Eco-friendly steps

Passos ecológicos

Versão em português abaixo


One fine summer day, about two years ago, my friend Mayara handed me a dvd called The Biggest little Farm. Pictured on the cover were a rusty red shed and cute little animals that could have been taken off a children's book.


‘You MUST watch this,’ - she said - ‘you are going to love it!’


Despite her enthusiasm, I didn’t give it much thought until a couple of weeks later when, finding myself with a free evening at home, I decided to finally ask my boyfriend to set up the neglected dvd player that gathered dust inside the cupboard for a cozy movie night. He wasn't very convinced about my choice of viewing, but I looked forward to a light little farm story, reminiscing on my friendship with the girls.



It might sound a little weird, especially for a thirty-year-old ballerina like me, but two of my closest friends in the company used to call me 'sheep', and they had their animal nicknames too. We used to dream of co-owning a little cottage in the countryside, where I'd probably spend my days reading and writing and not doing much land work, and from what I could tell after watching the film, owning a sustainable farm requires extreme hard work and commitment.


The Biggest little Farm was much more than a lovable tale with happy endings; it was actually the unbelievable true story of a couple who ditched their city home in Los Angeles to build a sustainable farm on dead land, learning as they went how to handle the business. When the movie ended, I was in tears. I'd learned that everything could co-exist in perfect harmony if only humans were more patient (and believers, like Molly and John) and did not brutally intervene nature's work. After eight years of hardships and struggles, they had managed to recreate nature's perfect balance and build an organic farm with more than enough products to be sold and consumed. I so wished I could live in a place like this!



A dancer's crazy routine – early starts and late performances – won't even allow us to get a puppy, let alone take care of a farm! The unpredictability of wildlife, as I see in films and documentaries, teaches us that even the "bad guys" have an important role to play in keeping the balance of our complex ecosystems. But it makes me reflect on how human beings have tipped the scale so off balance, and there is nothing or no one to stop us.


Even though living in a sustainable farm is the stuff of dreams, I started to wonder more and more about the food that I was eating and where it really came from. I also became more aware of climate change and environmental issues being raised by my friends and family. Luckily, I'm surrounded by people who truly care to be environmental-friendly and have encouraged me to be mindful about it.


When I was little, I very much wanted to become a vet. I looked up to my uncle Ronaldo and aunt Rose, who are environmental analysts in Brazil and have worked endlessly to protect wildlife. They even named a jaguar after me!


Favourite place in UK - Yorkshire Dales
Atibaia, where I grew up.

Watching David Attenborough’s A Life on our Planet last year also opened my eyes to hard truths of the damage we are causing to nature. Sir Attenborough is a ninety-three-year-old English naturalist who has spent his life broadcasting about wildlife, showing us the wonders of the world and its biodiversity. This time, his documentary focused more on the human impact and devastating changes we see in the environment today. As I watched it, I kept asking myself: 'How could we witness all this and do nothing about it?!'


Unfortunately, the old proverb What the eyes don't see, the heart doesn't feel happens to be true to most of us. As Mayara once told me, if we don't have constant reminders right in front of us, we can go on with our everyday lives and forget about the damage and waste caused by our actions. I have always slipped back into my old and comfortable survival mode, but perhaps now that life has significantly slowed down for us, it is worth trying to really give our environment the attention and value it deserves. Let us start somewhere, perhaps with understanding what living sustainably truly means.


Sustainability. that which is capable of being sustained; in ecology, the amount or degree to which the earth’s resources may be exploited without damage to the environment. (Chambers Dictionary)


In becoming aware of my own habits, it seemed like I had a loooooong way to go to be able to say I am setting a good example and far from calling myself an environmentalist, but if I was going to start somewhere, where would it be? Not wanting to feel daunted or overwhelmed by the many changes I'd have to commit to, I decided to take one step at a time, quite certain that I wanted to make long-lasting changes and believing that the smallest things would make a difference.


Perhaps the easiest place to begin is to look at your daily life as it stands- how much garbage are you creating?

