The Balancing Act

Um Ato de Equilíbrio

Versão em Português segue abaixo


I always felt like I was leading two distinct lives: one of family, relationships, the outside world, and one of vocation, devotion, the ballet world. Many times I found myself torn between what I saw as true commitment to ballet, beating myself up for not practicing even more or for taking a proper holiday instead of looking out for ways to keep training, but I realised there is a very fine line between cultivating passion and obsession. Now I understand that the kind of person I wanted to become and the values of family and amplitude I hold so dear would not fit into the profile of someone who prioritises work and success above all else. I welcome any opportunity to be dancing, but I also learned to appreciate having time off to do other things that make me happy, that help me regain strength. Even though 'little demons' might still appear in my head, making me feel guilty, I know that I need to let these thoughts go if I want to protect my wellbeing and embrace my hopes of always living in peace and abundance.



Building a career without compromising work-life balance has become of upmost importance to me. Within all the constraints of ballet, and following my own set beliefs that one must work really hard to deserve more, I find myself caught up in a juggling act. I have spoken a lot about dedication, something I regard as essential, and it is difficult to know where to draw the line. I believe a lot of it has to do with The Inner Game which I have touched on a previous blog post. Not trusting my abilities leads me to thinking that I haven't done enough, but it is important to know that working obsessively can become counterproductive, and to understand why some days feel harder than others. I know I’ve pushed my body too far when my health is compromised, when injuries occur or I catch a terrible cold.


It is quite rare for dancers to take a day off sick. Most dancers go to work even when they feel unwell, they don’t want to let the team down or make somebody pick up the extra work. It is so easy to slip into an obsessive mentality, where you end up putting yourself under so much stress and fatigue, which ultimately sabotages your performance. Looking for signs of imbalance helps me keep on track. Whenever I start feeling edgy and frustrated, I know that my scale has tipped too far one way. But it is not just a matter of balancing work and leisure; I believe that finding an equilibrium in all aspects of life is the best way to keeping yourself happy, strong, and motivated.



The Royal Ballet’s standards and demands are increasingly high. I do feel the weight of responsibility on my shoulders and the pressure (that I put on myself) to always be at my best. Between rehearsals and performances, gym and pilates sessions, physio appointments and costume fittings, you end up being in the theatre all day, 'working' 9am to 10:30pm. When the schedule gets overwhelmingly busy and I realise I set myself way too many tasks, I most certainly will start to feel uneasy, grumpy. Usually I let out my frustrations on my poor mom who has to put up with my complaints on the phone. Most of the time, it is not up to me to take a break whenever it suits me. We live on a very tight schedule.



There is a certain time of year when everyone gets really short-tempered and snappy. Rehearsals are a nightmare because everyone’s stress level is so high. That’s when we know we are in desperate need of a holiday! But that most desired break is usually months away, and so we are forced to learn how to be patient and live with ourselves. The lowering in morale and energy makes me realise how hard we've been working, and how far off we are from balancing effort and reward. To put me at ease with the world, whenever I find the time (which can become quite a mission), I take a moment for myself. One look out the dressing-room window and I feel freedom calling me. Sometimes a walk and some fresh air is all I need.


View from our dressing-room of Covent Garden Piazza

My idea of a good 'me' time

If I have sufficient time, I sit at a cafe and read, do some studying, or meet a friend for a catch up. As much as I enjoy some 'me' time, it is so uplifting to engage in deep conversation with that someone who truly understands and cares for you. I appreciate the cosiness of secluded places, a quiet ambiance. It is becoming more and more difficult to find such spots in Covent Garden, but if I’m lucky, I will grab a comfy seat and spend an hour or so sipping coffee, enjoying a slice of cake, entertained with my things. This can make a huge difference to how I feel the rest of the day. I do like to write on my journal too, if I’m feeling inspired. It is a sort of meditation, where I can regain emotional stability.


