Life choices

Escolhas da vida

Versão em português abaixo


Our lives are made up of the decisions we make, infinite moments of diverging pathways and choices. Small ones, like what to have for dinner or where to go on holiday, and some very big, where we seem to be risking it all for the realisation of a dream. As small or insignificant as they may seem, I believe all our choices shape who we are and consequently the journey we trace. In choosing to be a ballerina, I gained so much happiness and fulfilment, but I also gave away many things, starting with my childhood.


At school, I was never very popular. Ballet put me in the spotlight, just like in Meg Cabot's story of The Princess Diaries. Mia is just an ordinary girl struggling to fit in when she discovers she is the heir to the throne of a European kingdom. One day she wakes up and she is famous, the whole school wants to know who she is. My story wasn’t so dramatic, but I did go from being a bit of a geek to suddenly being noticed and respected. In a small town like Atibaia, none of my school friends even knew what ballet was (there was only one ballet school in the region that performed once a year). When they found out I had won first prize in an international competition, everyone started to see me as something special, or at least interesting.



Spending all day in the studio meant I had to be up all night studying for tests or doing my school homework, until mom would come and force me to bed.


'Bel, it's 3am already! You have to be up early tomorrow. Go to sleep.’


I would finish group projects and posters at late hours of the night, all by myself. I had to make up for the missing group meetings, and this is how I'd give my contribution: by putting everything together and making it look the best that it could, which to my high standards of perfection, could take a long time.



I was always the one being excused from exams, getting extensions, skipping all group activities... all because of my ballet. I had to miss most school trips, afternoons get together and birthday parties, and never had time to hang out with friends at the mall, let alone dating. My first real kiss didn’t happen until I was sixteen.


Weekends were filled up with rehearsals or ballet competitions here and there. Even if at the time it didn’t seem like a sacrifice at all, I always felt a bit excluded, left behind, knowing nothing about boys or the teenage world. It did feel like I was missing out on something, but ballet was infinitely more important.



Giving up my time and social life to dedicate myself to ballet was a choice I consciously made every day, and one I felt pretty comfortable with. But like in any coming-of-age tale, the moment arrives when you have to face a tough decision, commit to something that could potentially dictate the course of your life. For Mia, the princess, the moment came when she had to decide whether to claim the throne she had inherited or renounce her title, have her freedom back. After all, it is tough being a princess, following a strict etiquette and bearing the responsibilities of a kingdom.


At fourteen, I arrived at one of these moments. Leaving my family and my country to pursue a career in ballet was the toughest decision I have yet made. Yes, I was dropping out of my academic year and moving miles away from home, but looking back, I see that nothing was set in stone. I did not sign any contract stating I could not go back to my family. My goal was to become a professional ballerina, and that seemed like the path to be taken, but if things didn’t work out, I could have returned home being fully supported by my parents. The most important thing was to try, and with a bit of faith and perseverance, we can succeed.


'Courage is not the absence of fear, but rather the judgement that something else is more important than fear. The brave may not live forever, but the cautious do not live at all. From now on you'll be travelling the road between who you think you are and who you can be. The key is to allow yourself to make the journey.'


- The Princess Diaries -

Mia (Hathaway) and her grandma, the Queen (Andrews) in The Princess Diaries. It used to be one of my favourite films. I read all of the books too.

A lot of young dancers have to choose whether to continue with a rigorous ballet training or study to have a 'real job’ and career. It is not uncommon to hear that ballet would give you no future. I don't know what I would have done, I have never being in that position myself. If I had opted not to go to Canada’s National Ballet School and had to distance myself from ballet, would I have felt like I failed? If I had stayed in Brazil, I would have probably liked to go to university and graduate, but I would also have tried to keep dancing in some way or other and looked for opportunities to explore it deeper.


