First steps part II - the life of a touring company

Primeiros passos parte II - A vida em uma cia de turnês

Versão em português abaixo


I was still a student in my graduation year when a friend and his wife took me and three dancers to a fancy dinner, in the centre of Toronto. This weird looking lady, a fortune teller it seemed, was out there offering psychic readings. What a strange thing to have in a restaurant, I thought. We all waited our turn to speak to her. She asked me what my biggest dream was, and I said I wanted to become a professional dancer and travel around Europe performing to different audiences. 'Yes,' she told me. 'You will be in Europe, and you will travel a lot!' I figured she was just saying what I desperately wanted to hear, but it turned out she was right! This would be the first of many weird encounters when a stranger's predictions do come true.


I joined Northern Ballet Theatre in July 2007. I knew it to be a touring company, but I had no idea what that even meant. I could not have anticipated the regularity to which the company travelled, the high points and predicaments of living in constant motion. My lifestyle has changed dramatically since I settled in London, for a number of reasons. One being that The Royal Ballet only performs at the Royal Opera House, with the exception of one international tour a year. We basically live in the theatre, the dressing rooms are filled with our personal things, accumulated over the years, some of which no one claims to be theirs. They probably belong to somebody who's left the company a long time ago. I always catch myself reminiscing on those years when I was in a different dressing room every week, with a very limited number of leotards to wear.


My first Autumn-Winter tour with NBT

Besides living off a small suitcase, each dancer was allowed one tour skip to be taken to each venue. I’d fill mine up with make-up and hair stuff for the stage, ballet wear - leotards, tights, leg warmers – a travelling kettle, books, and pointe shoes. Getting in the theatre every Tuesday meant finding the skips, going up and down flights of stairs looking for your name in the dressing room, finding a spot by the dressing mirror, and settling in for the week. Our tours incorporated the capital cities of Great Britain - London, Belfast, Edinburgh, Cardiff - other cities like Manchester, Newcastle, Milton Keynes, and smaller towns such as Woking, Canterbury, Norwich, and so on...


Hitting the road - 2010

Northern Ballet dancers take care of all travelling and sleeping arrangements. The first year was the hardest for me because I had not yet made many friends and didn't know any of those places. The list was endless! I remember thinking... where the hell is Llandudno?? Once you've been to the venues, you end up finding your favourite places to stay and tend to go back to the same digs (most of them being rooms rented off from old regulars of the theatre, who will happily accommodate artists), the same Travelodge conveniently located within a short walk from the theatre, and you find out that booking ahead is essential to guarantee their availability.


It always worked out cheaper to share with other dancers, plus it was way more fun. Once we threw an epic house party in 'our' apartment in Belfast, with pizza, games, maybe a bottle of wine or two? It marked the end of a long tour! Another special memory I have is of a big house twelve of us shared in Bath. It was also my first visit to the city and I fell in love with the architecture, the famous Roman baths, the centre and outskirts of town, old bookshops and cafes. The house we stayed in was more like a mansion, a museum really, full of wonderful paintings and pottery, an amazing view of the city, a huuuuuge kitchen… it was wonderful! I remember us having a little drama afterwards, with the owners blaming us for having broken an antique vase or something and threatening to keep our deposit money. In the end, I believe they realised it had not been us and dropped the accusations.



On my first tours I ceased every opportunity to explore the places we went to, around the theatres and beyond. We had some free mornings, and me being an early riser, I would get up, have my breakfast, and go for long walks. As the years went by, the venues repeated themselves and I lost that adventurous spirit. I would then get to the theatre quite early and use my mornings to do some pilates, workout on the bike, or have a second breakfast at Starbucks instead, always with a book in hand.


We had Sundays off to rest. Mondays: our travel day. Tuesdays: the get-in. Class would start at 12pm with everybody on stage, followed by a general rehearsal and opening night. The shows would run every night from Tuesday to Saturday, including two matinées (Thursdays and Saturdays), a total of seven performances a week. Every lunch time or interval between rehearsal and performance I would come out of the theatre to get some fresh air and usually sit at a nearby cafe, call my mom (or boyfriend), and chill out until it was time to get ready. This became routine for me.



