Dancing through a pandemic

Dançando durante uma pandemia

Versão em português abaixo


At the end of March 2020, the dancers of The Royal Ballet were working at full speed. It was a busy start of a new year. Having finished shows of Coppelia, The Sleeping Beauty and Onegin, the company went on to complete a very successful run of The Cellist, Cathy Marston’s new ballet premiered in mid-February, followed by performances of the so awaited classic Swan Lake. We were also about to bring back Corybantic Games on an upcoming Triple Bill, together with two other pieces.


Whenever there is a big classical ballet involved in our programme, the members of the company (especially the women) feel at the top of their game. Nothing could be more challenging than being in a white tutu and getting through four energetic acts of pure dancing. I really couldn't have felt physically fitter, and despite my usual aches, ready to face the challenging months ahead. But our 19/20 season would, of course, come abruptly to a halt.


Swan Lake Act IV © ROH

The week before the theatre shut its doors, everybody could feel the atmosphere tensing up. We knew that it was only a matter of time for some drastic measures to be taken. Right before our third performance of Swan Lake, one of the dancers was sent home unwell, and for cautious measures, his partner too. Whispers went around that the show would be cancelled that evening.

I got called to the office the next day, being asked to pick up the role of the missing girl. We shared the same spot in cygnets, and there was nobody else who could cover it. Together we tried to come up with a better solution for the next performances, but I could sense that the management team was taking it one day at a time. The real bomb could explode at any minute, there was no point in thinking too far ahead. I agreed to doubling up roles, having a debut in pas de trois and quick changing into cygnets, not knowing this would have been my penultimate show of the season.


Suddenly, what we feared most actually happened. All rehearsals and performances got cancelled, although the official lockdown in the U.K. would not start until a week later. At first, my body welcomed a bit of rest. Who wouldn’t have wanted a little pause amidst the crazy weeks we have had?! But once it downed on me that the situation was very serious and it was bound to take a while, I suddenly wanted to be back dancing immediately! To say the least, I had to come up with a plan to keep a sane mind and a certain level of fitness.


It didn't take long for the healthcare team to set up a communal group on Facebook for the artists of The Royal Ballet. We started having ballet classes for an hour and fifteen every other day. My partner Kevin and I turned our living room into Studio A, and did barre holding onto the chimney breast. He eventually moved to Studio B: the kitchen. He felt like we would be more comfortable if each had a bit more space (but I think it was just an excuse for him to get a break from me). The ballet master set exercises to recorded music, and we made do with the limited space of our homes.



A week later, we could also choose between doing Pilates, yoga, or Strength and Conditioning classes on Tuesdays and Thursdays (the days we didn’t have ballet). If you were feeling inspired, you could even choose to do all three! Everything was done via Zoom; the company embraced this amazing online platform which gave us the opportunity to stay connected, working our way through this time of so much uncertainty. It is amazing to see how humans are able to adapt to anything. This little routine started to feel so familiar, like I had been doing it my whole life.

Seeing my colleagues and friends every day and witnessing their strength and determination to stay fit kept me motivated to do the same. We were all on the same boat after all. People did amazing things to keep their bodies conditioned: workouts in the park, running, cycling, online dancing, gaga classes… I made the most of what The Royal Ballet offered us, even had a few joint ballet classes with other English companies.


As long as I stayed active in some shape or form and kept a balanced diet, I seemed to be alright. I’d go for walks with Kevin pretty much every day, through the parks and quiet streets of our neighbourhood, admiring the drawings and beautiful messages for NHS workers. But what I missed the most was the feeling of being tired from dancing, getting out of breath and sweaty. No amount of running, skipping rope, striking yoga poses in the sun, would help getting back that feeling of fatigue from performing our hearts out night and day, day and night.



