The Nutcracker magic

A magia do Quebra-Nozes

Versão em português abaixo


'During the long, long day of the twenty-fourth of December, the children of Doctor Stahlbaum were forbidden from entering the parlour. Fritz and Marie nestled together in the back chamber as dusky twilight came on. In hushed tones Fritz was telling his little sister that he had not long before seen a little dark man glide along the corridor with a large box under his arm, but he knew full well that it was only Godfather Drosselmeier. At this Marie clapped her little hands for joy and exclaimed, ‘Oh what do you imagine Godfather Drosselmeier has made for us this time?’


So begins the story of The Nutcracker and the Mouse King, written by E.T.A. Hoffmann in 1816, which would inspire one of the most beloved repertoire ballets. Every winter season, ballet companies all over the world present The Nutcracker as it captures the spirit of Christmas like no other. We follow the story of Clara (sometimes called Marie) who befriends a nutcracker doll that comes to life on Christmas eve. Together, they battle against the Mouse King, travel through the land of snow into the Kingdom of Sweets, where they meet the Sugar Plum fairy.



In Sir Peter Wright’s production, one The Royal Ballet has performed for over thirty-five years, Clara and her brother are found in the midst of a jolly Christmas party, overwhelmed by all the adornments, guests, presents, much dancing and, of course, the presence of Drosselmeier. Although it is a bright and joyful act, there are moments in it that I find quite unsettling. Tchaikovsky's music seems to fill the scene with suspense. What could be so mysterious about this godfather and his magic tricks?


General rehearsal 2020, photo Andrej Uspenski

When the clock strikes midnight and Clara finds herself alone, strange figures appear to haunt her. The house is transformed to stage a fierce battle amongst soldiers and mice. It is all very frightening for a young girl, but this is not even half of the story. In the fairy tale, the poor Nutcracker has to defeat a seven-headed Mouse King!


Having finally read Hoffmann’s text, I understood why there is an ominous side to the ballet. It is based on quite a sombre tale. Most original fairy tales, in fact, have a dark side to them. Gladly for the audience and especially the young ones, Act II is all about sparkles and fun, with amazing diverts and a beautiful pas de deux. All ends well! Was it just a dream?! Even Hoffmann leaves us wondering...



The Nutcracker has a special place in everyone’s heart, as it very much does in mine. Every December, mom used to take my brother and I to see The Nutcracker at Teatro Sergio Cardoso, presented by Cisne Negro Cia de Dança. I very much looked forward to it! Directed by Hulda Bittencourt, the Brazilian company has kept this tradition going for over forty years. A few years back, while on holiday in Sao Paulo, I was lucky to be able to take class with them and watch a studio rehearsal, witnessing first-hand their love and commitment for the art.


Besides the dancing and the music, part of what mesmerised me about the Nutcracker productions was how grown-ups arrived at the party in long winter coats and scarves, and the kids wore warm, lacy dresses and long-sleeved jackets. The fire was on, and it was snowing outside! The only Christmas I had ever known was a hot and humid one right in the middle of summer. We children wore our lightest clothes and the next day were playing in the swimming pool, having a big barbecue outdoors.


I believe there is something truly magical about celebrating Christmas in the winter, about drinking hot chocolate by the fireplace and spending a cozy afternoon with the family gathered indoors. I love wandering around the Christmas markets, watching the trees and buildings light up around the city, the anticipation that builds up... that is what makes the cold days and early sunsets a little more tolerable. Everyone hopes for a white Christmas. It is no wonder Clara's Christmas Eve seemed so alien to me, and why she dances around with snow flakes!


Christmas time in Covent Garden with the family, some years ago.

When I was little, I also watched countless times a tape of the 1993 film with The New York City Ballet, starring Macaulay Culkin as the Nutcracker and Jessica Lynn as sweet Marie. Perhaps it is the very source of my deepest desires to be dancing Clara, but before I had my chance at it, I was to be a little tap-dancing present and a marzipan in an adapted version of the ballet. My mom's school show was called A Christmas Dream.



At thirteen, in a revival of Ballet Marcia Lago's A Christmas Dream, I did my first Clara. The year was 2001 and it was marked by great personal achievements, when I had just begun to show signs of a promising future as a dancer. That was to be the only main role I ever did as my mom's student. Little did we know that I'd soon be setting off to Canada to further enhance my ballet training.


