The journey

A jornada

Versão em português abaixo.


I woke up Saturday morning feeling very optimistic. With purse, mask, and alcohol gel in hands, I dashed into Covent Garden for one last ballet class. It was finally the weekend, but I still needed to move, even if just a light barre to get my muscles awake. I don't like having two full days off prior to a stage rehearsal on Monday. It would be the start of an important week after all.


The Royal Ballet was in fact meant to be performing that Saturday. I was to do my first of three shows as Clara in The Nutcracker reworked, but we only managed a total of four performances before covid rules and regulations changed in London. Sadly, theatres had been shut down again and most dancers only got to perform one of their rehearsed roles, while some did not go onstage at all. I did the four shows as Columbine doll in Act I and Mirlitons. For the first time in my career, I wasn’t a snowflake (and have to say that I missed it). Being a soloist means you are not involved in big group numbers as much as the corps de ballet. I suppose if we had been doing the original version, with twenty something snowflakes, I probably would have been called for it.


Columbine dolls - Dec 2018 (with dance and life partner Kevin)

We were a little shaken up by yet another disappointing announcement and the cancellation of so many performances, feeling sad for those who had worked so hard and for the people who bought tickets and looked forward to experiencing something new, or had attended The Nutcracker religiously year after year. It is so disappointing to have to break tradition, but it seems that we are having to get used to drastic changes and embrace new habits. In such unforeseen circumstances, all you can do is go with the flow, even if the rules don’t make much sense at all. Through this period of frustration and disheartening news, I held on to the certainty that we had yet ONE performance to give, and was committed to making it count for all the others we had missed. Even though our auditorium would now be empty, I knew that many people would be watching The Nutcracker live stream from their homes and looked forward to it as much as I did.


Tip toeing around Covent Garden for some last-minute Christmas shopping, I could not fathom why the Opera House, which offered a socially distanced event, was shut down while people were bumping into each other at shops and in the streets. I would have sat down and enjoyed a nice cup of flat white as a reward for having persevered through Sasha’s incredibly difficult exercises that day, but London had moved under Tier 3 where restaurants and cafes were only for take-away. Kevin and I got a coffee to-go from Monmouth Coffee, our favourite spot, and headed to Neals Yard Dairy, where we bought some tasty cheese, quince, and crackers for our much awaited Christmas Eve.



When I arrived home, I did a yoga class, a recording from one of our lockdown days (when we used to exercise in our living rooms). Wow, we've come a long way! I thought. Since our first five-month lockdown, I got in the habit of doing yoga more regularly. It helps me feel grounded, centred, elongated, and seemed like the perfect thing to finish off a long week. I already looked forward to the afternoon stage call on Monday, where we would do a paced run-through of the ballet before the big event on Tuesday. Because performances had been cancelled, most of the dancers in that streaming cast had not yet done their roles onstage. It was a different cast altogether than the one that had performed in opening night and the three subsequent shows. Besides, not doing a ballet for a whole week can feel a little weird. We needed to experience the stage and make ourselves at home again. I had performed Clara in the General Rehearsal, which was a great way to feel the stage, practice a quick costume change (which nearly didn't happen in time), and get used to the bright stage lights. The camera crew was also present, practising for the filming.


General Rehearsal 2020.

After yoga, I went into the kitchen to do some studying while waiting for Kevin to come home. My phone kept vibrating, but I ignored all the group messages, as I was determined to finalise a short story that was due soon. The dancers' group chat was being very persistent, so I turned round from my computer screen for a second to check what was causing such turmoil, and it was then that I realised something quite bad must have happened.


‘Guys, what is going on??’ said a friend in a private message. ‘Does it mean we can't fly home for mid-season? And what about the live stream?!’


My heart stopped. London had just gone into Tier 4, another set of strict rules were to be put in place from midnight, stopping families from visiting each other at Christmas, all due to, they said, a new strand of the virus that was spreading fast. We were basically going into another lockdown, with every shop and restaurant being shut, travel plans being cancelled… total madness! With everything that was going on, all I could think about was our Nutcracker show and what could happen in the next two days.


Photo by @dancersdiary

Kevin got home to a stressed, upset girlfriend, pacing back and forth in the kitchen. Despite the scary government announcements, he genuinely believed that these new rules wouldn’t affect the performance. We waited anxiously for news from our company manager, as has been the case many times in the past ten months, where circumstances significantly change. The dancers have patiently waited for answers, as it is not up to us to decide what to do next. The executive and artistic staff of the Royal Opera House get together to set a new protocol, taking into consideration what is best for our health and safety.