I missed dancing, hearing the applause, and getting that rewarding sense of accomplishment. Whilst in quarantine, I started to visualise myself on stage, performing to a big audience. Dancers often use visualisation to bring us back stronger from injuries or in preparation for a stage rehearsal. It helps us to imagine the best outcome and gain confidence. I felt happier as I pictured myself back onstage and held on to my dreams, to what I’m most passionate about.



I also started teaching ballet classes on Zoom, which got me thinking about what I wanted to share with students, especially the young and inexperienced. How would I make training at home more productive? Dancing within a limited space is a challenge, but there are things we tend to neglect when we are in the studio, too busy looking at ourselves in the mirror: our hands, fingers, the positioning of the arms in coordination with legs, especially at the barre. We could focus on not holding our breath, on musicality and playing with accents and dynamics. These served as little reminders for me, as I found myself thinking about the same things when doing my own barre.

These online classes were my first teaching experience and revealed a lot about myself and what I really look for in a dancer. In addition to keeping me exercised (I never imagined that to teach classes, we need so much stamina!), it awoke something new in me, an interest in maybe one day developing workshops at my mother's school, teaching a classical repertoire and other different styles, talking about the career of professional dancer ... Being face to face with students will be another challenge, one I feel more prepared for now.


Another revealing moment of this quarantine was having accepted an invite to a live interview on Instagram with ballerina and future doctor Giovanna Pessoa. Gi, a friend of many years, made me feel at ease and encouraged me to speak about my life, experiences, and career. Me, the one who has always dreaded interviews, was actually enjoying the talk! Many other insta-lives followed, and a huge feeling of gratitude took over me for being able to share my story with so many people, to be talking about my blog and what kept me motivated while our theatre still remained closed. My aim has always been to inspire the young generation, to make them believe in their journey, and I felt like I could reach further through social media (an unfamiliar world to me until then). It felt hugely encouraging. I couldn’t wait to be back at work, writing my next chapter!


Backstage with Gi in one of her visits to London

As we hit mid-June, the company had its official summer holiday. Four weeks of no Zoom activities, trying to keep positive and healthy, the last of which I spent in beautiful Cornwall. Upon returning to London, I got myself a brand-new bike, aiming to use it to cycle to work and avoid public transport. Cycling the 7.1 miles (11.3 km) from home to Covent Garden was, at first, a bit of a mission, but now the 40 min journey has become my daily dose of cardio and has been incorporated into a new/adapted warm up routine. By the time we finally made it back into the Royal Opera House, I was quite confident on my two wheels.


Returning to the studio was a slow and careful process. All precautions were taken very seriously, our course planned out step-by-step: temperature check every morning before leaving home, alcohol gel upon entering the building, another temperature check on site, handwashing, masks on at all times! It was hard getting used to dancing with masks, but there was no other way. Those who wanted to make use of the facilities and join classes had to follow the protocol, though it was never mandatory to be back. We were divided into morning and afternoon groups. After nearly five months away, being with my colleagues (even if very few of them), having the space and the sound of the piano... it felt like heaven!

During this introductory phase, the stage door remained closed. A one-way system was temporarily set up via the front of house, the main public entrance to the theatre. Dancers don’t normally get to enjoy this beautiful part of the building. It was a good opportunity to be contemplating the glass windows of the Paul Hamlyn Hall, which houses a champagne bar and restaurant for patrons during performance intervals. In the daytime, it is home of 'Tea at the Royal Opera House' and can also act as a performance space. Climbing up the escalators and through big glass doors, you come to an outside balcony. A secret door leads straight into the fifth floor of our blue core (the area of the building where the ballet company is based), with the healthcare suite, the shoe room, costume department and De Valois studio. Its many corridors and passageways always lead me to unexpected places.



After months of being unable to dance full-out, keeping myself contained in a tiny squared piece of lino (which we were fortunate to receive from Harlequin floors), I was so excited to begin working properly again, building up stamina and strength. My body felt relaxed and energized, but no matter how much I was doing at home, it felt almost impossible to keep the same level of fitness as when you're dancing all day long. Slowly but surely, we will get back there!