At the top of my list was reducing food-waste and supporting local businesses because it seemed to be the most achievable goal. I've always had leftovers for lunch and hardly chuck any food in the bin. I'm not sure why, but I believe I take after my grandma. My boyfriend says that, most of the time, I don't realise that I'm eating mouldy food! I refuse to throw away any vegetables or fruit unless it is absolutely necessary, and admit to disregarding certain expiry dates. Amongst the dancers, I have been the one eating black bananas nobody else wants, or having the last piece of cake before it gets discarded. Sometimes, I feel like a little vacuum cleaner.


Even though things are more expensive in our local shop for being organically sourced, I started buying more variety there: eggs, bread, vegetables, yoghurt, pulses, sauces and meat for our Sunday roasts. Kevin and I keep a list in hand of all the ingredients we need for the week as to avoid overbuying food, and he taught me to always carry a reusable shopping bag. We always have one handy. In most supermarkets in England, plastic bags cost an extra 10p, which encourages people to reduce plastic waste (I recently learned that a single plastic bag takes 500 years to decompose itself).


Avoiding unnecessary plastic altogether is on my list, as well as keeping an eye on our energy and water consumption. Water has always been scarce where I grew up, as it comes from an artesian well, so I got used to having quick showers and not letting the taps run unnecessarily, but in this English winter, it's a different story. I tend to give in into temptation and spend ages in the shower, letting the hot water heat my body up. Not essential, I know, and I intend to do better.


Dugard & Daughters, our local shop.

Since pandemic times, I have tried eating less meat and more vegetables as I hear so much about people switching to a plant-based diet because it is better for the environment. Although I've been raised in Brazil, the land of everyday rice, beans, chips and steak and the famous barbecues, I'm not too fussed about red meat in particular. I learned that eating less meat could reduce the greenhouse gas emissions of the food system, conserve land and water and so on, but I am not committed to taking a radical approach just yet. I could be totally wrong, but I do believe that having a bit of everything in your diet is good for our organism.


Since I’ve had a lot more time to experiment in the kitchen, I have tried a few vegan and vegetarian alternatives to our usual recipes. I can’t expect my boyfriend to live on the ‘chickpea diet’, as he calls it, but some of the recipes have been approved and are easy to make, and I believe my cooking skills have actually improved from my little experiments. Most of them were inspired by Ella Mills, founder of Deliciously Ella.



Wanting to implement changes in every aspect of my living, not just at home, I started analysing things from a professional angle. The fact that I'm a dancer makes me feel so far removed from all that goes on in the outside world, and the minute I cross stage door, it is like I’m entering a different planet. As much as I try, I forget my ideologies and focus solely on work. We live in our own crazy bubble, being consumed by the concerns and egocentric ambitions of ballet, but why couldn't I bring the same purpose of living and same values into my workplace, where I spend most of my time?


The Royal Opera House

I am sure there is a lot that our organisation can do as a whole, but there is also so much that each individual can do in our day-to-day routines to ensure that we are protecting the environment. Most of us dancers carry our own reusable drinking bottles, usually insulated to keep the water cool and handy, and that is already a good start. It is actually a good way to measure our daily water intake and keep hydrated. The theatre has considerably cut down on the usage of paper cups, I hardly see them anymore.


A few years ago, our canteen started giving discounted drinks if you brought your own reusable coffee mug. I went and bought myself a pretty Keep Cup. They were trendy at the time, and as soon as it arrived, I knew why. It was so much nicer to drink from their glassy cup and hold into a heat proof cork band. Even the coffee seemed to taste nicer! I also started wrapping my homemade sandwiches in bee wax wrappers, given to me as gifts, rather than cling film.



At home, we recycle everything we can, and recycling bins can be found too all over the corridors of the Opera House. One needs to know what each colour is for, and it does take some conscious effort to stick to the correct ones as they are not always within reach. Speaking of recycling, I walk into our changing room every day and wonder what destiny awaits our ever-growing pile of dead pointe shoes disposed in the corner. I know from experience that ribbons and some elastics can be washed and reused, as I have done for many years (more out of habit and laziness, to be fair, as they are already cut to the size I need), but I'm not so sure if pointe shoes can be recycled.