Well, what we feared most did happen. Shortly after I had finally calmed down, we got an update from the company. I was on the phone with my mom, and Kevin just looked at me with a sad face, wording ‘I’m sorry’. I knew then that it was bad news, the filming had been cancelled. I can’t say how disappointed I was, how much I had waited for it. I broke down in tears and hugged Kevin as tight as I could. We stayed like this for a long time. I knew it was best to let it all out. I read so many books and write so much about letting things be and understanding it all happens for a reason, but in moments like this, I feel my heart about to explode, and all I want to do is cry and shout at the Universe… WHY???????


I wish things had been different, but should have learned by now that these are unusual times, things can change from one day to the next (and they really do). We, as a ballet company, had done everything right. We had taken tests, kept ourselves socially distanced, reworked a ballet to make it “covid-safe” and worked very hard on it, yet it wasn’t enough. We would have done anything for the show to go on. Dancers are very passionate beings, sometimes to the extent of being blind to what is right or reasonable. We put ourselves at risk all the time, at risk of getting badly injured, ignoring sings of great discomfort that may appear in rehearsals leading up to a performance just so we can achieve our goal. But many a time, in a dancer’s career, one is forced to surrender to the pain. A scan shows a fractured bone or ruptured ligament; a sudden back or neck spasm makes one immobile. Only when the pain is unbearable dancers take real measures; otherwise, we just tell ourselves to keep going no matter what. We see casts being amended and hearts breaking for a missed opportunity, it happens all the time in theatre, and we often tell each other:


'It is not about the final product, what matters is the process.'

Backstage area adapted for social distancing.

Rehearsing in the Ashton with Rose fairy @maymagri

A few days later, I was able to look at the bigger picture and recognise how much I have learned and grown in "the process". When the rage and upset subside, I often stop thinking about what could have been and accept what is. Dancing Clara in the live stream would have been a dream, the opportunity of a lifetime, but that is not to say that it wouldn't come back or that there wouldn’t be something else, something as exciting. The fact that the company had come this far, survived and adapted to a new world, was already a huge achievement. After five months of being locked at home, the longest I had ever been without a gym, a studio, swimming-pool or tennis court, we managed to get back in shape. Perhaps I felt even stronger and more physically ready than ever before, even without the intensity of normal rehearsal and performance hours, which proved to me that we could all function better with a bit more recovery time. This also proved to me (the one who always believed that three days off ballet would make me stiff and out of shape) that our bodies are way more adaptable than we think.


Besides being introduced to a new dancing partner in the last few weeks, I also got to work with a new coach, Edward Watson. Ed is a former principal dancer with The Royal Ballet and our newest répétiteur. He’s had a brilliant career, working with numerous choreographers and portraying dramatic roles in the ballets of Kenneth MacMillan, Frederick Ashton, Wayne McGregor, Christopher Wheeldon, to name a few. When I first joined the company, I felt a bit intimidated by him, perhaps because of his position. I watched him give life to Leontes in The Winter's Tale, in complete awe of his physique and artistry. His work ethic is what I most admired, but now I got to see another side of him and recognise his talent for coaching, which is not necessarily true to every person with a distinguished career as a dancer or performer.


Leontes in The Winters Tale © ROH.

The three of us – me, my partner Luca, and Ed - had never worked so closely before. We got up to a fresh start, revisiting the pas de deux from a new angle. Ed has invaluable guidance and knowledge to pass on, from basic performance craft to what works for us individually. He allows you to be yourself without expecting you to fit into a mould, which gives you reassurance that you are looking your best. Every day, Ed would remind us of turning out feet, dropping shoulders, brightening our faces, and painting a whole picture. I’ve always felt very awkward running on pointe, and find it to be one of the most difficult things for a ballerina to execute graciously, but with his tips I finally got closer to feeling less uncoordinated. Clara has miles to cover in this ballet!


The Battle scene Act I photo: Rachel Hollings

Thanks to the experience I've acquired from doing this role multiple times and the freedom I gained from feeling technically stronger, I never felt so confident in my abilities to tell this story. I don't take all the credit for it, it was a combination of fortunate things given along the course of these past few weeks: a trusting director, a reliable partner, a great coach, and the help of a secret weapon.


