Ballet, books & other stories

Ballet, livros e outras histórias

Versão em português abaixo


Inspiration comes from everywhere. For me, it is in movies I watch, personal stories I hear, watching someone at work, and mainly in books I read. That has been constant in my life. I have always relied on what I read for guidance. Books have opened my eyes to many things and have helped me cope with the worst of times. It isn’t just a matter of being transported to a different world, but also how I resonate with characters and see part of me living that "reality" too.


The first book I fell in love with was Soprinho, by Fernanda Lopes de Almeida. I must have been six or seven years-old when mom used to read it to me, and I still recall the curious tone of her voice. I loved it so much that I decided on copying the entire book by hand, page per page. I didn't carry on the task very far, but it sounded like a great idea at first.



'All the forests in the world are enchanted. If you don't believe it, it's because you don't know Soprinho. Only he has the power to make us see everything differently. You discover a world inhabited by fairies, magicians, goblins, geniuses, all of them given over to a mysterious job. And finally, unravel the great enigma - after all, who is good and who is bad in the realm of nature? But Soprinho leaves another question in the air - what is good and what is bad in our own life?'


The only thing I remember of Soprinho is that one afternoon, a boy in the shape of a cloud interrupts three kids who played in a veranda, persuading them to go on an adventure through an enchanted forest (I got this far with my writing). I have no idea what the purpose of their journey was, only that every time Soprinho blew air in their faces, the children were able to see magical beings who lived in the forest.


Even though I end up forgetting its plot, the essence of a book stays with me. I remember exactly how it made me feel. Curious, hopeful, thoughtful, happy, or sad, how I change the way I perceive my own life. The books I love carry a deeper meaning that resonates with me, exerting a certain influence that motivates me. They are a source of inspiration for how I portray many roles.


Fairies in The Dream. by Will Bracewell

My diaries have been filled with passages from novels, biographies, quotes, even lyrics that provoke memories and emotions. Ever since I was little, I had the urge to make a record of things that stir me, as if by writing them down I was imprinting the words in my heart. Or maybe I just thought I'd need to remind myself of them one day, of how true all of it seemed to me.


In my pre-teens, I became obsessed with a series of mystery books. It strikes me as odd that I have never read any of Agatha Christie's novels, since I very much enjoyed this sort of suspenseful plots, doing the detective work. I remember very little about them, but I read lots from the Vagalume collection. These were the years when I used to get told off by my father for wanting to just stay in my bedroom devouring books, even in sunny days when my cousins were playing outside. Very antisocial of me.



No one in my family really enjoys reading. My mom does it occasionally, on trips or holidays. She says she doesn’t have the time for it, her life is too hectic. Leo, my brother, enjoys hisTop Gear issues and all kinds of astronomy and space news, but I don’t think I have ever seen him sat down with a book in his hands. Dad is a lost cause. I have tried to encourage him but every book I have given him, he can’t read pass the foreword. It's even become a joke in the family. I always felt like a fish out of water, wondering where my interest in literature came from.


Thankfully, my godmother was there to save the day. A book lover herself, madrinha (as I call her) always gave me books for Christmas, or birthdays, or for no special reason at all. In most of her visits, she would bring me a little rectangular gift wrapped in gold paper. I knew it straight away that she had been to Saraiva, my favourite bookshop. She was the one to introduce me to the The Princess Diaries series, by Meg Cabot, another of my favourite teenage readings, and The Sisterhood of the Travelling Pants. Later on, she would also get me into Jojo Moyes’ Me Before You series.


Madrinha, the book enthusiast

The Princess Diaries series

I also shared my love for books with my great aunts, tia Cida and tia Cleide. I always looked forwards to opening their presents. Tia Cleide brought me The Little Prince and books by Isabel Allende (I’ve read quite a few from her) and Jostein Gaarder (The Christmas Mystery and Sophie’s World). Some of these I came to appreciate even more as I got older. I used to visit book shops with tia Cida and always followed her recommendations, like The Book Thief, one of my favourites.



The first book I ever read in English was Harry Potter and the Sorcerer’s stone. It was a worthy challenge! I believe I started it during summer school in Toronto as a way of keeping occupied and not missing my family, but also of learning the language. And of course, I became a huge fan of the series, looking forwards to every new book or film. England already had a special place in my heart, and as silly as it sounds, after following Harry through Hogwarts and the streets of London, my admiration and desire to live here only grew!