It may seem like we are giving up our dreams, losing our focus, when in reality our fixation with something turns it into the only thing that matters, while all other channels of self-knowledge, experience, being receptive and open minded remain neglected, and they can be the very thing that is stopping us from realising what we want. No matter how much we want to predict our future or plan out every step of our journey, things don’t always go as imagined, but more often than not they will lead us to where we need to be. If we just go with the flow of things without much resistance, soon enough we'll be able to look at the bigger picture.


Beauty and the Beast with Ballet Marcia Lago - 2017

If this is a moment to study, to prioritize family and friends or start a new project, so be it. We can still find inspiration for dance in everything we do. One can get to the studio and make every minute count, without having the pressure of a future depending on it. Dipping our toes in unknown waters might bring up many surprises, including a path that can complement our artistic side and enrich our lives.


Letting go of the pressure we put in ourselves every day to succeed, we can make better decisions and open our eyes to what truly matters in that moment. Every road will lead to self-discovery and offer us clues to finding our purpose. Choosing to start something new, whatever it may be, gives us a chance to evaluate things from a new perspective. Nothing changes if nothing changes, right?! I believe we are presented with the opportunities when we are ready for them, and saying YES more times than not is the only way to find out where it will lead us. It allows us to grow and develop as human beings.


‘The secret of change is to focus all your energy not on fighting the old, but on building the new.’ - Socrates

Being a dancer means embracing a lifestyle. It is not just what we do for six hours of the day. It is who we are, how we choose to lead our lives. It affects our day-to-day choices from the moment we wake up to the late hours of the evening. Trying to maintain a certain aesthetics and a balanced life does not mean we can’t go out and have fun, but it just requires a lot of self-discipline and consciousness. It means working on yourself every day, wanting to improve, striving for the perfectly imperfect.


Balanchine's Diamonds with Anna Rose O'Sullivan ©

We choose to live in such a competitive environment, where the race to get to the top may seem to dictate everything we do: how we act, what we say, how we feel. We are so driven by our ambitions, and when I find myself acting selfishly, feeling uneasy about someone, or having negative thoughts about my work, I choose to go to a quiet place and distance myself from it all.

It is so tempting to compare ourselves with others, but each has his or her own journey. We are all different and unique, and the world is big enough for everyone. I try not to harbor any feelings of envy or ingratitude because I know that everyone is fighting for the same goals. What I really feel is pure admiration, we are all worthy. Our time will also come, probably when we least expect it!


La Bayadere, Kingdom of shades © ROH

I believe that happiness is the measure for our success, both in our professional and personal lives. We are often so rigorous in our choices without realising that one thing can lead to another and that we may find, in the midst of it all, something of great value which gives us purpose.

Choosing ballet meant prioritising my career over family plans, sacrificing Christmases and holidays, but so far it has given me enormous joy and satisfaction. I take one year at a time, focusing on what seems important to me, re-evaluating my standards and priorities each day that goes by. I do wish to get married, travel around the world, start a family... but everything has its time.


Revista Atibaia - 2003

#ballet #lifestyle #choices #living #career #Brazil #profession #journey #dance


Escolhas da vida


Nossa vida é feita de decisões, infinitos momentos em que nos deparamos com caminhos divergentes e escolhas a serem feitas. Algumas pequenas, como o que jantar ou onde passar as férias, e outras muito grandes, onde parecemos estar arriscando tudo pela realização de um sonho. Por menores ou insignificantes que possam parecer, acredito que todas as nossas escolhas moldam quem somos e, consequentemente, a jornada que traçamos. Ao escolher ser bailarina, ganhei muita felicidade e realização, mas também abri mão de muitas coisas, inclusive de minha infância.

Na escola, nunca fui muito popular. O balé me ​​colocou no centro das atenções, assim como na história de Meg Cabot de O diário da princesa. Mia é uma garota como outra qualquer quando descobre ser na verdade a herdeira do trono de um reino europeu. Um dia ela simplesmente acorda e é famosa, toda a escola quer saber quem é. Minha história não foi assim tão dramática, mas de tímida e meio nerd, passei a ser notada e respeitada. Em uma pequena cidade como Atibaia, nenhum dos meus colegas de escola sabiam o que era balé (havia apenas uma escola na região que se apresentava uma vez ao ano). Quando descobriram que ganhei o primeiro lugar em uma competição internacional, todos começaram a me ver como alguém especial, ou pelo menos interessante.