Throughout my professional career, Clara would continue to fill me with joy and great sense of achievement. It was the first big role I did with Northern Ballet, and a few years later, with The Royal Ballet. Up in Leeds, the winter season would usually open at the Grand Theatre, then tour to many places around the UK. With Northern Ballet, I also played the role of Louise (who becomes the Sugar Plum Fairy in Act II). It was a time of much learning and growth, one I will cherish forever. My partner was Hiro Takahashi, an experienced dancer who taught me a great many things, one of them being to let HIM do the partnering!


A very smily Sugar Plum fairy and her cavalier

It so happens for inexperienced ballerinas that we try to do too much, becoming stiff and rigid, in order to “help” the men. In reality, it only makes things more difficult for them. We might be anticipating things too much, making it hard for them to know where our weight is and put us on balance. If you try and jump in preparation for a big lift and you are not coordinated with your partner, it will seem like you weigh a ton, no matter how petite you are.


The men have a very tough job at supporting us, making us feel comfortable to move freely, lifting and bringing us down graciously, making it all look effortless. We have to be very aware of each other and work together. Every dancer is different and has a different technique which may require slight adjustments, but the more you work with someone, the more you get to know them and their preferences. You find ways of communicating through movement, and you get used to being partnered a certain way. It is said that when a ballerina looks good onstage, it means she's got a very good partner!


Performing the Nutcracker pas de deux as a student with Alexandre Queruba. Brilliant partner, coach, and friend.

Partnering is not just about executing moves flawlessly and being strong and coordinated. There has to be a connection between the ballerina and her partner, something that emanates trust and ease for those who are watching. This usually happens when the couple has got a certain 'chemistry' onstage, like in romantic relationships, when one can communicate with the other by a simple look. They speak the same language and appear to feed off this exchange of energy. Good partners bring out the very best in each other.


Australian dancer Benjamin Ella and I had been partners in The Nutcracker since my debut as Clara in 2017. We have also danced together in other ballets, such as Crystal Pite's Flight Pattern, and I can always feel a special connection with him. Besides being an extraordinary dancer, he is also caring, supportive, a real pleasure to work with. To my surprise, I was to discover this year that I was not to be partnered up with Ben, and I confess feeling slightly nervous as to who my new prince would be… He'd have a tough role to fill.



Fortunately, working with Luca, my new partner, has also being a real pleasure! I always wondered why him and I had never really danced together before, since the pairings have a lot to do with heights. Things have run very smoothly from day one of rehearsals, and we have learned to trust each other. I’m very lucky indeed to have such sweet partners, who are willing to make it look the best it can, and who truly are inspiring artists. We go on a journey together, as it is always a learning experience. In the end, we get to share an indescribable moment onstage that stays in our memories forever.


With Luca Acri. Photos by Andrej Uspenski @dancersdiary

Besides my new (and hopefully continuous) partnership with Luca, there are so many things that make this years' Nutcracker feel different and even more special than ever. Due to this pandemic, we've had to overcome many obstacles in order to bring this production to life, from the basic principle of not being able to get everybody together in one studio (therefore not having our usual run-throughs), not having Chris Karr scream in our ears, to re-choreographing scenes and keeping them socially distanced.


We've created a "covid-safe" adaptation, a reworked Nutcracker. There are less people involved in the ballet, a childless battle scene, less diverts, but plenty of energy and appreciation. Everything can change from one day to the next, but for now, we are grateful for being able to work and keep up with this amazing Christmas tradition. We might not get the same wild reception of a crowded theatre, but we know how much our performances mean to those who are present, and also to those watching the magic unfold from their tv screens or laptops.


General Rehearsal, 2020. Photo Andrej Uspenski

Every time I perform Clara, it feels a little different. I remember how amazing it was to be dancing the role with Northern Ballet, and the indescribable emotion I felt when doing it in the Royal Opera House stage. My heart is filled with sweet memories of her, but looking at pictures of when I was just a young girl, performing at my mom's school, my heart fills with a nostalgia I can't quite explain. The excitement was unreal. I couldn't contain myself with happiness on that stage, it felt like nothing could ever go wrong. I was simply part of the magic.


