Saluting the Queen

Saudações à Rainha

Versão em português abaixo


Ever since I joined The Royal Ballet and moved to London, I feel a great sense of belonging, like I have found my place. I love my theatre and this company, but I believe it has to do with the city and culture as much as my workplace. I fell in love with England from the very first time I set foot here, but it would still take me seven years before I could call myself a Londoner. The British culture and heritage fascinate me, especially having come from such a different part of the world. Despite my Brazilian roots, something about England felt comforting and familiar, a place I could call home.


Jubilee market - London - 2007

Learning English wasn’t the problem, I had already been living in Canada, but nothing could have prepared me for England's thick northern accent. I never imagined that in such a tiny little island you would also encounter different accents depending on where you go, just like the different dialects we have in Brazil. British people did not sound like the Canadians, they spoke like they held a potato in their mouth. It would take some getting used to it.


In those first years, even though I was based in Leeds, I'd find any excuse to visit London and looked forward to performing at Sadler’s Wells every season. Exmouth Market is just around the corner from the theatre, a lovely pedestrianised market area (since the 1890s apparently) full of cafes, quirky restaurants, the usual pub, a florist, and bookshop, where I’d spend most of my lunch breaks.



As soon as I knew I was here to stay, I began hunting for a place to live. I didn’t know renting in London is such a competitive business, and so ridiculously expensive. In Leeds, I would pay £850/month shared between my flatmate and I for a big, two-bedroom apartment right at the heart of the city. Here, I'd pay the same £850 to rent a studio flat (basically one room) in Bayswater. The toilet was up a flight of stairs in the corridor and the washing machine was outside in the basement. I had a bed, a cooking stove (no oven), mini dining table and a tv set, high ceilings and a a big window that flooded the place with light. What more could I need?


Bayswater has long been referred to as ‘Brazilwater’ because of the number of Brazilians living in the area. I ended up there totally by chance, maybe a little influenced by it being so close to Notting Hill and Hyde Park. I chose location over space and comfort. Upstairs of me lived a Brazilian family, and the lady had turned their space into a beauty salon.



London has an abundance of green spaces where you can get away from the noise and business of the mega city. I enjoyed my morning walks in Hyde Park and picnics on sunny weekends. Hyde park has a pond (I went swimming there once with the swans), Serpentine museum, even a royal residence: the Kensington palace and its pretty gardens.


Richmond park, in south London, is even bigger! It is home to the White Lodge (Royal Ballet School for students younger than 16 years-old). It would take three hours to walk the whole park, even longer if you stop for ice cream or to take photos of deer. There, you also find Isabella Plantation, an ornamental woodland garden, best known for its evergreen azaleas that line the ponds. I like the name!



Five years ago, I left my Bayswater studio and moved to southwest London with my boyfriend, which led to us buying a flat together in the area. I spent all my savings on it, but we manage to save on rent and have our own place. It is quite an investment!


Getting to work takes around twenty minutes on the train plus a minute bus ride across Waterloo bridge. I face no traffic on my journey, only a few rail disruptions from time to time. I cannot stand being stuck in traffic like we do in Sao Paulo. Here you can take a bus, train, tube, or even the ferry anywhere! I never felt the need to drive, and I haven't got a driver's license yet. I appreciate how easily one can get to places here on public transport and even on foot.



The Royal Opera House is found in Covent Garden, a shopping and entertainment hub with restaurants, bars and pubs, fashion shops, the famous Piazza, and street performers – singers, actors, magicians. It is a place for families and tourists (many!), those who are seeing ballet for the first time or the old enthusiasts. People from all over the world come to see us! Everyone is so excited after watching a performance. It is then I notice how the culture and tradition are different here, how much they appreciate dance and the arts.



The Royal Ballet is what called me to this city, but I realise that what I like about living here is also how safe and independent I feel, and how curious I still am to discover the city's hidden gems. It is impossible not to be in awe of the architecture, its riverside, parks and museums. There are street markets and neighborhoods to suit every taste, and now that I have my bike, I have discovered more and more.



It is such a cliché to talk about the bloody weather, but it does rain a lot here! Some weeks I cannot pray any harder for the sun to shine and break the thick veil of clouds that turns everything grey and depressing. I don’t realise how much it affects my mood until the sun appears again and I feel ten times lighter. In Brazil, every time I see the sun I desperately run to get changed into my bikini. I could spend all day at home, sunbathing, making up for lost time.