Once or twice a month, I have set my computer down in the corner of the room or sneaked into an empty studio to have a one to one session on Zoom with Ursula Hageli, our former rehab coach and ballet mistress. She sets the combinations from her living room, accompanied by her three poodles – Brig, Rachel, and Wolfie – who like to bark at squirrels passing by in the garden. Ursula retired from her position last August, but I am very grateful to have continued to work with her, even if from afar (it is how most things are these days anyways). She likes having me on a big screen and picking on every detail, I don't really know how she does it. We have worked on coordinating legs and port de bras, which has helped me enormously. We don’t usually spend time on the basics of classical technique in professional training, so I look forward to every lesson with her. It is quite a serene moment of the morning, despite the occasional barking, when I’m really aware of what every part of my body is doing, from fingertips to toes.


Classmates Brig, Wolfie, and Rachel.

There is something special about working closely with someone you trust, it gives you a boost of strength and confidence. I treasure every moment with Ursula, it reminds me of when I was a young student in Brazil, wanting to be a ballerina, being privately coached by the renowned Toshie Kobayashi, though the work was a lot more "intense" (I was shy and scared) and I wasn't conscious of what my body was doing, I just wanted to show maximum effort so that Toshie would approve. The fact that I was looking forward to being Clara in the live-stream, something that would have made me terrified before, makes me think that I'm giving in to trusting that I have something unique to give, and I want to share it with the world.


We must focus on the journey, not the destination. It will always help us grow and appreciate things more.

Act I photo @dancersdiary

A few days before this all happened and the filming got cancelled, a dear friend of mine sent me his favourite poem, written by Cavafy, a great twentieth century Greek poet. It was called Ithaka.


Ithaka

by C. P. Cavafy

Translated by Edmund Keeley


As you set out for Ithaka

hope your road is a long one,

full of adventure, full of discovery.

Laistrygonians, Cyclops,

angry Poseidon—don’t be afraid of them:

you’ll never find things like that on your way

as long as you keep your thoughts raised high,

as long as a rare excitement

stirs your spirit and your body.

Laistrygonians, Cyclops,

wild Poseidon—you won’t encounter them

unless you bring them along inside your soul,

unless your soul sets them up in front of you.

(...)

Keep Ithaka always in your mind.

Arriving there is what you’re destined for.

But don’t hurry the journey at all.

Better if it lasts for years,

so you’re old by the time you reach the island,

wealthy with all you’ve gained on the way,

not expecting Ithaka to make you rich.

Ithaka gave you the marvelous journey.

Without her you wouldn't have set out.

She has nothing left to give you now.

And if you find her poor, Ithaka won’t have fooled you.

Wise as you will have become, so full of experience,

you’ll have understood by then what these Ithakas mean.


Now, at last, I understood the true meaning of it and why it had come to me in this precious moment.


#ballet #lockdown #companylife #royalballet #journey #training

A jornada


Acordei na manhã de sábado me sentindo bem otimista. De bolsa, máscara, e álcool gel nas mãos, corri para Covent Garden para uma última aula de balé. Chegara o fim de semana, mas ainda precisava fazer algo, mesmo que fosse apenas uma barra levinha que acordasse meus músculos. Normalmente, não gosto de ter dois dias de folga antes do ensaio de palco de uma segunda-feira. Afinal, seria o início de uma semana importante!

Na verdade, o Royal Ballet teria se apresentado naquele sábado. Eu estaria fazendo meu primeiro espetáculo como Clara em O Quebra-Nozes reworked, mas só conseguimos um total de quatro apresentações antes que as regras e regulamentos da pandemia mudassem aqui em Londres. Infelizmente, os teatros haviam sido fechados novamente. A maioria dos bailarinos só conseguiu apresentar um de seus papéis, alguns nem mesmo subiram ao palco. Fiz os quatro shows de boneca Columbina, no primeiro Ato, e Mirlitons. Pela primeira vez na minha carreira, não fui um floco de neve (e devo dizer que senti falta). Ser solista da companhia significa que você não está envolvida nos números de conjunto tanto quanto o corpo de baile. Suponho que se estivéssemos fazendo a versão original, com vinte e tantos flocos de neve, provavelmente eu teria estado na lista.

