First steps

Primeiros passos

Versão em português abaixo


Signing your first contract is one of the most exciting times in anyone's career, especially if (like me) what you feared most in school was not being able to find a job! You realise that the competition out there is tough and start to think you're not good enough after all. When you receive that so awaited email with a job offer, the feeling of happiness and relief are inexplicable. You made it! You’ve been accepted into the real world! It is truly magical to see what you love so dearly and have dedicated your life to becoming your profession.


I joined Northern Ballet (NB Theatre at the time) together with nine other dancers, an unusually high number. We got taken on a tour of West Park - Northern Ballet's old building - and given a brief introduction before joining the rest of the company members. I guess it felt a bit like a first day in college: you try to familiarise yourself with the space, memorise all the corridors and studios, and introduce yourself to your new colleagues (I will never know, we dancers skip the 'going to college' part). I didn't know anyone and found no group of Brazilians to hang out with, but there were a lot of friendly faces and a very welcoming energy. Stepping into the studio as a professional dancer, I felt a huge sense of freedom and achievement, but I knew that with it came new responsibilities.



I had always dreamed of building a career in England. Leaving home at a young age had taught me how to be more independent, how to adapt to a new culture and overcome that horrible homesickness. The move from Toronto to Leeds felt quite smooth and easy in comparison. I was about to turn nineteen years-old, not a kid anymore. Leeds had seemed like a very nice city when I visited a few months back, while still auditioning. Lively, home to a university, with green spaces and an old but charming centre with very pretty arcades.


Soon I began to create a work routine, getting into the studio early (like most dancers in the company). I'd bring a packed lunch since there wasn’t much around West Park, finish around six o’clock, and time myself well to get the bus back home or a lift with one of the dancers. In the first few years, I lived in a studio-flat my parents had helped me find, in a scary-looking old mansion we named 'The Adam's Family home'. Not judging from its exterior look, it was in fact cosy and sweet and only a short bus ride to work. It was nice having my family there to support me with this transition, but I knew it wouldn't be long until I had to face yet another strange environment on my own, this time in a different city, across the ocean.



The biggest challenge for me was adapting to company life: learning a new repertoire and acquiring new skills to do well in a corps de ballet, getting used to touring and doing a million shows. Nothing can prepare you for it, you just have to experience it. There is so much to be learned and appreciated, and those first few months might shape what type of a professional dancer you really want to become. It is when you take responsibility for yourself, for your work ethic and wellbeing.


It is easy to say that you want to be a dancer when you are twelve, but you never consider what the job might entail. You just know that it is your most favourite hobby. When it becomes reality, it is so unlike the fairy tale world of our childhood. Like in every profession, there is the beauty and the hardships, the sweat and the tears. You have to commit to the pleasures and the everyday struggles. It is quite a test of ambition and motivation, in every way.


Rehearsing in West Park, 2010 photo by Martin Bell

Learning to take care of yourself

As students, we think we know what to expect from our jobs. We have done ballet for as long as we can remember, training every day, performing in school events and competitions. But professional training is very different. Morning class is not the main focus anymore. No more teachers watching over you and reminding you again and again of your bad habits, pushing you to repeat the exercises, making you finish the whole class. And rehearsals never seem enough. How do you prepare yourself to do well on stage?


I was very fortunate to find myself in a company where they cared so much about developing us as dancers and enhancing our training, teaching us how to look after our bodies. It was a lot to take in at first, but I realise now that it was a good way to bridge my student and professional lives. It allowed me to build the foundations for a long career and develop good work ethic. Discipline, as always, was at the top of their list.


Rehearsing for Cleopatra, 2011

Because there were ten of us joining, we were given special care, at times even private coaching. We were carefully introduced to the company’s vision and their approach to classical technique and performing so we could fit in nicely. I understood and resonated with a lot of it, but still had to be open minded about how things work in the real world. There is always a period of adaptation, a long road to learning and settling in. Above all, it is important to believe in the work, to have a purpose, so that it becomes meaningful to you.


What I liked most about Northern Ballet, besides their story-telling ballets, was that they were a touring company. I felt totally committed to their mission to bring ballet to the people and places all around the UK. Every week a new city, a new theatre, a different bed. We would perform seven times a week, Tuesday to Saturday, and rest for two days. Life in a touring company is a later topic, deserving of its own blog.


