'Jeitinho brasileiro': Brazilian dancers around the world

Brasileiros pelo mundo - versão em português abaixo


I was spending a day like any other at grandma’s house in Sao Paulo when mom arrives with a magazine to show me. Right in the corner of a small column of VEJA, the headline read something like: 'Brazilian Roberta Marquez becomes principal dancer of The Royal Ballet in London' . I held it in my hands, staring at the picture of Roberta for a long time, as if digesting that piece of news. This to me should have been at the front page!! A twenty-seven-year-old dancer from Rio had managed to infiltrate not only one of the biggest European companies, but as a principal dancer of THE ROYAL BALLET! I never thought this was even possible.


Before Roberta, there weren’t many names I had heard of who had established a career in Europe. Marcia Haydée, the Brazilian muse of Stuttgart choreographer John Cranko, had perhaps being the only one I took as reference. A mixed feeling of happiness, pride, and longing came over me. I remember being so fixated in the insignificant fact that Roberta is very petite, measuring 1’56m. Just like me! I though. That was perhaps what the company liked?


Roberta Marquez as Aurora 2006 © ROH

My journey would turn out to be quite different from Roberta’s. She had been made principal at Rio's Municipal Theatre Ballet in 2002 and her talent was spotted by Natalia Makarova in her staging of La Bayadere. Two years later, she would receive an invitation to replace an injured dancer at The Royal Ballet and perform as guest in The Sleeping Beauty, which led to her taking a permanent position as principal. I understand now that the effort, the sacrifices, all the hard work... they are left unmentioned. That tiny magazine article seemed to me just like a fairy tale, like the job had landed on a parachute for the luckiest person to grab it. But nothing can be so simple.


At fourteen, I had never even heard of Y.A.G.P. or the Prix de Lausanne, international competitions of today that have led to a busy exchange of talents and such multicultural scenes in dance schools and companies around the world. It was a rare sight to encounter a Brazilian dancer abroad. I just kept thinking… how did she do it? I wanted to know her background, her life, and looked for any similarities, any signs that I, too, could succeed.


Meeting Roberta in person was one of those magical moments in life. I was completely starstruck. She was even smaller than I had imagined, a little music box ballerina. I took a deep breath and introduced myself, and she says in Portuguese 'Ah! You too are Brazilian? Welcome!'. There is this instant affinity when you discover that the person is from the same country as you, can speak your language, share your culture and understands how far you have come from. I was a tiny fish trying to swim in this big ocean and having other Brazilians around me gave me security and comfort.


Next to Leticia Stock and Mayara Magri (front right), both from Rio de Janeiro.

The first thing I ask those who have just joined the company is 'Where are you from?' . For me, nationality could say a lot more about a dancer than any other detail of their life. A Latino? I’m from South America! Oh Portugal? I speak Portuguese too! Besides being passionate about dance, what else do we have in common? Finding that you share the same birthplace instantly builds a connection, a mutual understanding of the hardships and challenges one has faced to being there. You find out that, first and foremost, that Brazilian is a dreamer and a fighter, just like you.

It goes beyond the practicality of speaking your first language. I could speak more Portuguese if I wanted, but having lived away for so long, I find it hard to remember some words in conversation and end up with an Englese or Portugish. We swap back and forth a lot when we talk amongst Brazilians at work, which is very bad! My Portuguese is getting worse and worse, while my English is not perfect either ad will never feel as natural as a first language does.


Article for The Dancing Times - September 2018

Up until joining The Royal Ballet, I had only worked with two other Brazilians, one being ballet master and choreographer Daniel de Andrade, who had long settled in Europe. I was fortunate to have danced with Luisa Rocco, the sweetest person in the world! She was also from the countryside of Sao Paulo and had already been dancing in Stockholm before joining Northern Ballet on my third (or maybe fourth?) season. Two other Brazilians joined the company just after I left: the captivating Natalia Kerner from Fortaleza, and Nina Queiroz da Silva, another paulista (that’s how we call people born in Sao Paulo).

Nina and I properly met over coffee at Bageriet, one of my favourite cafes in Covent Garden. I had a fairly short break in between rehearsals, but we managed to talk about our careers, shared experiences, future prospects, thoughts on finding happiness and staying true to who we are, believing in a Higher Power, trusting in coincidences, things we value most in life. We had just met, but it felt as if I had known her my entire life.



