelecto elevado. Agora em nível universitário, era rezar para que o trabalho árduo fosse suficiente.

Eu me matriculei na Open University, sabendo que teria que sacrificar muito do meu tempo livre. Quando assumo um novo desafio, é sempre tudo ou nada. Mas desta vez, disse a mim mesma que iria experimentar, ver como que funcionaria fazer um curso a distância trabalhando período integral (e um trabalho que não é pouco exigente).


Escolhendo o que estudar

A Open University tem uma plataforma online chamada OpenLearn, onde você pode explorar diferentes tópicos e matérias, estudar cursos gratuitos e se familiarizar com a vida estudantil. E foi por aí que comecei. Depois de experimentar alguns cursos gratuitos no FutureLearn.com, descobri o esquema de ensino à distância da Open University.

Eu procurava por uma ideia geral de todas as disciplinas de artes, algo que me desse uma base, sem perceber que não importava qual especificação eu escolhesse, se era literatura ou escrita ou estudos clássicos, eu teria começado pelo mesmo módulo: Artes passadas e presentes (agora denominado Descobrindo as artes e as humanidades ). Ele iria me apresentar a uma diversidade de assuntos, de música a religião, literatura, filosofia. Optei por esse e escolhi mais um módulo (Voices, texts, and material culture) para receber um Certificado de Ensino Superior em Artes e Humanidades. Seria um curso de dois anos (feito à distância) e seus créditos poderiam ser considerados para um diploma.

A leitura do prospecto de cada curso dará a você uma ideia do que esperar, com cada módulo sendo apresentado e seus principais tópicos. Alem de estudar diferentes matérias relacionadas a arte, eu queria refinar minha capacidade de argumentar e analisar, aprimorar minhas habilidades de escrita e me comunicar com clareza e confiança. Ao receber meu certificado em julho de 2019, liguei para a universidade e transferi meus créditos para um Bacharelado em Literatura Inglesa e Escrita Criativa. Aproveitei o embalo e resolvi continuar, desta vez me comprometendo totalmente.

Administrando dança e universidade

A Open University tem um sistema bastante simples para ajudá-lo a administrar seu tempo. A materia é dividida em semanas. Ao iniciar um curso, você terá acesso a uma página pessoal, onde encontrará um planejamento de estudos - uma programação detalhada de cada semana - com o número de minutos ou horas necessários para cada tarefa.

Tento fazer a maior parte dos meus estudos em horário de trabalho, incorporando-o à minha programação de balé. Em cada intervalo, pego minha mochila e vou a um café em Covent Garden ou desço as escadas do Opera House e me instalo no meu cantinho favorito da cantina para trabalhar nas minhas redações. Pode ser um intervalo de três horas entre ensaios, ou as horas que antecedem uma apresentação. Essas são horas produtivas.

Os bailarinos odeiam ficar esperando para aparecer no último ato de um balé, mas eu aproveito ao máximo essas horas de espera. Eu as preencho com leituras, planejamentos, e edito redações. Escolho trabalhar em algo que não me desvie a atenção da performance, é claro. Acho que os estudos até me ajudam a afastar minha mente de preocupações e da ansiedade.

Se eu tivesse que passar o fim de semana todo absorvida em meus livros, me sentiria culpada. Preciso de um bom descanso e tempo de recuperação. Às vezes isso é inevitável, mas tento me limitar a trabalhar em curtos períodos durante a semana, o que significa que atualmente quase não fico à toa no vestiário ou leio um bom livro só por prazer. Minhas idas ao café hoje em dia tem um só propósito. É o preço que tenho que pagar.

Se é uma época de muitos espetáculos e ensaios, leio alguns capítulos apenas para ter uma noção geral do material e me concentro mais no que considero essencial para os trabalhos da faculdade. Ser seletiva me ajudou a encontrar um ritmo, a não me ver correndo atrás. Sspecialmente no ano passado, quando iniciei Literatura no segundo estágio, eu tinha muito mais leituras e análises para fazer.

Ensino à distância com a OU

Na sua página online, você encontra um planejador semanal, com todas as avaliações e datas a serem entregues, tutoriais online ou presenciais, e fóruns de conversa entre alunos e professores. A universidade utiliza uma combinação de materiais online e livros impressos, além de vídeos e áudios, todos acessados ​​pela internet.