A Midsummer Night's Dream - tour in Edinburgh, 2008
Doing your homework

Being new in a company means all the repertoire will be new to you, but not necessarily to the other dancers. They might have performed it over and over before, and it might not take them long to remember it. In fact, dancers have an amazing ability to remember steps in a ballet. The minute we hear the music, it all comes back like magic. The choreography stays in our muscle memory, like an imprint.

Many times I found myself panicking in the studio, trying to keep up with everyone while they all looked like they had been doing it for months. I struggled to remember what came next, let alone which direction I needed to go, behind whom, facing where?? I realised it was best to be a little prepared, to know what to expect from a rehearsal. Maybe doing a little research beforehand, watching previous productions from the company archive.


I didn't have access to any old footage at the time, so all I could do was to really concentrate in the studio. Before the next rehearsal, I'd make sure I went over the steps I had already learned so I wouldn't hold the others back. The pace of rehearsals is ten times quicker than at school, and there is a lot to remember! You might be learning two or three new ballets at once, while at school you focused in just one and had months to prepare.



Your job as a corps de ballet member is not to stand out, but to move as one. It is to work in unison, do the exact same head and arms, travel exactly the same and STAY IN LINE! It is something one can only learn from experience, from sensing each other and learning to use your peripheral vision. Basically, if you are not drawing too much attention, that means you are doing a great job! I used to beat myself up for hearing my name shouted out in front of everyone. Izzy, you're out of line again! Really?? You just want to bury your head down in the sand, become invisible!



Your body is your instrument

After that initial euphoria of starting your first job, it is easy to fall into the habit of not finishing classes (or skipping them altogether). Attending ballet class every day is not mandatory, but it is fundamental for a healthy career. Depending on your rehearsal schedule, or injuries you may have, you need to assess what is best for you in order to keep strong and energised. That, of course, doesn't mean killing yourself on the first hour of the day.


One might be advised not to jump in class every day if the repertoire is heavily jumpy, and that's ok. There are other ways to strengthen your jumps without causing impact on your shins, which may lead to stressing on your bones. I never knew this was a common injury in dancers until later on in my career, when I suffered with it myself. It is not unusual that dancers joining straight from school get themselves hurt in their first year. The workload is much heavier, with up to six hours of rehearsals, not to mention performances.



I never had any serious injuries while at Northern, but I can't take all the credit for it. The company taught me the importance of good training and body maintenance for injury prevention. There weren’t many of us in the corps de ballet, so they needed all dancers healthy and reliable, ready to work. Booking massage and physio became a regular thing. Taking hot baths after a long day, eating well, balancing out training with strengthening exercises, such as swimming or pilates.


There is no such thing as a small role

Every role is important, no matter how big or small. This is something that Northern Ballet highly emphasised, and I didn’t take long to grasp. The nature of the company's work asked for exquisite acting and stage presence. They were renowned for story-telling ballets, and I learned how important it is to create atmosphere on stage, to always fulfil your job as a narrator.



No matter how great you were at school, this is a new place to be conquered. Your job is to stay attentive, know every spot, and be practicing at the back until it is your turn to be dancing. First, I needed to show I could be trusted. It was hard to find myself at the bottom of the list, waiting for an opportunity to be dancing more, but I could learn a lot from watching experienced dancers. Their maturity, technique and artistry inspired me every day.


As a new company member, you will most likely start with small roles – the maid, the porter, butler, beggar, chambermaid, harlot. I’ve lost count of how many maid roles I’ve created. They kept coming after my first year. I guess I must have excelled in it, being petite and all. One should not underestimate how hard it is to play these roles, to be responsible for handling props, moving furniture in set changes, and coordinating stressful costume changes on stage. It is very stressful!

The Royal Ballet's Frankenstein - two years ago

The upside of starting in a smaller company is that you feel part of a family, especially one that travels everywhere together. You also have higher chances of being noticed. With time, I started to get bigger roles and opportunities, but in moments when I thought I had it all figured out and was getting quite comfortable, I would suddenly have to catch up and run after things I wanted. Northern Ballet really kept me on my toes.