When visiting Edinburgh on tour with Northern Ballet, I made sure to make a stop at a little cafe regarded as 'the birthplace of Harry Potter'. As soon as I walked in, I thought.. really?? Is this really where J.K. Rowling used to sit and write her stories?? There was nothing special about 'The Elephant House', although I do remember seeing a grand, old school outside their window that slightly resembled Hogwarts. I'm not sure how much of it is true that she really felt inspired there, or if I just really wanted to convince myself it was true.



At school in Canada, I read a lot of biographies of dancers and artists I admired, wanting to discover their secret to success. NBS had a library with a great selection of ballet books and novels, and I borrowed many to read in my spare time. I was greatly inspired by the autobiography of Margot Fonteyn, and transfixed by Gelsey Kirkland’s account on her troubles with drugs and eating disorder in her Dancing on my Grave. A dancer's life comes with much sacrifice and devotion, that I could be sure of. There is a lot that goes on beneath the surface, beyond the beauty, grace, and magic that we see on stage.

Reading about people’s success stories, their journeys and struggles, have always helped me tremendously. What do all these heroes have in common? What advice can I take from them? What difficulties have they overcome? A couple of years ago, I read the biography of a Brazilian Olympic athlete, Joaquim Cruz. O Matador de Dragões (The Dragons' killer) deals with the emotional side of competing, how Cruz dealt with anxiety (what he calls his dragons) and swiftly recovered from serious injuries, being a great example of strength and resilience which I also seek in my profession. Michelle Obama's Becoming was the latest autobiography I read, which I would highly recommend.



The beauty of the language matters, but what really pulls me into a story is how it resonates with me. Stories of victory at the face of all adversity and discovering who you truly are… that started to really engage me. I became very, very interested in philosophical books, in discovering the meaning of true happiness and how to best live our lives. I tried to apply all the lessons learned, always asking myself how I could best live mine.


Books by Brazilian author Paulo Coelho had a profound impact on me. In my early twenties, I went on to read almost every title, I loved the messages behind them. When Coelho was 38 years old, a spiritual awakening made him realise his true calling was to be a writer, a story he told in his first book, The Pilgrimage. But it was The Alchemist, his second book (and my favourite), that made him famous. His books propelled me to leave the ballet company where I worked and follow my dream. I thank him for giving me courage and making me believe in destiny.


‘When you want something, all the universe conspires in helping you to achieve it.’ – The Alchemist


Books have taught me a great deal, and have constantly reminded me of things I treasure most and the person I want to become. They perfectly reflect each phase of my childhood and adolescence, every obstacle I overcame.


Many writers have transported me to the world of their characters, and there is always something so compelling about their stories which can teach us such valuable lessons. The Kite Runner is at the top of my list, also Arundathy Roy's The God of Small Things and Murakami's Norwegian Wood. These are novels that are so beautifully written, they have moved me to tears.


Why are there certain books we read that make us change the way we think and feel? I realise now that the true meaning of a passage, the resonance it has with my personal life, is what makes me enjoy reading. If I was to become a writer, this is what I would like to be able to do. To offer readers some comfort, a new perspective, to give hope and shine a light in their path, just like others have done to mine.


At just the start of my writing course, I’ve already seen how much I can relate this art form to dancing. All artists have the same insecurities and fight very similar battles. What they want most is to be able to move people. One has to be extremely sensitive, observant, confident in your ideals, and tap into the unconscious and imagination to create something valuable and everlasting. When they do, it is pure magic.


#books #ballet #reading #writing #life #journey #dancing #learning #inspiration

Ballet, livros e outras histórias


A inspiração nos vem de tudo quanto é canto. Para mim, está nos filmes que assisto, nas histórias de amigos, vendo alguém se superar no trabalho, e principalmente nos livros que leio. Isso tem sido algo constante em minha vida. Sempre confiei no que lia para me orientar. Os livros abriram meus olhos para muitas coisas e me ajudaram a enfrentar os piores momentos. Não apenas por me transportarem a um mundo diferente, mas também por me identificar com os personagens e ver parte de mim vivendo sua mesma “realidade”.

O primeiro livro pelo qual me apaixonei foi Soprinho, de Fernanda Lopes de Almeida. Eu devia ter seis ou sete anos quando minha mãe costumava ler, e ainda me lembro do tom curioso de sua voz. Adorei tanto que decidi copiar o livro inteiro à mão, página por página. A princípio, me pareceu uma ideia brilhante, mas não cheguei a passar do primeiro capítulo.