'An honest and deep conversation with a good friend is sometimes the exact nourishment you need to regain clarity, get back up, face the world and resume your mission with a new focussed energy'

Yung Pueblo


Free weekends are precious gems for Royal Ballet dancers. I look forward to a Friday night, meeting friends for a glass (or bottle) of wine in Covent Garden and some tapas. Having fun, relaxing moments with friends is also a good way to de-stress. It doesn't happen as frequently as I would like. We all get extremely tired from the shows, but to be honest, I guess here is where I lack a little improvement. My antisocial behaviour pairs up with fatigue and I miss out on the fun times, opting for a quiet time at home.


I try to make the most of the weekends. Usually we have a double-show day on Saturdays, meaning we only get Sunday off to rest and recover for a new week. Sunday is my downtime; I barely do anything unless the weather is beautiful (or my mom is in town). I like to go for a stroll in some cool neighbourhood, find bookshops, have a coffee or go out for brunch (I think I might be a little obsessed with finding cool brunch spots and bookshops). I prefer the quieter streets, exploring independent shops and cafes... every now and again, this is how I treat myself.



Daunt Books, Marylebone


Reconnecting with people I have not seen in a while also gives me tremendous pleasure. I have travelled to Leeds on several occasions to meet old friends from Northern Ballet, and the two-hour train journey is more than worth it, it really uplifts my spirits. I don't measure up sacrifices when it comes to travelling the distance to meet loved ones. It is worth every bit of it, even the early rises. For some years, I was in a long-distance relationship and used to fly to Germany every other weekend just to see with my boyfriend at the time (but that wasn't really worth the sacrifice after all). I have gone to Paris for one night to visit my cousin and her baby who were stopping by and met my brother in Sintra last year for a long weekend (it also happened be my birthday). Meeting them in such circumstances strengthens our relationship and creates beautiful memories.




I miss having my family around, and I think I have tried to fill that gap somehow with friends and people who make me feel safe and at ease. This feeling of connectedness is what I look for when dancing as well. It balances out the fact that, in the studios, I am so self-absorbed. Engaging with my partner and with friends gives me courage and consolation.


I love planning weekend getaways. We live for the bank holidays! Three days off are such a luxury and allow us plenty of time for a change of scenery. I love experiencing a new culture, indulging a little in food and wine, visiting galleries.. although I have to admit I’m not much of a museum person, but I try to not dismiss them completely. What I really like is to go for long walks and feel the vibe of a place, sit outside and enjoy a meal in good company, visit beautiful parks and discover cute neighbourhoods.



It doesn’t have to be a far-away destination. Exploring the English coast or countryside is one of my favourite things, be it a weekend at The Pig Hotel in Devon or visiting Kevin’s family in Cornwall. Being with nature allows me to recharge and reenergize in a way that no cityscape does. Going on country walks and enjoying an afternoon-tea with scones, jam and clotted cream. Yummy!


The Pig Hotel in Devon, where I can contemplate nature's beauty and feel life's pace slowing down

St Agnes, Cornwall

Spending time with my family also keeps me in check emotionally (and physically, as it means I get to give my body some rest). I usually spend most of my summer holiday in Brazil. Being ‘at home’ gives me a true sense of belonging. I’m always reminded of what truly matters in life: family, unity, health. It is good to feel appreciated and cared for. My family gives me love and the support system I need to feel confident and safe.

I have been blessed in so many ways. My parents live in Atibaia, a small town near São Paulo (nowadays, not so small anymore). Through hard work and dedication, those very fine ingredients, they have built themselves a little oasis. Going home means: enjoying the sun and heat even when it is their winter; being surrounded by mountains, flowers, trees, birds, toucans!; fresh air, blue skies and a swimming pool; having my dogs around, and now even reading by a fish pond! To top it all off, I'm spoilt by dad with his amazing cooking. He is the most incredible chef! What else could I want?!


I always start a new season fully recharged. I learned that it is important to let my body recover, especially with the intensity of work at the Royal Ballet. I use my mom's studios to get back into shape prior to coming back to the U.K., another thing I'm very grateful for!