Next to the overflowing box of shoes, I see another pile of unwanted clothes, mostly old ballet wear. Usually, dancers are quite good at exchanging items or borrowing things off each other from time to time, but it is heart breaking to see how much of it still lays there, unclaimed for. It dawned on me quite recently that I never thought about my clothing, what it is made of and where it comes from, in the same way that I do with the food that I consume. I learned that there is such a thing as shopping ethically for fashion too, and that brands like Patagonia and Finisterre (UK based) are sustainable brands that, through collaboration and innovative ideas, are making long-lasting clothes out of biodegradable materials, such as bioplastics, and finding solutions to the fashion industry being the second biggest polluter in the world. We, as consumers, have a big role to play too.



My friend Annette - the biggest nature-lover I know and an amazing artist, founder of buvolipaints - told me of an effective technique she has acquired to stop herself from buying impulsively:


'Before buying any clothes, ask yourself: Am I going to wear this more than thirty times?'

Why thirty? I wondered. It just seemed like a small number to me, but upon reflection, I realised that at least half of my wardrobe is made of clothes I haven't worn this many times. Annette also said that every time she purchases an item of clothing, she also takes a new plant home. To surround oneself with plants and greenery is the best way to be reminded of the beauty, simplicity and comfort we find in nature. In recent years, I have gone literally from plant-killer (even cactus plants died in my hands) to creating a jungle in my living-room, loving my plants and caring for them, and feeling like they love me back, which makes me want to protect them and reach out to nature as a whole. Walking in a park or spending a few minutes in a garden is such a lovely way to re-energize and feel connected.


Rain shower on my babies

I never felt guilty when buying balletwear because they are my everyday clothes, a ballerina's 'uniform'. I spend more time in my leotards and tights than in any street clothes that I own. Dancers like wearing leotards in different colours and styles, wrapping themselves up in layers upon layers of body warmers, whether it is for practical reasons (keeping our muscles warm and ready to go), looking fashionable (there is such thing as ballet fashion and style), or simply trying to hide ourselves in vulnerable days. The problem is we do end up hoarding a lot of things we don't actually need or wear, spending a lot of money, and worst of all, buying items that are not sustainable.


All hope is not lost, however, to the world of ballet fashion. Recently, I got introduced to a sustainable ballet brand called Imperfect Pointes, from Manchester. All their leotards and ballet wear are made of econyl yarn, a form of regenerated nylon, and other sustainable textiles that would otherwise be polluting the Earth, and all their products can be recycled again and again. I also love the message behind Imperfect Pointes: it is ok to be imperfect and to take things on board slowly. In partnership with Mayara, the official brand supporter, they are starting to make a difference in how we see and shop for our ballet stuff.

'Sustainability is no longer about doing less harm. It's about doing more good in the world we live in, in every way we can.' - Mayara Magri

With the one and only
in our 'Imperfect Pointes' leotards

Striving for perfection can sometimes leave us stuck in one place, too afraid of making mistakes or not ready to fully commit, but every little choice we make, however small, can have a positive impact on the environment. Putting nature at the heart of our decisions seem to be the way to ensure that we make the best choices, and these are worthy goals to have in one's life.


My future-friendly girls Annette and Mayara, who inspire me to be a better person.

Sustainability seems to be about our health as a society, and as we have learned the hard way, health always comes first. I believe that artists are a great force for change, and perhaps this is how we can feel more connected to the environment and serve a bigger purpose. I have found that in ballet and life in general, it is ok to progress slowly and gradually, to fall down and come back up, to be different than what is considered normal. By taking one step at a time, watch how inspired you are to take more.


'Each one of us must do our part in creating a better world, for though the small choices we make each day - what we buy, what we eat, what we wear - may seem insignificant, the cumulative effect of billions of people making ethical choices, will start to heal the natural world.' - Dr Jane Goodall
Dr Jane Goodall - English primatologist and anthropologist, scientist, peacemaker, conservationist, mentor.