‘Todos os bosques do mundo são encantados. Se você nao acredita, é porque não conhece Soprinho. Só ele tem o poder de fazer a gente ver tudo de forma diferente. Basta receber o seu sopro e pronto! Você descobre um mundo habitado de fadas, mágicos, duendes, gênios, todos eles entregues a um trabalho misterioso. E por fim desvenda o grande enigma- afinal, quem é bom e quem é mau no reino da natureza? Mas Soprinho ainda deixa outra pergunta no ar - o que é bom o que é mau na nossa própria vida?'

A única coisa que me lembro da história de Soprinho é que numa certa tarde, um menino em forma de nuvem interrompe três crianças que brincavam na varanda, convencendo-os a se aventurarem por uma floresta encantada (foi até onde cheguei com a minha escrita). Não tenho ideia de qual era o propósito de sua viagem, mas toda vez que Soprinho soprava nas crianças, elas podiam ver seres mágicos que viviam na floresta.

Mesmo que acabe esquecendo seu enredo, a essência de um livro fica comigo. Lembro exatamente como ele fez me sentir. Curiosa, esperançosa, pensativa, feliz ou triste, ou como mudo a maneira de encarar a vida. Os livros que mais amo carregam um significado mais profundo que me tocam, exercem uma certa influência que me motivam. São uma fonte de inspiração para a forma como interpreto muitos de meus papéis.

Meus diários estão repletos de passagens de romances, biografias, até letras de música que provocam memórias e emoções. Desde pequena, registrava as coisas que me sensibilizavam, como se ao escrevê-las, estivesse a gravar aquelas palavras em meu coração. Talvez eu só pensasse que um dia precisaria recordar desses momentos, de como tudo representava uma verdade para mim.

Na pré-adolescência, fiquei obcecada por uma série de livros de mistério. Estranho nunca ter lido nenhum de Agatha Christie (autora inglesa famosa por seus livros de suspense) pois gostava muito desse tipo de enigma e de fazer o trabalho de detetive. Li muitos da coleção Vagalume. Foram anos em que era repreendida por meu pai por só querer ficar no quarto devorando livros, mesmo em dias de sol em que meus primos brincavam lá fora. Que antissocial da minha parte.

Ninguém na minha família é apaixonado pela leitura. Minha mãe lê de vez em quando, em viagens ou feriados. Ela diz que não tem tempo para isso, que sua vida é muito agitada. Leo, meu irmão, gosta de revistas como Top Gear e todos os tipos de textos sobre astronomia e espaço, mas acho que nunca o vi sentado com um livro nas mãos. Meu pai é uma causa perdida. Tentei encorajá-lo dando meus favoritos de presente, mas ele não consegue nem passar da dedicatória. Isso até se tornou piada na família. Sempre me senti um peixe fora d'água, imaginando de onde teria vindo esse meu interesse pela literatura.

Felizmente, minha madrinha estava lá para salvar. Ela mesma é uma grande leitora, e sempre me presenteou com livros no Natal, aniversário, ou mesmo sem um motivo especial. Quando ia nos visitar, trazia um presentinho retangular embrulhado em papel dourado. Eu já adivinhava ser algo da Saraiva, minha livraria favorita. Foi ela quem me apresentou a série do Diário da Princesa, de Meg Cabot, uma das minhas leituras adolescentes favoritas, e a A Irmandade das Calças Viajantes. Mais tarde, também me presentearia com a série completa de Como eu era antes de você, de Jojo Moyes.

Também compartilho meu amor por livros com minhas tias-avós. Sempre ficava ansiosa por abrir presentes da tia Cleide, como O Pequeno Príncipe e livros de Isabel Allende (li muitos dessa autora chilena) e de Jostein Gaarder (como O mistério do Natal e O mundo de Sofia). Alguns desses passei a apreciar ainda mais quando mais velha. Eu e tia Cida fazíamos nossas visitas as livrarias. Sempre segui suas excelentes indicações, como A menina que roubava livros, que se tornou meu favorito.

“Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.” O Pequeno Principe

O primeiro livro que li em inglês foi Harry Potter e a pedra filosofal. Foi um desafio e tanto, mas valeu a pena! Acredito que comecei a lê-lo durante meu primeiro curso de verão em Toronto como uma forma de me manter ocupada e não pensar nas saudades que sentia da família, e também por aprender o idioma. Mas, é claro, tornei-me grande fã da série, ansiosa por cada lançamento de livros e filmes. A Inglaterra já ocupava um lugar especial em meu coração, e por mais bobo que pareça, depois de seguir Harry por Hogwarts e pelas ruas de Londres, minha admiração e desejo de morar aqui só aumentaram!