Winters in England are long and rigorous. It is a different kind of cold, one that infiltrates your bones. You can see the seasons gradually changing throughout the year, autumn and spring are so beautiful, but the weather is always unpredictable. When you think winter is over, another cold wave hits the island badly. According to a quick research I did on google, I found that cold polar air from the north and warmer air from the Tropics push against each other, creating the UK's changeable weather (and unpredictable winters). Oh, never mind!


The concert - Jerome Robbins - The Royal Ballet

No one likes to miss a sunny day. Dancers go and sunbathe in the rooftop balcony between rehearsals. Parks get packed with people in their bikinis, it looks like Ipanema beach. The streets of Covent Garden overcrowd with gents standing outside the pubs, having a drink. You’d think everyone is on holiday, except it is just the sun making its appearance and giving back our joie de vivre.


We think of France, Italy or Spain when it comes to beach holiday destinations, but the English coast is surprisingly beautiful as well. Cornwall and Devon are favourite summer destinations for English families, but I guess the variable weather makes them less appealing to foreign tourists (which might not be a bad thing). Planning a summer holiday in the UK is a matter of luck, I guess. Instead of sunshades, bring your windbreakers!


Carbis Bay, St Ives

I am very fortunate that Kevin’s family now lives in St Ives, and that I get to spend Easter and most bank holidays enjoying the beautiful view. You have the ocean on one side, and the cliffs, green pasture on the other. A beautiful combination and quite exotic for me. You can walk from one village to the next on the coastal path and if in luck, you might even spot seals.



I love London, but there are so many wonderful landscapes of pastures (and little lambs running around!), lakes, and villages all around the United Kingdom I have yet to explore, like the Cotswolds and Lake District. I'm glad I got to live up north first and experience the tranquillity of Leeds and its surroundings.


I recently spent a weekend there with friends, seeing more of the Yorkshire Dales. It is so picturesque, like you are looking at a perfect depiction of the beauty and simplicity of nature. After a day of strolling around in York, we stopped for an Afternoon tea at the charming Betty's Tea Room.

Afternoon teas (or high teas) are an English tradition I came to love. While the black tea brews, I savour the finger sandwiches – ham and mustard, chicken salad, smoked salmon or cucumber. Tea is then poured into the prettiest porcelain cup (mom has started a collection at home) with some sugar and a drop of cold milk. Mouth-watering scones sit in the middle trays, ready to be eaten warm with clotted cream and jam. You can savour sweet treats next, mini cakes and pastries, but the scones do the trick for me. Afternoon teas in London can be quite pricy, but it is a ritual one cannot miss.



The next day, we went on an adventurous drive through country roads, followed by a wild swim and lunch at the Craven Arms pub in Appletreewick.



Pubs in England are like the barzinhos in Brazil, just a lot darker and shielded, appropriate for the cold weather. You find one at every corner. Men (and women) seem to love heading to the pub for a pint or two after work. A lot of pubs have pictures and collections of old artefacts hung on their walls. They seem to me to be ancient. Some have quite a nice set up, with fireplaces, quite welcoming. But others.. the smell is uninviting.

What I like most about pubs is their Sunday roast!! I discovered them quite late on, and now it is my favourite British food. Traditionally eaten on Sundays, like Brazil's feijoada. Roast beef and potatoes, carrots, Yorkshire pudding, and lots of gravy on top. Yum!



Brazilians enjoy sharing food and drinks, passing around their caipirinhas and having barbecues of finger food (meat, sausage, chicken, chicken hearts, garlic bread, etc), while in England, a barbecue means eating one hamburger and sausage, on individual plates. I always found the contrast quite funny. Brazilian barbecue is an event that lasts a whole afternoon. We exaggerate a little, but what makes it nice is being in a relaxed vibe and in the company of friends.


Becoming a British citizen

If you’re over 18 and have lived in the UK for more than five years, you’re eligible to become a British citizen. It sounds pretty straight forward, but the day I finally received my British citizenship and passport, I couldn’t feel greater relief! It had been a long process of filling up forms, booking appointments, studying for the ‘Life in the UK test’, proving knowledge of English, not to mention expenses. You first get an indefinite leave to remain, a settled status, and after one year you can apply for citizenship. But hurray, I did it! Now I can finally say I have dual citizenship, I'm Brazilian AND British.