Roberta Marquez, Thiago Soares, Erico Montes, Leticia Stock, and Mayara Magri. When I joined The Royal Ballet, Brazil was so well represented already that I actually thought what could they possibly want with one more?! I would be the last of my generation, but more Brazilians were about to join the team: Leticia Dias followed short behind me, and Denilson Almeida joined this season. Daniel Camargo was to make an appearance as guest principal, he had a splendid career in Stuttgart and now guests around the world, as well as choreographer Juliano Nunes, whose career started with another German company, the Karslruhe Ballet, one which I discovered by chance a few years ago. It astounded me to see that pretty much a third of their dancers were from Brazil. I even recognized some people I used to compete with as a kid back at home.


Right next door, I meet Carolyne Galvão in her third season with the English National Ballet, where the twins Guilherme and Vitor Menezes, two of my generation, also used to dance. After a successful career here in England, they are now dancing with the Royal Danish Ballet. They were so kind to me when we reunited years ago here in London. I will always be rooting for them.


Backstage of La Bayadere with Ashley Dean, Chi Katsura, and Leticia Dias (left to right).

In my teenage years, I was inspired by the journeys of Erico and Leticia Stock, two dancers who I followed since they left Brazil to join The Royal Ballet School and later graduated into the company. To me, they were ‘the chosen ones.’ I didn’t know anybody else who had gone to study ballet abroad.


I was just a baby ballerina when Erico and I used to briefly meet in competitions in Sao Paulo, and even though we were never properly introduced, he welcomed me into his home and offered me a place to stay when I first arrived in London. Leti Stock, from Maria Olenewa School in Rio, made an impression on me since I saw her performing the Talisman variation in Belo Horizonte (she must have been eleven or twelve). I had never seen such beautiful lines and proportion, such quality of dancing.


I don't honestly believe that being born in a certain place makes someone special, or the other way around. I admire those who manage their space with dedication and talent, no matter where they came from. On the other hand, when meeting people from the same place as us, we have the feeling of belonging. We recognize each other. Therefore, the goal is for these stories to inspire us, both in ballet and in life. - Cassia Pires

Leti Stock in Viscera © ROH

During my first week with The Royal Ballet, Mayara pushed me forwards in class and showed me how to be bold. She wanted me to make a good impression on the director, who watched us from afar. She really took me under her wings. Mayara is the personification of the Brazilian spirit: joyful, caring, energetic, daring, unafraid, someone who makes it happen, no matter how challenging the task.


It is hard to generalise, but I believe that there are certain traits that make Brazilians very welcome in a foreign company, a special kind of energy and charisma onstage. Brazilians don’t give in, they never give up. There is always a way, 'um jeitinho'. Being a foreigner sometimes has its disadvantages though. We might need to work twice as hard to prove that we deserve the same opportunities as someone native, as most companies rightly want to push and promote talent closer to home. Also, we are expected to acquire a certain quality of movement, adapt to a certain style, which is not a problem when you admire and aspire to turn into exactly the Royal Ballet type.



You find so many Brazilian dancers all over the world today. My radar is set on Europe, but there are so many great dancers in America, and in fact, in small European companies I have yet to discover. I have friends dancing in Boston, New York, and San Francisco. In Copenhagen, Stockholm, Norway, Berlin, Amsterdam, Stuttgart, and the list goes on. We tend to create a very special bond and support each other, even from afar. I know, from personal experience, that the journey of a Brazilian dancer living abroad can be very lonely. It is comforting to feel part of a group, to share the nostalgia for a country we so love and miss.


Dancing Le Corsaire pas de deux a few years back with Irlan Dos Santos, today in Boston Ballet.
Get together in Sao Paulo. (from left-right) Annete Buvoli, Kevin Emerton, Erico Montes.

Emotion and technique

Ever since I started dancing, I fell in love with the discipline and technique of ballet, but what I really loved was to be interpreting different characters and telling stories. Perhaps because of Roberta (who retired from The Royal Ballet the year after I joined), I got it into my brain that the place where they appreciated both emotion and technique was The Royal Ballet. I had this feeling that it had to be the place for me, but in order to be a great dancer or have a great career, it doesn’t mean that you have to leave your birthplace.


“When I was younger, I worried too much about the technique. But it alone is not enough. I can see when someone is dancing with the body, but without the head. It is the set that makes a difference. ” Today, when doing a ballet like Romeo and Juliet, she says “think about everything that goes on in her head when she sees Romeo dead”: “Here, in England, they value acting more. Sometimes, I feel like an actress without speech. ” - Roberta Marquez, Folha de S.Paulo 2010

Many years ago dancing Tico-Tico no Fuba with Leonardo Sandoval, now a tap-dancer in NY.
With Thiago Soares and musician Marcelo Bratke in Ilha Bela, SP.