Learn more about sustainable wear:

Imperfect Pointes ballet wear

Finisterre outdoor clothing


Help plant more trees and learn of environmental projects with Ecologi


For plant-based recipes and zero waste ideas:

The Source Bulk Foods

Deliciously Ella


For inspiring portraits of flowers and nature, follow @buvolipaints and check her website: Buvolipaints


#lifestyle #inspiration #lockdown

Passos Ecológicos


Num belo dia de verão, há cerca de dois anos, minha amiga Mayara me entregou um dvd chamado The Biggest Little Farm (A maior fazendinha). Retratado na capa estavam um galpão vermelho enferrujado e animaizinhos da fazenda, tão fofos que pareciam ter sido retirados de um livro infantil.

'Você TEM que assistir isso,' - ela disse - 'Vai adorar!'

Apesar de seu entusiasmo, nem lembrei que estava com o dvd até algumas semanas depois, quando, encontrando-me sem compromisso em casa, decidi finalmente pedir ao meu namorado que instalasse nosso dvd player, há muito esquecido ejuntando poeira no armário, para uma noite de cinema aconchegante. Não o havia convencido muito quanto a escolha de filme, mas eu ansiava por uma história doce e leve que relembrasse minha amizade com as amigas.

Pode soar um pouco estranho, especialmente para uma bailarina de trinta anos como eu, mas minhas amigas mais próximas da companhia costumavam me chamar de 'sheep' (ovelha), e elas também tinham apelidos carinhosos de animais. Costumávamos sonhar em ser coproprietárias de uma casinha no campo repleta de natureza e de bichos, onde provavelmente eu passaria meus dias lendo e escrevendo sem tomar conta de nada. Mas pelo que pude perceber depois de assistir o filme, viver numa fazenda sustentável exige muito, mas muito trabalho e compromisso.

The Biggest little Farm era muito mais do que uma história boba com final feliz; era na verdade a incrível jornada verídica de um casal que abandonou sua casa na cidade de Los Angeles para construir uma fazenda sustentável em terras mortas e abandonadas, aprendendo com o tempo e própria experiência como cuidar dos negócios. Quando o filme acabou, eu estava em prantos. Havia aprendido como tudo pode coexistir em perfeita harmonia, se apenas os humanos fossem mais pacientes (e confiassem, como Molly e John) e não interviessem brutalmente no trabalho da natureza. Depois de oito anos enfrentando muitas dificuldades, eles conseguiram recriar o equilíbrio perfeito da natureza e construir uma fazenda orgânica com produtos para serem vendidos e consumidos. Como eu gostaria de viver em um lugar como este!

A agenda maluca de uma bailarina - aula logo cedo e apresentações tardias - não nos permite nem mesmo ter um cachorro, muito menos cuidar de uma fazenda! A imprevisibilidade da vida selvagem, como vejo em filmes e documentários, ensina que mesmo os "bandidos" têm um papel importante a desempenhar para manter o equilíbrio de nossos complexos ecossistemas. Mas isso me faz refletir sobre como nós, seres humanos, desequilibramos essa balança, e não há nada ou ninguém para nos impedir de fazê-lo.

Mesmo que morar em uma fazenda sustentável seja somente algo dos meus sonhos, comecei a me perguntar cada vez mais sobre a comida que comprava e de onde realmente vinha. Também fiquei mais ciente sobre mudanças climáticas e questões ambientais que surgiam em conversas de família e amigos. Felizmente, estou cercada por pessoas que realmente se preocupam em ser ecologicamente corretas e me encorajam a estar atenta a isso. Desde pequena, admirava o trabalho de meus tios Ronaldo e Rose, que são analistas ambientais e sempre protegeram a vida selvagem, e queria mesmo é ser veterinária. Uma onça pintada até já foi batizada de Isabella!

Assistir A Life on our Planet (Uma vida no nosso planeta) de David Attenborough no ano passado também abriu meus olhos para a dura realidade sobre danos que nós humanos temos causado na natureza. O senhor Attenborough é um naturalista inglês de 93 anos que passou a vida fazendo programas e documentários sobre a vida selvagem, mostrando-nos as maravilhas do mundo e sua biodiversidade. Desta vez, seu documentário focou mais no impacto humano e nas mudanças devastadoras que vemos no meio ambiente hoje. Enquanto assistia, eu me perguntava: 'Como podemos testemunhar isso e não fazer nada a respeito?!'