All over the building, I find little reminders of what our lives were like pre-pandemic. We now seem to be living in a different dimension. The nostalgia spoke even louder last week, when we were granted access to our dressing rooms. Our Swan Lake costumes still hang exactly where they’d been left since our last show, back in March! We are picking up from where we left off, except not. So much of our world has changed.



Last Friday, the orchestra and chorus returned to the stage with The Royal Opera: Live in Concert, setting the scene for The Royal Ballet’s Gala on the 9th of October, which will be live streamed to the world. How exciting! The closest I got to having an audience in seven months was daydreaming in my living-room against the white shutters of a window, or recording the ‘Fred Step’, a kind offer from the Frederick Ashton Foundation. Even better: spending an afternoon recording Boléro in Spencer Park, a choreography put together by Christopher Wheeldon (who is all the way in NY) for the artists of The Royal Ballet.



I feel over the moon to be back into rehearsals, completely in my element. The repertoire hasn’t been announced to the public yet, so I might have to keep that one secret. What an exciting moment it will be for the company, the be stepping into the stage again. I guess it is something we will never ever forget, not in a million years. Sometimes, we need to lose everything in order to fully appreciate what we have and learn to never again take it for granted.



Things are still so uncertain for the performing arts. It will be a long road back to normality, but I do believe people will look for the arts to alleviate the sorrow and fright these times have brought upon us, just like how many years ago, The Sadler's Wells Ballet brought ballet to the British people during the Blitz as an antidote to its atrocities, and emerged post-war as The Royal Ballet. Many believe that WWII was, in fact, the making of British ballet.


I feel a new wave of appreciation and love for the stage, the music, the dancing! I cannot wait to feel the adrenaline and the emotions rushing through me again, to keep sharing away and giving my brightest smile. We will fill up the stage with happiness and hope.


The Royal Ballet in 'The Winter's Tale'

You can now buy access to the ROH Stream events. Go to roh.org.uk and click a Buy Now button on your chosen event to create an account and purchase access.


Watch The Royal Ballet's Bolero here:

https://www.facebook.com/royaloperahouse/videos/591225558471891


Dancers of The Royal Ballet perform The Fred Step:

#ballet #dancer #pandemic #dancinginlockdown #theatre #roh #royalballet #savethearts


Dançando durante uma pandemia


No fim de março de 2020, os bailarinos do Royal Ballet trabalhavam a todo vapor. Foi um começo de ano agitado. Terminadas as apresentações de Coppelia, A Bela Adormecida e Onegin em meados de fevereiro, a companhia estreou com muito sucesso The Cellist, o novo balé de Cathy Marston, seguido do tão esperado O Lago dos Cisnes. Também estávamos com os últimos ensaios de Corybantic Games, que seria apresentado junto com outras duas peças em uma Triple Bill que estava por vir.

Sempre que há um grande clássico em nosso programa, os membros da companhia (em especial as mulheres) se sentem em forma top. Nada poderia ser mais desafiador do que estar de tutu branco e dançando quatro atos inteiros que são pura energia, pura dança. Eu realmente não poderia estar me sentindo mais condicionada, e apesar das minhas dores habituais, pronta para enfrentar os próximos meses. Mas nossa temporada de 19/20, é claro, iria parar abruptamente.

Na semana que precedeu o fechamento do teatro, todos pudemos sentir o clima ficando tenso. Sabíamos que era apenas uma questão de tempo para que algumas medidas drásticas fossem tomadas. Pouco antes de nossa terceira apresentação de O Lago dos Cisnes, um dos bailarinos foi dispensado para casa, sentindo-se enfermo, e por medidas cautelosas, sua parceira foi junto. Sussurros se espalharam que o espetáculo seria cancelado naquela noite.