I spent so many years trying to lead a ‘normal’ life, but it seemed so difficult to match it with a ballerina’s lifestyle. There was a time when I grew very attached to keeping a certain body image, and everything seemed to resolve around it, but I slowly realised it was very unwholesome. When I left Northern Ballet, I went through a phase of detoxing myself from all bad habits, including unhealthy eating and obsessive exercising. This was not the kind of person I wanted to be. I really focused on finding an equilibrium and learned that just because I had a slice of cake in the afternoon, it didn’t mean I had to skip dinner. I realised that I didn't need to deprive myself of anything. It was also a matter of keeping with the balancing act, and seeing food as nourishment. I do my work at the gym and I am mindful of what I eat because it helps me feel good and strong, not because I feel the pressure to do so.


Having a varied, nourishing diet is part of the balancing act!

A lot of people wonder what dancers eat in order to keep so slim. It is a misconception that we can eat nothing but salad. As any ‘normal’ person should, dancers must have a balanced, healthy diet. The food we eat will become the fuel needed for our rehearsals and performances. I feel good when I eat wholesome food, but I also have burgers and chips and the occasional 'junk food'. Sometimes it is exactly what I need. One of my goals this year was to learn how to cook different recipes, as I tend to stick to the very basic. I’m not very good in the kitchen, but I have to say that quarantine has given me a chance to improve on my cooking skills. I get a feeling sometimes Kevin only pretends to like it, but never mind. He is an amazing cook and baker, so I don't have to worry!


I am nowhere near having achieved the perfect work/life balance, but I’ve managed not to feel so torn between the two by seeking to develop a natural rhythm. By cultivating a sense of wellbeing, I'm in a better state of mind and spirit; things start to flow better and happen spontaneously. Our jobs are so heavily reliant on our state of mind, the relationships we have, our eating and sleeping habits. Taking the time to nourish the soul allows me to develop as a human being, which then leads me to becoming a better dancer, facing each day with more vitality and enthusiasm.


It is from my life experiences - my reading, traveling, relationships, way of living - that I find inspiration to portray my characters. It is from having my heart once broken that I can better understand the suffering of a Giselle, and from being in peace with myself that I can share genuine feelings of contentment with the audience.


Christopher Wheeldon's Corybantic Games, Royal Opera House

Slow down, for whatever you really want will be there when you get there if you work towards it without stress, without pressing.’


N. V. PealeI, quote found in my 2013 diary.


Go back to home page to subscribe to my blog and receive updates on new posts.



O ato de equilíbrio

Eu sempre senti que estava levando duas vidas distintas: uma de família, relacionamentos, o mundo exterior e outra de vocação, devoção, o mundo do balé. Muitas vezes me via dividida entre meu compromisso com o balé, agonizada por não praticar ainda mais ou por tirar férias ao invés de procurar maneiras de continuar treinando, mas percebi que há uma pequena diferença entre ser apaixonada e obcecada. Agora entendo que o tipo de pessoa que eu queria me tornar e os valores de família e amplitude que tanto prezo não se encaixariam no perfil de alguém que prioriza trabalho e sucesso acima de tudo. Eu agarro qualquer oportunidade de dançar, mas também aprendi a apreciar ter tempo livre para fazer outras coisas que me fazem feliz e que me ajudam a recuperar as forças. Mesmo que ‘anjinhos do mal' ainda possam surgir na minha cabeça, me fazendo sentir culpada, sei que preciso deixar esses pensamentos de lado se quiser proteger meu bem-estar e minhas esperanças de sempre viver em paz e abundância. 

