The corps de ballet and beyond

O corpo de baile e além

Versão em português abaixo


Many of us dream of becoming a principal dancer since starting ballet. It is an image we keep in our heads growing up, that of us dancing the main role and making the stage our own. Upon graduating from school, our priority becomes finding a job, first and foremost, and then keeping it. There are only few contracts for hundreds of dancers out there, so being the chosen one is already a big achievement!


A ballet company usually follows a hierarchy system. Dancers are divided into ranks, from apprentices to soloists, principals, and character artists. The new ones join in the corps de ballet or on apprenticeship and are faced with THE toughest job of all. There is so much to learn and assimilate as professionals that the dream now seems a little bit far-fetched.



As a member of the corps de ballet, you are dancing pretty much every evening, especially if the ballet requires a large cast (like the big classics do). You can sometimes be learning three, even four places in the ensemble, plus various other bits and pieces. The big ensemble numbers require an unsurmountable amount of rehearsal hours to get it looking clean and unified.


In classics such as Swan Lake, Giselle, La Bayadére, The Sleeping Beauty and so on, the women stand on the sides for a long time after dancing, and it is the most painful thing in the world! Your feet are cramping, the sweat rolling into your eyes, you feel out of breath and has to stand absolutely still, perfectly in line, one an extended image of the other. A subtle move of the head or any adjustments of the body could be seen from the audience. I was always at the front for being the shortest, feeling completely exposed.



We work day after day to improve ourselves and put the ballets together, and besides that, every single day we are also trying so hard to prove our worth, wanting to be noticed. Sometimes, it takes us being onstage to be reminded of who the performance is really for: that beautiful audience.


Every tiny featured role seems to be a sign that the future is bright. You embrace every chance you have of a solo part because in the corps de ballet we sort of contain ourselves, respecting that it is about uniformity and teamwork. Everyone craves for a little moment where they can be more themselves and dance without worrying about staying in line, following the same heads and arms.

When you get that part, as small as it can be, you suddenly find yourself reminiscing on your days as a baby ballerina, performing solos and variations. That wishful part of you is awakened, the dream feels a bit more real. And yet, you cannot do your job half-way. That is why ballet requires a lot of commitment. One must learn to work as a team, to feel and appreciate the power of many, all the while holding on to this idea that one could, someday, climb higher, if only you are given the chance.


Act II Swan Lake photo Bill Cooper

By the time I joined The Royal Ballet, I thought I had already reached my ultimate goal. I would have happily joined as an apprentice, or even worked for free! Even though I left Northern Ballet as a coryphée, having already danced for five years in the corps de ballet, I wanted to grab the chance of working with this company more than anything. In consideration for my previous experience and the roles I was given here, I got moved up to First Artist in my second season (which would have been the equivalent to a coryphée position).


Red Riding Hood - The Sleeping Beauty © ROH

It all felt so surreal, but at one point in this fairy-tale, things started to change. I felt embarrassed admitting it to myself, but I wanted more! It suddenly felt like I had settled for less than what I was really capable of. I trusted I'd be fulfilled just by having a permanent job in this stunning theatre. But, of course, all is relative.


When you are unemployed, all you want is a job. But then you find yourself in one of the most prestigious companies in the world (the one of your dreams!) and get given a taste of what you've always really, REALLY hoped for: those little moments when you can fill up the stage. That’s it. You start thinking...


..hold on a minute, I can do this!!!


Florestan's sister - Act III The Sleeping Beauty © A. Uspenski

But this is when it gets tricky. Here at The Royal Ballet (and in other companies I have been), if you are performing soloist roles while still in the corps de ballet, it means you are doing two jobs at once. Nobody will replace you in the ensemble, you are taking responsibility for other roles besides keeping up with your own work. Heavy duty!


Conciliating both jobs is tough, it requires a lot of stamina and a lot of mental and physical preparation, but it is the honest way to fight for what you rightly deserve. It is frustrating to see how some try to get away with what they are meant to be doing in light of a ‘bigger’ opportunity. Every role is important and will be the gateway to more, if you do it with love and care.


Flight Pattern © ROH

Leading up to my latest promotion, I had been doing all the corps de ballet works as well as featured roles, most of which happened to come by chance. I guess I was lucky to have joined the company when I did. The fact that they saw me as an experienced dancer and trusted my instincts and professionalism helped a lot. In the end, I guess it was a reward for having come a long way, my secret 'short-cut'.