Our per diem was plenty to cover transport, accommodation, and food. We were always supposed to stay within a 15-mile radius from the theatre, but in order to save extra money, when performances were scheduled in Sheffield (39.5 miles from Leeds) some of us sneakily stayed at home and commuted daily.


We had been doing performances of Madame Butterfly. I got an early lift with one of the dancers and we headed to The Lyceum Theatre. All of a sudden we hit the most horrendous traffic, an accident had just happened and the cars weren’t going anywhere. What was supposed to be a 45 min journey took the longest 3 hours of my life! Those of us commuting from Leeds didn’t make it in time for class and the company suspected why we arrived so late (and all flustered). The guilty party got called to the office and all received a warning letter. After that little episode, we had to be extra careful in following the rules! I soon found an alternative: the lovely Ibis Sheffield City would do.


A typical hotel room - 'home sweet home'.
Touring venues 2010-11

Some theatres are conveniently located near shopping malls, with plenty of options for food and coffee breaks. When mom came with us on tour, as she quite often did in her visits, a Costa Coffee or nearby Starbucks would always be our meeting point. We’d spend my breaks chatting away or walking around pretty towns like Canterbury, Bath, Cardiff or Edinburgh, our favourites.


We would be back at the theatre at least two hours prior to a show, with plenty of time for me to get ready and warm up. I’ve always been a bit paranoid, constantly worrying that I was late or didn't check the casting properly. I still have recurring nightmares where I’m supposed to be on stage, I hear the music start but I can't find my way backstage or can't tie up my ribbons. At every half hour call, I would already be on stage warming up with other dancers, practicing, concentrating. This is where my pre-performance ritual comes from.



We did the same show for five to eight weeks on tour. The ballets would stay fresh in my mind, unlike now, where different productions often overlap. Every time we leave a ballet for a while, it just gets put aside and sort of 'forgotten' to open space for a million other things being rehearsed. When we go back to it, it feels like we're performing it for the very first time, even though we have done quite a few shows of it already.


It is good to have diversity, but it is also nice when you do something repetitively and you can start to build up confidence and really notice an improvement. Things start to become easier and more natural with every performance. There were times though, especially in my last year on tour, that fatigue made me anxious for a change.


R&J in Norwich - last day on tour before heading to 'Pedro's' for a celebration Mexican style

It always felt like I was part of a big family. From driving to a different venue on a Monday to curtain down on Saturday evening we'd be around each other, hanging out in the changing rooms (especially on rainy days) and even when you were not in the show, which wasn't really a night off since you still had to be in the theatre until curtain up on the last act, you were there following the run, sewing pointe shoes, or packing up things for the road. We were a close-knit group of dancers, travelling together like a big gypsy caravan.


Girls' Secret Santa - Leeds 2008

When our seasonal tour was over, we would spend a few weeks back in Leeds, rehearsing in West Park and eventually in beautiful new facilities in Quarry Hill. It always felt so comforting to be home, cooking my own meals, spending free evenings in front of the tv, going swimming... It was good to have that transition period until the next tour - a moment of pause - but that didn't mean we weren't busy. I worked even harder in class and made the most of being in a proper studio and having the mirrors! It was also time to work on new creations.



It is through story-telling that Northern Ballet makes the biggest impact, by creating narrative ballets and touring them throughout the UK (and occasionally overseas). One of my dearest memories is of Cleopatra. It was so exciting to be a part of the creative process of a major production, which marked David Nixon’s tenth season as director. He choreographed to the beautiful scores of Claude-Michel Schönberg (composer of Les Miserables) and worked closely with dramatist Patricia Doyle, who I appreciated so much for her input in characterization.


It was the first time I was seeing a brand-new ballet come to life, the collaboration of choreographer, composer, set and costume designers, all the work leading up to a big premiere. I was also a bit terrified of disappointing David. I didn't feel very helpful in the studio, but I learned that a good dancer should work collaboratively with the choreographer and help further develop his ideas.


