In Times of Uncertainty

Em tempos de incerteza

Versão em português abaixo


In a recent interview, as I was retelling the story of how I quit my job at Northern Ballet without a clue as to how my career would unfold from then on, I got asked if I were scared that things would not work out. How did I overcome this fear? Did I ever think of giving up? It got me thinking about how many of us must be feeling scared right now in the face of so much uncertainty.


A lot of us live in fear of the unknown. I believe sometimes we feel too scared to even make the slightest change in routine, let alone a drastic move. We prefer to feel safe, but even when we resist change, things have a way of driving us in a different direction and changing the course of our lives. At the time, it can be seen as a curse, but further along the line, if we dig deep enough, it all starts to make a bit of sense.



I left the security of my job to fight for something more, to honour my dreams and give myself a chance to find the respect and recognition I thought I deserved. I wanted a change, and the only way to get it was by doing something about it. Simple, but so difficult.


‘Nothing changes if nothing changes. If you keep doing what you’re doing, you’re going to keep getting what you’re getting.’ - C. Stevens


Around the time I finally had the courage to hand in my resignation, my boyfriend decided to end our four-year relationship (ps. via Skype!). It seemed like the last thing I needed. Suddenly, I found myself without a job, without my best friend, with no one other than my parents to really support me. It made me see that this was my battle, mine alone. It reassured me that I was doing it for nobody else but me. These were tough times (nobody had ever broken up with me before) but I channelled the anger and frustration towards creating a new ME. I went and got a new haircut, because that’s what we do?!



Later on, I understood that even though my heart was broken, the end of a toxic relationship might have helped me feel liberated and focused solely on my career and well-being. By getting rid of the feeling of 'being stuck', both in my private and professional lives, I opened space for new things. Sometimes, you just have to walk away, to weigh the positives and the negatives of your situation or relationship, and realise that even though you could stay and try to win someone’s approval, you could also make the brave choice of directing your time and energy to a place that will welcome you.


I see this as one of the most important factors for us achieving our goals: taking risks! Acting in all faith, opening up space for the new. It is in every success story of people I know, friends of mine who took their lives in their hands, made a brave move, and found what they were looking for. Just as they let go of what was holding them back, something unexpected came their way, like some miracle!


‘The trick to life is to have the courage to walk down the path that’s lit up in your heart’ - Atticus

My plan all along had been to leave Northern Ballet and join The Royal Ballet, but life took me on a little detour. I was hired instead by English National Ballet as an extra dancer for their production of Swan Lake. It was a three-month contract, and I took the job hoping to be offered a permanent position in the company eventually. It was a wonderful experience to be performing at the Royal Albert Hall with such incredible dancers, but when we got to the end of the run, where was that contract?



Around that time, at ENB’s very own studios in Jay Mews, an audition took place for a company called New English Ballet Theatre, known as NEBT. This new company was hiring no more than ten dancers, and I believe they were in their third season. I had never heard of them before, all I knew was that they were based in London and presented a good platform for young professional artists, putting together performances and a special gala at the Linbury Theatre (a secondary performance space within the Royal Opera House, home of The Royal Ballet). I took it as a sign that this was going to get me closer to where I really wanted to be!



I started to look for ‘signs’ everywhere. If a ladybug landed on me, it was bringing me good luck. If I got kindly offered a free coffee at Starbucks, I'd interpret it was a good omen for the rest of my day. I had a 'feeling', or call it intuition, that NEBT was the right place for me to be in that moment, even if there were a lot of things I had to get used to, like setting the lino and barres every morning, dancing in a room with no mirrors, and having to forget about any old warm-up routine. I had to improvise my way through, all the while learning to appreciate what the big ballet companies have that dancers take for granted.


These uncertain times were, for me, a period of testing my faith in God or in a Higher Power. I strongly believed in divine justice; I’d had enough lessons and I’d done the work, so now all I asked for was guidance ( the signs) and patience. I fully committed myself to ‘living and learning’, but all along I felt entitled to something greater. I expected it! I did not know exactly when, or how this was going to come, but I knew I had done everything in my power to deserve it.



‘What you think, you become. What you feel, you attract. What you imagine, you create.’ - Buddha

The end of my NEBT season felt like the beginning of a new chapter, one I had no idea how to write. After our gala performance, I went straight home to Brazil to be with family, feeling like I'd done everything I could to be 'seen'. It was time for some love and nurturing.