Ficamos muito abalados com o cancelamento de tantas apresentações, tristes pelas pessoas que haviam ensaiado tanto e por aqueles que haviam comprado ingressos e esperavam por algo novo, ou que comparecem ao Quebra-Nozes religiosamente, ano após ano. É tão difícil quebrar uma tradição, mas parece que estamos tendo que criar novos hábitos e nos acostumar com mudanças drásticas. Nessas circunstâncias imprevistas, tudo o que podemos fazer é seguir em frente, mesmo que as regras não façam muito sentido. Com toda essa frustração e notícias desanimadoras, agarrei-me à certeza de que ainda tínhamos UMA apresentação a fazer, e estava empenhada em fazê-la valer por todas as outras que havíamos perdido. Mesmo que nosso auditório agora estivesse vazio, eu sabia que muitas pessoas estariam assistindo a transmissão ao vivo de O Quebra-Nozes de suas casas e esperavam por isso tanto quanto eu.

Andando por Covent Garden, fazendo compras de Natal de última hora, eu não conseguia entender por que a Opera House, que oferecia um evento socialmente distanciado, foi fechada, enquanto as pessoas se esbarravam nas ruas e em lojas. Eu teria me sentado num café para saborear uma boa xícara de flat white, como recompensa por ter perseverado nos exercícios incrivelmente difíceis do Sasha daquele dia, mas Londres se enquadrou no Nível 3, onde restaurantes e cafés eram apenas para take-away. Eu e Kevin compramos um café para viagem no Cafe Monmouth, nosso favorito, e seguimos ao Neals Yard Dairy, onde compramos saborosos queijos, geleia e biscoitos para a nossa tão esperada véspera de Natal.

Quando cheguei em casa, fiz uma aula de ioga, uma gravação de um dos dias de lockdown (quando fazíamos exercícios em nossa sala de estar). Uau, como progredimos! pensei. Desde nossos primeiros cinco meses em lockdown, adquiri o hábito de fazer ioga com mais regularidade, pois me ajuda a me sentir grounded, centrada, alongada. Algo perfeito para se terminar uma longa semana. Já estava ansiosa para o ensaio de palco de segunda-feira, que seria uma corrida do balé antes do grande evento de terça-feira. Como as apresentações foram canceladas, a maioria dos bailarinos daquele elenco ainda não havia feito seus papéis no palco. Era um elenco totalmente diferente daquele que havia se apresentado na noite de abertura e nos três shows subsequentes. Além disso, não ensaiar um balé por uma semana inteira pode ser meio estranho. Precisávamos subir ao palco para nos sentirmos “em casa” novamente. Eu havia feito Clara no Ensaio Geral, que é como se fosse uma apresentação; uma ótima maneira de sentir o palco, praticar a troca rápida de figurino (que quase não aconteceu a tempo) e me acostumar com os focos e luzes brilhantes. A equipe de filmagem também esteve presente, ensaiando.

Depois da ioga, fui para a cozinha estudar enquanto esperava o Kevin voltar para casa. Meu telefone vibrava sem parar, mas ignorei todas as mensagens do grupo, pois estava determinada a finalizar uma redação que deveria ser entregue em breve. O grupo dos bailarinos persistia com as mensagens, então resolvi desligar da tela do computador por um segundo para descobrir o motivo de tanta agitação, e foi aí que percebi que algo errado havia sucedido.

'Gente, o que está acontecendo??' perguntou uma amiga em uma mensagem privada. ‘Quer dizer que não podemos mais ir pro Brasil no feriado? E a gravação de terça-feira? '

Meu coração parou. Londres acabara de entrar no Nível 4, sendo o pior dos quadros. Regras mais rigorosas seriam implementadas a partir da meia-noite, como não poder visitar familiares em casas separadas, e isso bem antes do Natal. Tudo devido, eles disseram, a uma nova vertente do vírus que se espalhava rapidamente. Entravamos em outro lockdown onde todas as lojas e restaurantes seriam fechados, planos de viagem cancelados ... uma loucura total! Com tudo o que estava acontecendo, eu só conseguia pensar em nosso espetáculo do Quebra-nozes e o que aconteceria em três dias.

Chegando em casa, Kevin encontrou uma namorada andando de um lado para o outro na cozinha, estressada e chateada, mas apesar das más notícias vindas do governo, ele ainda acreditava que essas novas regras não afetariam o espetáculo. Esperamos ansiosamente por um pronunciamento da companhia, como sempre acontece em situações como essa onde o quadro muda significativamente. Em muitas ocasiões, nos últimos dez meses, os bailarinos esperaram pacientemente por respostas pois não cabe a nós decidir. A equipe artística e executiva do Royal Opera House se reúne e dita qual será o próximo passo, levando em consideração o que é melhor para nossa saúde e segurança.