In my ceremony of naturalisation, I swore an oath of allegiance to Queen Elizabeth II. I have met other members of the Royal family, but still await for the day when she'll pay us a visit at the Royal Opera House. I much admire the Queen, she has ruled for longer than any other Monarch in British history, becoming a much loved and respected figure across the nation. Her sense of duty and devotion is what truly inspires me. I would shake hands with her and say how grateful I am for being welcomed here, but I guess that would be very inappropriate. I have yet to learn all the formalities.


Buckingham Palace - The Royal residence
The Royal Ballet Gala for Queen Elizabeth II at the Royal Opera House June 8, 2006, which was held to celebrate the Queen's 80th birthday and the 75th anniversary of the Royal Ballet, in London.

#London #city #home #Britain #citizenship #Britishfood #tradition #afternoontea #queen


Saudações à Rainha


Desde que entrei no Royal Ballet e me mudei para Londres, sinto uma grande sensação de ter encontrado meu lugar. Amo meu teatro e a companhia, mas acredito que tem a ver com a cidade e a cultura tanto quanto com o local onde trabalho. Eu me apaixonei pela Inglaterra desde a primeira vez que pus os pés aqui, mas ainda levaria sete anos antes que pudesse me considerar uma londrina. A cultura e a herança britânicas me fascinam, especialmente por ter vindo de uma parte tão diferente do mundo. Apesar de minhas raízes brasileiras, algo na Inglaterra parecia reconfortante e familiar, um lugar que eu também chamaria de meu lar.

Aprender inglês não foi o problema, eu já vinha morando no Canadá, mas nada poderia ter me preparado para o forte sotaque do norte da Inglaterra. Nunca imaginei que numa ilhota tão pequenina eu também encontraria sotaques diferentes dependendo de onde fosse, assim como os diferentes dialetos que temos no Brasil. O inglês britânico não tinha nada a ver com o sotaque canadense a que estava acostumada; eles falam como se tivessem uma batata enorme na boca. Demorei um pouco para me acostumar.

Naqueles primeiros anos, embora morasse em Leeds, eu encontrava qualquer desculpa para visitar Londres e ansiava por me apresentar no Sadler's Wells todas as temporadas. O Exmouth Market fica logo virando a esquina do teatro, uma adorável área de mercado (aparentemente desde a década de 1890) só para pedestres cheia de cafés, diferentes restaurantes, o típico pub, uma floricultura e livraria, onde eu passava a maior parte dos meus intervalos de almoço.

Assim que soube que vinha para ficar, comecei a caça à uma moradia. Eu não sabia que aluguel em Londres era um negócio tão competitivo e tão ridiculamente caro. Em Leeds, pagava £ 850 / mês divididos entre duas pessoas por um grande apartamento de dois quartos bem no coração da cidade. Aqui, eu pagaria as mesmas £ 850 para alugar um estúdio (basicamente um quarto) em Bayswater. O banheiro ficava em um lance de escadas no corredor e a máquina de lavar do lado de fora, no porão. Tinha uma cama, um fogão (sem forno), pequena mesa de jantar e uma televisão, tetos altos e uma grande janela que iluminava o local. O que mais eu poderia precisar?

Bayswater é conhecida há muito tempo como Brazilwater - ' água do Brasil ' - devido ao número de brasileiros que vivem na área. Acabei morando lá totalmente por acaso, talvez um pouco influenciada por ser tão perto de Notting Hill e Hyde Park. Escolhi localização em vez de espaço e muito conforto. No andar de cima morava uma família brasileira, e a senhora havia transformado seu espaço em um salão de beleza.

Londres tem uma abundância de espaços verdes onde você pode fugir do barulho e movimento da cidade grande. Eu gostava de minhas caminhadas matinais no Hyde Park e de fazer piquenique nos fins de semana ensolarados. Hyde Park tem um lago (uma vez nadei nele com os cisnes), o museu Serpentine, até mesmo uma residência real: o palácio de Kensington e seus bonitos jardins.

O parque Richmond, no sul de Londres, é ainda maior! Ele abriga o White Lodge, escola do Royal Ballet para menores de 16 anos. Levaria três horas para caminhar por todo o parque, ainda mais se você parar para tomar um sorvete ou tirar fotos dos veadinhos. Lá você também encontra Isabella Plantation, um jardim florestal ornamental, mais conhecido pelas milhares de azaléas que revestem os lagos. Gosto bastante do nome!

