When life gives you lemons

Versão em português segue abaixo.


I know the last couple of weeks haven’t been easy for anyone. We as performing artists have definitely been affected by covid-19 tremendously and could not have continued on with rehearsals or shows. But no matter what you do, it is such a big change just being unable to go to your office, or socialise with family and friends, or go grocery shopping without feeling uneasy. Our professional and private engagements have suddenly been put to a halt; however, that doesn’t mean that the world is going to end tomorrow (it could well happen someday though) or that we can’t take this moment of pause to just appreciate other things in life. It is actually a great opportunity to become aware of other aspects of our ‘being’ that we have neglected so far or pursue an interest we’ve always wished to explore if only we had the time. Easier said than done, I know.


The first week of quarantine, I was in shock mode. Kevin and I had just come back from Chamonix. We’d gone to spend the weekend with my brother and his girlfriend, our first trip being just the four of us and no parents. We stayed in a cosy Airbnb with breath-taking views of the mountains and had amazing fondue and wine. Up Aiguille du Midi, with the stunning sight of Mont Blanc, the world seemed very peaceful. White peaks and blue skies surrounding us as far as the eye could see. This was, I now realise, the calm before the storm!! As soon as I arrived back home, I got an email from our company management saying that all Monday rehearsals had been cancelled. I still went into work the next day, did barre with some friends, genuinely thinking that I had to be ready for four acts of Swan Lake that Thursday. Better not take another day off! It was hard to believe that shows would actually be cancelled. I was in total denial. The Opera House never shuts, we always keep going!


Aiguille du Midi with Carol and Leo

But then it did shut its doors. We were just getting started with Swan Lake performances, of all things! It is one of the toughest ballets for the girls, in my opinion. We couldn’t have been more active at work. Going from that to suddenly stopping completely?! It all felt so surreal. My first reaction was: what’s the point of doing any exercise right now and trying to stay fit if we might be stuck at home for a while?! The second week felt a little easier, except I got a sore stomach and bad indigestion. I know this usually happens when I feel anxious, and all these uncertainties would have definitely flared it up. Staying away from coffee and alcohol and just living on potatoes, chicken and rice was NOT ideal.


We each have our own way of coping with uncertainty. Taking it one day at a time and slowly coming to terms with the situation is how I’ve been managing to turn things around.


Cygnets in Act 2 Swan Lake

I decided to focus on my studies. I had a two-thousand-word essay due, and what a treat it was to have that distraction! I was glad to finally have enough time to spend on my writing but then realised that having all the time in the world is not such a good idea either. I would have to plan out a schedule, otherwise I’d sit on the computer all day. Once submitted, I was looking forward to moving on to my next and final assignment of the module, a three-thousand-word essay and the longest I would have ever written. The first task was to do a critical read of Neil Gaiman’s Stardust, my first experience reading an illustrated novel. I’d read a few comic books as a child (Mauricio de Sousa’s Turma da Monica was a favourite) but that was about it. I had the impression that illustrated novels were made up mostly of drawings, that the images would be too distracting. But Stardust changed my mind completely. More than the gorgeous illustration, I was captivated by its content: the journey to fulfil your Heart’s Desire. It is one that resonates with everyone. A boy set off on a quest to find and catch a falling star, a promise he’d made to his lover. Sweet! I loved the topic and got on it pretty enthusiastically, only to find out a few days later that the Open University was cancelling further assignments. What????? I was selfishly thinking how could a long-distance learning also be affected by corona?? All this time I was finally going to have dedicated to my essays (and not editing papers in between rehearsals or right before curtain-up feeling all flustered) gone to waste.


So, feeling quite upset about it, I thought of our long-gone normality. Back then, what were the things I would have wanted to do with my breaks had I not had my assignments? For starters, since I began my course three years ago, I have pretty much stopped reading solely for pleasure. As for my poor journal, I would touch it once in a blue moon. It was time I picked up on my old habits! Why not take things a little further and start a blog, like I’ve always wanted? I had been pondering on this idea for a while when I spotted a new follower on my Instagram, her name was @thedancepsychologist. Reading her blog really inspired me so I messaged her to say how grateful I was for her insight on dancers' mental health. We got talking, and that’s when she asked me if we could write one together, which led me to starting this blog!