I read as much as I could, books I knew would help me learn and stay positive. One of the most significant books was If you want to walk on water you’ve got to get out of the boat. I found it in a second-hand bookshop, whilst still on tour with Northern Ballet, and it gave me the confidence I needed that I was doing the right thing. Others followed: The Power of Now, The Power of Positive Thinking, Feel the Fear and Do it Anyway, The Road Less Travelled… I read them all with an open heart, writing passages down in my diary. One that I found at the start of my 2013 diary summons up what I tried to live by.



The Pilgrim's Way and Manner


Seek friendship.

Be kind and help those less fortunate.

Be grateful for those who help you.

Be respectful.

Welcome Serendipity – the unexpected.

Rethink personal relationships, goals, and values.

Seek new perspectives.


Use your Imagination.

Be observant, listen and pay attention.

Know the history of your destination.

Use prayer and meditation.

Be honest with yourself.

Have faith.


I copied these lines into my diary from a pocket size book called The Pilgrim's Guide and Journal that had bought near Canterbury Cathedral. From then on, I would treat my journey as sacred, as steps to self-discovery. In moments of doubt and insecurity, I tried to shift my focus to following these principles. It is ok to be scared and feel a little hopeless, as long as you know that the mind likes to play tricks on us, especially when we think far ahead into the future, and start to imagine the worst.


It wasn't always easy, but I never thought that I had given up. I truly believed that living in the present moment was the best thing I could do, even if joining The Royal Ballet now seemed more impossible than ever. I wanted to set an example, but I couldn’t preach my philosophy on how to fulfil dreams if I didn’t live by it, if I didn’t truly believe in the course I was taking. I wanted to go up to my friends and say: 'Listen, this is what you should do..'


Let it all go and let a Higher Power play its part. You just have to be open minded. Is this going to work? Is doing less really doing more? I’m imagining a positive outcome, visualizing that which I want to achieve. I’ve been back in Brazil for ten days, and I do feel the benefits of having come back to my roots, even if it means being dependent on my parents, jobless, facing traffic every day, hearing of violence and corruption. I’ll do what it takes to follow my road. Spending a couple of hours with my grandparents at the hospital today has taught me a great deal about love, courage, surrendering to what is. I’m happy to be here with them’


(My diary, 29th October 2013)


Our Mag, Magcita, Bichandinho.

While at home, I thought more and more about who I was and my purpose in life. I learned from my grandparents, friends, books I read, movies I watched. My soul always found comfort in beautiful writings and true stories, and I hoped someday I would pass that on too and help people know they are not alone in being scared, in thinking that what we really should be striving for is to feel whole and in peace.

‘Within Siddhartha there slowly grew and ripened the knowledge of what wisdom really was and the goal of his long seeking. It was nothing but a preparation of the soul, a capacity, a secret art of thinking, feeling and breathing in thoughts of unity at every moment in life.’


Diary notes from Siddhartha by Herman Hesse (one of my favourite authors).


When I was called back by English National Ballet, as an extra in The Nutcracker, I saw this again as a sign: my time in England wasn’t over! This wasn't it! One of the dancers at ENB thought of me when she realised that they had too many women off injured. I emailed them straight away, and they called me for the job. Before getting on the flight back to London, I wrote on my diary how grateful I was for everything, for having had this precious time with my family. Gratitude always.


October 29th, 2013 - Atibaia


'It's coming to an end, and I hope this makes me trust more and more in the power of the 'Universe', the hands of a 'God'. I came to Brazil with no idea of what to do with myself, with an open mind. And even though at times it felt a bit scary and frustrating, I set my mind for enjoyment and making the most of a moment that I knew to be rare and short lasting. It turned out to last for even a shorter time. As the day approaches I feel sad and lonely, I don't want to give up my family and this place to be on my own in a grey, cold city; but the desire to achieve more is stronger, it calls me back to my purpose. All I want, as always, is to make the most of being there too and dance with my heart and soul. And to keep telling myself: I am strong. I have what it takes. I am confident! I feel it deep inside. And so, here I go again. Tomorrow is the performance of Aladdin. Exciting to be here appreciating my mom's work. People, friends and family will be there to watch me (Helga and Manfred will drive from Pomerode!) I want to touch their hearts, show my love and respect for everyone. I want to thank God for the wonderful time I've had at home, for the flowers, birds, the sun and mountains surrounding us, for tia Cida and her love, her cooking, her company. For the days spent at home by the pool, for the morning exercising at Porto Atibaia. For my mom's teachings and dedication, for rehearsals with such an inspiring dancer, teacher, partner Alexandre. For the coffees and cakes and walks in Oscar Freire, for that memorable day spent in the bookshop and Santo Grão Cafe (I will have a flat there someday). For seeing old dear friends, laughing with them. For spending time with my grandpa and grandma Hilda, grandma Nilva and aunt Vera. For my reading and all the knowledge and understanding I've acquired in these couple of weeks. It has been a blessing to be home. I love my family more than anything, and (oh I almost forgot) thank for our precious little dog Mag, Porquinha, Bichandinho!!!'