Bem, o que mais temíamos aconteceu. Pouco depois do Kevin me acalmar, recebemos uma atualização da companhia. Eu estava no telefone com minha mãe e ele apenas olhou para mim com uma cara tristonha, dizendo... 'sinto muito'. Soube então que eram más notícias, a filmagem havia mesmo sido cancelada. Nem posso dizer o quanto fiquei decepcionada, o quanto eu esperei por essa oportunidade. Comecei a chorar, e abracei o Kevin o mais forte que podia. Ficamos assim por um bom tempo. Eu sabia que era melhor desabafar logo de uma vez. Mesmo lendo tantos livros e escrevendo tanto sobre deixar as coisas fluírem e entender que tudo acontece por um motivo, em momentos como esse, é como se algo explodisse dentro do meu peito. Eu queria era chorar e gritar ao Universo ... POR QUÊ???????

Gostaria que as coisas tivessem sido diferentes, mas já devia ter entendido que estamos vivendo em tempos incomuns, as coisas podem mudar de um dia para o outro (e realmente mudam). Nós, como companhia de balé, tínhamos feito tudo certinho. Fizemos testes de covid, nos mantivemos socialmente distantes, re-coreografamos um balé para torná-lo “seguro” e trabalhamos duro nele, mas não foi o suficiente. Teríamos feito qualquer coisa para que o espetáculo acontecesse. Os bailarinos são seres muito apaixonados, às vezes ao ponto de estarem cegos ao que é certo ou sensato. Nós nos colocamos em risco o tempo todo, em risco de nos machucarmos gravemente, ignorando os desconfortos que podem surgir durante apresentações ou ensaios para que possamos alcançar um objetivo. Mas há momentos na carreira de um bailarino em que um é forçado a render-se as dores. Um exame mostra uma fratura ou ligamento rompido, ou um espasmo súbito nas costas ou no pescoço torna a pessoa imóvel. Somente quando a dor é insuportável tomamos as medidas necessárias; do contrário, apenas dizemos a nós mesmos para aguentar firme, aconteça o que acontecer. Vemos elencos sendo alterados no último minuto e corações que são quebrados por uma oportunidade perdida. Acontece o tempo todo no teatro, e muitas vezes dizemos uns aos outros:


‘Não se trata do produto final, o que importa é o processo.’

Alguns dias depois, consegui analisar o quadro geral e reconhecer o quanto cresci e aprendi nesse "processo". Quando a raiva e o aborrecimento passam um pouquinho, paro de pensar no que poderia ter sido e aceito a realidade. Dançar Clara na transmissão ao vivo teria sido um sonho, uma oportunidade de vida, mas isso não quer dizer que não voltaria ou que não haveria algo pela frente tão emocionante. O fato de termos chegado tão longe, sobrevivido e se adaptado a um novo mundo, já era uma grande conquista. Depois de cinco meses trancados em casa, o mais longo que já fiquei sem academia, estúdio, piscina ou quadra de tênis, conseguimos voltar à forma. Talvez me sentisse ainda mais forte e fisicamente mais preparada do que nunca, mesmo sem as horas intensas e incessantes de ensaio e apresentações a que estamos acostumados, o que me provou que poderíamos todos trabalhar melhor com um pouco mais de tempo de recuperação. Isso também me provou (aquela que sempre pensou que três dias de folga do balé me deixaria rígida e fora de forma) que nossos corpos são muito mais adaptáveis ​​do que pensamos.

Nas últimas semanas, além de ser apresentada a um novo parceiro de dança, comecei a trabalhar com um novo ensaiador/treinador, Edward Watson. Ed é um ex-bailarino principal do Royal Ballet e nosso mais novo répétiteur. Teve uma carreira brilhante, trabalhando com vários coreógrafos e retratando papéis dramáticos nos balés de Kenneth MacMillan, Frederick Ashton, Wayne McGregor, Christopher Wheeldon, para citar alguns. Quando entrei na companhia, senti-me um pouco intimidada por ele, talvez devido à sua posição. Eu o assistia ensaiando Leontes em The Winter's Tale, totalmente maravilhada com seu físico e expressividade. Sua ética de trabalho é o que mais admiro, mas agora pude conhecer um outro lado profissional e o reconheço também como um grande treinador, o que não se pode dizer sobre todos aqueles que tiverem uma carreira distinta como bailarinos ou performers.