After a successful premiere at the Leeds Grand Theatre in February 2011 (with a small technical issue: the ‘bed’ got stuck in the wings and we had to improvise an orgy scene on the floor) we took Cleopatra on a widespread national tour to other eleven venues. We had also done Peter Pan, Dangerous Liaisons, Swan Lake, Madame Butterfly and The Nutcracker that same season over 22 weeks of touring, not to mention a Gala performance at Leeds Grand celebrating Northern Ballet's 40th Anniversary.


Opening Night of Cleopatra at Leeds Grand Theatre

The aim of Northern Ballet has always been to reach a diverse audience, taking on interpretations of classical ballets and original productions. In five and a half years that I worked with the company, I took part in ballets that appealed to every generation, including toddlers! I was the main character in Ugly Duckling, choreographed by dancers Dreda Blow and Sebastian Loe. What an honour to have been in the first of many productions especially created for young children. It was adapted by the BBC for CBeebies and even won a BAFTA award! I remember doing a stage call of Ugly Duckling at the Stanley Burton Theatre in the morning and running to the West Yorkshire Playhouse for a premiere of Ondine.



2013 saw the creation of another major production, The Great Gatsby. Based on the classic American novel set in the 1920s, the whole company had to learn how to Charleston and tango (we had proper lessons!) in order to truthfully portray the glamorous parties of the era. Again, we could count on the help of Pat Doyle, who gave each of us a character to act in the story to enrich the scenes. We did 200 performances in total that season, touring from Edinburgh all the way to Canterbury with many stops in between. My last and final stop would be London.



I finished my time with Northern Ballet on a high, performing The Great Gatsby at Sadler’s Wells Theatre. I always looked forward to performing in London, as if I knew this, one day, would become home. And here I'd stay, starting rehearsals of Swan Lake in-the-round with English National Ballet straight away. Despite all the travelling, the change of venues (from raked stages to flat ones) and the crazy amount of performances, my life at Northern wasn't as hectic as it is now, in a weird way. I guess I learned to adapt to it, to find moments of quiet in the day, to appreciate the beauty in every city and in reaching audiences who otherwise might not have access to that level of dance.

I will always miss my Northern Ballet family, but I know that I made the right choice in moving on. It was a long period of learning and growing, and I'll be forever grateful for having had the most inspiring, hard-working artists around me and being able to follow their lead. Yes, there were some bumps in the road, but the wonderful moments are always the ones that remain in our hearts forever.



Sometimes you will never know the value of a moment until it becomes a memory – Dr Suess


Northern Ballet - The making of Cleopatra


Return to Home page to see older posts or to subscribe and receive updates on new ones :)


#ballet #companylife # #lifestyle #career #journey #travel

Primeiros Passos parte II - a vida de uma companhia em turnês


Eu ainda estava em Toronto, terminando meu ano de graduação, quando um amigo e sua esposa nos levaram, eu e mais três bailarinas, a um jantar bem chique no centro da cidade. Uma senhora esquisita, parecia-me ser uma vidente, estava a oferecer leituras psíquicas. Que coisa estranha para se ter em um restaurante, pensei. Todas nós tivemos a nossa vez de conversar com ela. Ela me perguntou qual era o meu maior sonho, e eu disse que queria me tornar uma bailarina profissional e viajar pela Europa, apresentando-me a diversos públicos. 'Sim,' ela disse. 'Você irá para a Europa e viajará muito!" Imaginei que estava apenas me dizendo o que eu mais queria ouvir, mas afinal, ela estava certa! Este seria o primeiro de muitos encontros estranhos em que previsões se mostrariam verdadeiras.

Entrei para o Northern Ballet Theatre em julho de 2007. Eu sabia que era uma companhia onde faziam muitas turnês, mas não tinha ideia do que isso significava. Não poderia imaginar a regularidade com que a companhia viajava, os pontos fortes e as dificuldades de viver em constante deslocamento. Meu estilo de vida mudou muito desde que me estabeleci em Londres por vários motivos, um deles sendo que o Royal Ballet só se apresenta no Royal Opera House, com exceção de uma turnê internacional por ano. Basicamente vivemos no teatro. Os camarins estão cheios de coisas pessoais que vão se acumulando ao longo dos anos, algumas delas ninguém nem reconhece. Provavelmente pertencem a alguém que deixou a companhia há muito tempo. Eu sempre penso naqueles anos em que me encontrava cada semana em um camarim diferente, com um número bem limitado de collants para escolher.

