Filling in the gaps

Preenchendo as lacunas

Versão em português abaixo


From all the stories I’ve shared here, I haven't gone into much detail about my auditions, partly because they don't bring me happy memories. They always made me so anxious. As nerve racking as a job interview, auditioning is a process every dancer must go through. Instead of skipping that chapter, I'll try to talk a little bit about my experience.


My very first audition was for the National Ballet of Canada, the company affiliated to my school. It wasn't the one of my dreams, but I came to appreciate it since we had lots of school trips to the Hummingbird Theatre to see them performing. Plus, I loved living in Toronto, so why not? At least eight of my schoolmates would eventually get jobs there, and many live in Toronto to this day.


Audition day! With friends/roommates Sarah and Selene

It was a closed audition for pre-selected dancers, but there were many! I nearly made it to the end, I can’t really remember. What I vaguely recall is them mentioning my height, and that's where my complex with ‘being too short’ probably started. Funny how one little comment can influence us so much.


Doing your research

In my final year at school, we did a thorough research into companies all around the world, having to present our classmates with general information such as location, number of dancers and performances a year, repertoire and style, audition process (private, open or closed), connection to our school, significant characteristic of the company and 'skills needed for success'.


It really helped me understand that every company is different, that in some places the director can also be the main choreographer, that some may call for very versatile dancers, and that there are many things to consider before attempting to join them. Things I had not thought of like your stature and nationality. Not every company is suited to a dancer, and vice versa.


The Royal Ballet in Swan Lake

Half a year went by before I auditioned again, choosing to follow my instincts and plan a trip to Europe. I was spending that year in Toronto doing NBS' Post-Secondary Programme, which I enjoyed very much. No academics, just dancing. Feeling stronger, more confident, and focusing on auditioning (having a bit of fun too).



Even though I had my eyes set on The Royal Ballet, I researched all the companies and auditions I could try and found out that Northern Ballet Theatre had a closed audition coming up in London. I sent them my cv and as soon as I got a positive reply, worked out my dates around it.


I tried to find out as much as I could about Northern Ballet, listening attentively to my teacher telling stories about when him and David Nixon – the company's artistic director – used to dance together in Canada. In fact, David had graduated from the same school I was attending, and I remember him in one occasion, watching classes. Small coincidences like this may play a big part in helping you create a connection and achieve your goals.


Sending your cv and job application

In my time, companies could ask for any material, usually a cv with head shot and dance photos revealing your body proportions and lines, and a recording of class or variation, but I’ve recently discovered that more and more companies now follow the International Audition Pre-Selection guidelines, a standard application format created in 2017 aiming to make the selection fairer.


No need to say that this will be an introduction, you want to send your best shots along with a compelling cover letter. It is important to really take into account what the companies are looking for, any specifics, to avoid disappointment and un-necessary travels. Auditioning takes a lot of planning and can become quite expensive.


a typycal job alert

At school, I had the full support of our director, who helped me cut travel costs. Mavis got me in touch with school alumni and friends of hers who could accommodate me in London, so I wouldn’t have to spend in hotels. She also arranged for me to take classes with The Royal Ballet through a teacher and friend who at the time was guesting with the company.


The Royal Ballet doesn't hold any auditions, people say your best shot is through their school. But that wasn't an option for me. We had to find other ways, I had no idea how very fortunate I would be for Mavis opening that door.


With passport in hands and only a book for company, I began my London adventures. Following Mavis’ advice, I wore flight socks to prevent swollen ankles and tucked two pillows behind my back to keep it straight during the flight, knowing I wouldn't have much time to recover from the journey before I had to be dancing again.


I spent just over a week in England, auditioning for three companies, taking class at Pineapple studios, sipping my very first English breakfast tea, being a tourist in London. Oh, and improvising a last minute bus trip up to Leeds to take company class and get a feel of the city. It was my very first time in England, and I fell in love with everything about it.