Cada avaliação é entregue online. Naturalmente, você pode ser avaliado de forma diferente dependendo do curso. Tenho tido cinco ou seis avaliações a cada ano, e um exame no final do meu segundo ano. Nunca estive tão nervosa. O exame foi feito em um grande salão, estilo Harry Potter, com centenas de escrivaninhas posicionadas em fileiras, e um grande relógio marcando o tempo. Os alunos escreviam freneticamente durante o que me pareceu dez horas! Não foi minha melhor performance, mas passei.

A parte mais emocionante do meu primeiro ano como estudante foi assistir a tutoriais presenciais. Infelizmente eles estão se tornando uma parte menos significativa do estudo da OU, por motivos óbvios. Apenas sentar-me em uma sala de aula e conversar com pessoas diferentes, de todas as idades e origens, foi uma experiência totalmente nova. Algo que me provou que nunca é tarde para voltarmos a estudar, continuarmos a aprender, ou realizarmos um grande desejo.

Minha primeira professora era muito apaixonada por ensinar, e conhece-la pessoalmente foi incrível. Tornava as aulas muito divertidas e informativas. A do ano passado era música e crítica de arte. Por coincidência, ela sempre frequentava os teatros. Nós nos conhecemos tomando uma taça de vinho na Royal Opera House. Foi um grande alívio para mim estar entrando no segundo estágio da universidade sabendo que tinha alguém que eu poderia facilmente abordar, que saberia e entenderia um pouco da vida de uma bailarina e suas loucuras.

Colhendo os benefícios

Meus primeiros dois anos na universidade me fizeram apreciar todas as formas de arte e suas qualidades interdisciplinares. Eu vi como todas são valiosas em nossa compreensão da humanidade. Fiz passeios a galerias de arte e museus Londrinos como projetos de pesquisa para minhas redações, para os quais nunca teria me dado tempo. Aprendi sobre diferentes culturas e artefatos, toda manhã assistia a um programa/documentário da BBC chamado Civilizations, fui a palestras literárias e descobri o Festival de Literatura, e à um concerto de Natal como preparação para minha redação sobre Handel. Até pude escrever uma pequena história fictícia.

O segundo estágio foi uma etapa mais avançada, algo além das viagens divertidas aos museus, mas o progresso foi gradual e contínuo. O estudo da literatura me deu uma grande visão do mundo dos livros que aprecio desde a infância, e me tornou ciente das diferentes técnicas que os escritores utilizam e que tornam seus livros tão apaixonantes. Tornei-me fã de Thomas Hardy e Edith Wharton, e um dos meus projetos favoritos foi estudar Arundhaty Roy’s O Deus das Pequenas Coisas. Com meus blogs, espero ter mantido minhas habilidades de escrita e imaginação ativas ao longo deste período de quarentena, pois iniciarei o módulo de Escrita Criativa agora em outubro.

Minha vida pessoal foi enriquecida pelos meus estudos, assim como minha vida profissional. Aprecio ainda mais a minha profissão e o que ela me ensina, e os muitos anos de dança que virão pela frente. Foi pensando no meu futuro que decidi encarar a universidade, mas eu precisava mesmo era sair da minha zona de conforto para que minha mente fosse exposta a novos conceitos, novas ideias.

As ideias raramente vêm do nada. Estimulamos nosso cérebro a ter ideias quando aprendemos coisas novas ou quando ensaiamos o que estamos aprendendo. Não vêm de ficarmos sentados, esperando que a inspiração desça, mas de trabalhar: experimentar, ler, aprender e fazer (Philippa Perry).

Bailarinos são seres humanos muito competentes, isso sempre ouvimos do time do DCD. Somos determinados, persistentes, esforçados, disciplinados, responsáveis, criativos, possuímos inúmeras habilidades que podem ser utilizadas em qualquer outra profissão. Tudo o que precisamos é não ter medo de explorar nosso potencial, pois nunca é tarde para aprender. Nunca é tarde para definirmos novos objetivos e ambições.

Você já pensou no que seria se não fosse bailarino?


Saiba mais sobre

Minha trajetória ao Royal Ballet


The Open University


Dancers' Career Development

344 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com