Além de viver só de uma malinha de viagem, cada bailarino podia levar um skip, uma caixa com pertences de balé a ser transportada para cada local. Eu enchia a minha de maquiagem para o palco e coisas de cabelo, roupas de balé - collants, meias-calças, polainas - uma mini chaleira elétrica, livros e sapatilhas. Ao chegar no teatro toda terça-feira, tinha que encontrar nosso skip, subir e descer lances de escadas procurando por seu nome na porta dos camarins, encontrar seu lugarzinho no espelho e se ajeitar para a semana. Nossas turnês incorporavam as capitais da Grã-Bretanha - Londres, Belfast, Edimburgo, Cardiff - outras cidades como Manchester, Newcastle, Milton Keynes e algumas menores como Woking, Canterbury, Norwich e assim por diante ...

Os bailarinos do Northern Ballet cuidam de todos os preparativos de viagem e hospedagem. O primeiro ano foi o mais difícil para mim, pois ainda não tinha feito muitos amigos e não conhecia nenhum daqueles lugares. Era uma lista gigantesca! Eu lembro de pensar ... onde diabos fica Llandudno?? Depois de visitar cada cidade, você acaba encontrando seus lugares favoritos e tende a voltar às mesmas hospedagens (a maioria casas de velhinhos que frequentam o teatro e ficam felizes em acomodar os artistas), o mesmo Travelodge convenientemente localizado perto do teatro, e você sabe que reservar com antecedência é fundamental para garantir disponibilidade.

Valia mais a pena dividir com outros bailarinos, além de ser bem mais divertido! Certa vez, fizemos uma festa em ‘nosso’ espaçoso apartamento em Belfast com pizza, jogos, uma ou duas garrafas de vinho? Marcava o fim de uma longa turnê! Outra ocasião especial foi um casarão que alugamos entre doze pessoas em Bath. Era a primeira vez que eu visitava a cidade e me apaixonei por sua arquitetura, os famosos Roman baths, pelo centro e seus arredores de campos, antigas livrarias e cafés. A casa em que ficamos era mais como uma mansão, um museu na verdade! Cheia de quadros e pinturas, cerâmicas maravilhosas, uma vista incrível da cidade, e aquela cozinha enooorme … era maravilhosa! Lembro-me de uns dias depois termos tido um pequeno susto, com os proprietários da casa nos acusando de termos quebrado um vaso antigo ou algo assim, ameaçando ficarem com nosso dinheiro do depósito. No fim das contas, acho que os convencemos de que não éramos os culpados.

Nas minhas primeiras turnês, eu aproveitava todas as oportunidades para explorar os arredores dos teatros e além. Tínhamos algumas manhãs livres, e como sempre gostei de acordar cedo, eu levantava, tomava meu café da manhã e saía para passear. Com o passar dos anos, as cidades se repetiam e eu perdi aquele espírito aventureiro. Então, costumava chegar no teatro bem cedo e usar minhas manhãs para fazer pilates, exercícios na bicicleta ou senão tomava um segundo café da manhã no Starbucks, sempre com meus livros.

Tínhamos domingos de folga: descanso. Segundas-feiras: dia de viajar. Terças-feiras: o get-in, chegada ao teatro. A aula começava às 12h com todos no palco, seguida por um ensaio geral e a noite de abertura. Os espetáculos aconteciam todas as noites de terça a sábado, incluindo duas matinés (quintas e sábados), totalizando sete apresentações por semana. Toda hora de almoço ou intervalo entre ensaio e apresentação eu saía do teatro para tomar um pouco de ar fresco e costumava sentar em um café próximo, ligar para minha mãe (ou namorado), descansar, até a hora de me arrumar. Isso se tornou rotina para mim.

Nossa diária era suficiente para cobrir transporte, acomodação e alimentação. Deveríamos ficar não mais que 24 km de distância do teatro; mas, para economizar um pouco, toda vez que nos apresentávamos em Sheffield (63 km de Leeds) alguns de nós - ‘os espertinhos’ - ficávamos em casa e pegávamos a estrada diariamente.