Sometimes it only takes someone to give you that little push, a word of encouragement, for you to have the nerve to start something new.


O.U. books I've read this year

Subconsciously, I must have decided along the course of this quarantine that I wanted to get out of my comfort zone. I’ve had plenty of challenging situations, the biggest one thrown at me by my dear old friend Rodrigo Almarales, who asked me to record a ballet barre so he could post it on his Instagram @dancewearroyale. Believe it or not, I had never taught a ballet class before. It is crazy when you think that my mom OWNS a ballet school! I’ve managed to get away with it all these years. It wasn’t for lack of encouragement on my dad’s part or hers. It all came down to my fear of not being good enough. I always felt like I would have no authority in the room. I’m shorter than most students, way too shy, and don’t speak loud or clear. Would I even know how to give them corrections? Or would I make them hate ballet? Part of this reluctance comes out of admiration and respect for all my mentors. I think it takes a lot of talent, love, and skills to be a good teacher, someone that will inspire you and bring out your very best. I've been lucky to have had great examples throughout my training and career. Marcia Lago, Toshie Kobayashi, Deborah Hess, Yoko Ichino, to mention a few. But that also raised the standards for me.


It took a lot of begging on Rodrigo’s part. He wouldn’t take no for an answer, so I made a very conscious decision that I would send him anything, just to show I’d made the effort. I set up my phone, pressed record, and pretended I was doing my own warm up. I couldn’t even bring myself to watch it afterwards. I know I’d have chickened out, so I sent it as it was and didn’t tell a soul about it, except my mom. I was very surprised when Rodrigo said he would edit and post it, and even more surprised when my mom watched it and said it was o.k.! I trust her judgement, she’s always been very honest (sometimes too honest). I’m sure she would have told me to put some make up on, do my hair pretty, look more presentable. But I think she wanted to be supportive and saw it as an opportunity not to be too critical, but to ask me to do the same recording for her. 'You have nothing to be afraid of', she said.


I always think of how amazing it is that people see me as an inspiring dancer, but what if they don't see me as a good teacher? Truth is, the fear of what others will think stops a lot of us from doing what we want to do, or convinces us that we are not really that bothered. I’ve never liked being judged. When I was little I’d burst out in tears if anyone pointed fingers and laughed at me. I’d feel so embarrassed, been this way all my life! I’d probably still cry now if I fell in the studio doing an exercise and people laughed. But sometimes my desire to overcome new challenges and grow as a person speaks louder. Instead of focusing on that minority that will probably criticise or mock me, I choose to focus on those I’d be inspiring or helping.


Virtual ballet lesson with Ballet Marcia Lago

Once you take that first small step, the others will follow more easily. Things start to shift; new opportunities appear for you to keep aiming further and further. And then you start to feel good about yourself and proud of being brave. The next ballet barre I taught was an online session on Zoom for my mom’s students. I did it this time really thinking of what I wanted them to take from it, what I had to give that was unique (thanks to some wonderful tips from tia Lu, my very first ballet teacher, who had watched on @dancewearroyale that first barre I’d recorded). Since then, more opportunities came for me to teach via Zoom, from @conservatoriodancanorte_cdn and @southerncaliforniaballet. Having had a go with Ballet Marcia Lago before, I felt confident enough to accept their invitation. And I know it is not the same as having taught face to face (how could it be?) but it is a baby step for me in feeling comfortable with the idea I've so dreaded. I don’t know if I have my mom’s vocation for it, but I'm willing to give it a try. Dancing and teaching are two very different things.



Images: Yoko Ichino (top left), Toshie Kobayashi (top right), Deborah Hess (bottom left), Marcia Lago (bottom right)

It took me a while to feel motivated to be ‘dancing’ at home, but the first day we had our virtual company class was enough to get me back on my feet. Seeing all the familiar faces spread all over the world, some reunited with family, reminded me of what truly matters: humanity, love, compassion. Everyone was doing their part to protect their loved ones and others, all in this together! It felt so good to listen to classical music and move again. It made me realise how much I had missed dancing and what a calming effect it has on me. Dancing is not just being physical. Especially barre, that which slowly gets us going every day, helps us connect with our bodies and our inner being. When you take away the worries of what is in your agenda for the day, it becomes less of a means to an end. You can appreciate it as an end in itself. As my dear friend Mariana Rodrigues wrote on her blog...