For me, dancing has always been about love, not letting things get in the way of how good it makes you feel and how happy it makes others. I realise that I still hold on to that naiveté, the excitement of experiencing things for the very first time. I look for that genuine feeling of happiness when I'm dancing. Instead of trying to be or act like my idols, the inspiration I've been searching for has been right here all along. It is in my essence, the child within me.


Ballet Marcia Lago, 2001.

This year, I get to share my performance as Clara with an even wider audience, people from all over the world who will tune in to watch The Nutcracker Reworked being live-streamed on the 22nd of December. It means my parents, relatives, and friends can also watch from Brazil! This makes me extremely happy, honoured, and grateful for this opportunity. I hope that it brings magic and joy to many people's homes this Christmas.


To book tickets, head to https://stream.roh.org.uk/packages/the-nutcracker-4/videos/the-nutcracker?_ga=2.115450054.1965730989.1607851202-1350013260.1606768952


'Preparing for a role' is a post I wrote in August about every step of a dancer's journey to the stage, including my own preparations for Clara. Click here.


The Nutcracker (1993), NYC Ballet. The entire film can be found on YouTube.


Curtain call filmed by an audience member, January 2019.


#theatre #ballet #arts #nutcracker #christmas #dance #tradition #performance #royalballet

A magia do Quebra-Nozes


‘Durante o longo dia de 24 de dezembro, os filhos do Doutor Stahlbaum estavam proibidos de entrar na sala. Fritz e Marie aninharam-se no quarto dos fundos enquanto anoitecia. Em voz baixa, Fritz dizia à irmã mais nova que, não havia muito, vira a sombra de um homenzinho deslizar pelo corredor com uma grande caixa debaixo do braço, mas sabia muito bem que era apenas o padrinho Drosselmeier. Com isso, Marie bateu palmas de alegria e exclamou: 'Oh, o que você acha que o padrinho Drosselmeier nos trouxe desta vez?'

Assim começa a história de O Quebra-Nozes e o Rei Rato, escrita por E.T.A. Hoffmann em 1816, que inspiraria um dos mais queridos balés de repertorio. A cada temporada de inverno, companhias do mundo todo apresentam O Quebra Nozes, pois ele captura o espírito do Natal melhor do que qualquer outro. Acompanhamos a história de Clara (às vezes chamada Marie) e sua amizade com um boneco quebra-nozes que ganha vida na véspera de Natal. Juntos, eles lutam contra o Rei Rato, viajam por terras de neve até o Reino dos Doces, onde conhecem a Fada Açucarada.

Na produção de Sir Peter Wright, apresentada pelo Royal Ballet há mais de trinta e cinco anos, Clara e seu irmão se encontram no meio de uma grande festa de Natal, maravilhados com a decoração, os convidados, presentes, muita dança e, é claro, a presença de Drosselmeier. Embora seja um ato festivo e alegre, há momentos que me dão um certo arrepio. A música de Tchaikovsky enche a cena de suspense. Que mistério acerca esse padrinho e seus truques mágicos?

Quando o relógio bate meia-noite e Clara se encontra sozinha, estranhas figuras aparecem para assombrá-la. A casa é transformada no palco de uma batalha feroz entre soldados e ratos. Tudo é muito assustador para a jovenzinha, mas isso não é nem metade da história. No conto de fadas, o pobre Quebra-Nozes tem que derrotar um Rei Rato de sete cabeças!

Depois de finalmente ter lido o texto de Hoffmann, entendi porque existe esse lado sinistro do balé. Na verdade, ele é baseado em uma história bastante assombrosa, como a maioria dos contos de fada originais são. Para a alegria do público e principalmente das crianças, o segundo ato é repleto de encantamento e diversão, com números de dança incríveis e um belíssimo pas de deux. Tudo acaba bem! Foi apenas sonho?! Até Hoffmann nos deixa com essa dúvida...

O Quebra Nozes tem um lugar especial no coração de todos, assim como no meu. Todo mês de dezembro, minha mãe costumava nos levar, eu e meu irmão, para assistir O Quebra Nozes no Teatro Sergio Cardoso, apresentado pela Cisne Negro Cia de Dança. Todo ano, eu esperava ansiosamente por esse dia. Dirigida por Hulda Bittencourt, a companhia mantém essa tradição há mais de quarenta anos. Durante minhas férias em São Paulo há alguns anos atrás, tive a sorte de poder fazer aula com eles e assistir a um ensaio, testemunhando de perto seu amor e compromisso com a arte.