I appeared at the Royal Opera House as a mature dancer, one pretty sure of what she wanted, a quick learner, someone who smiled a lot onstage and wasn’t scared of taking risks. But in my mind, I was just trying to make the most of my initial three-month contract.


peasant girls Act I Giselle - 2014

Calling out for that little girl who just wanted to dance and be happy, who didn’t feel pressured or wondered if she was ever good enough, gave me a huge burst of confidence, which of course slightly dissipated when The Royal Ballet became the new normal. It's hard to retain everything we learn in the process, but one thing really stuck with me: this is who I am, my dancing is my own, either take it or leave it.


It is impossible to please everyone, it is horrific to be scared all the time. You lose sight of who you really are and stop enjoying the dancing if you only look for approval and praises. You are at your very best when just being yourself, unconcerned with others’ opinions. When dancing is making you happy, the audience sees that, and ultimately your colleagues and bosses do too.



I would have continued dancing in the corps de ballet for another ten, fifteen years, as long as I was given the solos and roles I so wanted to do. But, in all honesty, I think it would have destroyed me. I spent most of our 2018-19 season feeling run down, exhausted, not being able to fully enjoy neither solos nor ensemble pieces. In the end, I was hoping for that promotion because I felt like I deserved it, I had worked hard for it, and mainly because I needed a rest! After twelve years of dancing professionally (five and a half with The Royal Ballet) the moment finally came!


As much as you want to believe that you are good enough, seeing yourself in that position is very reassuring. I knew that I could handle it, even when hearing people say I would never have that chance if I joined The Royal Ballet. For me, it didn't matter anyway because what most dancers really want is not the title. It is to be appreciated, challenged. We want to be given opportunities - things that will make us grow as artists.


In rehearsal with Dame Monica Mason, Royal Ballet's previous artistic director

My first season as a soloist was everything I imagined, and more. Even though it was sadly cut short, it was filled with unforgettable moments. What a treat to have performed the pas de trois in Raymonda and the leading couple in the first movement of MacMillan's Concerto (replacing an injured dancer). It is a first soloist part, which felt like a huge opportunity to show my willingness to work and potential for more!


It was lovely to do Swanilda’s friends and Aurora variation in Coppelia, a ballet that is so dear to me, and to see real friends also getting the most amazing opportunities. Swan Lake also turned out to be even more challenging and surprising: I got switched quite late on to do the jumpy variation in the pas de trois, having to do a heavy act I, changing into cygnets, back into dancing sisters with Beno, and some more cygnets. That showed me I could rise up to any challenge.



Those evenings when I would have been performing in the corps de ballet were now off. I could rest and recuperate and this made a huge difference to my health and wellbeing. It is something I wish we all could have at every stage in our careers. It also meant I could concentrate on each role more easily, without feeling overloaded.


In this lockdown period, my work still continued. I searched for ways to continue to inspire and connect with people, and this blog has been a product of that. We should never underestimate the impact our lives can have in others and our potential for more.


Right before my meeting with our artistic director, where we review our season and find out about promotions, a colleague said to me something like 'isn't it a bit arrogant of us to assume that they will see us and think we are suited for this or that role?' In a way, I know what she means. Sometimes, all you have to do is spark an interest, plant a little seed, and they'll start noticing what beautiful fruit it bears.

Dancing Times June 2020

‘Just keep working well and being reliable. You know what you are achieving and that is important. You do not need approval of others. Remember the art and give it to the people.’

Yoko Ichino


Wise words that came to me at the right time, from a dear mentor.


The challenges of dancing a Swan


Swan Lake Act II


#company #life #ballet #dream #ambition #work #corpsdeballet #promotion #theatre #performance #dedication #dancing #royalballet #royaloperahouse

O corpo de baile e além

Muitos de nós sonhamos em nos tornarmos um primeiro bailarino desde que iniciamos o balé. É a imagem que mantemos em nossas cabeças enquanto crescemos, aquela em que dançamos o papel principal e preenchemos todo o palco com nosso brilho. Ao nos formarmos na escola, nossa prioridade passa a ser encontrar um emprego, antes de mais nada, e então mantê-lo. Existem poucos contratos para milhares de bailarinos, por isso ser o escolhido já é uma grande conquista!

Uma companhia de balé geralmente segue uma hierarquia: de estagiários a solistas, primeiros bailarinos, e artistas a caráter. Bailarinos ingressam no corpo de baile ou em estágio e encaram o trabalho mais difícil de todos. Há tanta coisa para se aprender e assimilar como novos profissionais que o sonho agora parece ser um pouco otimista demais.