‘Take the stressful and not so nice aspects of our jobs away, and an opportunity comes to be reminded of the beautiful things in it.’


I believe it in my core that if you allow yourself to do the things that scare you, new opportunities will come and drive you in the right direction. Taking this time to explore new paths from the comfort of my own home has been rewarding. Without the pressure of being productive or active, I just found my own way of making lemonade out of this bitter moment. There are good and bad days. Sunny days are more than welcome! If anything, this is teaching us not to take our existence for granted.


(Read Mariana's full blog at https://thedcd.org.uk/life-in-lockdown-a-unique-view-from-dancer-mariana-rodrigues/ )


#blog #lifeinquarantine #ballet #balletclass #zoom #books #reading #writing #lemonade #home #lockdown

Versão em português


Quando a vida nos dá limões

Sei que essas últimas semanas não tem sido fáceis para ninguém. Nós, como artistas performáticos, fomos definitivamente afetados pelo covid-19 e não poderíamos ter continuado com ensaios ou apresentações. Mas não importa o que você faça, é uma mudança tão grande ser incapaz de ir ao seu escritório, socializar com familiares e amigos ou fazer compras sem se sentir desconfortável. Nossos compromissos profissionais e privados foram subitamente interrompidos; no entanto, isso não significa que o mundo terminará amanhã (pode até acontecer algum dia) ou que não podemos aproveitar esse momento de pausa para apreciar outras coisas da vida. Na verdade, é uma grande oportunidade para tomar consciência de outros aspectos do nosso 'ser' que negligenciamos até agora ou buscar um interesse que sempre desejamos explorar se tivéssemos tempo. Mais fácil falar do que agir, eu sei.

Na primeira semana de quarentena, eu estava em choque. Kevin e eu tínhamos acabado de voltar de Chamonix. Tínhamos passado o fim de semana com meu irmão e sua namorada, nossa primeira viagem sendo apenas nós quatro, sem pais. Ficamos em um Airbnb aconchegante com vistas deslumbrantes das montanhas, comemos fondue e tomamos vinhos incríveis. Em Aiguille du Midi, com a vista deslumbrante do Mont Blanc, o mundo parecia tão pacífico. Picos brancos e céus azuis ao nosso redor até onde os olhos podiam ver. Agora percebi que essa era a calma antes da tempestade !! Assim que cheguei em casa, recebi um email da gerência da companhia dizendo que todos os ensaios de segunda-feira haviam sido cancelados. Eu ainda fui no trabalho no dia seguinte, fiz uma aula com amigos, achando realmente que eu tinha que estar preparada para quatro atos de O Lago dos Cisnes naquela quinta-feira. Melhor não tirar outro dia de folga! Era difícil acreditar que os shows seriam realmente cancelados. Eu estava em total negação. O Opera House nunca fecha, nós sempre continuamos!

Mas o teatro fechou sim suas portas. Estávamos apenas começando com as apresentações de O Lago dos Cisnes , ainda mais isso! É um dos balés mais difíceis para as meninas, na minha opinião. Não poderíamos ter esstado mais ativas. Passamos disso para de repente parar completamente ?! Tudo parecia tão surreal. Minha primeira reação foi: qual é o sentido de fazer qualquer exercício agora e tentar ficar em forma se ficaremos em casa por tempo indeterminado?! A segunda semana foi um pouco mais fácil, exceto que fiquei com dor de estômago e má indigestão. Eu sei que isso geralmente acontece quando me sinto ansiosa, e todas essas incertezas definitivamente teriam aumentado as chances. Ficar longe de café e álcool e apenas viver de batatas, frango e arroz não era ideal.

Cada um de nós tem sua própria maneira de lidar com o incerto. Levando um dia de cada vez e lentamente aceitando essa nova realidade foi como eu tenho conseguido dar a volta por cima.