What to expect

In private auditions, you are given the opportunity to join company class and feel what the atmosphere is like, to meet the dancers up close and perhaps watch a rehearsal or two. It would be ideal to have two days or more to first find our bearings and feel more at ease. Some dancers are very supportive and won't hesitate to guide you through the labyrinth of corridors.


Finding a place at the barre is always tricky. Company members usually have their favourite corner, and you don’t want to position yourself right in someone else’s spot. Moving on to centre, you want to be at the front so you can be seen but not cut in front of anyone. Before you know it, the director has sneaked in and is sitting right there, watching you closely.


Usually auditions are by invitation only, but some are open to anyone who sends an application. I went to my first open audition in Hamburg some years ago, where over eighty dancers were cramped in a studio. The school graduates were being pushed forwards which showed the rest of us were obviously at a disadvantage.


At the end of the audition, the pianist came up to me and said ‘If only they were all musical like you’. Even though I didn't get the job, that made it worth it! And, I got to spend a snowy weekend with mom in Germany, walking around the Christmas market, getting our hot dog devoured by the seagulls.



I’ve always felt so self-conscious in auditions. Would people think I’m trying too hard if I smile? Should I be more serious? Should I try three pirouettes or go for a safe double? I wanted to show my performing skills, but how? All these thoughts going through my head made it impossible to enjoy them. Not to mention getting dirty looks from dancers like Who are you? What are you doing here?


I believe now that it’s not about being technically impeccable. Sometimes it is even a matter of doing the exercise over and over to show your determination. Being able to move well and be yourself is what matters, but I sympathise with those who struggle. It is not to say that every person won't have a different experience, some may find it all very exciting. You really have nothing to lose if you put yourself out there and go for it.


Networking

The ballet world is so small. You are always bumping into friends or familiar faces, realising you went to the same school, have mutual friends around the world, and so on. We are all part of this huge dance community.


Meeting school friends in London on my second audition for Canada's National Ballet.

Sharing ideas and prospects and knowing people in different companies around the world, friends who help out in times of need, will facilitate getting you further. They can keep you posted on leavers and job offers, and maybe put in a good word for you?


It is very comforting to have a friend nearby in private auditions to help you feel calmer, offering their sofa bed for the night, giving you tips on what to expect from class the next morning.


Dance is a professional field just like any other, and we know how networking is valuable in any professional environment. Even if you are very capable, someone else might know someone who knows someone, and that person will be at a slight advantage.


News travel fast in the world of ballet, even directors talk amongst themselves. I wasn't even sure whether I'd leave Northern Ballet when I spoke to the director about auditioning elsewhere. I was scared, but wanted to avoid an uncomfortable situation at all costs. I ended up staying another year, which helped me get an indefinite leave to remain that would allow me to stay in England as a freelancer, with no need for a work visa.


Months of constantly checking my phone for audition updates

Being the extra

Many companies will hire dancers on short term contracts for their large productions, such as English National Ballet's Swan Lake in-the-round. It was with the prospect of introducing myself and networking my way into the company that I decided to audition for it. I was hired temporarily as one of their sixty swans.


Dancing at The Royal Albert Hall was an entirely new experience. It is in fact a huge concert hall with a round stage and an audience watching from all angles. The dances don’t have a front, we are constantly facing different angles. Derek Deane’s version of the ballet is very tough, with lots of running around and bourréeing to create formations that occupy the whole of the stage.



I lived in Queen Alexandra's House, an all-girls dormitory, right next to the theatre. After four, sometimes eight acts of Swan Lake, I barely had legs to go up the stairs. My room was so tiny I could barely open the door without hitting the bed. It was literally a shoe box, but conveniently located and safe.


I have really nice memories of that time. It was a good atmosphere; the girls were all supportive of each other and so grateful for that opportunity. For freelancers, short contracts are a window to being on stage and gaining experience, working with a big company, making contacts, and perhaps landing something permanent.