Como passava as tardes no balé, tinha que ficar acordada a noite toda estudando para provas ou fazendo dever de casa, até que minha mãe viesse me forçar a ir para a cama. 'Bel, já são 3 da manhã! Você tem que acordar cedo amanhã. Vá já dormir.' Eu terminava projetos de grupo e pôsteres tarde da noite, sozinha. Por faltar nas reuniões, tinha que compensar de alguma maneira e era assim que dava minha contribuição: trabalhando no produto final e fazendo o melhor que pudesse, o que para os meus elevados padrões de perfeição, poderia demorar muito.

Era sempre a única dispensada dos exames, conseguindo extensões, pulando todas as atividades em grupo ... tudo pelo ‘meu’ balé. Tive que perder a maioria das viagens escolares, tardes e festas de aniversário, e nunca tive tempo de sair com os amigos para o shopping, muito menos namorar. Meu primeiro beijo de verdade não aconteceu antes dos dezesseis anos! Os fins de semana eram preenchidos por ensaios ou competições de balé aqui e ali. Mesmo que naquele momento não parecesse um sacrifício, sempre tive um sentimento de exclusão, como se estivesse perdendo alguma coisa. Sentia-me um pouco para trás, sem saber nada sobre meninos ou o mundo adolescente. O balé era infinitamente mais importante.

Sacrificar meu tempo e minha vida social para me dedicar a dança era uma escolha que eu fazia conscientemente todos os dias, e com a qual me sentia feliz e confortável. Mas, como em qualquer jornada de amadurecimento, chega a hora em que você tem que enfrentar uma decisão difícil, comprometer-se a algo que pode determinar o curso de sua vida. Para Mia, a princesa, chega o dia em que tem que decidir se toma posse do trono que herdara ou renuncia ao título, tendo sua liberdade de volta. Afinal, é difícil ser princesa, ter que seguir toda uma etiqueta e assumir as responsabilidades de um reino.

Aos quatorze anos, me encontrei em um desses momentos decisivos. Deixar minha família e meu país para tentar seguir carreira de bailarina foi uma das escolhas mais difíceis que já fiz. Sim, estaria abandonando meu ano letivo e mudando para bem longe de casa, mas olhando para trás, vejo que nada foi tão definitivo. Não assinei nenhum contrato declarando que não poderia voltar para minha família. Meu objetivo era me tornar uma bailarina profissional, e esse parecia o caminho a ser tomado, mas se as coisas não dessem certo, poderia voltar para casa com apoio total de meus pais. O mais importante foi tentar, e com um pouco de fé e perseverança, podemos ter sucesso.

'Coragem não é ausência de medo, mas sim o julgamento de que alguma outra coisa é mais importante do que o medo. Os bravos podem não viver para sempre, mas os cautelosos não vivem. De agora em diante, você estará percorrendo a estrada entre quem você pensa que é e quem pode ser. A chave é permitir-se fazer a viagem. '

- O diário da Princesa

Muitos jovens bailarinos têm de escolher se desejam continuar seu rigoroso treinamento de balé ou estudar para terem "um emprego de verdade". É comum ouvirmos dizer que o ballet não nos trará futuro algum. Não sei o que eu teria feito, pois nunca estive nessa posição. Se eu tivesse optado por não ir para a Escola Nacional de Ballet do Canadá e tivesse que me distanciar da dança, será que teria sentido como se houvesse fracassado? Provavelmente teria optado por cursar uma faculdade e me formar, mas tentando manter o balé bem pertinho de mim de uma forma ou outra, e procurado por oportunidades para me aprofundar nele.