Eu decidi me concentrar nos meus estudos. Eu tinha um texto de duas mil palavras a fazer, e que prazer era ter essa distração! Fiquei feliz por finalmente ter tempo suficiente para dedicar à minha escrita, mas logo percebi que ter todo o tempo do mundo também não é uma boa idéia. Eu teria que planejar um horário, caso contrário ficaria sentado no computador o dia todo. Depois de terminado o trabalho, estava ansiosa por começar a próxima e última redação do curso, um texto de três mil palavras e o mais longo que já teria escrito. A primeira tarefa era fazer uma leitura de Stardust de Neil Gaiman , minha primeira experiência de um romance ilustrado. Li algumas histórias em quadrinhos quando criança (a Turma da Monica de Mauricio de Sousa era minha favorita), mas só. Tinha a impressão de que os romances ilustrados eram compostos principalmente de desenhos, que as imagens distraissem muito. Mas Stardust me fez mudar de idéia. Além de desenhos deslumbrantes, fiquei cativada por seu conteúdo: uma jornada para realizar o desejo do seu coração. Quem não se identifica? Um garoto parte em missão de capturar uma estrela cadente, uma promessa que ele fez a sua amante. Que lindo! Adorei o tema e mergulhei na tarefa com entusiasmo, apenas para descobrir alguns dias depois que a universidade estaria cancelando todos os trabalhos restantes. O que????? Eu estava pensando, egoisticamente, em como um aprendizado a distância também poderia ser afetado pelo corona? Todo esse tempo onde eu finalmente poderia me dedicar as redações (e não editando trabalhos entre os ensaios ou logo antes da apresentação, toda perturbada) sendo desperdiçado.

Sentindo-me bastante chateada, pensei em nossa ‘normalidade’ há muito comprometida. Quais seriam as coisas que eu gostaria de fazer em meu tempo livre se não houvesse meus estudos? Pra começar, desde que iniciei esse curso, há três anos, parei de ler por puro prazer. E quanto ao meu pobre diário, andava completamente esquecido. Estava na hora de retomar meus velhos hábitos! Por que não levar as coisas um pouco além e começar um blog, como eu sempre quis? Andava com essa idéia na cabeça há algum tempo quando vejo uma nova seguidora no meu Instagram, o nome dela era @ thedancepsychologist . A leitura de seu blog me inspirou, então enviei uma mensagem à ela dizendo como fiquei agradecida por sua visão sobre a saúde mental dos dançarinos. Iniciamos um diálogo e foi quando ela me perguntou se poderíamos escrever um texto juntas, o que me levou a começar este blog!

Às vezes, é preciso apenas alguém para lhe dar um pequeno empurrão, uma palavra de incentivo, para você ter a coragem de começar algo novo.

Inconscientemente, devo ter decidido ao longo desta quarentena que queria sair da minha zona de conforto pois tive muitas situações desafiadoras, a maior delas sendo desencadeada por meu querido amigo Rodrigo Almarales , que me pediu para gravar uma barra de balé para que ele pudesse publicá-la em seu Instagram @ dancewearroyale . Acredite ou não, eu nunca havia ensinado balé antes. É uma loucura se você pensar que minha mãe é dona de uma escola de balé! Eu consegui me safar disso todos esses anos. Não foi por falta de incentivo da parte do meu pai ou dela. Tudo se resumia ao meu medo de não ser boa o suficiente. Eu sempre senti que não teria autoridade na sala. Sou mais baixa do que a maioria dos alunos, sou muito tímida e não falo nem alto nem claro. Eu saberia como dar correções? Ou eu os faria odiar balé? Parte dessa relutância resulta da admiração e respeito que tenho por todos os meus professores. Acho que é preciso muito talento, amor e habilidade para ser um bom professor, alguém que irá inspirá-lo e saber tirar o seu melhor. Tive a sorte de ter tido ótimos exemplos ao longo da minha formação e carreira. Marcia Lago, Toshie Kobayashi, Deborah Hess, Yoko Ichino , citando apenas alguns nomes. Mas isso também elevou os padrões para mim.