Backstage @ Royal Albert Hall

Being open to a new experience is a good attitude to have, you just never know what may come from it. Even though I wasn’t hired there and then, ENB called me back for The Nutcracker a few months later, and I might even have been offered a contract if... The Royal Ballet had not got a hold of me first.



Do you believe in destiny?

In February 2012, I went to Stuttgart for a private audition with Stuttgart Ballet. I took class with the company for two days and waited expectantly for the director to show up, but he never did. One ballet master did come watch the last fifteen minutes of class and said to me, with an air of contempt, that if any contract became available, he would be in touch. I never heard from them again.


Seven years later, here I am doing class in Covent Garden when none other than Reid Anderson, the director I never met, comes into the studio. Our company was bringing back Onegin, and he was here to cast and stage it being an expert in John Cranko's ballets, which are so carefully restaged.


Auditioning in Stuttgart with all the love and encouragement from school friend Heather

After rehearsing it for nearly a month, we had our first studio call with Reid. I was dancing one of the friends in Act I, a sweet little part with seven other girls. He stopped us a few times to emphasise the need for all the friends to move and look the same. He is not too impressed, I thought, and promised myself to work on my port de bras.


The next day, I got called to the director’s office. He apologetically said that I was not going to be doing the friends after all. Why?? "I’m sorry - he says - but Reid thinks that you stand out too much, that you dance 'like a proper ballerina'."


WHAT?!! I wanted to cry not of disappointment, but out of relief. Besides not being on stage with Onegin, the reason was actually a bit funny. I wasn't sure if I believed it, but people were coming up to me to tell me they had heard them discussing it. It was actually the best compliment anyone could have receive at the start of their first season as soloist.


It meant so much to me. All these years I thought I wasn’t good enough for Stuttgart Ballet, and after all, I might have been given a contract if only the director had been there. Things would have turned out a lot different if I'd got the job. I wouldn't be where I am today, with the company I most wanted.


We must never forget that those who are in power have an aesthetic and creative vision guiding their decisions. You might just not be suited for it, at least not at that moment in time. It might even be a case of waiting and persisting.


Or quite simply, things just aren't meant to be.


NBS 2005

'Success is not a random act. It arises out of a predictable and powerful set of circumstances and opportunities.'

Outliers - Malcom Gladwell


#ballet #auditions #freelancing #performance #job #contract #career #theatre #dance #travels #profession

Preenchendo as lacunas


De todas as histórias que compartilhei aqui, não entrei em detalhes sobre minhas audições, em parte porque não me trazem recordações muito felizes. Elas sempre me deixaram ansiosa. Tão desesperador quanto uma entrevista de emprego, a audição é um processo pelo qual todo bailarino deve passar. Em vez de pular esse capítulo, tentarei falar um pouco sobre minha experiência.

Minha primeira audição foi para o Ballet Nacional do Canadá, a companhia afiliada à minha escola. Não era aquela dos meus sonhos, mas passei a apreciá-la, já que tínhamos muitas idas escolares ao Hummingbird Theatre para assistir suas apresentações. Eu adorava morar em Toronto, então por que não? Pelo menos oito dos meus colegas de escola acabariam por conseguir empregos lá, e muitos vivem em Toronto até hoje.

Foi uma audição fechada para bailarinos pré-selecionados, mas tinham muitos! Quase cheguei ao fim, não consigo me lembrar. O que me lembro vagamente é que eles mencionaram minha altura, e foi aí que meu complexo com 'ser muito baixa' provavelmente começou. Engraçado como um pequeno comentário pode nos influenciar tanto.

Fazendo sua pesquisa

No meu último ano de escola, fizemos um extenso trabalho sobre as companhias de todo o mundo, tendo que apresentar aos nossos colegas de classe informações gerais como localização, número de bailarinos na companhia e apresentações por ano, seu repertório e estilo, processo de audição (particular, aberta ou fechada), ligação à nossa escola, características significativas da companhia e atributos necessários para o sucesso.