In my first year, I was cast as Clara in The Nutcracker but taken out of the casting as soon as it went up on the notice board. I didn’t understand what had changed, it upset me tremendously. It could have been part of some mind game, or just that they decided very last minute that I wasn't ready for it. To be honest, I thought I was going to get fired after my first season, I thought I hadn't fulfilled their expectations. Fortunately, it wasn't the case.


One role in The Nutcracker I dreamt of doing came to me a bit later: The Sugar Plum Fairy. In Northern Ballet’s version, Sugar Plum (Louise) dances both in Act I and II. I thought it was such a lovely part. The role made me grow and mature as a dancer, more than any other before it. I remember being in Aylesbury when I had my debut and bursting out crying in the changing room after the performance. Out of relief? Or exhaustion? I’m not entirely sure.


Backstage as Sugar Plum Fairy, with Rach and Anti
Another highlight, Don Quixote pdd - Leeds Grand Theatre 2010

Living and learning

When I started my career, I had this weird notion that I had already reached my peak, that maybe I would have already become the best version of myself as a dancer. How silly! I don't know where I got that from. I realised there was so much room for improvement, and each year that went by I felt myself growing. At one point, everything suddenly 'clicked' in how I approached my training and performances. I gained more control and security, and that allowed me to also develop artistically.

Now in my thirties, I feel like I’m still growing as a dancer and human being. The thing is, we will never ever stop learning and improving. When we come to understand our bodies better, we can use it more efficiently. We learn to balance work and life, and how one compliments the other. It is not just about your job and letting it consume you, it is about the lifestyle you lead. If you are happy with yourself, work also becomes joyful and meaningful. Spending some quality time outside work and doing other things you love will take the pressure and stress away.


Day trips to York, one of my favourite things.
And afternoon tea at Betty's Tea Room.

The beginning of a career can seem a little frustrating, when you wish you were doing better and more, but the secret to a promising future is to make the most of every role you are given, to do them with love and care. There is no such thing as 'I'm hiding at the back, no one can see me.' Somebody once told me that no matter where you are on stage, even if it is the last row in the corps de ballet, all eyes will be drawn to you if you radiate your spark, your inner light. Roles will come to you when you are ready for them, and the taste of victory is much sweeter if you work hard towards them.


Ten years ago, preparing a solo for A Christmas Carol with ballet master Dan de Andrade. The one and only rehearsal footage I have of that time in West Park, before the company moved to Quarry Hill. This was one of my first featured parts - the Ghost of Christmas Past.


#ballet #northernballet #life #career #dance #touring #performances #ballerina #Leeds

Primeiros passos

Um dos momentos mais emocionantes na carreira de qualquer pessoa é quando assinamos nosso primeiro contrato de trabalho, especialmente quando, na escola, o que você mais temia (como eu) era não conseguir arranjar emprego algum! Quando começamos a perceber que a concorrência lá fora é grande, você teme não ser boa o suficiente. Ao receber aquele tão esperado e-mail com uma oferta de trabalho, o sentimento de felicidade e alívio é inexplicável. Você conseguiu! Foi aceita no mundo real! É algo verdadeiramente mágico, ver o que você mais ama e dedicou-se desde tão pequena se tornar sua profissão.

Entrei para o Northern Ballet (NB Theatre na época) junto com nove bailarinos, um número extraordinariamente alto. Fomos levados a um tour por West Park - o antigo prédio do Northern Ballet - e recebemos uma breve introdução sobre a companhia antes de nos juntarmos aos demais membros. Talvez pareça como o primeiro dia na faculdade: você tenta se familiarizar com o espaço, memoriza todos os corredores e salas e se apresenta aos seus novos colegas (eu nunca saberei pois nós, bailarinos, pulamos esse capítulo da vida em que ingressamos na faculdade). Eu não conhecia ninguém e não encontrei nenhuma turma de brasileiros para me juntar, mas haviam muitos rostos amigáveis ​​e uma energia muito acolhedora. Ao entrar na sala como bailarina profissional, senti uma enorme sensação de liberdade e conquista, mas sabia que com isso surgiriam novas responsabilidades.