Foi preciso muito choro por parte de Rodrigo. Ele não aceitou um não como resposta, então tomei uma decisão muito consciente de enviar qualquer coisa a ele, apenas para mostrar que havia feito um esforço. Preparei meu telefone, apertei o botão gravar e fingi que estava fazendo meu próprio aquecimento. Não consegui nem assistir a gravação. Sei que teria desistido, então enviei assim como estava e não contei a ninguém sobre isso, exceto minha mãe. Fiquei muito surpresa quando Rodrigo disse que a editaria e publicaria, e ainda mais surpresa quando minha mãe assistiu e disse que estava boa! Eu confio em seu julgamento, ela sempre foi muito honesta (às vezes honesta demais). Tenho certeza que ela teria me dito para me maquiar, arrumar meu cabelo, parecer mais apresentável. Mas acho que ela queria me apoiar e viu isso como uma oportunidade não para ser muito crítica, mas para me pedir uma gravação também. "Você não tem nada a temer", disse ela.

Eu sempre penso no quão incrível as pessoas me verem como uma bailarina inspiradora, mas e se elas não me vissem como uma boa professora? A verdade é que o medo do que os outros irão pensar nos impede de fazer o que queremos , ou nos convence de que não temos tanta vontade. Eu nunca gostei de ser julgada. Quando eu era pequena, chorava se alguém me apontasse o dedo e risse de mim. Eu me sentia tão envergonhada, fui assim toda a minha vida! Provavelmente ainda choraria agora se caísse na sala de aula fazendo um exercício e as pessoas rissem. Mas, às vezes, meu desejo de superar novos desafios e crescer como pessoa fala mais alto. Em vez de focar nessa minoria que provavelmente irá me criticar ou zombar, eu escolho me concentrar naqueles que eu inspiraria ou ajudaria.

Depois de dar um primeiro pequeno passo, os outros seguem mais facilmente. As coisas começam a mudar; novas oportunidades aparecem para você continuar buscando cada vez mais. E então você começa a se sentir bem consigo mesma e orgulhosa de ter sido ousada. A próxima barra de balé que eu ensinei foi uma sessão on-line no Zoom para as alunas da minha mãe. Dessa vez pensando no que eu queria que elas aproveitassem, o que eu teria de único para dar (graças a algumas dicas maravilhosas de tia Lu, minha primeira professora de balé, que assistiu no @ dancewearroyale aquela primeira barra que gravei). Desde então, mais oportunidades vieram para eu ensinar via Zoom, de @ conservatoriodancanorte_cdn e @ southerncaliforniaballet . Tendo participado com o Ballet Marcia Lago antes, senti-me confiante o suficiente para aceitar o convite. E sei que não é o mesmo que ter ensinado cara a cara (como poderia ser?), mas é um pequeno passo para me sentir confortável com a idéia que tanto temia. Não sei se tenho a vocação da minha mãe, mas estou disposta a tentar. Dançar e ensinar são duas coisas muito diferentes.

Levei um tempo para me sentir motivada para estar 'dançando' em casa, mas o primeiro dia em que tivemos nossa aula virtual foi suficiente para me colocar de pé novamente. Ao ver todos os rostos familiares espalhados pelo mundo, alguns reunidos com a família, fez com que eu lembrasse do que realmente importa: humanidade, amor, compaixão. Todo mundo fazendo sua parte para proteger outras pessoas e seus entes queridos, todos nessa juntos! Foi tão bom ouvir música clássica e me movimentar novamente. Isso me fez perceber o quanto eu sentia falta de dançar e que efeito calmante isso tem em mim. Dançar não é apenas ser físico. Especialmente exercicios na barra, que lentamente nos prepara todos os dias, ajudam a nos conectar com nosso corpo e nosso ser interior. Quando você tira as preocupações do que está na sua agenda do dia, pode apreciá-la como um fim em si mesmo. Como minha querida amiga Mariana Rodrigues escreveu em seu blog ...

"Afaste os aspectos estressantes e não tão agradáveis ​​de nossos trabalhos, e uma oportunidade surge para relembrar das coisas bonitas nele."

Acredito no meu íntimo que, se você se permitir fazer as coisas que o assusta, novas oportunidades surgirão e o levarão na direção certa. Aproveitar esse tempo para explorar novos caminhos do conforto de minha própria casa tem sido gratificante. Sem a pressão de ser produtiva ou ativa, acabei por encontrar minha própria maneira de fazer uma limonada deste momento amargo. Há dias bons e ruins. Dias de sol são mais que bem-vindos! Talvez a maior lição a ser tirade disso tudo é que não devemos tomar nossa existência por certa.

432 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com