‘Maybe you already have exactly what you need, maybe the journey is actually about learning to finally use it.’

- Brianna Wiest


The Royal Ballet’s artistic staff got in touch with me a couple of days later, asking if I was available for Giselle and The Sleeping Beauty, starting rehearsals immediately. I would finish a matinee of The Nutcracker at the Coliseum Theatre and run to the Royal Opera House for a quick rehearsal of Giselle, then back to the theatre for an evening show. From having no job, suddenly I had two of the most desired jobs a ballerina could wish for!


On the day I would meet the Royal Ballet's director face to face (he was to watch me in ballet class), it was the day my friend Thiane and I turned to 'magic'. We performed a Brazilian superstition/charm or whatever with a candle and honey supposed to sweeten people, and make them like you. I desperately wanted to keep the job at Royal, but it turned out that everything was already set. All I had to do is be myself.


When people ask me how I felt when I finally became a member of The Royal Ballet, they have no idea! I am always lost for words because it was something unexplainable.


Premiere of Swan Lake in May 2018, four years later (top left corner)

It’s never easy letting go of safety and the comfort of knowing what to expect from our days. Making a change involves facing the unknown, but here we are! We find ourselves in the most unprecedented of times. The unknown has a way of finding us, and I can't help but think that humanity subconsciously asked for life to slow down.


This might be a time of uncertainty and fear, but it is also a moment of stillness. It has opened up windows for change, such as the #blacklivesmatter movement. People often think that taking the time to heal and understand ourselves at a deeper level is selfish or foolish, but I believe it to be the answer to a lot of things, to understanding who we are and what we really want, to making a real difference by setting an example, to establishing our priorities and trusting our instincts.


Life is a box full of surprises. If things get difficult, it is not a sign that we are failing. It is evidence that we have undertaken a hard task, and that we might need to learn a thing or two to be strong enough to match it. Nothing is ever as certain as we might think, so why not trust that there is something more out there for us? What if it is better than we could have ever imagined?

#journey #lifestyle #career #psychology #ballet #royalballet


Return to Home Page to SUBSCRIBE to my blog and receive updates on new posts :)

Em tempos de Incerteza


Em uma entrevista recente, ao recontar a história de como deixei meu emprego no Northern Ballet sem ter a mínima ideia de como minha carreira seguiria a partir de então, me perguntaram se eu tive medo de que as coisas não dessem certo. Como superei esse medo? Eu pensei em desistir? Isso me fez pensar em quantos de nós devemos estar assustados agora, diante de tantas incertezas.

Muitos de nós vivemos com medo do desconhecido. Acredito que às vezes sentimos medo de fazer a menor mudança em nossa rotina, imagine tomar uma decisão drástica. Preferimos nos sentir seguros, mas mesmo quando resistimos às mudanças, as coisas se desenrolam de uma maneira que nos leva em uma direção diferente daquela prevista, mudando o curso de nossas vidas. Na época, podem ser vistas como uma maldição, mas mais adiante, se cavamos fundo o suficiente, começam a fazer um pouco de sentido.

Eu deixei a segurança do meu trabalho para lutar por algo mais, para honrar meus sonhos e me dar a chance de encontrar o respeito e o reconhecimento que achava que merecia. Eu queria uma mudança, e a única maneira de consegui-la era fazer algo a respeito. Simples, mas bem difícil.


'Nada muda se nada mudar. Se você continuar fazendo o que está fazendo, continuará recebendo o que está recebendo. (C. Stevens)

Na época em que finalmente tive a coragem de pedir minha demissão, meu namorado decidiu encerrar nosso relacionamento de quatro anos (por Skype!). Parecia ser a última coisa que eu precisava. De repente, me vi sem emprego, sem meu melhor amigo, sem ninguém além dos meus pais em quem pudesse realmente me apoiar. Isso me fez ver que essa era minha batalha, só minha. Era a garantia de que eu estava fazendo isso por mim e mais ninguém. Foram tempos difíceis (ninguém havia terminado um relacionamento comigo antes), mas eu canalizei a raiva e a frustração para criar um novo EU. Fui lá e me dei um novo corte de cabelo, porque é isso que fazemos?!