Infelizmente, o velho provérbio O que os olhos não veem, o coração não sente é verdadeiro para a maioria de nós. Como Mayara disse certa vez, se não tivermos lembretes constantes bem diante de nós, podemos continuar com nossa vida cotidiana e esquecer do estrago e desperdício que causamos. Sempre voltei aos meus velhos hábitos e ao meu modo confortável de sobrevivência, mas talvez agora que nossas vidas tenham diminuído significativamente de ritmo, valha a pena tentarmos realmente dar ao nosso ambiente a atenção e valor que ele merece. Começaremos talvez por entender o que significa viver de forma sustentável.

Sustentabilidade . aquilo que é capaz de ser sustentado; em ecologia, a quantidade ou grau em que os recursos da terra podem ser explorados sem causar danos ao meio ambiente.

Ao tomar consciência dos meus próprios hábitos, parece que tenho um looooongo caminho a percorrer para poder dizer que sirvo de bom exemplo ou de ser uma ambientalista, mas se fosse começar a ajudar de algum modo, como seria? Não querendo me sentir amedrontada ou oprimida pelas muitas mudanças com as quais teria de me comprometer (se realmente for avaliar meu estilo de vida, encontraria tantos erros), decidi dar um passo de cada vez, porem querendo mudanças duradouras e acreditando que, mesmo minúsculas, todas fariam uma diferença.

Talvez o lugar mais fácil para começar seja olhar para sua vida diária, como ela se apresenta - quanto lixo você está criando?

No topo da minha lista estava a redução do desperdício de alimentos e apoio aos mercados ou feiras locais, pois parecia ser a meta mais atingível. Sempre levei sobras para o almoço do dia seguinte e quase não jogo comida no lixo. Não sei por que, mas dizem que puxei minha avó materna. Meu namorado diz que eu vivo ingerindo comida mofada! Recuso-me a jogar fora qualquer verdura ou fruta, a menos que seja absolutamente necessário, e admito não respeitar certas datas de validade. Entre as bailarinas, sou eu quem come aquelas bananas pretas que ninguém mais quer, ou quem leva o último pedaço de bolo antes de ser descartado. Às vezes me sinto como um pequeno aspirador de lixo.

Embora as coisas sejam mais caras em nosso mercado local por serem de origem orgânica, comecei a comprar mais variedade lá: ovos, pães, vegetais, iogurte, leguminosas, molhos e carne para nossos assados ​​de domingo. Kevin e eu mantemos uma lista de todos os ingredientes de que precisaremos para a semana para evitar comprar em excesso, e ele me ensinou a sempre carregar uma sacola de compras reutilizável. Sempre temos uma à mão. Na Inglaterra, as sacolas plásticas de supermercado custam 10 centavos, o que incentiva a redução de lixo plástico (recentemente aprendi que uma única sacola plástica leva 500 anos para se decompor).

Evitar o uso de qualquer plástico está na minha lista, assim como ficar de olho no meu consumo de energia e água. A água sempre foi escassa onde cresci pois ela vem de um poço artesiano, então me acostumei a tomar banhos rápidos e não deixar a torneira aberta desnecessariamente, mas nesse inverno inglês, é outra história. Tendo a ceder à tentação de passar séculos no chuveiro, deixando a água quente aquecer meu corpo. Não é essencial, eu sei, e pretendo melhorar.

Nestes tempos de pandemia, tenho tentado comer menos carne e mais vegetais, pois ouço falar tanto de pessoas que estão mudando para uma dieta baseada em vegetais porque é melhor para o meio ambiente. Embora tenha sido criada no Brasil, a terra do arroz, feijão, batatas fritas e bife todos os dias e dos famosos churrascos, não sou tão ligada a carne vermelha em particular. Aprendi que comer menos carne pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa do sistema alimentar, conservar terra e água e assim por diante, mas ainda não estou comprometida em adotar uma abordagem radical. Posso estar completamente errada, mas acredito que comer um pouco de tudo faz bem para o nosso organismo.