Fui chamada ao escritório no dia seguinte, a pedido de que fizesse o papel da menina que estava ausente naquela noite. Nós dividíamos o lugar de cygnet, e não havia ninguém mais que pudesse entrar como substituta. Ao tentar encontrar uma solução para as apresentações seguintes, pude sentir que nosso time administrativo estava levando um dia de cada vez. Não adiantava pensar muito no futuro, pois a verdadeira bomba estava para explodir a qualquer minuto. Fiz minha estreia no pas de trois e em uma troca mais que rápida, entrei também para cygnets, sem saber que esse seria o meu penúltimo show da temporada.

De repente, o que mais temíamos aconteceu. Todos os ensaios e apresentações foram cancelados, embora o lockdown oficial no Reino Unido começasse uma semana depois. A princípio, meu corpo se contentou com um pouco de descanso. Quem não gostaria de uma leve pausa em meio às semanas malucas que tivemos?! Mas assim que me dei conta de que a situação era bem séria e que não voltaríamos tão logo, minha vontade era de voltar a dançar imediatamente! Para dizer o mínimo, tive que bolar um plano para manter uma mente sã e um certo nível de preparação física.

Não demorou muito para que nossa equipe de saúde criasse um grupo comunitário no Facebook para artistas do Royal Ballet. Começamos a ter aulas de balé por uma hora e quinze em dias alternados. Meu parceiro Kevin e eu transformamos nossa sala de estar em Estúdio A, e fazíamos a barra segurando no peito da chaminé. Ele acabou se mudando para o Studio B: a cozinha. Sentiu que ficaríamos mais confortáveis ​​se cada um tivesse um pouco mais de espaço (mas acho que era apenas uma desculpa para se livrar de mim). O professor fazia os exercícios com a música de seu celular e nós nos contentamos com o espaço limitado que tínhamos em nossas casas.

Uma semana depois, também podíamos escolher entre fazer aulas de Pilates, ioga ou condicionamento às terças e quintas-feiras (dias em que não tínhamos balé). Se estivesse inspirado, podia até escolher fazer as três! Tudo foi feito via Zoom; a companhia abraçou esta incrível plataforma online que nos deu a oportunidade de ficarmos conectados, trabalhando juntos neste momento de tantas incertezas. É incrível ver como os seres humanos são capazes de se adaptar a qualquer coisa. Essa pequena rotina virou tão familiar, como se eu tivesse feito isso durante toda a minha vida.

Ver meus colegas e amigos todos os dias e testemunhar sua força e determinação para permanecer em forma me manteve motivada a fazer o mesmo. Afinal, estávamos todos no mesmo barco. As pessoas fizeram coisas incríveis para manter seus corpos condicionados: exercícios no parque, corrida, ciclismo, aulas de dança online… Aproveitei tudo o que o Royal Ballet nos ofereceu, e até fizemos aulas conjuntas com outras companhias inglesas.

Contanto que eu permanecesse ativa de alguma forma e mantivesse uma dieta balanceada, parecia estar tudo bem. Saía para caminhar com Kevin praticamente todos os dias, pelos parques e ruas tranquilas de nosso bairro, admirando os desenhos e lindas mensagens para os médicos do NHS. O que mais sentia falta era do esforço físico, de estar sem fôlego e suando, do cansaço após um dia de trabalho. Eu podia correr, saltar no jardim, pular corda, fazer poses de yoga embaixo ao sol, mas nada se assemelha aquela sensação de fadiga, de ter doado o sangue no estúdio e apresentações dia e noite, noite e dia.

Sentia falta de dançar, de ouvir os aplausos e de ter aquela sensação gratificante de realização. Durante o período da quarentena, comecei a me visualizar no palco, atuando para um grande público. Os bailarinos costumam usar a visualização para nos trazer de volta mais fortes de lesões ou quando nos preparamos para um ensaio de palco, e isso nos ajuda a imaginar o melhor resultado e ganhar confiança. Ficava mais feliz me imaginando estar no palco, e agarrava-me aos meus sonhos e minha paixão.