Mais tarde entendi que, embora meu coração estivesse partido, o fim de um relacionamento tóxico pode ter me ajudado a me sentir liberta e focada apenas em minha carreira e bem-estar. Ao me livrar da sensação de 'estar presa', tanto na minha vida pessoal quanto profissional, abri espaço para coisas novas. Às vezes, você apenas precisa dizer adeus, pesar os aspectos positivos e negativos de sua situação e relacionamentos, e perceber que, embora possa ficar e tentar ganhar a aprovação de alguém, você também pode fazer a escolha corajosa de direcionar seu tempo e energia para um lugar onde será bem-vinda.

Eu vejo isso como um dos fatores mais importantes para alcançarmos nossos objetivos: correr riscos! Agindo com toda fé, abrindo espaço para o novo. Está presente em todas as histórias de sucesso de pessoas que conheço, amigos meus que tomaram controle da própria vida, fizeram uma mudança corajosa e encontraram o que estavam procurando! Assim que eles largaram do que os prendia, algo inesperado apareceu, como um milagre!

'O truque da vida é ter a coragem de seguir o caminho que está iluminado em seu coração' - Atticus

Meu plano desde o início era deixar o Northern Ballet para entrar no Royal Ballet, mas a vida me levou a um pequeno desvio. Em vez disso, fui contratada pelo English National Ballet como bailarina extra para a produção de O Lago dos Cisnes. Foi um contrato de três meses, e eu o aceitei na esperança de receber uma posição permanente na companhia eventualmente. Foi uma experiência maravilhosa me apresentar no Royal Albert Hall com bailarinos tão incríveis, mas quando chegamos ao final das apresentações, cadê aquele contrato?

Naquela época, nos próprios estúdios da ENB em Jay Mews, uma audição seria realizada para o New English Ballet Theatre , "NEBT", uma companhia nova que contratava não mais que dez bailarinos; acredito que estavam em sua terceira temporada. Eu nunca tinha ouvido falar neles antes, tudo o que sabia era que tinham sede em Londres e representavam uma plataforma para jovens artistas profissionais, organizando espetáculos e uma gala de encerramento no Linbury Theatre (um espaço secundário na Royal Opera House, casa do Royal Ballet). Tomei isso como um sinal de que iria me aproximar de onde eu realmente queria estar!

Comecei a procurar 'sinais' em todos os lugares. Se uma joaninha pousava em mim, estava me trazendo boa sorte! Se fosse oferecida um café gratuito na Starbucks, diria que era um bom presságio para o resto do meu dia. Tive a sensação de que o NEBT era o lugar certo para eu estar naquele momento, mesmo que houvesse muitas coisas com as quais eu teria que me acostumar, como esticar o linóleo e montar barras portáteis todas as manhãs, dançar em uma sala sem espelhos e ter que esquecer qualquer rotina de aquecimento. Tive que improvisar o meu caminho, aprendendo o tempo todo a apreciar o que aquelas grandes companhias de balé tinham e que os bailarinos não davam valor.

Esses tempos incertos foram, para mim, um período para testar minha fé em Deus ou em um Poder Superior. Acreditei fortemente na justiça divina, tinha tido ‘lições’ suficientes e havia feito o meu trabalho, agora tudo o que pedia era orientação (os sinais) e paciência. Eu me comprometi a 'viver e aprender', mas o tempo todo me sentia com direito a algo maior. Esperava por isso! Eu não sabia exatamente quando, ou como isso iria acontecer, mas sabia que tinha feito tudo ao meu alcance para merecê-lo.

'O que você pensa, você se torna. O que você sente, você atrai. O que você imagina, você cria. - Buddha

O final da minha temporada NEBT parecia o começo de um novo capítulo, um que ainda não sabia como escrever. Após nossa apresentação de gala, fui direto para o Brasil ficar com minha família, sentindo como se tivesse feito tudo o que podia. Era hora de um pouco de amor e carinho.