Como tenho tido muito mais tempo para fazer experiências na cozinha, tentei algumas alternativas veganas e vegetarianas às nossas receitas habituais. Não posso esperar que meu namorado viva da 'dieta do grão-de-bico', como ele a chama, mas algumas das receitas foram aprovadas por ele e são fáceis de fazer, e acredito que minhas habilidades culinárias realmente melhoraram com meus pequenos experimentos. A maioria delas foi inspirada por Ella Mills, fundadora do Deliciously Ella.

Querendo implementar mudanças em todos os aspectos da minha vida, não apenas em casa, comecei a analisar as coisas de um ângulo profissional. O fato de ser bailarina faz com que me sinta tão distante de tudo que acontece no mundo exterior, e no minuto em que atravesso a entrada dos artistas, é como se estivesse entrando num outro planeta. As vezes acabo me esquecendo de tudo e me concentrando somente no trabalho. Vivemos em nossa própria bolha, sendo consumidos pelas preocupações e ambições egocêntricas do balé, mas por que não trazer o mesmo propósito de vida e os mesmos valores para o meu local de trabalho, onde passo a maior parte do tempo?

Tenho certeza de que há muito que nossa organização possa fazer como um todo, mas também há muito que cada indivíduo pode fazer em nossas rotinas do dia a dia para garantir que estamos protegendo o meio ambiente. A maioria de nós, bailarinos, carrega nossas próprias garrafas reutilizáveis, aquelas insuladas que mantem a água gelada, e isso já é um bom começo. Na verdade, é uma boa maneira de medir nossa ingestão diária de água e nos mantermos hidratados. O teatro reduziu consideravelmente o uso de copos descartáveis, eu quase não os vejo mais.

Há alguns anos, nossa cantina começou a oferecer bebidas com desconto se você trouxesse sua própria caneca reutilizável. Fui lá e comprei uma Keep Cup colorida. Estavam na moda na época e, assim que chegou, eu soube por quê. Era muito mais agradável beber de sua xícara vítrea segurando em sua faixa de cortiça à prova de calor. Até o café parecia mais gostoso! Também comecei a embrulhar meus sanduíches caseiros em embalagens de cera de abelha, que me deram de presente, em vez de filme plástico.

Em casa, reciclamos tudo o que for possível, e lixeiras para reciclagem também podem ser encontradas por todos os corredores da Opera House. Você só precisa saber para que serve cada cor, e fazemos um ‘esforcinho’ pois nem sempre elas estão ao alcance. Por falar em reciclagem, entro em nosso vestiário todos os dias e me pergunto que destino aguarda nossa pilha (cada vez maior) de sapatilhas de ponta usadas dispostas no canto. Sei por experiência que fitas e alguns elásticos podem ser lavados e reaproveitados, como faço há muitos anos (mais por hábito e preguiça, para ser sincera, pois já estão cortados no tamanho que preciso), mas não estou tão certa de que as sapatilhas de ponta possam ser recicladas.

Ao lado da caixa transbordando de sapatilhas, vejo outra pilha de roupas indesejadas, principalmente roupas de balé antigas. Geralmente, as bailarinas gostam de trocar itens ou pegar coisas emprestadas umas das outras de vez em quando, mas é de partir o coração ver o quanto disso ainda está lá, sem dono. Recentemente, percebi que nunca pensei nas minhas roupas, do que são feitas e de onde vêm, da mesma forma que faço com os alimentos que consumo. Aprendi que também existe uma ética de compras, e que marcas como Patagonia e Finisterre (com sede no Reino Unido) são marcas sustentáveis ​​que, por meio de colaboração e ideias inovadoras, estão fazendo roupas duradouras a partir de materiais biodegradáveis, como bioplásticos, e encontrando soluções para a indústria da moda que, hoje em dia, é o segundo maior poluidor do mundo. Nós, como consumidores, temos um grande papel a desempenhar.