Também comecei a dar aulas de balé no Zoom, o que me fez refletir sobre o que gostaria de compartilhar com os alunos, especialmente os jovens e inexperientes. Como tornaria o treinamento em casa mais produtivo? Dançar num espaço limitado é um grande desafio, mas há coisas que tendemos a negligenciar quando estamos na sala de aula, preocupados em nos olharmos no espelho: nossas mãos, dedos, posicionamento dos braços e sua coordenação com as pernas, especialmente na barra. Podíamos focar na respiração, musicalidade, brincar com dinâmicas. Estes serviram como pequenos lembretes para mim também, e me peguei pensando nessas mesmas coisas quando fazia minha própria aula.

Essas aulas online foram minha primeira experiência de ensino e revelaram muito sobre mim mesma e o que realmente procuro em uma bailarina. Além de me manter exercitada (nunca imaginei que para se dar aulas, precisássemos de tanto folego!), despertou algo novo em mim, um interesse em talvez um dia desenvolver workshops na escola de minha mãe, ensinar um repertório clássico, falar sobre a carreira de bailarina profissional... Estar frente a frente com alunos será para mim outro desafio.

Outro momento revelador nesta quarentena foi ter aceitado o convite para uma entrevista ao vivo no Instagram da bailarina e futura médica Giovanna Pessoa. Gi, minha amiga de muitos anos, me fez sentir tão à vontade e me incentivou a falar sobre minha vida, experiências e carreira. Eu, aquela que sempre temeu entrevistas, estava curtindo o bate-papo! Muitos outros instalives seguiram, e um enorme sentimento de gratidão tomou conta de mim por ser capaz de compartilhar minha história com tantas pessoas, por estar falando sobre meu blog e o tudo o que vinha me entusiasmando enquanto o nosso teatro permanecia fechado. Meu objetivo sempre foi inspirar novas gerações, fazê-los acreditar em sua jornada, e senti que podia alcançar mais longe por meio das redes sociais (um mundo que eu desconhecia até então). Eu mal podia esperar para voltar ao trabalho e escrever meu próximo capítulo!

Em meados de junho, a companhia tirou suas férias oficiais de verão. Quatro semanas sem atividades no Zoom, tentando me manter positiva e saudável, a última das quais passei na bela Cornualha. Ao voltar para Londres, comprei uma bicicleta novinha em folha, com o objetivo de usá-la para ir ao trabalho e evitar o transporte público. Pedalar os 11,3 km de casa até Covent Garden foi, a princípio, uma espécie de missão, mas agora a jornada de 40 minutos se tornou minha dose diária de cardio e foi incorporada a uma nova e adaptada rotina de aquecimento. Quando finalmente voltamos para a Royal Opera House, eu estava bastante confiante em minhas duas rodas.

Retornar ao estúdio foi um processo lento e cauteloso. Todo cuidado era pouco. Nosso percurso até a sala de aula foi planejado passo-a-passo: verificação de temperatura todas as manhãs antes de sair de casa, álcool gel ao entrar no prédio, nova verificação de temperatura no local, lavagem das mãos, máscara em todos os momentos! Foi difícil me acostumar com o uso das máscaras no estúdio, mas não teve outro jeito. Quem quisesse usufruir das instalações e ingressar nas aulas tinha que seguir o protocolo, mas nossa volta não foi obrigatória. Fomos divididos em turmas da manhã e da tarde. Depois de quase cinco meses longe, estar naquele espaço com meus colegas (mesmo que muito poucos), ter o espaço, o piano tocado ao vivo... era o paraíso!