Construir uma carreira sem comprometer o equilíbrio entre vida profissional e pessoal tornou-se de extrema importância para mim. Dentro de todas as restrições do balé, e seguindo minhas próprias crenças de que é preciso trabalhar muito para merecer mais, eu me vejo envolvida em um ato de malabarismo. Eu falei muito sobre dedicação, algo que considero essencial, e é difícil saber onde traçar a linha. Eu acredito que muito disso tem a ver com The Inner Game (O jogo da mente), de que falei em um post anterior. Não confiar em minhas habilidades me leva a pensar que não fiz o suficiente, mas é importante saber que trabalhar obsessivamente pode se tornar prejudicial, e entender por que alguns dias parecem mais difíceis do que outros. Eu sei que estou trabalhando demais quando minha saúde é comprometida, quando ocorrem lesões ou fico resfriada.

Bailarino tirando dia de folga por estar doente é algo raro. A maioria vai trabalhar mesmo se sentindo gripado pois não quer decepcionar os outros bailarinos ou fazer alguém pegar trabalho extra. É tão fácil cair numa mentalidade obsessiva em que você se submete a tanto estresse e cansaço, o que acaba sabotando seu desempenho. Sempre que começo a me sentir nervosa e frustrada, sei que minha balança pendeu demais em um sentido. Mas não se trata apenas de balancear trabalho e lazer; Acredito que encontrar um equilíbrio em todos os aspectos da vida é a melhor maneira de me sentir forte, feliz e motivada.

Os padrões e exigências do Royal Ballet estão cada vez mais altos. Sinto o peso da responsabilidade sobre meus ombros e a pressão (que coloco sobre mim) de fazer sempre o meu melhor. Entre ensaios e apresentações, sessões de condicionamento físico e pilates, consultas com fisioterapeutas e prova de figurinos, você acaba passando o dia inteiro no teatro, 'trabalhando' das 9h às 22h30. Quando a agenda fica extremamente ocupada e eu percebo que me dedico a muitas tarefas, com certeza começo a me sentir desconfortável, mal humorada. Normalmente, descarrego as frustrações em minha mãe, que tem que me aturar ao telefone. Na maioria das vezes, não cabe a mim fazer uma pausa sempre que me convém. Vivemos em um horario de ensaios bem apertado.

Há uma certa época do ano em que todo mundo fica mal-humorado, os ensaios viram um pesadelo porque o nível de estresse de todos é muito alto. É quando sabemos que precisamos desesperadamente de umas férias! Mas essa pausa tão desejada geralmente está a meses de distância e, portanto, somos forçados a ser pacientes e conviver da melhor maneira. Essa decadência de moral e energia me fazem perceber o quao intenso temos trabalhado e o quanto estamos longe de equilibrar esforço e recompensa. Para me sentir mais à vontade com o mundo, sempre que encontro um tempinho (o que pode se tornar uma missão quase impossivel), eu tomo um momento para mim mesma. Olhando lá fora pela janela do camarim, sinto a liberdade me chamando. Às vezes, uma caminhada e um pouco de ar fresco é o que preciso.

Se tenho tempo suficiente, sento-me em um café e procuro ler, estudar, ou encontrar com uma amiga para pormos o papo em dia. Por mais que eu goste dos meus momentos sozinha, é tão bom ter uma conversa profunda com alguém que realmente entende e se importa com você. Aprecio o conforto de lugares afastados, um ambiente tranquilo. Está cada vez mais difícil encontrar esses lugares em Covent Garden, mas, se tiver sorte, arranjarei um lugar confortável onde passarei uma hora tranquila com meu cafezinho, um bolinho, e meus afazeres. Isso, para mim, é pura felicidade. Também gosto de escrever no meu diário se me sentir inspirada. É uma espécie de meditação, onde posso recuperar estabilidade emocional.

'Às vezes, uma conversa honesta e profunda com um bom amigo é o alimento exato que você precisa para recuperar a clareza, se levantar, enfrentar o mundo e retomar sua missão com uma nova energia '

Yung Pueblo

Os fins de semana livres são raridades para os bailarinos do Royal Ballet. Espero ansiosamente por uma noite de sexta-feira, encontrar com amigas para uma taça (ou garrafa) de vinho em Covent Garden e aperitivos. Ter momentos de diversão e risadas com amigos também é uma boa maneira de me desestressar. Isso não acontece com a frequência que eu gostaria. Todos nós saimos extremamente cansados ​​dos espetaculos mas, para ser sincera, acho que aqui é onde posso melhorar. Meu comportamento anti-social se junta a meu cansaço e eu perco oportunidades de descontrair com amigos, optando por fazer algo mais tranquilo em casa.