Isso me ajudou muito a entender que cada companhia é diferente, que em alguns lugares o diretor também pode ser o coreógrafo principal, que algumas requerem bailarinos de extrema versatilidade, e que há muitas coisas a serem consideradas antes de tentar entrar, coisas que eu não imaginava como sua estatura e nacionalidade. Nem toda companhia é adequada para um bailarino, e vice-versa.

Meio ano se passou até que iniciasse minhas audições novamente, dessa vez escolhendo seguir meus instintos e planejando uma viagem para a Europa. Passei esse tempo em Toronto no Programa de Pós-Ensino Médio da NBS, do qual gostei muito. Sem aulas acadêmicas, apenas dançando. Sentindo-me mais forte, mais confiante e focada em fazer audições (também me divertindo um pouco).

Mesmo com os olhos postos no Royal Ballet, eu pesquisei todas as companhias e audições que poderia tentar e descobri que o Northern Ballet Theatre faria uma audição em Londres. Mandei meu curriculum e assim que recebi resposta positiva, organizei minhas datas em torno disso.

Procurei saber de tudo sobre o Northern Ballet, ouvia atentamente meu professor contando histórias de quando ele e David Nixon - diretor artístico da companhia - costumavam dançar juntos no Canadá. Na verdade, David se formou na mesma escola que eu frequentava e lembro-me dele numa ocasião, assistindo as aulas. Pequenas coincidências como essa são importantes e podem ajudá-lo a criar uma conexão e atingir seus objetivos.

Enviando um curriculum e inscrição

No meu tempo, as companhias poderiam pedir qualquer coisa, geralmente um curriculum com fotos revelando suas proporções e linhas e uma gravação de aula ou variação, mas descobri recentemente que cada vez mais companhias estão seguindo o padrão da Pré-Seleção de Audições Internacionais, um formato de inscrição criado em 2017 com o objetivo de tornar a seleção mais justa.

Esse material será como uma primeira introdução, você quer mandar suas melhores fotos e vídeos e uma carta bem comovente. É importante levar em consideração o que a companhia busca, quaisquer especificidades, para evitar decepções e viagens desnecessárias. As audições exigem bastante planejamento e podem se tornar algo caro.

Na escola, recebi total apoio da nossa diretora, que me ajudou a cortar as despesas. Mavis me colocou em contato com seus ex-alunos e amigos que poderiam me hospedar em Londres para que eu não tivesse que ficar em hotéis. Foi ela que providenciou para que eu fizesse aulas com o Royal Ballet, através de uma professora e amiga que na época trabalhava como convidada com a companhia.


O Royal Ballet não faz audições. Acredita-se que a melhor chance seja passando pela escola, o que não era uma opção para mim. Que sorte a minha de ter Mavis me abrindo esta porta!

De passaporte nas mãos e apenas um livro como companhia, iniciei minhas aventuras em Londres. Seguindo o conselho de Mavis, vesti minhas meias de viagem para evitar inchaços nos tornozelos e coloquei dois travesseiros de apoio nas costas para me manter ereta durante o vôo, sabendo que não teria muito tempo para me recuperar da viagem antes de estar dançando novamente.

Passei pouco mais de uma semana na Inglaterra, audicionando para três companhias, fazendo aulas nos estúdios da Pineapple, experimentando o famoso chá inglês (preto com um pingo de leite), sendo turista em Londres. Ah, improvisando de última hora uma viagem de ônibus até Leeds para fazer aula com a companhia e conhecer a cidade. Foi a minha primeira vez aqui na Inglaterra, e me apaixonei por tudo nela.

O que esperar

Em audições privadas, você tem a oportunidade de ingressar nas aulas da companhia e sentir como é a atmosfera, de conhecer os bailarinos de perto e talvez assistir a um ou dois ensaios. Dois dias ou mais são ideais para nos orientarmos e nos sentirmos mais à vontade. Alguns bailarinos são bem simpáticos e não hesitam ​​em guiá-lo pelo labirinto de corredores.