I have huge admiration for those who fight to keep the art scene alive in Brazil. They are even bigger fighters than us, who have managed to ‘escape’. What foreign companies have that Brazil still lacks is support and infra-structure. There isn’t a moment here when you miss being on stage because performances just keep happening, but what I fear today is that talented young boys and girls are leaving the country just because their friends did and because there are so many opportunities now, but is this what their hearts really desire?

I have cheered and lived by every Brazilian who conquered their place in dance, be it in Brazil or abroad, and I thank each and every Brazilian for having kept my dream alive, for walking the walk and showing me the way. We have so much to give, we turn the stage brighter, no matter where we are.


With Thiago in Sumaúma, Festival Vermelhos - July 2018

Review of Raymonda Act III, The Telegraph - October 2019

Video of Guilherme Menezes as one of the finalists of the Emerging Dancer 2013, in which Carol Galvão also participated this year.

Video lindo de uma bailarina brasileira trabalhando no Bolshoi, gravado em 2010.


#ballet #royalballet #career #Brazil #lifestyle #dance #journey #danceworld #companies

Jeitinho Brasileiro: Bailarinos brasileiros pelo mundo


Estava passando um dia como qualquer outro na casa da vovó em São Paulo quando minha mãe chegou com uma revistapara me mostrar. Logo no topo de uma pequena coluna da VEJA, a manchete dizia algo como: ' Carioca Roberta Marquez se torna Primeira bailarina do Ballet Real de Londres '. Segurei-a nas mãos, olhando longamente para a foto de Roberta, como se digerisse aquela notícia. Aquilo para mim deveria ser notícia de primeira página!! Uma bailarina brasileira de 27 anos conseguira se infiltrar não apenas em uma das maiores companhias europeias, mas como primeiríssima do ROYAL BALLET! Nunca pensei que isso fosse possível.

Antes de Roberta, não eram muitos dos quais eu tivesse ouvido falar que haviam seguido carreira na Europa. Marcia Haydée, a musa brasileira do coreógrafo de Stuttgart John Cranko, foi talvez a única que tomava como referência. Um sentimento misto de felicidade, orgulho e desejo tomou conta de mim. Lembro-me de ficar tão fixada no insignificante fato de Roberta ser muito pequena, medindo 1'56m. Assim como eu! - pensei. Era dessas que a companhia gostava?

Minha jornada seria bem diferente da de Roberta. Ela havia se tornado primeira bailarina do Ballet do Teatro Municipal do Rio em 2002 e seu talento foi descoberto por Natalia Makarova numa montagem de La Bayadere. Dois anos depois, receberia um convite para substituir uma bailarina machucada no Royal Ballet e se apresentar como convidada em A Bela Adormecida, o que a levou a assumir um cargo permanente. Entendo agora que o esforço, os sacrifícios, o trabalho duro ... essas etapas não são sempre mencionadas. Aquele minúsculo artigo de revista me pareceu um conto de fadas, como se o emprego tivesse caído de paraquedas para que a pessoa mais sortuda o agarrasse. Mas nada é tão simples.

Aos quatorze anos, eu nunca nem tinha ouvido falar do Y.A.G.P. ou do Prix de Lausanne, competições internacionais de hoje em dia que levaram a imenso intercâmbio de talentos e um cenário tão multicultural nas escolas e companhias de dança pelo mundo. Antes, era raro encontrar bailarinos brasileiros no exterior. Fiquei pensando ... como ela conseguiu tal feito? Queria descobrir sua formação, sua vida e procurava por quaisquer semelhanças, quaisquer sinais de que eu também poderia ter sucesso.

Conhecer Roberta pessoalmente foi um daqueles momentos mágicos da vida. Ao vê-la fazendo seus exercícios no centro, fiquei completamente fascinada. Ela era ainda menor do que imaginava, uma pequena bailarina daquelas de caixinha de música. Respirando fundo, apresentei-me e ela disse ' AH! Você também é brasileira? Seja bem-vinda! ' Existe uma afinidade instantânea quando você descobre que a pessoa é do mesmo país que você, que fala a sua língua, compartilha sua cultura e entende de quão longe você veio. Eu era um micropeixinho a nadar num vasto oceano, e vendo outros brasileiros ao meu redor, sentia-me mais segura e confortada.