Numa semana de apresentações de Madame Butterfly, peguei carona logo cedo com um dos bailarinos e seguimos para o Teatro Lyceum. De repente nos vimos presos num trânsito horrível, um acidente tinha acabado de ocorrer e os carros não iam a lugar nenhum. O que deveria ser uma viagem de 45 minutos levou 3 horas, as mais longas de minha vida! Eu e todos aqueles que viajavam de Leeds não chegamos a tempo na aula e a companhia desconfiou do motivo por estarmos atrasados ​​(e tão transtornados). Os espertinhos foram chamados ao escritório e todos nós recebemos uma carta de aviso. Depois desse pequeno episódio, tivemos que ter um extra cuidado e seguir direitinho as regras do contrato! Eu logo encontrei uma alternativa: teria que ser o adorável Ibis Sheffield City.

Alguns teatros ficam convenientemente localizados perto de shopping centers, com muitas opções para refeições e cafezinhos. Quando minha mãe vinha conosco numa turnê (ela costumava visitar bastante) um café Costa ou Starbucks nas proximidades sempre servia como nosso ponto de encontro. Eu passava minhas horas livres com ela, conversando ou andando pelas cidades bonitas como Canterbury, Bath, Cardiff ou Edinburgh, nossas favoritas.

Voltávamos ao teatro pelo menos duas horas antes da apresentação começar, com tempo suficiente para eu me arrumar e me aquecer. Sempre fui um pouco paranóica com isso, constantemente preocupada por me atrasar ou por não ter verificado o elenco corretamente. Ainda tenho vários pesadelos onde eu deveria estar no palco, ouço a minha música tocar e não consigo encontrar o caminho para as coxias ou amarrar as fitas da minha sapatilha. Em toda chamada de trinta minutos, eu já estava no palco me aquecendo com outras bailarinos, praticando, me concentrando. Foi daí que nasceu meu ritual de pré-apresentação.

Dançávamos o mesmo espetáculo por cinco a oito semanas em turnê. Os balés permaneciam frescos em minha mente, ao contrário de agora onde as produções se sobrepõem. Toda vez que deixamos de apresentar algo por uns dias (ou até semanas), aquilo é posto de lado e meio que ‘esquecido’ em meio a tantas outras coisas sendo ensaiadas. Depois quando voltamos a ele, parece que é a primeira vez que estamos dançando aquele balé mesmo já tendo feito vários espetáculos antes. Claro que é muito bom ter diversidade, mas também é gratificante quando você faz algo repetidamente e pode perceber uma melhoria, as coisas começando a se tornar fáceis e mais naturais a cada apresentação. Se bem que em momentos de cansaço, especialmente no meu último ano de turnê, eu esperava ansiosamente por um repertório diferente.

Eu sempre vi a companhia como uma grande família, respeitável e inspiradora. Desde nossa chegada ao teatro nas manhãs de terça-feira até o fechar das cortinas no sábado à noite eu passava o tempo com aquelas mesmas pessoas, pra lá e pra cá nos camarins (especialmente em dias de chuva) e até mesmo quando não dançava no espetáculo (o que não era realmente uma noite de folga já que tinha que permanecer no teatro até que a cortina subisse no último ato) estava lá acompanhando a performance, costurando sapatilhas ou arrumando minhas coisas para outra viagem. Éramos um grupo bem unido, viajando juntos como uma caravana de ciganos.

Quando uma temporada terminava, passávamos algumas semanas em Leeds ensaiando em West Park e, eventualmente, no novo prédio em Quarry Hill. Sempre me sentia reconfortada por estar em casa, podendo cozinhar minhas próprias refeições, tendo noites livres para assistir TV e levando uma vida mais normal. Era bom ter esse período de transição até que a próxima turnê começasse - um momento de pausa - mas isso não significava que não estávamos ocupados. Eu me esforçava ainda mais nas aulas já que estávamos em um estúdio adequado, e com espelhos! Era também o momento de criarmos novos espetáculos.