Minha amiga Annette – amante da natureza e grande artista, fundadora da buvolipaints - me contou sobre uma técnica eficaz que ela adquiriu para parar de comprar impulsivamente:

'Antes de comprar qualquer roupa, pergunte-se: vou usar isso mais de trinta vezes?'

'Por que trinta ?!' - perguntei.

Parecia um número pequeno para mim, mas depois de refletir, percebi que pelo menos metade do meu guarda-roupa é feito de roupas que não usei tantas vezes. Annette também disse que toda vez que compra uma nova peça de roupa, ela também leva para casa uma planta. Cercar-se de plantas e vegetação é a melhor maneira de nos lembrarmos da beleza, simplicidade e conforto que encontramos na natureza. Nos últimos anos, eu literalmente passei de ‘assassina de plantas’ (nem um cacto sobrevivia em minhas mãos) à criadora de uma selva na minha sala de estar, amando minhas plantas e cuidando delas com o maior carinho, e eu sinto que eles me amam de volta, o que me faz querer protegê-las e respeitar a natureza como um todo. Caminhar em um parque ou passar alguns minutos em um jardim é uma maneira adorável de se reenergizar e se sentir conectado.

Nunca me senti culpada ao comprar roupa de balé porque são roupas do meu dia a dia, o 'uniforme' de toda bailarina. Passo mais tempo em meus collants e meia-calças do que em qualquer outra roupa comum. Os bailarinos gostam de usar collant em cores e estilos diferentes, de se cobrirem em camadas e mais camadas de polainas, seja por razões práticas (manter nossos músculos aquecidos), parecer fashion (há também uma moda e estilo a serem seguidos no balé), ou simplesmente tentar nos esconder debaixo de roupas em dias vulneráveis. O problema é que acabamos acumulando muitas coisas de que não precisamos nem vestimos, gastando muito dinheiro e, o pior de tudo, comprando itens que não são sustentáveis.

Mas nem tudo está perdido para o mundo da moda no balé. Recentemente, conheci uma marca de roupas de dança chamada Imperfect Pointes de Manchester, no Reino Unido. Todos os seus produtos são feitos de fios de econyl, uma forma de náilon regenerado, e outros tecidos sustentáveis ​​que estariam poluindo a Terra, e as roupas podem ser recicladas continuamente. Também adoro a mensagem por trás do Imperfect Pointes: não há problema em ser imperfeito e levar as coisas devagar. Em parceria com Mayara, apoiadora oficial da marca, eles estão começando a fazer a diferença na forma como vemos e compramos nossas coisas de balé.

'Sustentabilidade não mais significa causar menos danos. É fazer o bem no mundo em que vivemos, de todas as maneiras que pudermos. ' - Mayara Magri

A busca pela perfeição às vezes pode nos deixar presos e inativos, com medo de cometer erros ou de não estarmos prontos para nos comprometermos totalmente, mas as poucas escolhas que fazemos, por menores que sejam, podem ter um impacto positivo no meio ambiente. Colocando a natureza no centro das nossas decisões parece ser o caminho para garantirmos fazer as melhores escolhas, e estas são metas dignas de se ter na vida.

Sustentabilidade parece ser uma questão de proteger nossa saúde como sociedade, e saúde sempre vem em primeiro lugar, como temos aprendido (de maneira difícil). Acredito que os artistas são uma grande força para mudança, e talvez seja assim que eu possa me sentir mais conectada com o meio ambiente e servindo um propósito maior. Descobri que no balé, assim como na vida em geral, podemos e devemos progredir lenta e gradualmente, cair e saber se levantar, ser diferente daquilo que seja considerado normalidade. Dando um passo de cada vez, observe como você será inspirado a dar mais e mais.


'Cada um de nós deve fazer sua parte na criação de um mundo melhor, pois embora as pequenas escolhas que fazemos a cada dia - o que compramos, o que comemos, o que vestimos - possam parecer insignificantes, o efeito cumulativo de bilhões de pessoas tomando decisões éticas, começará a curar o mundo da natureza. ' –


Dra. Jane Goodall, antropóloga inglesa, cientista, ambientalista, pacifista, mentora.

For writing commissions or any thoughts, drop me a line here

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com