Nós três - eu, meu parceiro Luca, e Ed - nunca tínhamos trabalhado assim antes. Começamos do zero, estudando o pas de deux de um novo ângulo. Ed tem um conhecimento tão rico ​​para transmitir, desde pequenos toques de performance até o que funciona para nós pessoalmente. Ele permite que você seja você mesmo sem esperar que se encaixe em um molde, o que lhe dá a certeza de que está mostrando o seu melhor. Todos os dias, Ed nos lembrava de pés em dehors, ombros caídos, iluminar o rosto e pintar um quadro completo. Sempre me senti estranha correndo no palco, e ainda acho que seja uma das coisas mais difíceis de se executar com graciosidade, mas com as dicas de Ed eu finalmente cheguei a me sentir um pouco menos descoordenada. Clara tem quilômetros a percorrer neste balé!

Graças à experiência que adquiri fazendo o papel muitas vezes e à liberdade que ganhei ao me sentir tecnicamente mais forte, nunca estive tão confiante em minha capacidade de contar essa história de Natal. Mas não levo todo o merito por isso; foi uma combinação de coisas afortunadas que recebi ao longo dessas últimas semanas: a confiança do diretor, um parceiro confiável, um grande treinador, e por fim, a ajuda de uma arma secreta.

Uma ou duas vezes por mês, ajusto meu computador no canto da sala ou num estúdio vazio para fazer aula particular via Zoom com Ursula Hageli, nossa ex-treinadora de reabilitação e professora. Ela mostra os exercícios de sua sala de estar, acompanhada por seus três poodles - Brig, Rachel e Wolfie - que gostam de latir para os esquilos que passam no jardim. Ursula se aposentou em agosto, mas sou muito grata de poder ter continuado a trabalhar com ela, mesmo que de longe (como a maioria das coisas hoje em dia). Ela assiste a minha aula de uma grande tela de televisão e corrige cada detalhe. Não sei como consegue! Temos trabalhado na coordenação de pernas e braços, algo que tem me ajudado muito. Normalmente, não dedicamos tempo ao básico da técnica clássica no dia a dia profissional, então aprecio muito essas lições. São momentos bastante serenos e meditativos, apesar dos latidos ocasionais, quando estou realmente ciente do que cada parte do meu corpo está fazendo, da ponta dos dedos aos pés.


Devemos nos concentrar na jornada, não no destino. Isso sempre nos ajudará a crescer e a valorizar mais as coisas.

Sinto algo especial em trabalhar junto com alguém em quem tenho total confiança. Isso me passa uma força ainda maior. Valorizo ​​cada segundo com a Ursula, e me recordo dos tempos em que era jovenzinha, querendo ser bailarina, tendo aulas particulares com a renomada Toshie Kobayashi, embora nosso treino fosse mais “intenso” (eu era bastante tímida e assustada) e eu não fosse consciente do que meu corpo fazia, apenas queria mostrar máximo esforço para que Toshie aprovasse. O fato de estar ansiosa por ser a Clara nessa gravação, algo que teria me deixado apavorada antes, me faz pensar que estou cedendo à confiança de que tenho algo único para dar, algo que gostaria de compartilhar com o mundo.


Alguns dias antes disso tudo acontecer e da gravação ser cancelada, um amigo querido me enviou um poema (seu favorito) de Cavafy, grande poeta grego do século XX. Chamava-se Ithaca.


Quando você partir em busca de Ítaca

reze para que a sua jornada seja longa,

cheia de aventuras, cheia de despertares.

Não tema os monstros da antiguidade…

Você não os encontrará nas suas viagens

se o seus pensamentos forem sublimes e permancerem elevados,

se autênticas paixões comoverem-lhe mente, corpo e espírito.

Você não encontrará monstros ameaçadores

se não carregar dentro da sua alma,

se a sua alma não os colocar diante de você.


(…)

Guarde Ítaca sempre em sua mente.

A sua chegada lá é o seu destino.

Mas de forma alguma apresse a jornada, seja paciente.

É melhor que ela dure muitos anos –

mais tempo do que você mesma possa imaginar.

Para que, afinal, quando você chegar a essa

ilha sagrada, seja uma mulher sábia,

repleta de tudo o que conquistou ao longo do caminho;

não mais esperando Ítaca para obter opulência,

não mais precisando de Ítaca para ficar rica.


Ítaca lhe ofereceu a profunda jornada,

a oportunidade de descobrir a mulher que você sempre foi.

Sem Ítaca como inspiração, você

nunca teria partido em busca da plenitude.



Agora, enfim, havia entendido a mensagem que me veio naquele precioso momento.

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com