Cinco anos atrás, deixei meu estúdio em Bayswater e me mudei para o sudoeste de Londres com meu namorado, onde acabamos comprando uma casa. Gastei todas as minhas economias, mas economizamos em aluguel e agora temos nossa própria moradia. É um bom investimento.

Chegar ao trabalho leva cerca de 20 minutos de trem e um minuto de ônibus pela ponte Waterloo. Não enfrento nenhum tráfego em minha jornada, apenas algumas interrupções ferroviárias de vez em quando. Não suporto ficar preso no trânsito de São Paulo. Aqui você pode pegar um ônibus, trem, metrô ou até mesmo uma balsa para qualquer lugar! Nunca senti necessidade de dirigir e ainda não tenho carteira de motorista. Eu aprecio a facilidade com que podemos chegar aos lugares aqui usando apenas transporte público ou até mesmo a pé.

A Royal Opera House fica em Covent Garden, um centro comercial e de entretenimento com restaurantes, bares e pubs, lojas de moda, a famosa Piazza, e seus artistas de rua - cantores, atores, mágicos. É um lugar para famílias e turistas (muitos!), aqueles que nunca viram ballet ou que são super fãs. Todos saem muito animados dos espetáculos, o que me faz notar como a cultura e tradição são diferentes aqui, como eles apreciam a dança. Pessoas do mundo inteiro vem nos assistir.

O Royal Ballet é o que me chamou a esta cidade, mas percebo também que gosto d o quão segura e independente me sinto vivendo aqui, e como ainda estou curiosa para descobrir os charmes da cidade. É impossível não ficar maravilhado com sua arquitetura, as paisagens nas margens do rio, seus parques e museus. Existem bairros e mercados de rua para todos os gostos, e agora com minha bicicleta tenho descoberto mais lugares gostosos. Londres realmente parece mágica, às vezes até acho que vou andar na rua e esbarrar em Harry Potter!

É um clichê falar sobre o tempo Londrino, mas realmente chove muito! Algumas semanas não paro de torcer para que o sol brilhe e quebre o espesso véu de nuvens que torna tudo cinza e deprimente. Não percebo o quanto isso afeta meu humor até que o sol reaparece e me sinto dez vezes mais leve. No Brasil, toda vez que vejo o sol eu me boto a correr para por meu biquíni, como uma desesperada. Poderia passar o dia inteiro em casa, tomando sol, recuperando o tempo perdido.

Os invernos na Inglaterra são longos e rigorosos. E é um tipo diferente de frio, que se infiltra em seus ossos. Você pode ver as estações mudando gradualmente ao longo do ano, o outono e primavera são lindos, mas o clima é sempre imprevisível. Quando pensa que o inverno acabou, outra onda de frio atinge fortemente a ilha. De acordo com uma pesquisa rápida que fiz no google, descobri que o ar polar frio do norte e o ar mais quente dos trópicos se opõem, criando o clima mutável do Reino Unido (e invernos imprevisíveis).

Ninguém gosta de perder um dia de sol, até mesmo os bailarinos querem tomar sol na varanda do teatro entre os ensaios. Os parques ficam apinhados de gente de biquíni, parece até a praia de Ipanema. As ruas de Covent Garden ficam superlotadas de homens parados do lado de fora dos botecos bebendo cerveja. Você acha que todo mundo está de férias, mas não é. Era apenas o sol que andava desaparecido e nos devolveu nossa alegria de viver.

Pensamos na França, Itália ou Espanha quando se trata de férias na praia, mas a costa inglesa também é surpreendentemente bela. A Cornualha ou Cornwall e Devon são destinos favoritos para as famílias inglesas no verão, mas acho que o clima variável os torna menos atraentes para turistas estrangeiros (o que pode não ser uma coisa tão ruim). Planejar férias de verão no Reino Unido é uma questão de sorte, eu acho. Em vez de guarda-sóis, tragam seus quebra-ventos (também vejo tendas de acampamento nas praias inglesas, e pessoas entrando no mar com roupa de mergulho porque a agua é congelante)!