Eu sempre sonhei em construir uma carreira na Inglaterra. Sair de casa tão jovenzinha me ensinou a ser mais independente, como me adaptar a uma nova cultura e superar a terríveis períodos de saudades. A mudança de Toronto para Leeds foi bastante suave em comparação a deixar o Brasil. Eu estava completando dezenove anos, não era mais uma criança. Leeds pareceu uma cidade bem interessante quando visitei alguns meses antes, ainda audicionando. Bem agitada, sede de uma universidade, com espaços verdes e um centro antigo mas charmoso, com galerias muito bonitas.

Logo comecei a criar uma rotina de trabalho, entrando no estúdio bem cedo (como a maioria dos bailarinos da companhia). Eu trazia uma marmita para o almoço já que não havia muito ao redor de West Park, terminava por volta das seis horas e me preparava para pegar o ônibus de volta para casa, ou uma carona com amigos. Vivi os primeiros anos em uma kitnet que meus pais ajudaram a encontrar, numa antiga mansão que batizamos 'A Casa da Família Adams'. Meio assustadora, mas se não julgar pela sua aparência exterior, era de fato bonitinha e aconchegante, e localizada a apenas uma curta viagem de ônibus para o trabalho. Foi bom ter minha família por perto me apoiando nessa transição, mas eu sabia que não demoraria muito até que tivesse que enfrentar sozinha outro ambiente estranho, e dessa vez do outro lado do oceano.

O maior desafio foi adaptar-me à vida profissional, aprender um repertório novo e adquirir novas habilidades para me sair bem em um corpo de baile, acostumar com as turnês e espetáculos mil. Nada pode prepará-lo para isso, você apenas tem que passar pela experiência. Há muito a ser aprendido e apreciado, e os primeiros meses poderão vir a moldar o tipo de bailarino profissional que você quer realmente se tornar. É quando você aprende a assumir a responsabilidade por si mesmo, por sua ética de trabalho e bem-estar.

É fácil dizer que você quer ser uma bailarina, mas precisará se comprometer a luta cotidiana. O sonho de toda menina, ao se tornar realidade, é muito diferente de um conto de fadas. Como toda profissão, há sua beleza e suas dificuldades, as alegrias e as lágrimas, e muito suor. É um contínuo teste de ambição e motivação, em todos os sentidos.

Aprendendo a cuidar de si mesmo

Quando jovens, achamos que sabemos o que esperar do nosso emprego. Fizemos balé desde que nos conhecemos por gente, treinando todos os dias, participando de competições e eventos escolares. Mas o treinamento profissional é bem diferente, a aula de ballet não é mais o foco principal. Não há mais professores cuidando de você e lembrando-o repetidamente de seus maus hábitos, forçando-o a repetir os exercícios, fazendo com que você termine a aula inteira. Agora os ensaios nunca parecem suficientes, então como você se prepara para se sair bem no palco?

Tive muita sorte de me encontrar em uma companhia onde se preocupavam tanto em nos desenvolver como bailarinos, aprimorando nosso treinamento e técnica, ensinando-nos a cuidar de nossos corpos. No início, havia muito o que assimilar, mas agora percebo que era uma ponte que unia minha vida estudantil e profissional. Permitiu-me construir a base para uma longa carreira e desenvolver uma boa ética de trabalho. A disciplina, como sempre, estava lá no topo da lista.

Por sermos dez novos membros da companhia, recebíamos cuidados especiais e às vezes até aulas particulares. Fomos cuidadosamente apresentados à visão da companhia e sua abordagem à técnica clássica, para que pudéssemos nos encaixar perfeitamente. Eu respeitava e procurava integrar tudo, mas ainda tinha que ter a mente aberta sobre como as coisas funcionam no mundo real. Há sempre um período de adaptação e um longo caminho de aprendizado e encaixe. Acima de tudo, é importante acreditar no seu propósito, para que seu próprio trabalho também seja significativo para você.

O que eu mais gostava no Northern Ballet é que era uma companhia de turnês. Eu me sentia fazendo parte de sua missão, levando o balé para públicos e lugares em todo o Reino Unido. Toda semana uma nova cidade, um novo teatro, uma cama diferente. Realizávamos sete espetáculos por semana, de terça a sábado, tendo dois dias de descanso. A vida de turnê é um tema a ser abordado mais tarde, pois merece seu próprio blog.