Como membro do corpo de baile, você dança praticamente todas as noites, especialmente se o balé exigir um elenco grande (como os grandes clássicos). Às vezes, você pode estar aprendendo três, até quatro lugares num conjunto, além de várias outras partes. Os conjuntos exigem uma quantidade insuperável de horas de ensaio para fazer com que tudo fique limpo e uniforme.

Em clássicos como O Lago dos Cisnes, Giselle, La Bayadére, A Bela Adormecida e assim por diante, as meninas ficam em pose no palco por um longo tempo depois de dançarem, e é a coisa mais dolorosa do mundo! Os pés estão com cãibras, o suor rolando nos olhos, você sente falta de ar e ainda precisa ficar absolutamente imóvel, perfeitamente em fila, como se uma fosse a imagem ampliada da outra. Um movimento sutil da cabeça ou quaisquer ajustes do corpo podem ser vistos da platéia. Eu, por ser a menor da turma, estive sempre na frente, me sentindo totalmente exposta.

Trabalhamos dia após dia para aprimorarmos nossa técnica e prepararmos cada espetáculo, mas na verdade, além disso, também estamos diariamente tentando provar nosso valor, querendo ser notados. Às vezes, é preciso estar no palco para que sejamos lembrados daquele público maravilhoso, de que dançamos PARA ELE.

Todo papel de destaque parece ser um sinal de que o futuro é brilhante. Você agarra todas as chances de ganhar um pequeno solo pois no corpo de baile dançamos meio contidos, respeitando a uniformidade. Todos anseiam por um momento em que possam ser eles mesmos, sem se preocuparem em permanecer na fila, seguindo as mesmas cabeças e braços.

Quando você consegue um destaque, por menor que seja, de repente se recorda de seus dias de pequena bailarina, dançando solos e variações. Aquela parte de você que ansiava por algo mais se desperta, e o sonho parece estar mais próximo da realidade. Mesmo assim, não pode deixar nada feito pela metade, e é por isso que o balé exige muito comprometimento. Você aprende a trabalhar em equipe, a sentir o poder de um conjunto e seu valor, enquanto mantém a esperança de que um dia possa subir mais alto, se ao menos lhe derem uma chance.

Quando entrei para o Royal Ballet, pensei que já havia atingido meu objetivo final. Teria entrado feliz como estagiária, ou até trabalhado de graça! Apesar de sair do Northern Ballet como coryphée, eu queria aproveitar a chance de dançar com esta companhia mais do que qualquer coisa. Em consideração aos meus seis anos de experiência e aos papéis que me foram atribuídos aqui, fui promovida a First Artist (primeira artista) na minha segunda temporada (o que seria equivalente a uma posição de coryphée).

Tudo me parecia tão surreal, mas em algum momento neste conto de fadas, as coisas começaram a mudar. Sentia vergonha em admitir a mim mesma, mas eu desejava mais! De repente, foi como se tivesse me contentado com menos do que realmente era capaz. Acreditava que viveria feliz e satisfeita para sempre apenas tendo um emprego permanente num teatro deslumbrante. Mas, é claro, tudo é relativo.

Quando se está desempregado, tudo o que se quer é um emprego. Mas aí você se encontra em uma das companhias de maior prestígio do mundo (aquela dos seus sonhos!) e recebe um gostinho do que sempre REALMENTE esperava: os pequenos momentos de sua luz brilhar o palco. E aí pronto, já começa a pensar ...

.. espere um pouco, eu consigo fazer isso!!!

Mas é aí que a situação fica delicada. Aqui no Royal Ballet (e em outras companhias onde estive) se você dança papéis de solista estando ainda no corpo de baile significa que está fazendo dois trabalhos ao mesmo tempo. Ninguém o substituirá nos conjuntos, você está assumindo a responsabilidade de outros papéis além de realizar seu trabalho no corpo de baile. Barra pesada!

Conciliar os dois é difícil, exige muita resistência e muita preparação física e mental, mas é a maneira mais honesta de lutar por aquilo que deseja, é fazer por merecer. E muito! É frustrante ver quantos tentam fugir de seus deveres frente a uma 'maior' oportunidade. Todo, mas todo papel é importante e te impulsionará a mais, se você o fizer com amor e cuidado.

Nos anos que antecederam à minha última promoção, eu vinha fazendo tudo no corpo de baile bem como os papéis de destaque, a maioria dos quais me vieram por acaso. Acho que tive sorte de ter entrado na companhia no momento que entrei. O fato de me verem como uma bailarina experiente e confiarem em meus instintos e profissionalismo ajudou muito. No final, acho que foi a recompensa por ter percorrido um longo caminho até chegar aqui, meu 'atalho' secreto.