Tento aproveitar ao máximo os fins de semana. Normalmente, temos duas apresentações aos sábados, o que significa que só temos domingo para descansar e nos recuperamos para enfrentar uma nova semana. Domingo é meu dia de relaxar; mal saio de casa, a menos que o tempo esteja bonito ou minha mãe esteja por aqui visitando. Eu gosto de passear por vizinhanças bonitas, procurar livrarias, tomar um café ou sair para um delicioso brunch (acho que posso estar um pouco obcecada com cafes e livrarias). Gosto das ruas tranquilas, de explorar boutiques e cafézinhos… é assim que me divirto.

Reencontrar pessoas que não vejo há um bom tempo também me dá enorme prazer. Viajei para Leeds em várias ocasiões para rever velhos amigos do Northern Ballet, e a jornada de duas horas de trem vale mais que a pena! Eu não meço sacrifícios quando se trata de encontrar pessoas queridas, não importa quão longe. Acordo até de madrugada se for preciso. Por um certo tempo, mantive um relacionamento a distância e costumava voar para a Alemanha quase todo fim de semana, apenas para passar um dia com meu namorado da época (mas no fim, não valeu a pena esse sacrifício). Fui a Paris por uma noite para visitar minha prima e seu bebê que estavam de passagem, também encontrei com meu irmão em Sintra no ano passado para um fim de semana (coincidiu com meu aniversário!). Encontrá-los em tais circunstâncias fortalece nossos relacionamento e cria belas lembranças.

Sinto falta de ter minha família por perto, e acho que tentei preencher essa lacuna de alguma forma com amigos e pessoas que me fazem sentir segura e à vontade. Esse sentimento de conexão é o que eu procuro ao dançar. Equilibra o fato de que, na sala de aula e ensaios, sou tão egocentrica. Interagir com meu namorado e com amigos me dá coragem e conforto.

Adoro planejar viagens de feriado prolongado. Vivemos para os feriados! Três dias de folga são um luxo e nos dão tempo suficiente para mudar de cenário. Adoro conhecer nova culturas, apreciar um bom prato e divinos vinhos, visitar galerias .. embora eu deva admitir que não sou muito uma pessoa de museu, mas tento não descartá-los completamente. O que eu realmente gosto é de fazer longas caminhadas e sentir a vibração de um lugar, estar ao ar livre desfrutando de uma refeição gostosa em boa companhia, visitar belos parques e descobrir bairros bonitos.

Não precisa ser nenhum lugar tão distante. Explorar o litoral ou o campo inglês é uma das minhas coisas favoritas, seja passeando no The Pig Hotel em Devon ou visitando a família de Kevin na Cornualha. Estar com a natureza me permite reenergizar de uma maneira que nenhuma paisagem urbana faz. Passear no campo e saborear um chá da tarde com scones (bolinho), geléia e clotted cream (tipo creme de leite). Delicia!

Passar tempo com minha família também ajuda no meu estado emocional (e fisico, pois significa uma pausa no ballet). Normalmente passo a maior parte das minhas férias de verão no Brasil. Estar "em casa" me dá um verdadeiro senso de pertencer, de ser amada. Sempre me lembro do que realmente importa na vida: família, unidade, saúde. Minha família me dá o amor e apoio necessários para me sentir confiante e segura.