Além de me encantar com o balé e com a música, parte do que me hipnotizava nas produções de O Quebra-Nozes era como os adultos chegavam à festa com longos casacos de inverno e cachecóis, e as crianças usavam vestidos rendados e jaquetas de mangas compridas. A lareira estava acesa e nevava lá fora! O único Natal que conhecia era uma noite quente e abafada de verão. Nós, crianças, vestíamos nossas roupas mais leves, e no dia seguinte brincávamos na piscina, com direito a um grande churrasco ao ar livre!

Acredito que haja algo mágico em celebrar o Natal no inverno, em beber chocolate quente perto de uma lareira acesa e passar uma tarde aconchegante com a família, acolhidos dentro de casa. Adoro passear pelos mercados de Natal, ver as árvores e os prédios iluminarem-se pela cidade ... isso faz com que os dias frios e as tardes escuras sejam um pouco mais agradáveis (no inverno da Inglaterra, o sol se põe as 15h). Todos aqui esperam por um ‘white Christmas’, um Natal nevado. Faz total sentido que a festa de Clara parecesse de outro mundo para mim, e que ela viajasse por uma terra distante onde flocos de neve dançassem.


Quando era pequena, assisti inúmeras vezes a uma fita de vídeo do Quebra Nozes com o The New York City Ballet (1993), estrelado por Macaulay Culkin como o Quebra-nozes e Jessica Lynn como a doce Marie. Talvez essa seja a origem de meus mais profundos desejos de dançar a Clara, mas antes de ter essa chance, em minha primeira participação nesse balé (versão adaptada), eu seria um presentinho que sapateava e um marzipan. O espetáculo de minha mãe se chamava Um Sonho de Natal.

Aos treze anos, dancei a Clara no retorno do espetáculo Um Sonho de Natal, com o Ballet Marcia Lago. O ano era 2001 e foi marcado por grandes conquistas, quando comecei a dar sinais de um futuro promissor como bailarina. Essa seria a única vez em que eu dançaria o papel principal como aluna de minha mãe, pois mal sabíamos que eu logo partiria para o Canadá para aprimorar ainda mais meu treinamento de balé.


Ao longo de minha carreira profissional, Clara continuaria me enchendo de felicidade e marcando grandes realizações. Foi o primeiro papel principal que dancei no Northern Ballet e, alguns anos depois, no Royal Ballet. Em Leeds, a temporada de inverno geralmente começava no Grand Theatre, e depois fazíamos uma turnê por muitos lugares do Reino Unido. Com o Northern Ballet, também fiz o papel de Louise (que se torna a Fada Açucarada no segundo ato). Foi uma fase de muito aprendizado e crescimento que guardarei para sempre em meu coração. Meu partner era Hiro Takahashi, um bailarino experiente que me ensinou muitas coisas, entre elas que eu deixasse que ELE, o partner, fizesse o seu papel.

Quando inexperientes, nós bailarinas fazemos o dobro de esforço e nos tornamos tensas e rígidas para “ajudar” os bailarinos, quando na verdade, isso apenas torna as coisas mais difíceis para eles. Podemos estar antecipando demais os movimentos, sendo impossível que descubram onde está o nosso eixo. Se você tentar saltar em preparação a uma levantada e não estiver coordenada com seu partner, vai parecer que você pesa uma tonelada. Cada levantada exige extrema coordenação e sincronia.

Os bailarinos têm um trabalho muito difícil. Eles nos dão suporte, fazem com que nos sintamos confortáveis ​​para executar os movimentos livremente, nos levantam e descem com a maior graciosidade, fazendo parecer que não há esforço algum. Mas para melhor desempenho, o trabalho há de ser consciente e na medida certa. Cada bailarino ou bailarina tem o seu próprio estilo e suas preferencias, e quanto mais você trabalha com alguém, mais você os conhece e antecipa esses ajustes. Você encontra maneiras de se comunicar por meio dos movimentos e se acostuma a uma certa técnica, uma pegada diferente. Diz-se que quando uma bailarina fica bonita e confortável no palco, significa que seu partner é excelente!