Li o máximo que pude, livros que sabia que me ajudariam a me manter positiva. Um dos mais significativos foi: Se você quer andar sobre a água, precisa sair do barco. Encontrei-o em uma livraria de segunda mão, enquanto ainda estava em turnê com o Northern Ballet, e me passou a confiança que eu precisava de que estava fazendo a coisa certa. Outros seguiram: O poder do agora, O poder do pensamento positivo, Sinta o medo e faça-o de qualquer maneira, O caminho menos percorrido ... Eu os li com o coração aberto e escrevi passagens em meu diário. Uma delas, que encontrei no início do meu diário de 2013, resume o que tentei viver:

O Caminho e a Maneira do Peregrino

Procure amizade.

Seja gentil e ajude os menos afortunados.

Seja grato por aqueles que o ajudarem.

Seja respeitoso.

Esteja aberta ao acaso - o inesperado.

Repense relacionamentos pessoais, objetivos e valores.

Procure novas perspetivas.

Use sua imaginação.

Seja observador, ouça e preste atenção.

Conheça a história do seu destino.

Use oração e meditação.

Seja honesto com você mesmo.

Tenha fé.

Copiei de um livrinho de bolso chamado The Pilgrim's Guide and Journal, que comprei perto da Catedral de Canterbury. A partir de então, trataria minha jornada como sagrada, como passos a autodescoberta. Em momentos de dúvida e insegurança, tentei mudar meu foco para seguir esses princípios. É normal sentir medo e perder um pouco as esperanças, desde que saiba que a mente gosta de nos enganar, principalmente quando pensamos no futuro e imaginamos o pior.

Não foi sempre fácil, mas nunca pensei que tivesse desistido. Eu realmente acreditava que viver no momento presente era a melhor coisa que poderia fazer, mesmo que entrar no Royal Ballet agora parecesse algo mais impossível do que nunca. Eu queria servir de exemplo, mas não poderia pregar minha filosofia sobre como realizar sonhos se não a vivesse, se realmente não acreditasse no curso que estava tomando. Eu queria chegar até amigos e dizer: 'Ouça bem, é isso que você deve fazer ..'

'Desapegue-se de tudo e deixe que um Poder Superior faça sua parte. Você só precisa ter a mente aberta. Isso vai funcionar? Será que fazer menos é realmente mais produtivo? Estou imaginando um resultado positivo, visualizando o que quero alcançar. Estou de volta ao Brasil há dez dias e sinto os benefícios de voltar às minhas raízes, mesmo que isso signifique depender de meus pais, estar desempregada, enfrentar o trânsito todos os dias, ouvir sobre violência e corrupção. Eu farei o que for preciso para seguir meu caminho. Passar algumas horas com meus avós no hospital hoje me ensinou muito sobre amor, coragem, rendição ao que é. Estou feliz por estar aqui com eles ' (Meu diário, 29 de outubro de 2013)

Enquanto estava em casa, pensei cada vez mais sobre quem eu era e sobre meu propósito na vida. Aprendi com meus avós, amigos, livros que li, filmes que assisti. Minha alma sempre encontrou conforto ao ler histórias reais, e esperava que um dia eu pudesse contar a minha historia também, fazer com que alguém não se sentisse sozinho em ter medo e ao achar que o que realmente deveríamos buscar é sentir-se completo e em paz.

Dentro de Sidarta, lentamente cresceu e amadureceu o conhecimento do que realmente era a sabedoria e o objetivo de sua longa busca. Não passava de uma preparação da alma, de uma capacidade, de uma arte secreta de pensar, sentir e respirar pensamentos de unidade em todos os momentos da vida.


Escrevi em meu diário essa passagem de Sidarta, de Herman Hesse (um dos meus autores favoritos).

Quando fui chamada de volta pelo English National Ballet, como um extra para O Quebra-Nozes, vi isso novamente como um sinal: meu tempo na Inglaterra não havia terminado! Não parava ali! Uma das bailarinas do ENB pensou em mim quando percebeu que muitas bailarinas estavam machucadas, sem poder dançar. Enviei-lhes um email imediatamente, e eles me chamaram para preencher lugares. Antes de voltar para Londres, escrevi em meu diário como estava agradecida por tudo, por ter passado um tempo precioso com minha família. Gratidão sempre.