Fui abençoada de tantas maneiras. Meus pais moram em Atibaia, uma pequena cidade perto de São Paulo (hoje em dia não é tão pequena). Através de muito trabalho e dedicação, aqueles ingredientes importantes, eles construíram um pequeno oásis. Ir para ‘minha casa’ significa: curtir o sol e calor, mesmo quando no Brasil é inverno; estar cercada por montanhas, flores, árvores, pássaros, tucanos!; ar fresco, céu azul e uma piscina; ter meus cães, e agora até um laguinho de peixes! Para finalizar, sou mimada pelo meu pai com suas comidinhas. Ele é o chef de cozinha mais incrível! O que mais eu poderia querer?! Eu sempre começo uma nova temporada totalmente recarregada. Aprendi que é importante deixar meu corpo se recuperar, principalmente com a intensidade do trabalho no Royal Ballet. Eu uso as salas de aula da minha mãe para voltar à forma antes de regressar ao Reino Unido, outro luxo pelo qual sou muito grata!

Passei tantos anos tentando viver uma vida 'normal', mas parecia tão difícil coordenar com o estilo de vida de uma bailarina. Houve um tempo em que fiquei muito apegada a manter uma certa figura de bailarina, e tudo parecia girar em torno disso, mas lentamente percebi que era muito prejudicial. Quando sai do Northern Ballet, passei por uma fase de me desintoxicar de todos os maus hábitos que havia criado, inclusive uma alimentação não saudável e exercícios obsessivos. Este não era o tipo de pessoa que eu queria ser. Eu me foquei em encontrar um equilíbrio e aprendi que só porque comia uma fatia de bolo à tarde, não significava que eu tinha que pular o jantar. Percebi que não precisava me privar de nada. Era somente uma questão de manter um equilíbrio, de encarar a comida como fonte de saude e prazer. Faço meus exercicios na academia e como com consciencia porque isso me ajuda a me sentir bem e forte, não porque sinto pressão de fazê-lo.

Muitas pessoas se perguntam o que os bailarinos comem para se manterem magros. É um mito que não podemos comer nada além de salada. Como qualquer pessoa "normal", os bailarinos devem ter uma dieta equilibrada e saudável. A comida que ingerimos se tornará o combustível necessário para nossos ensaios e apresentações. Sinto-me bem quando como algo substancioso e saudavel, mas também como hambúrgueres e batatas fritas e ocasionalmente a 'junk food'. Às vezes é exatamente disso que eu preciso. Um dos meus objetivos este ano foi aprender a cozinhar receitas diferentes, pois tenho a tendência de seguir o básico. Não sou muito boa na cozinha, mas devo dizer que a quarentena me deu a chance de melhorar minhas habilidades culinárias. Às vezes, sinto que Kevin apenas finge gostar, mas deixa pra lá. Ele é um otimo cozinheiro e faz excelentes bolos, então não preciso me preocupar!

Não estou nem perto de alcançar o equilíbrio perfeito entre o trabalho e a vida pessoal, mas consegui não me sentir tão dividida entre os dois, buscando desenvolver um ritmo natural. Ao cultivar uma sensação de bem-estar, fico em melhor estado de espírito; as coisas começam a fluir melhor e acontecem espontaneamente. Nosso trabalho depende muito de nosso estado de espírito, dos relacionamentos que temos, do quanto dormimos e de nossos hábitos alimentares. Dedicar tempo para nutrir a alma me permite desenvolver como ser humano, o que leva a me tornar melhor bailarina, enfrentando cada dia com mais vitalidade e entusiasmo.

É a partir das minhas experiências de vida - minhas leituras, viagens, relacionamentos, modo de viver - que encontro inspiração para retratar meus personagens. E por certa vez ter tido meu coração partido que posso entender melhor o sofrimento de uma Giselle, e por estar em paz comigo mesma que posso compartilhar sentimentos verdadeiros de felicidade satisfação com o público. 

"Devagar, pois o que você realmente quer estará lá quando chegar, se você trabalhar para isso sem estresse, sem pressionar."

( NV Peale, frase que encontrei em meus diários setembro de 2013)


Volte a pagina inicial para se inscrever ao blog e receber notificações de novos posts.

176 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com