A parceria de bailarinos não constitui somente em executar os movimentos com perfeição, adquirindo força e coordenação. Tem que haver um vínculo entre os dois, algo que transmita confiança e tranquilidade para quem está assistindo. Isso geralmente acontece quando o casal tem uma certa 'química' no palco, como nos relacionamentos românticos. Eles podem se comunicar por um simples olhar, falam a mesma língua quando dançam, e parecem se alimentar dessa troca de energia. Bons parceiros revelam o que há de melhor um no outro.

O bailarino australiano Benjamin Ella e eu fomos parceiros no Quebra-nozes desde minha estreia como Clara no Royal em 2017. Também dançamos juntos em outros balés, como em Flight Pattern, de Crystal Pite, e sempre sinto uma conexão especial com ele. Além de ser um bailarino extraordinário, também é atencioso e solidário. Para minha surpresa, este ano ele não seria meu partner. Confesso ter ficado um pouco ansiosa por descobrir quem seria esse novo príncipe ... Ele teria um papel difícil a desempenhar.

Felizmente, dançar com o Luca também tem sido um verdadeiro prazer! Sempre me perguntei por que nós nunca havíamos dançado juntos antes, já que as parcerias também têm muito a ver com altura. As coisas correram muito bem desde o nosso primeiro ensaio e logo ganhamos total confiança um no outro. Tenho muita sorte de ter parceiros tão adoráveis, ​​que estão dispostos a atingir o melhor possível, e que são realmente artistas inspiradores. O processo é sempre uma jornada, uma experiência de aprendizagem. No fim, compartilhamos um momento indescritível no palco que fica para sempre em nossas memórias.

Além da minha nova (e, espero, contínua) parceria com Luca, há muitas coisas que fazem com que O Quebra-nozes deste ano pareça diferente e ainda mais especial do que nunca. Devido à pandemia, tivemos que superar muitos obstáculos para dar vida a essa produção, partindo do princípio básico de não podermos reunir todos os bailarinos em um só estúdio (portanto, não poder correr o balé como de costume), não termos nosso ensaiador Chris Karr, a recoreografarmos cenas para mantê-las socialmente distantes.

Criamos uma adaptação, "covid -safe ", um quebra-nozes reformulado. Há menos pessoas envolvidas no balé, uma cena da batalha sem crianças (geralmente elas são soldadinhos e ratos), menos números, mas muita energia e valorização. Tudo pode mudar de um dia para o outro, mas por enquanto, somos gratos por poder trabalhar e manter essa tradição natalina incrível. Podemos não ter a mesma recepção de um teatro lotado, mas sabemos o quanto nossas performances significam para aqueles que estão presentes, e também para aqueles que assistem à magia em suas telas de televisão ou laptops.

Cada vez que desempenho o papel de Clara, ele me parece um pouco diferente. Lembro-me de como foi incrível dançá-lo com o Northern Ballet, e a emoção indescritível que senti ao fazê-lo no palco da Royal Opera House. Meu coração está cheio de doces lembranças dela, mas olhando as fotos de quando eu era apenas uma menina, dançando na escola da minha mãe, meu coração se enche de uma nostalgia que não consigo explicar. A emoção era surreal. Eu não me cabia de felicidade no palco, parecia que nada poderia dar errado. Eu simplesmente fazia parte da magia.

Para mim, dançar sempre foi uma relação de amor, não deixar que as coisas atrapalhem o quão bem você se sente e a felicidade que a dança traz aos outros. Percebi que ainda me apego à emoção de experimentar as coisas pela primeira vez e procuro esse sentimento genuíno de felicidade quando danço. Eu sempre me preocupo em querer fazer o meu melhor, em estudar cada papel e aprimorar cada detalhe, mas ao invés de tentar ser ou agir como meus ídolos, a inspiração que tanto procurei para desempenhar este papel esteve comigo o tempo todo. É a minha essência, a criança dentro de mim.

Este ano, poderei compartilhar minha performance como Clara com um público ainda maior, pessoas de todo o mundo que irão assistir O Quebra-Nozes Reworked sendo transmitido ao vivo no dia 22 de dezembro. Isso significa que meus pais, parentes e amigos também poderão assistir do Brasil, e isto me deixa extremamente feliz, honrada e grata por esta oportunidade. Espero que ela traga magia e alegria para muitos lares neste Natal.

Para reservar ingressos, acesse https://stream.roh.org.uk/packages/the-nutcracker-4/videos/the-nutcracker?_ga=2.115450054.1965730989.1607851202-1350013260.1606768952

284 views