Eu surgi no Royal Opera House como uma bailarina madura, bastante segura do que queria, uma menina rápida em aprender e mais ousada, que sorria muito no palco e que não tinha medo de arriscar. Na minha cabeça, eu estava apenas tentando aproveitar ao máximo meu contrato inicial de três meses.

Despertou em mim aquela menininha que só queria dançar e ser feliz, que não se sentia pressionada nem se perguntava se era boa o suficiente, e isso me trouxe uma enorme confiança, que naturalmente foi aos poucos se dissipando assim que o Royal Ballet tornou-se o ‘novo normal’. É difícil reter tudo o que aprendemos ao longo dos anos, mas uma coisa realmente ficou comigo: essa sou eu. É assim que eu danço, é pegar ou largar.

É impossível agradar a todos, é horrível sentir medo o tempo todo. Eu parei de procurar por aprovações e elogios. Não queria mais perder de vista quem eu realmente era e do meu prazer em dançar. Você é o seu melhor quando está apenas sendo você mesmo, despreocupado com a opinião dos outros. Quando dançar te faz feliz, o público sente. E por fim, seus colegas e diretores também.

Eu teria continuado a dançar no corpo de baile por mais dez, quinze anos, desde que me dessem os solos e papéis que eu tanto queria fazer. Mas, sinceramente, acho que isso teria me destruído. Passei a maior parte da temporada de 2018-19 me sentindo exausta, não sendo capaz de desfrutar nem dos solos nem do conjunto. No final, eu esperava essa promoção porque sentia que merecia, havia trabalhado duro, e principalmente porque precisava descansar! Após doze anos de carreira (cinco anos e meio com o Royal Ballet), finalmente chegou o momento!

Por mais que você queira acreditar que é bom o suficiente, estar nessa posição é um alívio. Eu sabia que isso era possível, mesmo quando ouvia as pessoas dizerem que nunca teria essa chance se me juntasse ao Royal Ballet. Para mim nem importava tanto, o que a maioria dos bailarinos realmente quer não é o título. É serem valorizados, desafiados. Querem ganhar oportunidades que os façam crescer como artistas.

Minha primeira temporada como solista foi tudo o que eu imaginava, e muito mais. Mesmo sendo interrompida pela pandemia, foi preenchida com momentos inesquecíveis. Que delícia ter dançado o pas de trois em Raymonda, e o casal principal do Primeiro Movimento em Concerto, de MacMillan (substituindo uma bailarina machucada). É o papel de uma primeira solista, que me pareceu uma grande oportunidade para mostrar minha vontade de trabalhar e potencial para mais!

Foi muito bom fazer as amigas de Swanilda e a variação de Aurora em Coppelia, um balé tão querido para mim, e ver amigas de verdade também tendo oportunidades incríveis. O Lago dos Cisnes também se revelou mais desafiador e surpreendente do que nunca: minha variação foi trocada meio que de ultima hora por uma que só tem saltos, e tive que fazer um pesado pas de trois de irmãs no primeiro ato, seguido por cygnets, voltando para irmãs, e mais cygnets no último ato. Isso me mostrou que podia me superar cada vez mais.

As noites em que estaria dançando no corpo de baile agora foram livres. Pude descansar e me recuperar e isso fez uma enorme diferença para meu bem-estar e saúde. É algo que eu gostaria que todos pudéssemos ter em todas as etapas de nossas carreiras. O tempo extra também me permitiu concentrar em cada papel mais facilmente, sem me sentir sobrecarregada.

Nesse período de quarentena, continuei tentando progredir. Procurei formas de continuar a me inspirar e me manter conectada com as pessoas, e este blog foi um produto disso. Nunca devemos subestimar o impacto que nossas vidas podem ter em outras, e em nosso potencial para alcançar mais e mais.

Logo antes da minha esperada reunião com nosso diretor artístico, quando descobrimos se há promoções e revisamos nossa temporada, uma colega me disse algo como 'não é um pouco arrogante da nossa parte presumir que eles vão nos ver e achar que somos perfeitos para este ou aquele papel? De certa forma, eu sei o que ela quis dizer. Às vezes, tudo o que precisamos é despertar um interesse, plantar uma sementinha, para que possam perceber que belos frutos essa árvore produz.

‘Continue trabalhando bem e seja confiável. Você sabe o que está alcançando e isso é importante. Você não precisa da aprovação de outras pessoas. Lembre-se da arte e entregue-a ao povo.'

Conselho que me veio no momento certo, de minha sábia mestre Yoko Ichino.

Vídeos de O Lago dos Cisnes Act II e sobre os desafios do corpo de baile acima.

244 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com