Pode parecer que estamos desistindo de nossos sonhos, perdendo o foco, quando na realidade nossa fixação por algo o torna a única coisa que importa, enquanto todos os outros canais de autoconhecimento, experiência, ser receptivo e ter a mente aberta permanecem negligenciados, e eles podem ser exatamente o que nos impede de realizar o que queremos. Não importa o quanto queiramos prever nosso futuro ou planejar cada passo de nossa jornada, as coisas nem sempre acontecem como imaginamos, mas na maioria das vezes elas nos levam a onde precisamos estar. Se apenas acompanhássemos o fluxo das coisas sem muita resistência, logo veríamos que tudo faz parte de um plano maior.

Se este é o momento de estudar, de priorizar familiares e amigos ou iniciar um novo projeto, que assim seja. Podemos encontrar inspiração para o balé em tudo ao nosso redor, fazendo valer cada horinha de treinamento no estúdio, sem sentir a pressão de que o futuro depende disso. Mergulhar em águas desconhecidas pode nos trazer muitas surpresas, inclusive um caminho que possa complementar nosso lado artístico e enriquecer nossas vidas.

Deixando de lado a pressão que colocamos em nós mesmos todos os dias para obtermos sucesso, podemos tomar melhores decisões e abrir nossos olhos ao que realmente importa naquele momento. Todo caminho nos levará à autodescoberta e oferecerá pistas até que encontremos nosso propósito. Se optarmos por começar algo novo, seja lá o que for, ganharemos uma nova perspectiva. Nada muda se nada mudar, certo?! Acredito que as oportunidades se apresentam quando estamos prontos para elas, e dizer SIM aos desafios, na maioria das vezes, é a única maneira de descobrirmos onde isso nos levará, podendo crescer e nos desenvolver como seres humanos.

'O segredo da mudança é concentrar toda a sua energia não em lutar contra o velho, mas em construir o novo.' - Sócrates

Ser bailarino significa abraçar um estilo de vida. Não é apenas o que fazemos seis horas por dia. É quem somos, como escolhemos conduzir nossas vidas. É algo que influencia nossas escolhas no dia-a-dia, desde o momento em que acordamos até altas horas da noite. Procurar respeitar uma certa estética e manter uma vida equilibrada não significa que não possamos sair e nos divertir, mas requer muita autodisciplina e consciência. Significa trabalhar consigo mesmo todos os dias, querer melhorar, lutar pelo perfeitamente imperfeito.

Escolhemos viver em um ambiente competitivo, onde a corrida para chegar ao topo pode parecer ditar tudo o que fazemos: como agimos, o que dizemos, como nos sentimos. Somos tão movidos por nossas ambições, e quando me vejo agindo de maneira egoísta, me sentindo desconfortável com alguém ou tendo pensamentos negativos sobre meu trabalho, escolho sair para um lugar tranquilo e me distanciar de tudo.

É tão tentador nos compararmos com os outros, mas cada um tem sua própria jornada. Somos diferentes e únicos, e o mundo é grande o suficiente para todos. Procuro não alimentar nenhum sentimento de inveja ou ingratidão pois sei que todos estão batalhando pelos mesmos objetivos. O que sinto realmente é pura admiração, somos todos merecedores. Nossa hora também chegará, provavelmente quando menos esperarmos!

Acredito que a felicidade seja a medida do nosso sucesso, tanto na vida profissional como pessoal. Geralmente, somos muito rigorosos em nossas escolhas, sem notar que uma coisa pode levar a outra totalmente diferente e que podemos encontrar, no meio de tudo, algo de grande valor e que nos traga um propósito.

Escolher o balé significou priorizar minha carreira em detrimento de planos familiares, sacrificando Natais e feriados, mas até hoje tem me trazido enorme alegria e satisfação. Vivo um ano de cada vez, concentro-me no que parece importante para mim, reavalio padrões e prioridades a cada dia que passa. Desejo sim um dia me casar, viajar pelo mundo, construir uma família ... mas tudo tem seu tempo.

194 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com