Encontrar um lugar na barra é sempre complicado. Os membros da companhia geralmente têm seu canto favorito, e você não quer se posicionar exatamente no lugar de outra pessoa. Seguindo para os exercícios de centro, você quer estar na frente para poder ser visto, mas ao mesmo tempo não quer cortar na frente de ninguém. Quando menos espera, o diretor entra sorrateiramente e senta-se logo ali, observando você de perto.

Normalmente as audições são apenas por convite, mas algumas são abertas a qualquer um que envie uma inscrição. Fui à minha primeira audição aberta em Hamburgo há alguns anos, onde mais de oitenta bailarinos dançavam apertados em um estúdio. Os alunos da escola foram empurrados para a frente, o que mostrou que o resto de nós estávamos obviamente em desvantagem.

No final da audição, o pianista veio até mim e disse 'Ahh se todos fossem musicais como você'. Mesmo não tendo conseguido o emprego, isso já fez valer a pena! Além do mais, passei um fim de semana nevado com minha mãe na Alemanha, passeando pela feirinha de Natal, vendo as gaivotas devorarem um cachorro quente que tínhamos acabado de comprar.

Sempre me senti tão constrangida nas audições. Será que vão achar que estou forçada demais se eu sorrir? Devo ficar mais séria? Devo tentar três piruetas ou uma dupla segura? Queria mostrar minhas habilidades de performance, mas como? Todos esses pensamentos passando pela minha cabeça tornavam impossível desfrutar delas. Fora os olhares dos bailarinos do tipo.. Quem é você? O que está fazendo aqui?

Acredito agora que não se trate de estar tecnicamente impecável. Às vezes é até uma questão de fazer o exercício repetidamente para mostrar que é determinado. Ser capaz de movimentar-se bem e ser você mesmo é o que importa, mas simpatizo com aqueles que achem difícil. Isso não quer dizer que cada pessoa não terá uma experiência diferente, alguns podem achar tudo muito legal. Você realmente não tem nada a perder se pondo na frente e sendo ousado.

Networking

O mundo do balé é tão pequeno. Você sempre se depara com as mesmas pessoas, encontra amigos que agora trabalham pelo mundo ou descobre outros que estudaram na sua escola e possuem amigos em comum. Todos somos partes de uma grande comunidade da dança.

Compartilhar ideias e perspectivas, conhecer pessoas em diferentes companhias ao redor do mundo, amigos que ajudam em momentos de necessidade, facilitarão seu avanço. Eles podem te deixar a par de contratos que se abrem ou ofertas de trabalho, até dar uma boa palavra?

Ter um amigo por perto nas audições privadas te ajuda a se sentir mais calmo, oferecendo uma noite no seu sofá-cama, dando milhares de dicas sobre o que esperar da aula na manhã seguinte.

A dança é um campo profissional como qualquer outro, e sabemos como o networking é valioso em qualquer ambiente profissional. Mesmo se você for muito capaz, outra pessoa pode conhecer alguém que conhece alguém, e essa pessoa terá uma pequena vantagem.

As notícias correm rápido no mundo do balé, até diretores conversam entre eles. Eu nem tinha certeza se sairia ou não do Northern Ballet quando resolvi conversar com o diretor sobre minha vontade de audicionar em outros lugares. Tive medo, mas queria evitar qualquer situação desagradável. Acabei por ficar mais um ano, o que me ajudou a conseguir uma indefinite leave to remain (licença de permanência por tempo indeterminado) que me permitiria ficar na Inglaterra como freelancer, sem necessidade de um visto de trabalho.

Ser a extra

Muitas companhias podem contratar bailarinos a curto prazo para suas grandes produções, como em O Lago dos Cisnes do English National Ballet. Foi com a perspectiva de me apresentar e encontrar meu caminho até a companhia que decidi fazer a audição. Fui contratada temporariamente como uma de seus sessenta cisnes.