Ao visitar Edimburgo em turnê com o Northern Ballet, fiz questão de fazer uma parada num pequeno café considerado 'o local de nascimento de Harry Potter'. Assim que entrei, pensei será verdade?? Era aqui que JK Rowling costumava se sentar e escrever?? Não havia nada de especial em 'The Elephant House', embora me lembre de ter visto pela janela uma escola enorme e muito antiga que realmente me lembrou Hogwarts. Não posso afirmar se foi mesmo ali que ela se inspirou, ou se eu só queria acreditar a qualquer custo.

Na escola do Canadá, li muitas biografias de bailarinos e artistas que admirava, querendo descobrir o segredo para o sucesso. A NBS tinha uma biblioteca com uma grande seleção de livros de balé e outros romances, e eu pegava muitos emprestados para ler em tempo livre. Fiquei inspirada com a autobiografia de Margot Fonteyn, e chocada ao ler o relato de Gelsey Kirkland em Dançando em meu tumulo sobre seus problemas com drogas e distúrbios alimentares. A vida de um bailarino exige muito trabalho e dedicação, disso eu podia ter certeza. Há um mundo de desafios e sacrifícios além da beleza, graciosidade e leveza que vemos no palco.

Ler sobre jornadas de sucesso sempre me ajudou tremendamente. O que todos esses heróis têm em comum? Que conselho posso ouvir deles? Que dificuldades eles superaram? Há alguns anos li a biografia de um atleta olímpico brasileiro em O Matador de Dragões. A biografia de Joaquim Cruz lida com o lado emocional do esporte e da competição, como superou a ansiedade (que ele chama de seus dragões) e rapidamente se recuperou de lesões graves, sendo um grande exemplo de força e resistência que também busco em minha profissão. O Becoming (Minha História) de Michelle Obama foi a autobiografia mais recente que li, e também recomendo.

A beleza da linguagem é importante, mas o que realmente me atrai numa escrita é como me identifico com ela. Histórias de vitória diante de mil adversidades, descobrir quem realmente somos ... essas começaram a me atrair mais e mais. Fiquei muito interessada em livros filosóficos, em descobrir o significado da verdadeira felicidade e de como viver bem nossas vidas. Procurei aplicar todas as lições aprendidas, sempre questionando como poderia viver melhor a minha.

Os livros do autor brasileiro Paulo Coelho tiveram um impacto profundo em mim. No início dos meus vinte anos, li quase todos os seus títulos porque adorava as mensagens por trás deles. Quando Coelho tinha 38 anos, um despertar espiritual o fez perceber que sua verdadeira vocação era ser escritor, história que contou em seu primeiro livro, Diário de um Mago. Mas foi O Alquimista, seu segundo livro (e meu favorito), que o tornou famoso. Seus livros me impulsionaram a deixar a companhia de balé onde trabalhava e seguir o meu sonho. Agradeço a ele por ter me dado a coragem e fazer acreditar em meu destino.

'Quando você deseja algo, todo o universo conspira para ajudá-lo a alcançá-lo.' - O Alquimista

Os livros sempre me lembraram daquilo que mais valorizo na vida, e da pessoa que almejo ser. Refletem perfeitamente cada fase da minha infância e adolescência, cada superação. Muitos escritores nos transportam para o mundo de seus personagens, e sempre ha algo revelador em suas histórias que nos ensina lições valiosas. O caçador de pipas está no topo da minha lista, também O Deus das pequenas coisas de Arundathy Roy e Norwegian Wood de Murakami. São romances tão lindamente escritos que me fizeram chorar.

Por que existem certos livros que nos fazem mudar a maneira como pensamos e nos sentimos? Percebo agora que o verdadeiro significado de suas palavras e como as relaciono com minha vida é o que me faz gostar de ler. Se um dia me tornar escritora, é isso que mais gostaria de fazer, oferecer aos leitores um conforto, uma nova perspectiva, criar esperança e iluminar seus caminhos, assim como outros fizeram comigo.

No início do meu curso de escrita, já vi o quanto posso relacionar essa arte com a dança. Todos os artistas têm as mesmas inseguranças e travam batalhas muito semelhantes. O que mais desejam é poder tocar as pessoas. É preciso ser extremamente sensível, observador, confiante em seus ideais e poder usar o inconsciente e a imaginação para criar algo valioso e eterno.

160 views

Drop me a line here. Let me know what you think! 

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com