Tenho muita sorte que a família de Kevin agora mora na Cornualha, e que podemos passar a Páscoa e a maioria dos feriados desfrutando da linda paisagem. O oceano de um lado e os penhascos, colinas e verdes pastagens do outro, uma belíssima combinação, para mim bem exótica. Você pode caminhar de uma vila a outra pela costa, avistando focas.

Eu amo Londres, mas há tantas paisagens de pastos (com ovelhas de carinha preta correndo pra lá e pra cá), lagos, vilarejos maravilhosos por todo o Reino Unido. Sou grata por ter vivido primeiro no norte e experimentado a tranquilidade de Leeds e seus arredores.

Recentemente, passei um fim de semana com minhas amigas em Yorkshire. É um lugar muito pitoresco, como estar olhando para uma representação perfeita da beleza e simplicidade da natureza. Depois de um passeio por York, fomos tomar um afternoon tea ou chá da tarde no charmoso Betty's Tea Room.

Os chás da tarde (ou high tea) são uma tradição inglesa que passei a adorar. Enquanto o chá preto está em infusão, saboreio os pequenos sanduíches - presunto com mostarda, salada de frango, salmão defumado ou de pepino. O chá é então colocado numa xícara linda de porcelana (que minha mãe coleciona em casa) com um pouco de açúcar e uma gota de leite frio. Os scones (bolinhos de origem escocesa) ficam nas bandejas do meio, prontos para serem comidos quentes com clotted cream (uma manteiga cremosa) e geléia. Você pode saborear em seguida os docinhos, mini-bolos e tortas, mas os scones fazem a diferença para mim. Os chás da tarde em Londres podem ser bastante caros, mas é um ritual que não se pode perder.

No dia seguinte, aventuramo-nos por estradinhas do interior, admirando a paisagem do campo. Nadamos no riacho, com direito a um almoço delicioso no pub Craven Arms de Appletreewick .

Os pubs da Inglaterra são como os barzinhos do Brasil, só que bem mais fechados e escuros, apropriados para o frio. Você encontra um em cada esquina. Homens (e mulheres) parecem adorar ir ao bar tomar uma cerveja ou duas depois do trabalho. Muitos pubs têm quadros e artefatos pendurados em suas paredes, eles me parecem ter centenas de anos. Alguns têm uma configuração com lareiras, bastante aconchegante. Mas outros ... o cheiro não é convidativo.

O que eu mais gosto nos pubs é o Sunday roast, o assado de domingo!! Eu os descobri bem tarde, e agora é minha comida britânica favorita. Tradicional aos domingos, como a feijoada brasileira. Rosbife com batatas, cenouras, pudim de Yorkshire e muito molho por cima. Yum!

Os brasileiros gostam de compartilhar comidas e bebidas, dividir suas caipirinhas e experimentar um petisquinho nos churrascos (carne, linguiça, frango, coração de galinha, pão de alho), enquanto na Inglaterra, churrasco significa comer UM hambúrguer com salsicha, em pratos individuais. O churrasco brasileiro é um evento que dura uma tarde inteira. Exageramos um pouco, mas o mais gostoso é estar em um clima descontraído e na companhia de amigos.

Tornando-se uma cidadã britânica

Se você tem mais de 18 anos e mora no Reino Unido há mais de cinco anos, você está qualificado para se tornar um cidadão britânico. Parece muito simples, mas no dia em que finalmente recebi cidadania britânica e meu passaporte, não pude sentir maior alívio! Foi um longo processo preenchendo formulários, marcando entrevistas, estudando para o teste ‘Life in the UK' e de inglês, sem falar nas despesas. Primeiro, você obtém um indefinite leave to remain, um status estável, e depois de um ano pode solicitar a cidadania. Mas ufa, consegui! Agora posso dizer que tenho dupla cidadania, sou brasileira E britânica.

Na cerimônia de neutralização, fiz um juramento de lealdade à Rainha Elizabeth II. Cheguei a conhecer outros membros da família Real, mas ainda espero pelo dia em que ela virá nos visitar no Royal Opera House. Eu a admiro muito, ela governou por mais tempo do que qualquer outro monarca na história britânica, tornando-se uma figura muito amada e respeitada em todo o país. Seu senso de dever e devoção é o que realmente me inspira. Eu apertaria a sua mão e lhe diria o quanto sou grata por ser bem-vinda aqui, mas acho que seria muito inapropriado. Ainda tenho que aprender todas as formalidades, como boa cidadã.

170 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com