Dançar no Royal Albert Hall foi uma experiência inteiramente nova. Na verdade, é uma grande sala de concertos com um palco redondo e uma platéia assistindo de todos os ângulos. Não temos uma frente, estamos constantemente voltados para direções diferentes. A versão do Lago dos Cisnes de Derek Dean é muito difícil, com muitas corridas e formações que ocupam todo o palco.

Eu morava em um dormitório feminino, bem ao lado do teatro. Depois de quatro, às vezes oito atos de Lago, eu mal tinha pernas para subir as escadas. Meu quarto era tão pequeno que eu mal conseguia abrir a porta sem que batesse na cama. Era literalmente uma caixinha de sapatos, mas sua localização era perfeita e eu me sentia segura.

Eu tenho lindas lembranças daquela época. Era uma boa atmosfera, as meninas se ajudavam e eram muito gratas por essa oportunidade. Para freelancers, contratos curtos são uma janela para estar no palco e ganhar experiência, trabalhar com uma grande companhia, fazer contatos e talvez conseguir algo permanente.

Estar aberto a uma nova experiência é uma boa atitude, você nunca sabe o que pode resultar disso. Embora eu não tenha sido contratada naquele momento, ENB me ligou de volta para fazer O Quebra Nozes alguns meses depois, e talvez tenha até conseguido um contrato se ... O Royal Ballet não tivesse me contratado primeiro.

Você acredita em destino?

Em fevereiro de 2012, fui a Stuttgart para uma audição particular com o Stuttgart Ballet. Tive aula com a companhia por dois dias e esperei ansiosamente pelo diretor, mas ele não compareceu. Um dos ensaiadores veio assistir os últimos quinze minutos de aula e me disse com um ar de desprezo que se algum contrato ficasse disponível, ele entraria em contato. Nunca mais ouvi deles.

Sete anos se passaram e aqui estou eu fazendo aula em Covent Garden quando ninguém menos que Reid Anderson, o diretor do Stuttgart que eu nunca conheci, entra no estúdio. Nossa companhia trazia Onegin de volta ao repertório, e Reid estava aqui para montar o elenco e nos ensaiar, sendo um expert nos balés de John Cranko. Estes exigem um repetiteur e são cuidadosamente reencenados.

Depois de ensaiar por quase um mês, tivemos nosso primeiro ensaio geral no estúdio, com o Reid. Eu fazia uma das amigas do primeiro ato, uma dancinha bem simpática com outras sete meninas. Ele nos parou algumas vezes para enfatizar a necessidade de todas as amigas se movimentarem iguaizinhas. Não está muito impressionado, pensei, e prometi a mim mesma trabalhar nos meus port de bras.

No dia seguinte, fui chamada ao escritório do diretor. Ele se desculpou, dizendo que eu não iria dançar as amigas afinal. Por quê?? ‘Sinto muito - ele diz - mas Reid acha que você se destaca demais, que dança como uma verdadeira bailarina'.

Como assim??! Queria chorar, mas não de tristeza. De emoção! Apesar de não poder estar no palco com Onegin, o motivo era até engraçado. A princípio não acreditei, mas pessoas vieram me dizer que puderam ouvir a conversa no estúdio. Na verdade, foi o melhor elogio que alguém poderia ter recebido no início de uma temporada como solista.

Aquilo significou muito para mim. Todos esses anos achei que não era boa o suficiente para o Balé de Stuttgart e, afinal, poderia ter ganhado um contratado se ao menos o diretor estivesse presente. As coisas teriam sido muito diferentes se tivesse conseguido aquele emprego. Não estaria aqui hoje, na companhia que eu mais queria.

Nunca devemos esquecer que quem está no controle tem uma visão estética e criativa orientando suas decisões. Você pode simplesmente não ser o bailarino adequado, pelo menos não naquele momento. Pode até ser um caso de esperar e persistir.

Ou pura e simplesmente acontece que aquilo não era para ser.

222 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com