Fazer sua lição de casa

Ser novo na companhia significa que todo o repertório será novo para você, mas não necessariamente para os outros bailarinos. Eles podem já ter apresentado o balé várias vezes, e podem não levar muito tempo para lembrar de tudo. De fato, bailarinos possuem uma incrível capacidade de recordar os passos de uma coreografia. No minuto em que ouvimos a música, tudo volta como mágica. O balé permanece em nossa memória muscular, como que impressos.

Muitas vezes, me sentia entrando em pânico no estúdio tentando acompanhar o ensaio, enquanto todos pareciam estar fazendo aquilo há meses. Eu me esforçava para lembrar do que vinha a seguir... que passos, e em qual direção, atras de que menina, seguir quem?? Percebi que era melhor estar um pouco mais preparada, pelo menos saber o que esperar de um ensaio. Talvez fazendo uma pequena pesquisa antecipada, assistindo a produções anteriores do arquivo da companhia.

Como não tinha acesso a nenhuma filmagem antiga, tudo que eu podia fazer era realmente me concentrar na sala e, antes do próximo ensaio, garantir que eu passasse na cabeça tudo o que já havia aprendido para não empacar os outros. O ritmo dos ensaios é dez vezes mais rápido que na escola, e há muito o que lembrar! Você pode estar aprendendo dois ou três balés novos ao mesmo tempo.

Seu trabalho como membro de um corpo de baile não é se destacar, mas sim mover-se como um só. É trabalhar em conjunto, fazer exatamente a mesma cabeça e braços, cada passo exatamente ao mesmo tempo e MANTER A FILA! É algo que só se pode aprender com a experiência, antecipando movimentos de outras, e aprendendo a usar sua visão periférica. Basicamente, se você não está chamando muita atenção, significa que está fazendo um ótimo trabalho! Eu costumava me chatear por ouvir meu nome sendo gritado na frente de todos. Izzy, você está fora de linha novamente! Sério? Mas eu estava prestando toda a atenção! Você quer enterrar a cabeça na areia, tornar-se invisível!

Seu corpo é seu instrumento

Após a euforia inicial de começar seu primeiro emprego, é fácil cair no hábito de não terminar as aulas (ou faltar logo de vez). Fazer aula de ballet todos os dias não é obrigatório, mas é algo fundamental na carreira de um bailarino. Dependendo da rotina de ensaios, e possíveis lesões, você precisa avaliar o que é melhor para você a fim de se manter forte e saudável. Isso, é claro, não significa se matar na primeira hora do dia.

Bailarinos podem ser aconselhados a não saltarem todos os dias em aula se o repertório estiver muito pesado, e tudo bem. Existem outras maneiras de fortalecer seus saltos sem causar impacto nas canelas, o que pode levar a estresse nos ossos. Eu nunca soube que essa lesão era comum, até descobrir mais tarde por experiência própria. Não é tão raro que ingressando direto da escola se machuquem em seu primeiro ano. A carga de trabalho é mais pesada, com até seis horas de ensaios no dia, sem mencionar a quantidade de espetáculos.

Eu nunca sofri nenhuma lesão séria no Northern Ballet, mas não posso levar todo o crédito por isso. A companhia me ensinou a importância de um bom treinamento e manutenção do corpo para a prevenção de lesões. Como não havia muitos de nós no corpo de baile, eles precisavam de todos os bailarinos saudáveis ​​e confiáveis, prontos para trabalhar. Massagem e fisioterapia viraram rotina, assim como tomar banho de banheira após um longo dia e equilibrar o treinamento do balé com exercícios de fortalecimento, como pilates ou natação.

Não existe um pequeno papel

Todo papel é importante, não importa quão grande ou pequeno. Isso é algo que o Northern Ballet enfatizou bastante e que não demorei muito para entender. A natureza do trabalho da companhia exigia excelente atuação e presença em palco. Eles eram conhecidos por balés narrativos, e eu aprendi o quanto é importante criar atmosfera no palco e sempre cumprir seu trabalho como narrador.

Não importa o quão bom você foi na escola, este é um novo lugar ainda a ser conquistado. Seu trabalho é manter-se atento, saber todos os lugares numa coreografia e praticar nos fundos da sala até que seja a sua vez de ensaiar. Primeiro, precisa mostrar que pode ser confiável. Era difícil me encontrar no fim da lista, só esperando uma oportunidade de dançar mais, mas dessa forma pude aprender muito assistindo bailarinos experientes. Sua maturidade, técnica e arte me inspiravam todos os dias.