É contando histórias que o Northern Ballet causa o maior impacto, criando balés narrativos bem originais e percorrendo-os por todo o Reino Unido (e ocasionalmente no exterior). Uma das minhas lembranças mais queridas é do balé Cleópatra. Foi muito emocionante fazer parte do processo criativo de uma grande produção que marcava a décima temporada de David Nixon como diretor. Ele coreografou as belas partituras de Claude-Michel Schönberg (compositor de Les Miserables ) e trabalhou em estreita colaboração com a dramaturgo Patricia Doyle, a quem apreciei muito por sua contribuição na caracterização.


Era a primeira vez que assistia a um novo ballet ganhar vida, vendo a colaboração de coreógrafos, compositores, cenógrafos e figurinistas, todo o trabalho que leva a uma grande premiere. Também sentia um pouco de medo de decepcionar o David no estúdio, pois não me via como uma pessoa muito criativa, e um bom bailarino sempre ajuda o coreografo a desenvolver suas ideias.

Após uma noite de abertura bem-sucedida no Leeds Grand Theatre em fevereiro de 2011 (com um pequeno problema técnico: a 'cama' ficou presa nas coxias e tivemos que improvisar uma cena de orgia no chão), levamos Cleópatra em uma ampla turnê nacional para outras onze cidades. Na mesma temporada, também fizemos Peter Pan, Dangerous Liaisons, Lago dos Cisnes, Madame Butterfly e The Nutcracker, dando um total de 140 apresentações durante 22 semanas de turnê, sem mencionar a Gala no Leeds Grand comemorando o 40º aniversário da companhia.

O objetivo do Northern Ballet sempre foi atingir uma plateia diversificada, com interpretações de balés clássicos e novas produções. Nos cinco anos e meio em que trabalhei com a companhia, participei de balés que atrairam todas as gerações, inclusive bebês! Fui a personagem principal em O Patinho Feio, coreografado pelos bailarinos Dreda Blow e Sebastian Loe . Que honra ter feito a primeira de muitas produções que seriam criadas especialmente para crianças pequenas. O Patinho Feio foi adaptado pela BBC para o CBeebies, um programa de tv infantil, e ganhou até um prêmio BAFTA! Lembro-me de fazer um ensaio geral no Stanley Burton Theatre, em Quarry Hill, pela manhã e correr para o West Yorkshire Playhouse para nossa estréia de Ondine.

2013 viu a criação de outra grande produção, The Great Gatsby. Baseado no clássico romance norte-americano da década de 1920, todos os bailarinos tiveram que aprender a dançar o Charleston e o tango (tivemos aulas com profissionais de verdade) para realmente retratar cenas mais autênticas das glamorosas festas daquela época. Novamente, pudemos contar com a ajuda de Pat Doyle, que deu a cada um de nós um personagem para atuar na história e contribuir com a atmosfera cênica. No total, fizemos 200 apresentações nessa temporada, viajando de Edimburgo a Canterbury, com muitas paradas no meio. Minha parada final seria Londres.

Terminei meu contrato com o Northern Ballet em puro êxtase, dançando The Great Gatsby no teatro Sadler's Wells. Ficava sempre ansiosa por me apresentar em Londres, como se soubesse que um dia esta seria minha casa. E aqui eu permaneceria, pronta para iniciar os ensaios de O Lago dos Cisnes on-the-round com o English National Ballet. Apesar de tantas viagens, tantas mudanças de teatro (de palco inclinado a reto) e tantos espetáculos, de certa maneira minha vida no Northern não era tão agitada como agora. Acho que aprendi a me adaptar, a encontrar o sossego em meio as jornadas e compromissos, a desfrutar da beleza de cada cidadezinha e de alcançar públicos que talvez não tivessem acesso ao nosso nível de dança.

Sinto saudades daquela família, mas eu sei que fiz a escolha certa em seguir em frente. Foi um longo período de crescimento e aprendizado, e serei eternamente grata por ter sido rodeada de artistas trabalhadores e inspiradores que me serviram de grande exemplo. Houveram algumas pedras no caminho sim, mas as boas lembranças são sempre as que permanecem mais forte em nossos corações.

Às vezes, você nunca saberá o valor de um momento até que se torne uma memória - Dr Suess


Video ‘The Making of Cleopatra’ (Criando Cleopatra) acima.


Retorne a Pagina Principal para ver posts antigos ou para se inscrever e receber notificações de posts novos :)