Durante essa fase introdutória, a entrada dos artistas ou stage door permaneceu fechada. Um sistema de mão única foi temporariamente instalado com acesso pela frente do teatro, a entrada pública principal. Os bailarinos normalmente não conseguem desfrutar desta bela parte do edifício. Foi uma oportunidade de contemplarmos as janelas de vidro do Paul Hamlyn Hall, que abriga um bar de champanhe e um restaurante para o publico nos intervalos das apresentações. Durante o dia, é a casa do 'Chá na Royal Opera House', também podendo funcionar como um espaço de performance. Subindo as escadas rolantes e atravessando grandes portas de vidro, chegamos a uma varanda externa. Uma porta secreta nos leva direto ao quinto andar do blue core ou ‘corredor azul’, a parte do prédio que comporta a companhia de ballet, com a área da saúde, sala das sapatilhas, departamento de figurinos e o estúdio De Valois. Seus corredores e passagens desconhecidas estão sempre me levando aos lugares mais inesperados.

Depois de meses sem conseguir dançar livremente e cem por cento, mantendo-me contida em um pedacinho quadrado de linóleo (cortesia da loja Harlequin, para nossa sorte), eu estava tão animada para começar a trabalhar “direito”, criar resistência e força. Sentia meu corpo relaxado e energizado, mas não importa o quanto de exercício estivesse fazendo em casa, teria sido impossível mantermos o nível de condicionamento físico de quando se dança o dia todo. Devagarzinho, hei de progredir e chegar a minha melhor forma física!

Por todo o prédio, encontro pequenos lembretes de como eram nossas vidas antes da pandemia. Agora parecemos estar vivendo em uma dimensão diferente. A nostalgia falou ainda mais alto na semana passada, quando tivemos acesso aos nossos camarins. Os figurinos do Lago dos Cisnes ainda estão exatamente onde foram deixados desde nosso último show, em março! Estamos começando de onde paramos, exceto que não. Muito do nosso mundo mudou.

Algumas apresentações foram realizadas neste período com um pequeno elenco, mas nessa última sexta-feira, toda a orquestra e o chorus voltaram com The Royal Opera: Live in Concert, aquecendo o palco para a chegada do dia 9 de outrubro: a Gala do Royal Ballet. Quanta expectativa! O mais perto que cheguei de ter um público nestes últimos sete meses foi sonhando acordada na sala de estar, contra as venezianas brancas da minha janela, ou fazendo o 'Fred Step' para um vídeo da Fundação Frederick Ashton em tributo aos bailarinos em lockdown. Mais perto ainda foi a tarde que passei no parque gravando 'Bolero', coreografado por Christopher Wheeldon em Nova Iorque especialmente para os artistas do Royal Ballet.

Sinto-me feliz por estar de volta aos ensaios, em ambiente familiar (o repertório da Gala ainda não foi anunciado ao público, então talvez eu tenha que manter isso em segredo). Que momento emocionante este será para a companhia, estar entrando no palco novamente. Acho que é algo que nunca esqueceremos, nem em um milhão de anos. Às vezes, precisamos perder tudo para valorizar plenamente o que temos.

As coisas ainda estão muito incertas para a dança. Será um longo caminho de volta à normalidade, mas acredito que as pessoas procurarão pela arte para aliviar a tristeza e o medo que esses tempos trouxeram sobre nós, assim como há muitos anos atrás, a companhia Sadler's Wells Ballet trouxe o balé para o povo britânico como um antídoto à brutalidade da guerra, transformando-se no Royal Ballet. Muitos acreditam que a Segunda Guerra Mundial fabricou o ballet britânico.

Sinto uma nova onda de estimo e amor pelo palco, pela música, pela dança! Mal posso esperar por sentir aquela adrenalina e as emoções correndo à flor da pele, por continuar compartilhando e dando meu mais brilhante sorriso! Transbordaremos o palco de alegria e esperança.

Veja vídeos do 'Fred Step' e Boléro acima.

Agora você pode comprar acesso aos eventos ROH Stream. Vá para roh.org.uk e clique no botão Buy Now no evento escolhido para criar uma conta e adquirir acesso.

213 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com