A primeira coisa que pergunto àqueles que acabam de entrar na companhia é 'De onde você é? '. Para mim, a nacionalidade pode dizer muito mais sobre um bailarino do que qualquer outro detalhe de sua vida. Latino? Eu sou da América do Sul! Ah Portugal? Eu também falo português! Além de apaixonados pela dança, o que mais temos em comum? Descobrir que vocês veem do mesmo pais cria uma forte conexão, uma compreensão mútua das dificuldades e desafios que enfrentaram para estar ali. Você reconhece que, antes de mais nada, aquele brasileiro é um sonhador e lutador, assim como você.

Isso chega a ir além da praticidade de falar sua primeira língua. Eu poderia falar mais português se quisesse, mas por ter vivido longe por tanto tempo, acho difícil lembrar algumas palavras em uma conversa e acabo falando umportuglês. Trocamos muito as palavras quando conversamos entre brasileiros na companhia, o que é péssimo! Meu português está piorando cada vez mais, enquanto meu inglês não é perfeito, tampouco parecerá tão natural quanto uma primeira língua.

Até ingressar no Royal Ballet, eu havia trabalhado com apenas dois brasileiros, um deles o mestre de balé e coreógrafo Daniel de Andrade, que há muito tempo já vivia na Europa. Tive a sorte de ter dançado com Luisa Rocco, a pessoa mais doce do mundo! Ela também era do interior de São Paulo e já havia dançado em Estocolmo antes de ingressar no Northern Ballet na minha terceira (ou seria quarta?) temporada. Dois outros brasileiros ingressaram na companhia logo após a minha saída: a cativante Natalia Kerner, de Fortaleza, e Nina Queiroz da Silva, paulista.

Nina e eu nos conhecemos num breve intervalo entre meus ensaios, saboreando um café no Bageriet, um dos meus lugares favoritos em Covent Garden. Naquele pequeno espaço de tempo, conseguimos falar sobre nossas carreiras, compartilhar experiências e perspectivas para o futuro, pensamentos em como encontrar a felicidade e permanecer fiel a quem somos, ter fé em um Poder Superior, confiar nas coincidências, e falar sobre nossos mais preciosos valores. Parecia que eu a conhecia desde sempre.

Roberta Marquez, Thiago Soares, Erico Montes, Leticia Stock, Mayara Magri. Quando entrei no Royal Ballet, o Brasil já estava tão bem representado que realmente pensei O que eles poderiam querer com mais uma?! Eu seria a última de minha geração, mas mais brasileiros estariam por vir: Letícia Dias chegou logo em seguida, e Denilson Almeida acaba de ingressar nesta temporada. Daniel Camargo, brilhante bailarino formado em Stuttgart e promovido rapidamente a principal (atualmente freelance), faria uma aparição especial como convidado, assim como o coreógrafo Juliano Nunes, cuja carreira começou em outra companhia alemã, a Karslruhe Ballet, onde descobri uns anos atrás, por acaso, que quase um terço de seus bailarinos eram do Brasil (até reconheci algumas pessoas com quem costumava competir em São Paulo quando era criança).

Logo aqui ao lado, minha vizinha de trabalho, encontro Carolyne Galvao em sua terceira temporada com o English National Ballet, onde também costumavam dançar os gêmeos de Guilherme e Vitor Menezes, outros dois de minha geração. Após uma carreira de sucesso aqui na Inglaterra, eles hoje dançam no Ballet Real da Dinamarca. Foram tão carinhosos comigo quando os encontrei anos atrás aqui em Londres. Estarei sempre a torcer por eles.

Na minha adolescência, me inspirei nas carreiras de Erico e Leticia Stock, bailarinos cuja jornada segui desde que saíram do Brasil e ingressaram na Royal Ballet School. De lá, passaram direto para a companhia. Para mim, eles eram 'os escolhidos'. Não conhecia mais ninguém que tivesse ido estudar balé no exterior.

Eu era bem novinha quando Erico e eu costumávamos nos apresentar nos festivais RV Promoções, e mesmo não me conhecendo muito bem pessoalmente, ele me recebeu em sua casa, oferecendo um lugar para minha primeira estadia aqui em Londres. Leti Stock, da Escola Maria Olenewa no Rio, me impressionou desde que a vi fazendo a variação de Talismã em Belo Horizonte (devia ter onze ou doze anos). Pernas longas, físico incrível!! Nunca tinha visto linhas tão bonitas, e que qualidade de movimento!