Como um novo membro da companhia, você provavelmente começará fazendo pequenos papéis - a empregada, o porteiro, o mordomo, o mendigo, a camareira, a prostituta. Perdi a conta de quantos papéis de empregada eu criei. E eles continuaram vindo depois do meu primeiro ano. Acho que devo ter me destacado nisso, sendo pequena e tudo o mais. Não devemos subestimar o quão difícil é desempenhar esses papéis, ser responsável por manusear copos e objetos, mover móveis em trocas de cenário e coordenar mudanças rápidas de figurino no palco. Muito estressante!

A vantagem de começar em uma companhia menor é que você se sente parte de uma família, especialmente uma em que viajam juntos por toda a parte. Alem disso, você também tem mais chances de ser notado. Com o tempo, comecei a ter papéis e oportunidades maiores, mas em momentos onde imaginava ter tudo planejado e sob controle, de repente me punha a correr atrás das coisas que queria. O Northern Ballet realmente me mantinha na linha.

No meu primeiro ano, fui escolhida para ser Clara em O Quebra Nozes mas meu nome foi retirado do elenco assim que foi posto no quadro de avisos. Não entendi o que havia mudado, e isso me perturbou profundamente. Pode ter sido tudo parte de algum jogo mental, ou apenas decidiram no último minuto que eu não estava pronta para o papel. Na verdade, pensei que seria demitida depois da minha primeira temporada, achei que não havia cumprido as expectativas. Felizmente, não foi o caso.

Um papel que eu sonhava em fazer no Quebra Nozes viria um pouco mais tarde: A Fada Açucarada. Na versão do Northern Ballet, a Sugar Plum Fairy (Louise) dança tanto no primeiro quanto segundo atos. Achava a personagem adorável! Lembro-me de estar em Aylesbury quando a dancei no palco pela primeira vez e de ter uma crise de choro no vestiário após a apresentação. Fora de alívio? Exaustão? Não tenho certeza.

Louise me fez crescer e amadurecer como bailarina, mais do que qualquer outro papel anterior. Outro momento marcante foi a apresentação do pas de deux de Don Quixote no Leeds Grand Theatre, onde o palco é ligeiramente inclinado.

Vivendo e Aprendendo

Quando iniciei minha vida profissional, tinha a estranha ideia de que havia atingido o meu auge, que talvez já tivesse me tornado minha melhor versão como bailarina. Que bobagem, não sei nem de onde tirei isso. Percebi que havia muito espaço para melhorias e que a cada ano que passava me sentia crescendo. Lembro-me de em certo ponto sentir como se tivesse caído a fixa. Comecei a entender como utilizar meu treinamento diário, incorporá-lo nas minhas apresentações ganhando mais controle técnico e segurança, e também a desenvolver artisticamente.

Agora aos meus trinta anos, ainda sinto que estou me desenvolvendo como bailarina e ser humano. O fato é que nunca pararemos de aprender e nos aperfeiçoarmos. Quando chegamos a entender melhor nosso corpo, podemos usá-lo com mais eficiência. Aprendemos a equilibrar a vida e o trabalho, um complementando ao outro. Não apenas dependendo dele para ser feliz, e sim do estilo de vida que levamos. Se você está bem consigo mesma, qualquer ambiente se torna leve, alegre e significativo. Dias de lazer, fazendo outras coisas que te dão prazer, amenizam a pressão e o estresse.

O início de carreira de uma bailarina pode parecer um pouco frustrante. Você quer estar dançando mais e ganhando mais atenção, mas o segredo para um futuro promissor é aproveitar ao máximo cada papel que lhe é confiado, executá-lo com o maior amor e carinho. Não existe aquela história de Estou escondida lá atrás, ninguém vai me ver. Alguém me disse uma vez que não importa onde você esteja no palco, mesmo que seja a última da fila do corpo de balé, todos os olhos serão atraídos se você radiar seu brilho, sua luz interior. Os papéis virão quando você estiver pronto para eles, e o sabor da vitória é mais doce quando se trabalha duro para merecê-los.

210 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com