October 29th, 2013 - Atibaia

‘Espero que esse tempo me ajude a confiar mais e mais no poder do Universo, em entregar-se nas mãos de Deus. Eu voltei para o Brasil sem a mínima ideia do que fazer, mas com a mente aberta. E mesmo as vezes insegura e frustrada, eu foquei em me sentir bem e aproveitar ao máximo esse momento raro de estar ‘em casa’. Durou menos do que imaginava. O dia de partir novamente se aproxima e eu me sinto triste e um pouco só, não gostaria de sacrificar minha família para estar sozinha naquela terra fria e cinzenta, mas meu desejo por algo mais me chama. Tudo o que quero, como sempre, é aproveitar o máximo estar lá também e dançar de coração e alma. Fazer valer a pena. Continuarei dizendo a mim mesma: eu sou forte. Eu tenho o que preciso. Sou confiante! Sinto isso lá no fundo. Então aqui vou eu novamente. Amanhã será a apresentação do ballet de Aladdin. Estou feliz por estar aqui apreciando o trabalho da minha mãe, com amigos e familiares vindo me assistir (Helga e Manfred virão de Pomerode!) Quero poder tocar seus corações, mostrar meu amor e respeito por todos. Agradeço a Deus pelos dias maravilhosos que tive aqui, pelas flores, pássaros, sol e montanhas, pela tia Cida e seu carinho, suas comidinhas, sua companhia. Pelos dias que passei em casa na piscina, pelas manhãs de caminhada no Porto Atibaia. Pelos ensinamentos e dedicação da minha mãe, pelos ensaios inspiradores com bailarino/professor/partner Alexandre. Pelos cafés, bolos e passeios na Oscar Freire (ainda terei um apartamento la). Por encontrar com amigos distantes e queridos e pelas nossas brincadeiras e gargalhadas. Por passar tempo com vô Décio e vó Hilda, vó Nilva e tia Vera, pelas minhas leituras e por todo o conhecimento e perspectiva que adquiri nessas últimas semanas. Foi uma bênção estar em casa. Amo minha família mais do que tudo, e (quase me esqueci) obrigada pela nossa cachorrinha MAG, porquinha, bichandinha.’

"Talvez você já tenha exatamente o que precisa, talvez a jornada seja para aprender a finalmente acreditar."

- Brianna Wiest

A equipe artística do Royal Ballet entrou em contato comigo alguns dias depois, perguntando se eu estaria disponível para Giselle e A Bela Adormecida, com ensaios começando imediatamente. Eu terminava uma matinê de O Quebra-Nozes no Teatro Coliseu e corria para a Royal Opera House para um rápido ensaio de Giselle, depois voltava ao teatro para a apresentação da noite. De repente, passei de desempregada a ter dois dos melhores empregos que uma bailarina poderia desejar!

O dia em que ia conhecer o diretor do Royal pessoalmente (ele ia me assistir na aula de balé) foi quando eu e minha amiga/colega de quarto Thiane resolvemos tentar a velha simpatia brasileira/superstição/o-que-quer-que seja da vela com mel, que deveria adoçar as pessoas, fazer com que elas simpatizassem com você. Eu teria feito qualquer coisa para manter meu emprego no Royal Ballet, mas acabou que tudo já estava definido. Tinha apenas que confiar e ser eu mesma.

Quando as pessoas me perguntam como eu me senti quando finalmente me tornei parte do Royal Ballet, elas não fazem ideia! Eu fico sem palavras, porque foi algo inexplicável.

Não é fácil abrir mão da nossa segurança e do conforto de sabermos o que esperar dos nossos dias.Fazer mudanças envolve enfrentar o desconhecido, mas aqui estamos nós, enfrentando um dos tempos mais imprevisíveis possíveis. O desconhecido arranja uma maneira de nos encontrar, e eu não posso deixar de pensar que a humanidade, em seu subconsciente, pediu para a vida desacelerar.

Pode ser um momento de incerteza e medo, mas também é um momento de quietude. Ele abriu as portas para mudanças, como o movimento #vidasnegrasimportam. As pessoas costumam pensar que dedicar tempo para curar-se e entender a nós mesmos em um nível mais profundo é puro egoísmo, mas acredito que seja a resposta para muitas coisas, para entendermos quem somos e o que realmente queremos, para fazermos a diferença servindo de exemplo, para estabelecermos nossas prioridades e confiarmos em nossos instintos.

A vida é uma caixinha cheia de surpresas. Se as coisas ficam difíceis, não é sinal de que estamos falhando. É prova de que a tarefa é bem difícil, e que talvez precisamos aprender uma coisa ou outra para podermos continuar o caminho. Nada é tão certo quanto pensamos, então por que não confiar que algo melhor nos espera? E se for ainda melhor do que poderíamos imaginar?


Volte a Pagina Inicial para se inscrever ao blog e receber notificações de novos posts :)