"Eu não sou ufanista, nacionalista ou bairrista. Não acredito, sinceramente, que ter nascido em determinado lugar faz alguém ser especial, ou o contrário. Eu admiro quem consegue o seu espaço com dedicação e talento, não importa de onde tenha vindo. Por outro lado, ao encontrar pessoas do mesmo lugar que nós, temos a sensação de pertencimento. A gente se reconhece. Sendo assim, o objetivo é que essas histórias nos inspirem, tanto no ballet quanto na vida." – Cassia Pires, Dos Passos da Bailarina

Durante minha primeira semana no Royal Ballet, Mayara me empurrava para a frente da sala e me mostrava como ser ousada. Queria que eu causasse uma boa impressão no diretor, que nos observava de longe. Ela realmente tomou conta de mim. Mayara é a personificação do espírito brasileiro: alegre, atenciosa, enérgica, ousada, destemida, alguém que faz acontecer, por mais desafiadora que seja a tarefa.

É difícil generalizar, mas acredito que há certas características que tornam o brasileiro muito bem-vindo em uma companhia estrangeira, um tipo especial de energia e carisma no O brasileiro nunca desiste. Sempre da ' um jeitinho '. Porém, ser estrangeiro às vezes tem suas desvantagens. Precisamos trabalhar duas vezes mais para provar que merecemos as mesmas oportunidades que um nativo, já que a maioria das companhias deseja, com certa razão, empurrar e promover talentos mais perto de casa. Além disso, espera-se que adquiramos uma certa qualidade de movimento, nos adaptemos a um certo estilo, o que não é um problema quando você admira e aspira a se tornar exatamente o tipo Royal Ballet.

Hoje em dia, encontramos tantos bailarinos brasileiros pelo mundo. Meu radar está fixado na Europa, mas há tantos bailarinos na América e, na verdade, em pequenas companhias europeias que ainda estou por descobrir. Tenho amigos dançando em Boston, Nova York e San Francisco. Em Copenhague, Estocolmo, Noruega, Berlim, Amsterdã, Stuttgart, e a lista continua. Tendemos a criar um vínculo muito especial e apoiar uns aos outros, mesmo de longe. Sei, por experiência própria, que a jornada de um brasileiro no exterior pode ser muito solitária. É reconfortante sentir-se parte de um grupo, compartilhar a saudade de um país que tanto amamos.

Emoção e técnica

Desde que comecei a dançar, me apaixonei pela disciplina e técnica do balé, mas o que eu realmente amava era interpretar personagens diferentes e contar histórias. Talvez inspirada por Roberta, coloquei em minha cabeça que o lugar onde eles apreciavam tanto a emoção quanto a técnica era no Royal Ballet. Tive a sensação de que devia ser o lugar para mim, mas para ser um grande bailarino ou se ter uma grande carreira, não significa que você tenha que deixar sua terra natal.

“Quando era mais jovem, eu me preocupava demais com a técnica. Mas ela sozinha não basta. Consigo ver quando alguém está dançando com o corpo, mas sem a cabeça. É o conjunto que faz diferença.” Hoje, ao fazer um balé como Romeu e Julieta, diz “pensar em tudo o que se passa na cabeça dela quando vê Romeu morto”: “Aqui, na Inglaterra, eles dão mais valor à atuação. Às vezes, eu me sinto uma atriz sem falas.”.

Roberta Marquez, Folha de S.Paulo, setembro 2010

Tenho enorme admiração por aqueles que lutam para manter viva a cena artística no Brasil. Estes são guerreiros ainda maiores do que nós, que conseguimos 'escapar'. O que as companhias estrangeiras têm a oferecer é um maior suporte e infraestrutura. Aqui, não há um momento em que você sinta falta de estar no palco porque as apresentações continuam acontecendo. O que eu temo hoje é que jovens bailarinos talentosos estejam deixando o país apenas porque esse é o esperado, porque seus amigos o fizeram, e por existirem tantas oportunidades agora. Mas será que isso é o que seus corações realmente desejam?

Tenho comemorado e vivido por cada brasileiro que conquistou seu lugar na dança, seja no Brasil ou no exterior, e agradeço a cada brasileiro por ter mantido vivo o meu sonho, por me mostrar o caminho. Temos muito a oferecer, tornamos o palco mais brilhante, não importa onde estejamos.

Para ler a reportagem de Roberta Marquez na Folha de S.Paulo 2010 (entre outros blogs muito interessantes sobre ballet) visite o blog Dos Passos da bailarina de Cassia Pires ou siga o link:


https://dospassosdabailarina.com/2010/10/23/roberta-marquez-um-dia-na-vida-da-bailarina-do-royal-ballet/

Video de uma bailarina brasileira falando de sua vida no Bolshoi Ballet acima.

430 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com